A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

REUNIÃO DE ENCERRAMENTO 1º SEMESTRE - 2009 CEI / EMEI / EMEF DO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO - BUTANTÃ.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "REUNIÃO DE ENCERRAMENTO 1º SEMESTRE - 2009 CEI / EMEI / EMEF DO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO - BUTANTÃ."— Transcrição da apresentação:

1 REUNIÃO DE ENCERRAMENTO 1º SEMESTRE CEI / EMEI / EMEF DO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO - BUTANTÃ

2 PORTAL SME / DRE-BT Prefeitura Municipal do Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Educação Diretoria Regional de Educação – Butantã

3 Viver é aprender, é construir algo significativo que contenha um sentido especial naquele momento, o qual fica gravado, e que, quando necessário, virá à tona para dar sentido a algo especial. Aprender é também ter incertezas, é percorrer caminhos antes não percorridos que podem nos levar a lugares especiais antes nunca conhecidos. Este caminho deve ser revisto, discutido, refeito, reorganizado e especialmente deve estar aberto a mudanças e as novas ressignificações. Cleomar Azevedo

4 Metas - DRE-BT

5 OBJETIVOS Cumprimento das metas estabelecidas pela Secretaria Municipal de Educação através de ações propostas e articuladas pelo Gabinete, Diretoria de Planejamento, Diretoria de Programas Especiais, Diretoria de Orientação Técnico- Pedagógica e Supervisão Escolar que visem a : 1 - Implementação, acompanhamento e avaliação dos programas da SME; 2 - Formação Continuada de Educadores e Gestores Educacionais; 3 - Diálogo permanente e sistemático com as Equipes Gestoras das Unidades Educacionais para levantamento de necessidades e dificuldades de cada uma na busca de alternativas e agilidade nas soluções. Discussão e construção de um novo modelo de DRE através do estabelecimento de novas rotinas de trabalho frente a legislação atual. Estabelecimento de parcerias com as demais Secretarias para o desenvolvimento de projetos junto às Unidades Educacionais, numa perspectiva de redes de trabalho / apoio, a fim de possibilitar um atendimento plural às demandas apresentadas.

6 JUSTIFICATIVA Na área de educação, o desenvolvimento das competências leitora, escritora e matemática tem sido o foco como condição essencial para favorecer a participação efetiva dos alunos em práticas sociais que envolvam tais competências. Essa perspectiva se expressa, principalmente, no alcance às metas propostas pela Secretaria Municipal de Educação, a qual oferece como suportes, para que essas metas possam ser atingidas, entre outros, os seguintes instrumentos: Programa Ler e Escrever – prioridade na Escola Municipal, Orientações Curriculares: Expectativas de Aprendizagens e Orientações Didáticas para os Ciclos I e II do Ensino Fundamental, Orientações Curriculares – Proposição de Expectativas de Aprendizagem – Língua Portuguesa para Pessoa Surda e LIBRAS, Rede em Rede para a Educação Infantil, Referencial sobre Avaliação de Aprendizagem na área de Deficiência Intelectual. Quanto à EJA, notamos a necessidade de acompanhamento, pela DRE, no que se refere à avaliação dos impactos das reorganizações ocorridas nos anos de 2008 e 2009, avaliação essa que vise a possíveis ajustes futuros, capazes de possibilitar a melhoria da aprendizagem dos alunos. Dessa forma, a DRE-Butantã planejou suas ações para o ano de 2009, vislumbrando melhores resultados na aprendizagem dos alunos de suas Unidades Escolares, tendo como base, entre outras coisas, os resultados das avaliações internas e externas e, ainda, o acompanhamento sistemático dos Projetos Pedagógicos desenvolvidos nas escolas da região.

7 Meta da Avaliação Desempenho a ser atingida até o dia 30 de Dezembro de 2009 Melhoria das competências leitora, escritora e matemática dos alunos, que deverão ser expressas através do aumento de 5% nos índices alcançados na Prova São Paulo de 2008 a saber: Língua PortuguesaMatemática 2º ano do Ciclo I = 134,02º ano do Ciclo I = 143,6 4º ano do Ciclo I = 166,74º ano do Ciclo I = 181,7 2º ano do Ciclo II = 205,02º ano do Ciclo II = 210,9 4º ano do Ciclo II = 235,74º ano do Ciclo II = 244,2

8 QUEM SOMOS

9 Diretor Regional Sueli C. Eguchi CEFAI RECURSOS HUMANOS INFORM. GERENCIAIS EXPEDIENTE DEMANDA / TEG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO Eliana M. Reis DIRETORIA DE ORIENTAÇÃO TECNICO- PEDAGÓGICA Elisa Mirian Katz SAÚDE ESCOLAR DIRETORIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS Inês A. Cota Veiga MOVIM. PESSOAL PAGAMENTO BENEFÍCIOS UNIDADES EDUCACIONAIS CONVÊNIOS ASSESSORIA Cristina e Regina SUPERVISÃO ESCOLAR SUPERVISÃO TÉCNICA Silvia M. Campos CONTABILIDADE VERBAS APM / PTRF ADIANT. BANCÁRIO BENS PATRIMONIAIS CONCESSIONÁRIA CONTRATOS COMPRAS ALMOXARIFADO MERENDA ESCOLAR PRÉDIOS E EQUIPAMENTOS FINANCEIRO

10 UNIDADES EDUCACIONAIS CEI - DIRETO 17 CEU 2 CIEJA 1 CEI CONVEN. 58 EMEI 30 EMEF 31 MOVA 35 SALAS ESC. PARTIC. 60 CONVÊNIO ESPECIAL 02

11 DIRETORIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS

12 MERENDA ESCOLAR

13 EMEI EMEF E CEI LEVE LEITE: Manter o EOL com endereço dos responsáveis para receber o LEVE LEITE atualizado Entrega intermediária para acompanhar as entregas dos Correios Início de entrega pelos Correios em 14/8. ESTAGIÁRIOS DE NUTRIÇÃO: Integram o Programa de Supervisão Compartilhada de SME. Visita as U Es para acompanhamento do PAE. Providenciar as pendências da cozinha e despensa Medição diária do serviço contratado de nutrição e alimentação escolar.

