A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ANATOMIA CORONARIANA E DE GRANDES VASOS Dra Karen M. Gatti V. de Sousa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ANATOMIA CORONARIANA E DE GRANDES VASOS Dra Karen M. Gatti V. de Sousa."— Transcrição da apresentação:

1 ANATOMIA CORONARIANA E DE GRANDES VASOS Dra Karen M. Gatti V. de Sousa

2 TRONCO PULMONAR À esquerda da aorta ascendente Inferior ao arco aórtico Comprimento aproximado de 5cm e diâmetro semelhante ao da aorta vizinha Bifurca-se nas proximidades do arco da aorta

3 Relaciona-se posteriormente com a bifurcação da traquéia, anteriormente com a pleura mediastínica pulmão esquerdo e pleura mediastinal e medialmente com a aorta ascendente Relaciona-se posteriormente com a bifurcação da traquéia, anteriormente com a pleura mediastínica pulmão esquerdo e pleura mediastinal e medialmente com a aorta ascendente

4 TRONCO PULMONAR Origina do ventrículo direito Origina do ventrículo direito Sob pressão relativamente alta (pressão sistólica de 20 a 30 mmHg) e de modo pulsátil Sob pressão relativamente alta (pressão sistólica de 20 a 30 mmHg) e de modo pulsátil Bifurca-se em duas artérias pulmonares Bifurca-se em duas artérias pulmonares Direita Direita Esquerda Esquerda Cada uma delas se ramifica a partir do hilo pulmonar em artérias segmentares pulmonares Cada uma delas se ramifica a partir do hilo pulmonar em artérias segmentares pulmonares Ao entrar nos pulmões, esses ramos se dividem e subdividem até formarem capilares, em torno alvéolos nos pulmões. Ao entrar nos pulmões, esses ramos se dividem e subdividem até formarem capilares, em torno alvéolos nos pulmões. Hematose Hematose

5 Esquerda: 3 a 5 centímetros de comprimento e 15 a 20 milímetros de diâmetro Direita: 5 a 6 centímetros de extensão e 20 a 25 milímetros de calibre

6 Artéria pulmonar direita: Artéria pulmonar direita: é mais comprida e mais calibrosa do que a artéria pulmonar esquerda é mais comprida e mais calibrosa do que a artéria pulmonar esquerda passando por baixo do arco da aorta e ventralmente ao brônquio principal direito alcança o hilo passando por baixo do arco da aorta e ventralmente ao brônquio principal direito alcança o hilo Artéria pulmonar esquerda: Artéria pulmonar esquerda: partindo do tronco pulmonar e passando ventralmente ao brônquio principal esquerdo alcança o hilo partindo do tronco pulmonar e passando ventralmente ao brônquio principal esquerdo alcança o hilo ligada ao arco da aorta pelo ligamento arterioso ligada ao arco da aorta pelo ligamento arterioso

7 AORTA Diâmetro de 2 a 3 cm Quatro divisões Emerge do ventrículo esquerdo, posterior ao tronco pulmonar Artéria elástica, de túnica espessa e constituída, em grande parte, por lâminas de tecido elástico Paredes nutridas por "vasa-vasorum"

8 AORTA Aorta Ascendente Aorta Ascendente É um pouco dilatada em sua raiz pela presença dos chamados "seios aorticos" - três saliências em sua parede É um pouco dilatada em sua raiz pela presença dos chamados "seios aorticos" - três saliências em sua parede Ramos da aorta ascendente são as artérias coronárias direita e esquerda Ramos da aorta ascendente são as artérias coronárias direita e esquerda Arco Aórtico Arco Aórtico Curvatura que dirige para a esquerda, ventralmente a traquéia, voltando-se a seguir para baixo, por baixo do brônquio esquerdo à esquerda da traquéia e do esôfago Curvatura que dirige para a esquerda, ventralmente a traquéia, voltando-se a seguir para baixo, por baixo do brônquio esquerdo à esquerda da traquéia e do esôfago Três ramos: tronco arterial braquiocefálico esquerdo, artéria carótida comum esquerda e artéria subclávia esquerda Três ramos: tronco arterial braquiocefálico esquerdo, artéria carótida comum esquerda e artéria subclávia esquerda

