A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

"Desafios de uma prática regional de Jornalismo Científico e Popularização da Ciência e Tecnologia” Profª Drª Simone Bortoliero Associação Brasileira de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: ""Desafios de uma prática regional de Jornalismo Científico e Popularização da Ciência e Tecnologia” Profª Drª Simone Bortoliero Associação Brasileira de."— Transcrição da apresentação:

1 "Desafios de uma prática regional de Jornalismo Científico e Popularização da Ciência e Tecnologia” Profª Drª Simone Bortoliero Associação Brasileira de Jornalismo Cientifico Universidade Federal da Bahia Doutora em Comunicação Cientifica e Tecnológica (UMESP) Pós- Doutorado em Midia, Meio Ambiente e Energia (Unicamp) 2008

2 Políticas Públicas /Educação Cientifica ► Criação de espaços de divulgação cientifica; ► Formação de professores de Ciências comprometidos com uma ciência cidadã e com uma tecnologia que leve justiça social. Cuidados com ensino fundamental e médio; ► Formação crítica para leitura de mídia pelos jovens nas escolas; ► Produção de materiais realizados pelos jovens. Porque tem muita coisa ruim na TV e na Internet e os jovens precisam saber opinar e escolher sobre o que é bom e ruim no campo da C&T (Educação para Mídia)

3 Jornalistas ► Formação de Jornalistas na Graduação (com caráter investigativo e crítico); ► Investimento na Formação de Pesquisadores nas diferentes regiões (com mestrado e doutorado); ► Na Bahia por exemplo duas frentes se consolidaram nos últimos anos - Pós em Cultura e Sociedade e Pós em Ensino, Filosofia e História das Ciências, ambas na UFBA com as linhas de pesquisa Cultura e Ciência, Divulgação Cientifica, Percepção Pública da Ciência e da Tecnologia.

4 Produção regional de qualidade em C&T Produção de materiais audiovisuais realizados por professores de ciências da rede pública (hoje estamos usando o Youtube) – através do oferecimento de oficinas de Comunicação para a Educação Científica, feita por jornalistas; ► Parceria entre as instituições públicas e privadas na criação de cursos de capacitação para as assessorias de comunicação das instituições e órgãos de pesquisa; ► Criação de Centros e Núcleos de Jornalismo Científico e Divulgação Cientifica nas diferentes regiões com o objetivo de favorecer um Jornalismo Cientifico para a Educação Cientifica; ► Agências de noticias on line no campo de C&T; ► Investimentos em projetos multidisciplinares e criação de redes de pesquisa no campo do jornalismo cientifico.

5 Críticas ao atual modelo/o ideal ► Uma informação que nos impõe o uso de tecnologias sem justiça social; ► Informações sobre pesquisas oriundas do eixo Rio-SP; ► Uma divulgação cientifica pouco comprometida com o desenvolvimento humano e social das regiões brasileiras; ► Necessidade de uma visão multidisciplinar ao olharmos os fenômenos científicos; ► Desafios na formação dos jornalistas e de divulgadores científicos no século XXI (formação multidisciplinar) ► Defesa de um jornalismo investigativo no campo da ciência e da tecnologia. Ou seja, deveremos dar conta de uma formação critica com relação a temas de Ciência, Tecnologia e Inovação e se estamos veiculando pesquisas nas diferentes regiões que estão contribuindo para a melhoria da qualidade de vida na terra. ► Modelo de comunicação unidirecional entre jornalistas e cientistas; ► Mito da ciência como verdade absoluta;

6 Popularização da C&TI (via jornalismo) ► Projetos de criação de Centros de Ciências reunindo jornalistas, pesquisadores e bolsistas de ensino médio e graduação (iniciação cientifica); ► Incentivo a projetos de bolsas para jornalismo científico, via instituições de pesquisas nos estados brasileiros (única possibilidade de pesquisa e de produção na área de popularização via diferentes mídias); ► Exemplo: Projeto Jovens Repórteres Científicos são espaços para a experimentação de metodologias de comunicação que podem contribuir com a formação de uma cultura científica entre jovens de áreas urbanas e ruraiis;; ► É necessário dentro das Universidades um esforço de co-produção de equipes multidisciplinares que pensem em políticas de popularização da ciência e tecnologia para fora de seus muros; ► Parcerias inter-institucionais entre laboratórios (citar UFBA, como LabTV da FACOM e Instituto de Biologia e institucionais (secretarias, universidades, ong”s); ► Convencimento dos pesquisadores/ programas nos canais universitários/luta por satélites/ agências on line como ciência press, comciência.