14 SAÚDE ESCOLAR

15 PROJETO

16 OBJETIVO Ações para recuperação e desenvolvimento normal da visão. Promover e prevenir a Saúde Ocular.

17 AÇÕES Triagem Encaminhamento Consulta oftalmológica –(04/07/09 no Hospital das Clínicas) Aquisição e distribuição de óculos

18 Programa Visão do Futuro Alunos do 1º ano do Ensino Fundamental Turmas atendidasTotal de alunosEncaminhados para consulta

19 APRENDENDO COM SAÚDE

20 Pediatria UNIDADESATENDIDASTotal de alunosEncaminhados para consulta EMEI CEI

21 INICIATIVA Secretaria Estadual de Educação. Secretaria Municipal de Educação, Saúde e Desenvolvimento Social. Parceria com empresas privadas

22 RESULTADOS DAS OLIMPíADAS ESTUDANTIS

23 Categoria Infantil – Fase Regional ESCOLAS PARTICIPANTES EMEF CEU BUTANTÃ EMEF PROFª. ILEUSA CAETANO DA SILVA EMEF IBRAHIM NOBRE EMEF TARSILA DO AMARAL EMEF SOLANO TRINDADE EMEF PEDRO NAVA EMEF GAL. ALCIDES GONÇALVES ETCHEGOYEN EMEF TEOFILO BENEDITO OTTONI EMEF CEU UIRAPURU DEP. CESAR A. CASTANHO EMEF PROFª. EDA TEREZINHA CHICA MEDEIROS EMEF PROF. ALIPIO CORREA NETO EMEF PROFª. MARIA ALICE BORGES GHION

24 RESULTADOS FUTSAL GÊNEROVICE-CAMPEÃOCAMPEÃO MASCULINOPEDRO NAVASOLANO TRINDADE FEMININOTEOFILO OTTONICEU BUTANTÃ BASQUETE GÊNEROVICE-CAMPEÃOCAMPEÃO MASCULINOCEU BUTANTÃIBRAHIM NOBRE FEMININOCEU BUTANTÃSOLANO TRINDADE VOLEIBOL GÊNEROVICE-CAMPEÃOCAMPEÃO MASCULINOTEOFILO OTTONIMARIA ALICE BORGES GHION FEMININOPEDRO NAVAMARIA ALICE BORGES GHION HANDEBOL GÊNEROVICE-CAMPEÃOCAMPEÃO MASCULINOCEU UIRAPURUMARIA ALICE BORGES GHION FEMININOTEOFILO OTTONIALIPIO CORREA NETO

25 FASE PÓLO Contou com a participação das ESCOLAS CAMPEÃS E VICE-CAMPEÃS da Fase Regional das DRES: BUTANTÃ – CAPELA DO SOCORRO – CAMPO LIMPO – SANTO AMARO VOLEIBOL GÊNEROCAMPEÃO FEMININOTEOFILO OTTONI FASE MUNICIPAL Contou com a participação das ESCOLAS CAMPEÃS E VICE-CAMPEÃS, das 13 DRES, que PARTICIPARAM DA FASE POLO: VOLEIBOL GÊNEROCAMPEÃO FEMININOTEOFILO OTTONI

26 ATLETISMO ESCOLAS PARTICIPANTES EMEF ALIPIO CORREA NETO EMEF PROFª ILEUSA CAETANO DA SILVA EMEF CEU UIRAPURU DEP. CESAR A. CASTANHO EMEF PROFª MARIA ANTONIETA DALKIMIN BASTOS CLASSIFICAÇÃO FASE REGIONAL CLASSIFICAÇÃOEMEF 1EMEF CEU UIRAPURU DEP. CESAR ARRUDA 2EMEF PROF. ALIPIO CORREA NETO 3EMEF PROFª Mª ANTONIETA DALKIMIN BASTOS 4EMEF PROFª ILEUSA CAETANO DA SILVA CLASSIFICAÇÃO FASE MUNICIPAL O aluno TIAGO DARYO DE SOUZA SANTOS FOI CAMPEÃO na prova dos 400m e representará o Município de São Paulo na fase estadual.

27 CAMPEONATO DE XADREZ

28 III FINAL XADREZ POR EQUIPE SUB 10 ABSSUB 14 ABS 19º Lugar:EMEF TEOFILO B. OTTONI13º Lugar:EMEF SOLANO TRINDADE 21º Lugar:EMEF DES. THEODOMIRO DIAS24º Lugar:EMEF TEOFILO B. OTTONI SUB 10 FEMSUB 14 FEM 22º Lugar:EMEF DES. THEODOMIRO DIAS7º Lugar:EMEF SOLANO TRINDADE 24º Lugar:EMEF TEOFILO B. OTTONI18º Lugar:EMEF DES. ARTHUR WHITAKER SUB 12 ABSSUB 16 ABS 17º Lugar:EMEF JOÃO XXIII10º Lugar:EMEF SOLANO TRINDADE 23º Lugar:EMEF TEOFILO B. OTTONI23º Lugar:EMEF THEODOMIRO DIAS SUB 12 FEMSUB 16 FEM 15º Lugar:EMEF SOLANO TRINDADE8º Lugar:EMEF TEOFILO B. OTTONI 18º Lugar:EMEF TEOFILO B. OTTONI

