A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

URÉIA Acadêmica Carolina Maldonado Professor Nilo Cesar do Vale Baracho Montoria Laboratório Clínico Faculdade de Medicina de Itajubá.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "URÉIA Acadêmica Carolina Maldonado Professor Nilo Cesar do Vale Baracho Montoria Laboratório Clínico Faculdade de Medicina de Itajubá."— Transcrição da apresentação:

1 URÉIA Acadêmica Carolina Maldonado Professor Nilo Cesar do Vale Baracho Montoria Laboratório Clínico Faculdade de Medicina de Itajubá

2 Histórico Marco na história da Química Orgânica: Síntese de Wöhler “Composto do elemento carbono com propriedades características”

3 Metabolismo É uma substância produzida no fígado, a partir de CO2 e amônia, como resultado da metabolização de proteínas da alimentação. É filtrada pelos rins e eliminada pela urina, assim como a creatinina.

4 Avaliação da Função Renal Se os rins passam a não funcionar bem, essas substâncias começam a acumular no sangue; Portanto, quanto pior for a função renal, mais elevados serão os valores de uréia e creatinina; Em geral, para avaliação dos rins, solicita-se a uréia e a creatinina conjuntamente.

5 Especificidade Não é tão específica para avaliação da função renal como a creatinina, já que a uréia pode vir alterada em casos de: -desidratação, -uso de diuréticos, -sangramento digestivo, -alimentação rica em proteínas, -doença do fígado, etc. Porém é mais sensível a alterações primárias das condições renais, por isso é um marcador que tem forte importância em casos que envolvam esta condição.

6 Valores de referência Os valores de referência ou normais para uréia: 10 a 40 mg/dl.

7 Valores Aumentados Insuficiência renal aguda ou crônica; Choque; Insuficiência cardíaca congestiva; Desidratação acentuada; Catabolismo protéico aumentado; Perda muscular; Alguns medicamentos também podem causar aumentos da uréia (tetraciclinas com uso de diuréticos, é um caso).

8 Valores Diminuídos Casos de gravidez (segundo trimestre); Diminuição do consumo de proteínas; Uso de reposição de fluidos intravenosa: Insuficiência hepática severa; Infância; Desnutrição; Certos medicamentos como hormônios anabolizantes, estreptomicina, cloranfenicol.

9 Os Rins Os rins, além do controle da água corporal, também agem: - Excreção de substâncias sanguíneas, como remédios ou toxinas; - Controle dos níveis sanguíneos de eletrólitos, como potássio, sódio, magnésio, cálcio e fósforo; - Produção de hormônios que controlam as hemácias; - Controle da função da coagulação do sangue; - Controle do pH sanguíneo; - Controle da pressão arterial.

10 Importância da Dosagem Estima-se que em todo o mundo existam milhões de pessoas com algum grau de disfunção dos rins. Inúmeras doenças podem levar à doença renal crônica, mas seis delas correspondem a grande parte dos casos: -Hipertensão -Diabetes -Rins policísticos -Glomerulonefrites -Infecções urinárias de repetição -Cálculos renais de repetição

11 Referências Bibliográficas funcao-renal-verificando-valores-normais-no-sangue/ funcao-renal-verificando-valores-normais-no-sangue/ ureia.htm ureia.htm creatinina.html creatinina.html


Carregar ppt "URÉIA Acadêmica Carolina Maldonado Professor Nilo Cesar do Vale Baracho Montoria Laboratório Clínico Faculdade de Medicina de Itajubá."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google