7 Comunicando a Ciência & Tecnologia de forma regional ► Cada região tem contrastes sociais, econômicos e diferentes culturas; ► Eu gostaria de lembrar que nossa formação cientifica está baseada numa ciência eurocêntrica, branca e masculina que moldou todo o sistema de educação cientifica do povo brasileiro nas últimas décadas. E a partir do meu estado, a Bahia, local que escolhi para trabalhar como professora e pesquisadora, fui percebendo como essa realidade implicou na baixa auto-estima dos afrodescentes no que se refere a escolha por carreiras de Ciência e Tecnologia;

8 Formação da Cultura Cientifica ► As concepções do racismo científico disseminados nos meios acadêmicos a partir do século XIX; ► Na sociedade brasileira atual, ainda há concepções que norteiam o senso comum da população brasileira. A história do branco civilizado, do negro mais afeito ao trabalho brutal e do “selvagem” indolente indígena, persiste e tem moldado gerações, contribuindo para consolidar relações sociais de subalternidade em que a pirâmide socioeconômica dos segmentos étnicos reflete o papel do fator racial em nossa organização social. ► É o que venho percebendo em meus estudos de pós doutorado sobre a produção de biocombustíveis e o trabalho escravo nos canaviais de São Paulo.

9 Cultura Cientifica ► Essa faceta político-ideológico contida na história do desenvolvimento da ciência no Brasil não pode ser desprezada quando temos como meta um Jornalismo Cientifico comprometido com a popularização desse saber, sobretudo para os segmentos excluídos como os afrodescendentes e indígenas, os quais foram objetos dessa ciência e por conseguinte tiveram sua auto-imagem depreciada em prol de esquemas classificatórios que os colocavam nas escalas mais inferiores em termos intelectuais. ► E no sul, como estão questões semelhantes? Os jovens independente de cor, religião, classe social estão tendo acesso ao conhecimento cientifico através de projetos de popularização, de que forma e quais são estes espaços.

10 Qual o papel do pesquisador na divulgação cientifica ► Os pesquisadores preocupados com a divulgação científica devem se perguntar inicialmente a quem pertence o conhecimento? Se fizermos esta pergunta entenderemos que a ciência é um fenômeno cultural e está intimamente ligada às outras manifestações culturais. ► Portanto, algumas comunidades detém, socialmente, o menor prestígio, isto é, acabam resistindo a menos códigos. ► Assim, devemos compreender que a validação de saberes populares pela academia é acompanhada de transferência deles para classes de maior poder econômico, com a usurpação daqueles que os produziram e detinham. ► Ex: patrimônio genético. Patentes de plantas medicinais. ► Prestar contas do investimento da pesquisa; ► Melhorar a qualidade de vida das populações; ► Democratizar o acesso ao conhecimento cientifico, entre outros.

11 Qual o papel do jornalista cientifico? ► Cobrar políticas públicas que favoreçam uma melhor qualificação de nossos professores de ensino de ciências. Não é possível que um comerciante dê aulas de química, física, biologia, matemática, português, historia ou geografia no interior da Bahia. Pq senão é impossível falar de jornalismo cientifico para a maioria; ► Devemos levar em consideração os estudos sobre percepção pública da ciência entre jovens, professores, donas de casa, etc...verificando níveis de alfabetização cientifica e além disso conhecer as diferentes culturas espalhadas pelo Brasil. A tarefa não é fácil, mas é de jornalistas e cientistas, professores e pesquisadores.... ► A comunicação é um processo de interlocução. De diálogo. A ciência é uma questão social e portanto a comunicação é indispensável; ► Entender que o discurso do cientista é uma representação de suas formas de observação e que a verdade da ciência é provisória. O currículo lattes não pode ser fonte única de consulta de nossos jornalistas nas redações. Devemos questionar as formas de publicação, o modelo competitivo, a divisão das verbas e o investimento em pesquisas.... ► Atuar como jornalistas investigativos – falar da história das ciências, das tecnologias com justiça social, dos métodos científicos, das disputas e lobbys no congresso nacional, dos investimentos em uma determinada linha de pesquisa e não em outra, falar das políticas públicas federais, estaduais e municipais na área de C&TI. ► Fazer C&T é uma atividade humana, com implicações diretas nas atividades sócio- econômicas e políticas de um país.

12 Agradecimentos A Diretoria da Associação Brasileira de Jornalismo Cientifico agradece o convite para a participação neste 2º Encontro de Ciência e Tecnologia do Paraná, evento organizado pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI), com apoio e estrutura da Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná (Unicentro). Obrigada Simone Bortoliero (ABJC)


Carregar ppt ""Desafios de uma prática regional de Jornalismo Científico e Popularização da Ciência e Tecnologia” Profª Drª Simone Bortoliero Associação Brasileira de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google