29 RECREIO NAS FÉRIAS 8 Pólos 57 Agentes Recreativos contratados 2080 Atendimentos 55 Passeios Agendados 8 Espetáculos

30 ALUNOSEMEF / EENOME DA UNIDADE 50EMEFAnexa ao educandário Dom Duarte 70EMEFArmando Arruda Pereira 90ParticularColégio Padre Moye 150ParticularColégio Progresso 45EMEFDes. Theodomiro Dias 35EMEFDr. José Dias da Silveira 55EMEFEda Terezinha Chica Medeiros 80EMEFGal. Alcides Gonçalves Etchegoyen 44EMEFJoão XXIII 80EMEFProf.ª Maria Antonieta D'Alkimin 70EMEFRodrigues Alves 94ParticularSociedade de educação e Assistência Frei Orestes 60EMEFTarsila do Amaral 40ONGBanda Musical da Juco VIII - FESTIVAL DE BANDAS E FANFARRAS

31 PREVISÃO DE EVENTOS AGENDA CULTURAL 2º SEMESTRE

32 LocalAtividadeVagas DREPúblico Alvo Teatro MunicipalAlmanaque Musical3 A partir do 3º ano Museu do FutebolVisita monitorada10 Livre Museu da Língua PortuguesaVisita monitorada10Não definido Revelando São PauloDiversas10Não definido Festival de Cinema InfantilFilme10Não definido Casa da Dona Yayá – Centro de Preservação Cultural Visita monitorada4Livre Museu de Arte Moderna – MAMVisita monitorada2Do 7º ano Espaço Artesol – ArtesanatoVisita monitorada17º ou 8º ano Galeria OlidoPequeno Dicionário8A partir do 2º ano SESC PinheirosA Dança contra Poliomelite na África127º ou 8º ano PREVISÃO DE EVENTOS DA AGENDA CULTURAL PARA O 2º SEMESTRE EMEF

33 PREVISÃO DE EVENTOS DA AGENDA CULTURAL PARA O 2º SEMESTRE EMEI LocalAtividadeVagas DRE Teatro Carlos Zara – CEU ButantãEspantaxim e o Castelinho Mágico11 SESC PinheirosExposição Internacional – Proibido não Tocar30

34 Ações do DOT – P 1º Semestre de 2009

35 Educação Infantil Formação para Coordenadores Pedagógicos e Diretores: A Rede em Rede 4 Dilean Marques Lopes e Elaine Clemente Rissato – 58 participantes Formação para Coordenadores Pedagógicos e Diretores da Rede Conveniada: Orientações Curriculares: Expectativas de Aprendizagem e Orientações Didáticas para Ed. Infantil articulando propostas com a rede conveniada Dilean Marques Lopes – 78 participantes da rede conveniada Formação para Professores: As Mídias no Universo Infantil: um diálogo possível Elayne Fernandes Moura Leite – 43 participantes. Orientações Curriculares em Debate: Mídias, Natureza e Cultura Elayne Fernandes Moura Leite e Marília Groke Marques - 76 participantes Orientações Curriculares em Debate: Linguagem Verbal e Educação Étnico-Racial Dilean Marques Lopes e Elaine Clemente Rissato – 69 participantes

36 Ensino Fundamental Formação para Coordenadores Pedagógicos: Coordenadores Pedagógicos do Ciclo I – Língua Portuguesa Marilia Groke Marques e Edilaine Sic Vieira Pereira - 28 participantes. Coordenadores Pedagógicos do Ciclo I - Matemática Leika Watanabe e Marília Groke Marques - 28 participantes Coordenadores Pedagógicos do Ciclo I – Natureza e Sociedade Marília Groke Marques e Edilaine Sic Vieira Pereira – 28 participantes Coordenadores Pedagógicos Novos no Cargo e/ou Função DOT- P com participação da Supervisora Escolar Isabel Bio – 23 participantes Coordenadores Pedagógicos do Ciclo II Elayne Fernandes Moura Leite e Ana Lígia Contell – 30 participantes Coordenadores Pedagógicos que atuam na EJA Ana Lígia Contell com participação da Supervisora Escolar Maria Augusta Martins Ribeiro – 19 participantes Coordenadores das Entidades do MOVA Ana Lígia Contell com participação da Supervisora Escolar Maria Augusta Martins Ribeiro – 15 participantes

37 Ensino Fundamental Formação para Professores: Alfabetização e Letramento: Sistema de Escrita Marília Groke Marques – 87 participantes Alfabetização e Letramento: Práticas de Leitura Elaine Clemente Rissato – 81 participantes Alfabetização e Letramento: Práticas de Produção de Textos Edilaine Sic Vieira Pereira inscritos O POIE e o Programa Ler e Escrever Elayne Fernandes Moura Leite - 38 participantes O POIE recém-designado em formação Elayne Fernandes Moura Leite – 11 participantes Professores em SAP Ana Lígia Contell – 26 participantes Formação de Alunos Estagiários: Acompanhamento formativo para alunos pesquisadores Elaine Clemente Rissato e Edilaine Sic Vieira Pereira – 63 participantes