9 AORTA Aorta Descendente Aorta Descendente Trecho torácico: Trecho torácico: Até aproximadamente ao nível da 12ª vértebra torácica Até aproximadamente ao nível da 12ª vértebra torácica Ramos: Artérias intercostais, Artérias brônquicas, Artérias esofagianas e Artérias Frênicas Ramos: Artérias intercostais, Artérias brônquicas, Artérias esofagianas e Artérias Frênicas Trecho abdominal: Trecho abdominal: À partir do hiato aórtico do diafragma (nível de T12) até a bifurcação À partir do hiato aórtico do diafragma (nível de T12) até a bifurcação Irrigação da região abdominal e membros inferiores Irrigação da região abdominal e membros inferiores

10 CORONÁRIAS

11 Artéria coronária direita Artéria coronária direita Corre no sulco coronário ou atrioventricular Corre no sulco coronário ou atrioventricular Dá origem ao ramo marginal direito supre a margem direita do coração à medida que corre para o ápice Dá origem ao ramo marginal direito supre a margem direita do coração à medida que corre para o ápice Após curva-se para esquerda e contínuo o sulco coronário até a face posterior do coração emite a artéria interventricular posterior que desce no sulco interventricular posterior em direção ao ápice do coração, suprindo ambos os ventrículos. Após curva-se para esquerda e contínuo o sulco coronário até a face posterior do coração emite a artéria interventricular posterior que desce no sulco interventricular posterior em direção ao ápice do coração, suprindo ambos os ventrículos. CORONÁRIAS

12 CORONÁRIAS Artéria coronária esquerda Artéria coronária esquerda Passa entre a aurícula esquerda e o tronco pulmonar Passa entre a aurícula esquerda e o tronco pulmonar Divide-se em dois ramos: ramo descendente anterior esquerdo e um ramo circunflexo Divide-se em dois ramos: ramo descendente anterior esquerdo e um ramo circunflexo O ramo descendente anterior passa ao longo do sulco interventricular em direção ao ápice do coração e supre ambos os ventrículos. O ramo descendente anterior passa ao longo do sulco interventricular em direção ao ápice do coração e supre ambos os ventrículos. O ramo circunflexo corre o sulco atrioventricular em torno da margem esquerda até a face posterior do coração, originando assim a artéria marginal esquerda que supre o ventrículo esquerdo. O ramo circunflexo corre o sulco atrioventricular em torno da margem esquerda até a face posterior do coração, originando assim a artéria marginal esquerda que supre o ventrículo esquerdo.

13

14

15 Padrões de Circulação Coronária Dominância direita (70-85%) - coronária direita estende-se além do cruxcordis e dá origem aos ramos e descendente posterior e ventricular posterior Dominância esquerda (8-15%) - os ramos DP e VP originam-se da porção distal da artéria circunflexa Co-dominância ou padrão balanceado (~7%) - a coronária direita dá origem ao ramo descendente posterior e a circunflexa aos ramos ventriculares posteriores (e, eventualmente, a outro ramo DP)

16 Ramos da Coronária Direita Ramo do cone - origina-se da coronária direita em 50% dos casos e diretamente da aorta na outra metade. Percorre a parede anterior e superior do ventrículo direito e forma o anel anastomótico de Vieussens ao nível da valva pulmonar; Artéria do nó sinusal; Ramos agudos marginais – suprem a parede livre do VD; Ramo descendente posterior – irriga a porção inferior do septo interventricular e do VE; Ramos ventriculares posteriores – irrigam a parede póstero-lateral do VE

17

18 Ramos da Coronária Esquerda Tronco da coronária esquerda: Origina-se do seio aórtico esquerdo Cursa atrás da via de saída do VD e dá origem às artérias descendente anterior e circunflexa Eventualmente (20 a 37%), um ramo intermediário também origina se diretamente do tronco; Artéria descendente anterior: Origina os ramos diagonais (irrigam a parede livre anterolateral do VE) e ramos septais (que penetram no septo interventricular);

19

20 Artéria circunflexa: Origina aos ramos obtusos marginais e o ramo atrioventricular (que continua pelo sulco atrioventricular e cuja magnitude está relacionada ao padrão de dominância).

