A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Custos Externos1 Economia dos Transportes Custos Externos © João Rui Marrana, Março 2002.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Custos Externos1 Economia dos Transportes Custos Externos © João Rui Marrana, Março 2002."— Transcrição da apresentação:

1 Custos Externos1 Economia dos Transportes Custos Externos © João Rui Marrana, Março 2002

2 Custos Externos2 Externalidades custos provocados pela actividade dos transportes que afectam o bem estar de terceiros sem que haja lugar a uma compensação Exemplos ruído imposto às populações que habitam nas imediações de um aeroporto: este gera ruídos, população residente suporta-os; poluição atmosférica gerada pela queima de combustíveis: veículos emitem gases, toda a população suporta os seus efeitos.

3 Custos Externos3 Dimensão do Problema A dimensão das externalidades é de tal ordem que um objectivo política comum de transportes é aproximar o preço destes aos custos que impõe à sociedade Estudos recentes da Comissão Europeia indicam como valor global dos custos externos associados ao sector dos transporte de Milhões de custos externos decorrentes da actividade dos transportes representam cerca de 4% do PIB comunitário

4 Custos Externos4 Externalidades Tecnológicas e Externalidades Pecuniárias Externalidades Pecuniárias: Alteração dos custos de terceiros decorrentes da actividade de um competidor; Correspondem a uma transferência de recursos Exemplo: Construção de áreas de serviço numa auto-estrada - conduzem à redução da actividade dos postos de venda de combustíveis anteriormente existentes Externalidades Tecnológicas: Aparecem reflectidas na função de produção ou de utilidade Obrigam a um consumo adicional de recursos Exemplo: Construção de uma auto-estrada que degrada o equilíbrio de uma paisagem, reduzindo a função de utilidade dos residentes que são prejudicados

5 Custos Externos5 Transportes e Ambiente: Optimização de Custos Até onde levar a redução das externalidades tecnológicas? Numa perspectiva ambiental fundamentalista: até à eliminação dos efeitos; Numa perspectiva económica: optimizando os custos globais, incluindo quer a redução dos custos externos quer os custos necessários para provocar essa redução Numa perspectiva económica a situação óptima corresponde ao equilíbrio entre custos marginais e benefícios marginais; Numa perspectiva ambiental fundamentalista a situação desejável corresponde à situação Q1, gerando um custo superior à solução anterior correspondente à área a tracejado;

6 Custos Externos6 Acidentes Dimensão: Na União Europeia morrem anualmente pessoas vítimas de acidentes de transportes, dos quais mais em Portugal A preços de 1987, os custos com acidentes em Portugal nesse ano ascenderam a cerca de Milhões Uma parte dos custos decorrentes dos acidentes são custos internos, através dos seguros de responsabilidade civil Quais são então as componentes externas? –riscos não cobertos pelos seguros (manchas de crude, por ex.); –custos com carácter público não reclamados por ninguém (custos sociais da perda de vidas humanas, custos de hospitalização, atrasos associados a acidente na via)

7 Custos Externos7 Acidentes Avaliação das Componente Externas –Métodos de avaliação da perda de produção: determinação da perda para o sistema económico decorrente da situação gerada: no caso da perda de uma vida humana será avaliada a diferença entre a produção esperada pelo indivíduo e o seu consumo no resto da sua vida –Métodos de avaliação da perda de consumo considerando que o o consumo corresponde a uma avaliação da qualidade de vida, ou seja da utilidade na perspectiva individual, então o que importará avaliar será a perda líquida de consumo decorrente da perda de uma vida humana por exemplo. –Valores de Referência para uma vida humana uzados na análise da rentabilidade de investimentos em segurança Reino Unido 0.75 M; Alemanha 0.6 M; Estados Unidos M;

8 Custos Externos8 Ruído Custo externo –Transportes impõe a exposição da população a níveis de ruído de tráfego excessivamente elevados –afecta o bem-estar dessas pessoas: efeitos psicológicos e fisiológicos (cansaço, stress, distúrbios no sono) Dimensão: –mais de 100 milhões de habitantes dos países industrializados expostos a níveis de ruído de tráfego inaceitáveis [ >65 dB(A)]. 60 a 80 milhões são habitantes da União Europeia

9 Custos Externos9 Ruído Quantificação económica decorrente da avaliação dos níveis de ruído existentes, das populações que sujeitas, da atribuição do valor económico que se atribui a esta perturbações do seu bem-estar Desconforto é função da intensidade e da frequência: Definido o dB(A) - ponderação dos níveis sonoros observados pesando o desconforto associado à frequência registada Para quantificar o desconforto global, utiliza-se o L 10 : nível médio de ruído dos 10% do tempo observado em que se registam níveis mais elevados

10 Custos Externos10 Ruído Atribuição de um valor monetário ao desconforto: Quantificação difícil Método de avaliação para o III Aeroporto de Londres: variação dos preços das propriedades nas imediações dos aeroportos existentes com a distância a estes – regressão entre a desvalorização e o nível de ruído decorrente da existência de um aeroporto.

11 Custos Externos11 Poluição Atmosférica Principal Origem: Queima de combustíveis fósseis (motores de combustão interna ou produção energia consumida na actividade dos transportes) Gera poluentes: –monóxido de carbono (CO), –compostos orgânicos voláteis (COV) e –partículas, –oxidação do azoto do ar (NO). Efeitos: –exposição humana a níveis excessivos monóxido de carbono reduz: percepção visual, capacidade de trabalho, agilidade e capacidade de aprendizagem, podendo ser letal; –COV e os óxidos de azoto: aumento na produção de ozono, existência de doenças respiratórias, afecta também produções vegetais. –Partículas: agravamento de problemas respiratórios e doenças cardiovasculares, alteram no sistema imunitário, em alguns casos cancerígenas.

12 Custos Externos12 Poluição Atmosférica Para além dos problemas de escala regional e local, Existem Efeitos globais: chuvas ácidas (afectam o manto vegetal e as espécies aquáticas) efeito de estufa (concentração excessiva de CO2)

13 Custos Externos13 Congestionamento Custo Externo Condutores quando optam por utilizar uma via com elevado tráfego irão ser afectados por um consumo elevado de tempo Irão também impor aos restantes utilizadores uma redução da velocidade de circulação e, por isso, um acréscimo de tempo consumido.


Carregar ppt "Custos Externos1 Economia dos Transportes Custos Externos © João Rui Marrana, Março 2002."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google