38 CEFAI Mapeamento de alunos com Deficiência Formação e Acompanhamento de alunos, famílias e educadores - 41 atendimentos Pesquisa BPC Seleção e Formação de Estagiários – 41 participantes Curso Educação Inclusiva: Conceito e Prática – Deficiência Intelectual – 20 participantes Formação de Professores que atuam na SAAI – 20 participantes Seminário Educação sem Limites – Ampliando a Visão do Professor na Educação das Crianças com Baixa Visão – 21 participantes Participação no curso para as CEIs Conveniadas – 78 participantes Compra e envio de materiais específicos para alunos de Inclusão Encaminhamentos às Instituições Parceiras – 31 atendimentos Encaminhamentos às Instituições Conveniadas – 28 atendimentos Encaminhamentos às SAAIs – 28 atendimentos Atendimento a comunidade – 37 atendimentos Abertura de SAAIs – 03 Unidades implantadas

39 Apoio as Unidades Coleta de dados : Ciclo I – Sondagem de Alfabetização - Sondagem de Matemática Ciclo II – Diagnóstico Fase I - Diagnóstico Fase II EJA - Sondagem de Alfabetização MOVA – Levantamento da hipóteses de Escrita SAP – Sondagem e Acompanhamento Acompanhamento de POIEs recém-designados Elayne Fernandes Moura Leite - 11 participantes Acompanhamento de POSL recém-designados Marília Groke Marques Entrevista e Acompanhamento de Professores em SAP Ana Lígia Contell Ação de Apoio e Acompanhamento ao G 15 – Elisa Mirian Katz, Marília Groke Marques e Dilean Marques Lopes – 28 participantes. Ação de Apoio, Acompanhamento e participação no Programa EDUCOM Nas Ondas do Rádio - 20 Unidades

40 Ensino Fundamental de 9 anos

41 Metas Implantar em 2010 em todas as EMEF o EF de 9 anos Assegurar o atendimento de 100% da demanda, compartilhada com o estado, das crianças com 6 anos de idade a completar até 28 de fevereiro de 2010.

42 42 Os objetivos da ampliação do ensino fundamental para nove anos de duração são: a) melhorar as condições de equidade e de qualidade da Educação Básica; b) estruturar um novo ensino fundamental para que as crianças prossigam nos estudos, alcançando maior nível de escolaridade; c) assegurar que, ingressando mais cedo no sistema de ensino, as crianças tenham um tempo mais longo para as aprendizagens da alfabetização e do letramento; O prazo para que todos os sistemas de ensino implantem o ensino fundamental de nove anos é o ano letivo de 2010, conforme a Lei nº /06. Assim, deve estar planejado e organizado até o final de 2009.

43 IMPLEMENTAÇÃO É obrigatório ampliar o Ensino Fundamental para nove anos de duração em 2010? É uma determinação da Lei , de 6 de fevereiro de O MEC e o CNE têm tomado todas as providências necessárias no sentido de apoiar os estados e municípios. Vale destacar que: a) o acesso da criança de seis anos de idade ao ensino fundamental é um direito constitucional, portanto deve ser assegurado. b) de acordo com o Art. 5º da LDB 9394/96, o acesso ao ensino fundamental é direito público subjetivo, podendo qualquer cidadão, grupo de cidadãos, associação comunitária, organização sindical, entidade de classe ou outra legalmente constituída e, ainda, o Ministério Público acionar o Poder Público para exigi-lo. E ainda, no parágrafo 4º, comprovada a negligência da autoridade competente para garantir o oferecimento do ensino obrigatório, poderá ela ser imputada por crime de responsabilidade. c) todos os sistemas de ensino deverão adotar o ensino fundamental de nove anos até 2010, o que significa dizer que deverá estar planejado e organizado até 2009 para que ocorra a sua implementação no ano seguinte.

44 A ampliação do Ensino Fundamental para nove anos se dá com o aumento de um ano a mais no início ou no fim desta etapa de ensino? A norma é clara: a ampliação se fará com o acréscimo de um ano no início dos anos iniciais do Ensino Fundamental. (Pareceres CNE/CEB nº 18/2005, 41/ Os alunos que já se encontram matriculados no Ensino Fundamental de oito anos terão o direito a um Ensino Fundamental de nove anos? Não. Quem iniciou o Ensino Fundamental de oito anos de duração deve concluí-lo nesse prazo e condições. (Pareceres CNE/CEB nº 18/2005, 07/2007)

45 Os sistemas podem transformar automaticamente o ensino fundamental de oito anos para o ensino fundamental de nove anos? Não. É necessário obedecer aos pareceres do CNE: - Parecer CNE/CEB nº 18/2005, no item 1, voto do relator, estabelece que os sistemas de ensino não podem admitir a possibilidade de adaptação curricular em um único currículo de Ensino Fundamental desde o primeiro ano da implantação do Ensino Fundamental de nove anos de duração. - Pareceres CNE/CEB nº 5/2007 e nº 7/2007: (...) deverão coexistir, em um período de transição, o Ensino Fundamental de oito anos (em processo de extinção) e o de nove anos (em processo de implantação e implementação progressivas).

46 MATRÍCULA E FORMAÇÃO DE TURMAS Com a implantação do Ensino Fundamental de nove anos, qual a idade atendida pela Educação Infantil? De acordo com a Resolução CNE/CEB nº 3/2005 e o Parecer CNE/CEB n° 4/2008, as crianças com até cinco anos de idade no início do ano letivo e as crianças que completarem seis anos após a data de corte devem ser matriculadas na Pré-Escola. O amparo legal está na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, alterada pela Emenda Constitucional nº 53 de 2006.

47 Na Educação Infantil existirá o atendimento de crianças com seis anos de idade? Sim. Todas as crianças que não tiverem seis anos de idade até a data de corte definida para ingresso no Ensino Fundamental deverão ser matriculadas na Pré-Escola (Educação Infantil), conforme consta no Parecer CNE/CEB nº 7/2007: Assim, é perfeitamente possível que os sistemas de ensino estabeleçam normas para que essas crianças que só vão completar seis anos depois de iniciar o ano letivo possam continuar freqüentando a pré-escola para que não ocorra uma indesejável descontinuidade de atendimento e desenvolvimento: A pré-escola é o espaço apropriado para crianças com quatro e cinco anos de idade e também para aquelas que completarão seis anos posteriormente à idade cronológica fixada para matrícula no Ensino Fundamental.