21

22 Irrigação do Sistema de Condução A coronária direita origina o ramo do nó sinusal em 60% dos casos, independente do padrão de dominância. Nos restantes o nó sinusal é irrigado por um ramo atrial esquerdo da artéria circunflexa; A artéria do nó AV origina-se da coronária direita quando a dominância é direita e da artéria circunflexa quando a dominância é esquerda.

23 Anomalias Na Origem das Coronárias Ocorre em 1 a 2% dos casos. Em ordem de freqüência: Óstios separados das artérias DA e CX; A CX originando-se do seio de Valsalva direito ou da CD; Origem alta e anterior da coronária direita; Coronária esquerda originando-se do seio de Valsalva direito (tanto em óstio separado ou como coronária única)*; Coronária única#; Coronária esquerda originando-se da artéria pulmonar: provoca ICC e isquemia miocárdica nos primeiros 4 meses de vida. Apenas 25% dos pacientes chega à vida adulta; Coronária direita originado-se da artéria pulmonar. * e # = risco de morte súbita se um ramo principal cruzar entre a artéria pulmonar e a aorta

24 Outras anomalias Fístula coronária Fístula coronária Ponte miocárdica Ponte miocárdica Aneurismas Aneurismas

25 Projeções Angiográficas Tronco da coronária esquerda: melhor visualizado na projeção AP (especialmente o óstio) ou com leve angulação caudal (10-20º) Artéria descendente anterior: 1/3 proximal: OAD caudal e OAE cranial (coração verticalizado) ou caudal (coração horizontalizado); 1/3 médio e distal: OAD ou AP cranial, OAE cranial, lateral esquerda.

26 Artéria circunflexa: 1/3 proximal: OAD caudal, OAE caudal e perfil E; 1/3 médio e distal: OD caudal e perfil E; Origem dos ramos marginais: AP ou OAD caudal; Ramo DP (dominância E): OAD cranial e OAE cranial. Coronária direita: 1/3 proximal : OAD simples; Bifurcação distal: OAD cranial; 1/3 médio: OAD simples. Implante de mamária esquerda-DA: Anastomose distal: perfil E

27 ARCO DA AORTA

28 Origem à três artérias Origem à três artérias 1 - Tronco braquiocefálico arterial 1 - Tronco braquiocefálico arterial Artéria carótida comum direita Artéria carótida comum direita Artéria subclávia direita Artéria subclávia direita 2 - Artéria carótida comum esquerda 2 - Artéria carótida comum esquerda 3 - Artéria subclávia esquerda 3 - Artéria subclávia esquerda

29

30 Carótidas Comum Na borda superior da laringe, se dividem em artéria - carótida externa e Na borda superior da laringe, se dividem em artéria - carótida externa e - artéria carótida interna - artéria carótida interna Penetra na cavidade craniana pelo canal carotídeo do osso temporal Penetra na cavidade craniana pelo canal carotídeo do osso temporal perfura a dura-máter e a aracnóide e, no início do sulco lateral, dividi-se em dois ramos terminais: as artérias cerebrais média e anterior perfura a dura-máter e a aracnóide e, no início do sulco lateral, dividi-se em dois ramos terminais: as artérias cerebrais média e anterior bloqueada pode levar a morte cerebral irreversível bloqueada pode levar a morte cerebral irreversível

31

32

33 FIM


Carregar ppt "ANATOMIA CORONARIANA E DE GRANDES VASOS Dra Karen M. Gatti V. de Sousa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google