48 Em que ano matricular, no Ensino Fundamental, a criança de sete anos de idade ou mais que nunca freqüentou o ensino obrigatório? No 1º ano do Ensino Fundamental, conforme o Parecer CNE/CEB nº 7/2007. Entretanto, é preciso que os sistemas organizem propostas visando à correção da existência da defasagem idade/série com as crianças e adolescentes que não ingressaram na escola na idade própria.

49 O que fazer com o aluno que foi reprovado no Ensino Fundamental de 8 anos no município que já adotou o Ensino Fundamental de 9 anos, se a quantidade de alunos não for suficiente para formar uma turma? A extinção gradativa das séries da estrutura do ensino fundamental de oito anos. Assim, esses deverão ser enturmados na classe correspondente à série de origem, obedecendo a tabela de equivalência.

50 Como proceder quando ocorreu, de forma inadequada, a matrícula de crianças com menos de seis anos completos até a data de corte no ensino fundamental de nove anos? Matricular a criança que não possui a idade correta é inconstitucional, conforme a alteração feita pela Emenda Constitucional nº 53 de 2006 (FUNDEB) e na Constituição Federal de 1988, está em desacordo com as normas e orientações legais do Conselho Nacional de Educação. As crianças que não completaram 6 anos de idade no início do ano letivo devem ser matriculadas na Educação Infantil. Reiterada pelo Parecer CNE/CEB Nº 7/2007, de 19 de abril de 2007, a autonomia atribuída aos sistemas de ensino não pode ser confundida com soberania, autorizando o ente federado a descumprir a Lei, seja a Constituição Federal ou a LDBEN, com as alterações nela introduzidas pelas Leis nº /2005 e nº /2006, ou as normas estabelecidas pelo Conselho Nacional de Educação.

51 Quando a escola recebe um aluno que completa seis anos de idade após a data de corte, onde ela deve matriculá-lo? Temos duas situações: a) Caso a criança venha sem experiência escolar ou da educação infantil e tiver completado seis anos após a data de corte, ela não pode ser matriculada no 1º ano. Ela deverá ser matriculada na pré-escola; b) Caso a criança venha transferida de outra escola na qual já estava cursando o 1º ano do ensino fundamental, deverá ser matriculada no mesmo ano que estava cursando, mesmo que tenha sido matriculada na escola de origem fora da data de corte, que deveria ter sido observada no ato da matrícula no ensino fundamental.

52 Na escola que possui a educação infantil e o ensino fundamental, as crianças que têm 5 anos de idade e já cumpriram toda a etapa da educação infantil, porém ela só completará 6 anos no meio do ano. Elas repetirão a pré-escola ou serão matriculadas no 1º ano do ensino fundamental? As crianças deverão ser matriculadas na pré-escola e a escola deve assegurar um currículo adequado às novas exigências de aprendizagens dessas crianças. De acordo com o Parecer CNE/CEB nº 4/2008, a organização do Ensino Fundamental de 9 anos supõe, por sua vez, a reorganização da educação infantil, particularmente da pré-escola, destinada, agora, às crianças de 4 e 5 anos de idade, devendo ter assegurada a sua própria identidade. A educação infantil ainda não é etapa obrigatória, nem pré-requisito para o acesso ao ensino fundamental. O ensino fundamental é etapa obrigatória da Educação Básica e direito subjetivo do cidadão, tenha ele freqüentado ou não a educação infantil.

53 A criança que tem 6 anos completos até o início do ano letivo que sabe ler, escrever e contar corretamente e que já passaram pela classe de alfabetização, permanecerão na mesma turma de 1º ano com crianças que nunca foram à escola e têm a mesma idade? A organização das turmas é de responsabilidade e competência pedagógica da escola. A educação infantil não é etapa obrigatória, nem pré-requisito para o acesso ao ensino obrigatório. O ensino fundamental é etapa obrigatória da Educação Básica e direito subjetivo do cidadão, tenha ele freqüentado ou não a educação infantil, esteja ele alfabetizado ou não. A natureza, a identidade e os objetivos previstos nos dispositivos legais que regem a educação brasileira não são de criar classes de alfabetização na educação infantil. E por último, o processo de alfabetização e letramento não se resume a ler, escrever e contar.

54 O conteúdo do primeiro ano do Ensino Fundamental de nove anos é o conteúdo trabalhado no último ano da pré-escola? Não. A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica, não tem como objetivo preparar crianças para o Ensino Fundamental; tem objetivos próprios que devem ser alcançados na perspectiva do desenvolvimento infantil respeitando, cuidando e educando crianças no tempo singular da primeira infância. No caso do primeiro ano do Ensino Fundamental, a criança de seis anos, assim como as demais de sete a dez anos de idade, precisam de uma proposta curricular que atenda a suas características, potencialidades e necessidades específicas dessa infância.

55 O conteúdo do primeiro ano do Ensino Fundamental de nove anos é o mesmo conteúdo trabalhado no primeiro ano/primeira série do Ensino Fundamental de oito anos? Não. Pois não se trata de realizar um arranjo dos conteúdos da primeira série do Ensino Fundamental de oito anos. Faz-se necessário elaborar uma nova proposta político-pedagógica e curricular coerente com as especificidades não só da criança de seis anos de idade, como também das demais crianças de sete, oito, nove e dez anos de idade que realizam os cinco anos iniciais do Ensino Fundamental, assim como os anos finais dessa etapa de ensino.

56 A matriz curricular para o Ensino Fundamental de nove anos continuará a mesma do Ensino Fundamental de oito anos? Não. O Ensino Fundamental de nove anos exige a reelaboração da Proposta Pedagógica das Secretarias de Educação e do Projeto Político-Pedagógico das escolas, bem como a atualização das normas curriculares pelos Conselhos de Educação.

57 DOCUMENTAÇÃO ESCOLAR Para os registros burocráticos (histórico escolar), a proposta curricular pode adotar conceitos para o 1º ano e notas para as demais séries? A decisão sobre notas, conceitos, relatórios descritivos ou até mesmo o misto conceito/nota é uma decisão dos sistemas de ensino. O art. 24, Inciso V, da LDB estabelece que a verificação do rendimento escolar observará os seguintes critérios: alínea a - avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo do período sobre os de eventuais provas finais.

58 Como proceder nos casos de transferência de estudantes de um sistema de ensino que ampliou o Ensino Fundamental e adotou a nomenclatura de 1º ao 9º ano para um outro sistema de 1ª a 8ª série? De acordo com o art. 24, inciso VII, da LDB, fica estabelecido quecabe a cada instituição de ensino expedir históricos, declarações de conclusão de série e diplomas ou certificados de conclusão de cursos, com as devidas especificações cabíveis. Dessa forma, é responsabilidade da escola de origem do estudante, de acordo com as orientações do sistema, expedir documentação com as devidas informações sobre a vida escolar do aluno, deixando claro a equivalência correspondente entre as duas estruturas de ensino de oito anos e o de nove anos de duração.

59 Uma criança que completou 6 anos de idade um dia após a data de corte estabelecida pelo respectivo conselho de educação deverá ser matriculada no 1º ano do ensino fundamental ou na pré-escola da educação infantil? A orientação do CNE/CEB é de que para a criança ingressar no Ensino Fundamental de nove anos deve ter 6 anos de idade completos ou a completar até o início do ano letivo no respectivo sistema de ensino. Toda criança que não tem 6 anos completos até a data de corte permanecerá na pré-escola da educação infantil.

60 Alunos com 7, 8, 9 e 10 anos de idade que nunca foram à escola devem ser matriculados no 1º ano do ensino fundamental ou podem ser classificados? Quando a escola não tem um programa de correção de fluxo, como ela se organiza para atender essa demanda? A entrada no ensino fundamental é a matrícula no 1º ano. O inciso II do artigo 24 da LBD 9.394/96 afirma textualmente: a classificação em qualquer série ou etapa é admitida com a exceção explícita à primeira série do Ensino Fundamental. É de responsabilidade pedagógica da escola elaborar projetos, programas e ações para atender essas crianças. Cabe também ao MEC estabelecer políticas educacionais para a correção de fluxo. O Guia de Tecnologias Educacionais do Ministério da Educação pré- qualifica programas de correção de fluxo e atualmente os municípios podem solicitar um deles por meio do Plano de Ações Articuladas (PAR) do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE).

61 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO

62 ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

63 PROJEÇÃO 2010 ENSINO FUNDAMENTAL – 9 ANOS CICLO I - 1º Ano DISTRITO DRE BTSEE ALUNOSTURMASALUNOSTURMAS ALTO DE PINHEIROS BUTANTÃ ITAIM BIBI JARDIM PAULISTA MORUMBI PINHEIROS RAPOSO TAVARES RIO PEQUENO VILA SÔNIA TOTAL

64 EDUCAÇÃO INFANTIL

65 DISTRITO 1º ESTÁGIO2º ESTÁGIO3º ESTÁGIO ALUNOSTURMASALUNOSTURMASALUNOSTURMAS ALTO DE PINHEIROS BUTANTÃ ITAIM BIBI JARDIM PAULISTA MORUMBI PINHEIROS RAPOSO TAVARES RIO PEQUENO VILA SÔNIA PROJEÇÃO 2010 CEIs CONV e DIRETOS PARA EMEI

66 PROJEÇÃO 2010 CEI CONVENIADO PARA EMEI DISTRITO CADASTROS 2009 DRE BT MINI GRUPO CEIS IND CONV 2009 DRE BT MINI GRUPO CEIS DIR 2009 DRE BT 3º ESTÁGIO EMEI 2009 DRE BT PROJEÇÃO º ESTÁGIO EMEI DRE BT UNIDADES CADTURALTURALTURALTURALTUR2 TUR3 TUR TOTAL ALTO DE PINHEIROS BUTANTÃ ITAIM BIBI JARDIM PAULISTA MORUMBI PINHEIROS RAPOSO TAVARES RIO PEQUENO VILA SÔNIA TOTAL

67 PROGRAMA PURA SABESP 2009

68 UNIDADES ESCOLARESPARTICIPOU EM EMEF Gal. Alcides Gonçalves Etchegoyen2008 EMEF Tte. Alípio de Andrada Serpa2009 EMEF Prof. Alípio Correa Neto2008 EMEF Gal. Álvaro da Silva Braga2008 EMEF Des. Amorim Lima2008 EMEF Des. Arthur Whitaker2009 EMEF Brasil Japão2008 EMEF CEU Butantã2008 EMEF Deputado Cesar Arruda Castanho2009 EMEF Profª Daisy Amadio Fujiwara2008 EMEF Mal. Deodoro da Fonseca2008 EMEF Profª Eda Terezinha Chica Medeiros2008 EMEF anexa ao Educandário Dom DuarteNão entrou no Projeto EMEF Gal. Euclydes de Oliveira Figueiredo2008 EMEF Ibrahim Nobre2009 EMEF Profª Ileusa Caetano da Silva2009

69 UNIDADES ESCOLARESPARTICIPOU EM EMEF João XXIII2008 EMEF José de Alcântara Machado Filho2008 EMEF Dr. José Dias da SilveiraNão entrou no Projeto EMEF Julio Mesquita2008 EMEF Conde Luiz Eduardo Matarazzo2008 EMEF Profª Maria Alice Borges Ghion2009 EMEF Profª Maria Antonieta DAlkimin Basto2008 EMEF Prof. Olavo Pezzotti2009 EMEF Pedro Nava2009 EMEF Prof. Roberto Mange2008 EMEF Solano Trindade2008 EMEF Tarsila do Amaral2008 EMEF Teófilo Benedito Ottoni2009 EMEF Des. Theodomiro Dias2008 EMEF Vianna Moog2008

70 CIEJANão entrou no Projeto CEU Butantã – GESTÃO2008 EMEI Aluisio de Almeida2009 EMEI Antonio Bento2009 EMEI Prof. Antonio Branco Lefèvre2009 EMEI Prof. Antonio Carlos Pacheco e Silva2009 EMEI Prof. Benedicto Castrucci2009 EMEI Camillo Ashcár2008 EMEI Carolina Maria de Jesus2009 EMEI Profª Carolina Ribeiro2009 EMEI CEU Butantã2008 EMEI Clycie Mendes Carneiro2008 EMEI Des. Dalmo do Valle Nogueira2009 EMEI Emir Macedo Nogueira2008 EMEI Fernando Pessoa2008 EMEI Deputado Gilberto Chaves2008

71 UNIDADES ESCOLARESPARTICIPOU EM EMEI Isabel Colombo2009 EMEI Cel. João Negrão2009 EMEI Profª Maria Aparecida Vita Piante2008 EMEI Profª Maria José Galvão de F. Pinto2009 EMEI Profª Mariazinha Rezende Fusari2008 EMEI Monte Castelo2008 EMEI Comandante Moreno2009 EMEI Educadora Nida Maldi Corazza2009 EMEI Oscar Pedroso Horta2009 EMEI Pedroso de Moraes2009 EMEI Pero Neto2009 EMEI RIO PEQUENO II2009 EMEI Prof. Ronaldo Porto Macedo2009 EMEI Tide Setubal2008 EMEI Profª Zilda de Franceschi2009

72 UNIDADES ESCOLARESPARTICIPOU EM CEI Vereador Aloysio de Menezes Greenhalgh2009 CEI Dr. Antonio João Abdala2009 CEI Vereador Benedito Rocha2009 CEI CEU Butantã2008 CEI CEU-UIRAPURUNão entrou no Projeto CEI Cidade de GenebraNão entrou no Projeto CEI COHAB Raposo Tavares2009 CEI Prof. Ivone Lemos de Almeida Fraga2009 CEI Ivonne Maluhy Joseph Sabga2009 CEI Jardim Julieta2009 CEI Jardim São Jorge Arpoador2008 CEI Jardim das Vertentes2009 CEI Prof. José Ozi2009 CEI Pinheiros2009 CEI Rio Pequeno II2009 CEI Roberto Arantes Lanhoso2009 CEI Salvador Loturco2009

73 SERVIÇOS DE PODA E REMOÇÃO DE ÁRVORES EMPRESA: FLORESTANA PAISAGISMO CONSTRUÇÕES E SERVIÇOS LTDA

74 SERVIÇOS DE PODA E REMOÇÃO DE ÁRVORES SUBPREFEITURA DO BUTANTÃ OrdemEscolaPAObservação 1EMEI Dalmo do Valle Nogueira, Des Serviço Concluído 2CEI Jozé Ozzi Serviço Concluído 3CEI Yvone L. de Almeida Fraga Serviço Concluído 4EMEF Ibrahim Nobre Atendimento em andamento 5CEI Yvonne Maluhy J Sabga Aguardando atendimento 6EMEF Brasil Japão Aguardando atendimento 7EMEF Roberto Mange Aguardando atendimento 8EMEF Euclydes de Oliveira Figueiredo, Gal Aguardando atendimento 9CEI Aloysio de Menezes Greenhalgh Aguardando atendimento 10EMEF Julio Mesquita Aguardando atendimento 11EMEF Solano Trindade Aguardando atendimento 12EMEF Tarsila do Amaral Aguardando atendimento 13EMEF Arthur Whitaker, Des Aguardando atendimento 14EMEI Fernando Pessoa Aguardando atendimento 15EMEI Monte Castelo Aguardando atendimento

75 EscolaPAObservação CEI Antonio João Abdala Aguardando Aut. Subbt CEI Benedito Rocha Aguardando Aut. Subbt CEI Salvador Lo Turco Aguardando Aut. Subbt EMEF Alcides Gonçalves Etchegoyen Aguardando Aut. Subbt EMEF Alvaro Silva Braga Aguardando Aut. Subbt EMEF Deodoro da Fonseca Aguardando Aut. Subbt EMEF Eda Terezinha Aguardando Aut. Subbt EMEF Euclydes de Oliveira Figueiredo Aguardando Aut. Subbt EMEF Ileusa Caetano da Silva Aguardando Aut. Subbt EMEF João XXIII Aguardando Aut. Subbt EMEF José de Alcântara Aguardando Aut. Subbt EMEF Luiz Eduardo Matarazzo Aguardando Aut. Subbt EMEF Maria Alice Borges Ghion Aguardando Aut. Subbt EMEF Roberto Mange Aguardando Aut. Subbt EMEF Solano Trindade Aguardando Aut. Subbt EMEF Theodomiro Dias Aguardando Aut. Subbt EMEI Aluisio de Almeida Aguardando Aut. Subbt EMEI Antonio Bento Aguardando Aut. Subbt EMEI Camilo Ashacar Aguardando Aut. Subbt EMEI Carolina Ribeiro Aguardando Aut. Subbt EMEI Clycie Mendes carneiro Aguardando Aut. Subbt EMEI Emir Macedo Nogueira Aguardando Aut. Subbt EMEI Nida Maldi Corazza Aguardando Aut. Subbt

76 EscolaPAObservação EMEF Maria Antonieta D'Alkimin BastosAguardando PAAutorizado pela SubPI EMEI Pedroso de MoraisAguardando PAAutorizado pela SubPI EMEF. Dr. José Dias da SilveiraAguardando PAAutorizado pela SubPI EMEI Prof. Antonio Branco LefevreAguardando PAAutorizado pela SubPI SERVIÇOS DE PODA E REMOÇÃO DE ÁRVORES SUBPREFEITURA DE PINHEIROS

77 SERVIÇOS GERAIS MANUTENÇÃO PREDIAL 2009

78 OrdemEscolaServiços ExecutadosObservações 1 EMEF GAL. Alcides Gonçalves EtchegoyenReconstrução de parte do muroObra concluída em 25/03/2009 2EMEF Pedro NavaAdequação dos espaços da EMEFObra concluída em 03/04/2009 3EMEF João XXIIITelhado/ AlvenariaObra concluída em 09/04/2009 4CEI Ind. Papa João XXIIIAdequação dos espaços do CEIObra concluída em 15/05/2009 5EMEF Des. Arthur WhitakerReconstrução de parte do muroObra concluída em 01/06/2009 6CEI CEU UIRAPURU Instalação da rede de proteção nos soláriosem andamento 7 EMEF Conde Luiz Eduardo MatarazzoElétricaem andamento 8EMEF Olavo PezzottiHidráulica - Elevadorem andamento 9EMEF Tarsila do AmaralReinstalação de Para Raioem andamento SERVIÇOS GERAIS DE MANUTENÇÃO PREDIAL 2009

79 EscolaServiços ExecutadosObservações EMEF Brasil Japão Adequação dos espaços Sala de CP e ADM Montagem do PA + publicação em DOC EMEF Eda Terezinha Chica MedeirosHidráulica - CX D'água Montagem do PA + publicação em DOC EMEF José de Alcântara Machado FilhoHidráulica - CX D'água Montagem do PA + publicação em DOC EMEI Antonio BentoHidráulica - Caixa de Esgoto Cozinha Montagem do PA + publicação em DOC EMEI Dalmo do Valle NogueiraHidráulica - Interrupção de ramais BH Montagem do PA + publicação em DOC SERVIÇOS GERAIS DE MANUTENÇÃO PREDIAL 2009

80 MATERIAIS ADQUIRIDOS PELA DRE-BT PARA AS UNIDADES JANEIRO A JUNHO DE 2009

81 MATERIAIS DE LIMPEZA MATERIALEMEIEMEFCEICEUCIEJAOBS - Detergente em Pó02/ Água Sanitária03/ Pano de chão tipo saco03/ Lixeira com tampa e com pedal03/ Detergente em pó07/ Detergente Líquido07/ Amaciante de Roupas07/ Hipoclorito07/ Água Sanitária07/2009

82 MATERIAIS DE HIGIENE MATERIALEMEIEMEFCEICEUCIEJAOBS - Sabonete Líquido02/ Fralda descartável03/ Papel Higiênico em rolos02/ Saco Plástico para lixo03/ Lenço Umedecido04/2009 -Sabonete Líquido Infantil04/ Shampoo Infantil04/ Pente Fino04/ Pente Comum Infantil04/ Shampoo07/ Sabonete Líquido Infantil07/ Condicionador Infantil07/ Lenço Umedecido07/ Papel Higiênico07/2009

83 MATERIAIS DE FARMÁCIA MATERIALEMEIEMEFCEICEUCIEJAOBS - Termômetro Digital04/ Creme contra assadura04/ Bolsa Térmica04/ Gaze04/ Micropore04/ Curativo adesivo04/ Soro Fisiológico04/2009

84 MATERIAIS DESCARTÁVEIS MATERIALEMEIEMEFCEICEUCIEJAOBS - Luvas para procedimento03/ Copos descartáveis água e café03/ Papel Toalha em bobinas04/ Copos descartáveis água e café06/ Luvas para Procedimento07/2009

85 MATERIAIS DE ESCRITÓRIO MATERIALEMEIEMEFCEICEUCIEJAOBS - Caderneta espiral02/ Apagador para quadro branco02/ Marcador para quadro branco02/ Pincel atômico azul, preto e vermelho 02/ Papel Sulfite – A 402/ Diário de classe02/ Álcool02/2009Somente Uirapuru - Almofada para Carimbo02/ Apontador02/ Barbante02/ Bexigas02/ Caneta marca texto02/ Caneta hidrográfica02/ Cartolina02/ Corda individual02/ Crachá plástico02/ Fita adesiva02/ Etiquetas02/2009

86 MATERIAIS DE ESCRITÓRIO MATERIALEMEIEMEFCEICEUCIEJAOBS - Fita dupla face02/ Garrafa Térmica02/ Giz de cera grosso02/ Grampeador02/ Guache02/ Kit primeiros socorros02/ Lenço Umedecido02/ Massa de Modelar02/ Papel Camurça02/ Papel Crepom02/ Papel de seda02/ Papel Kraft em bobinas02/ Pincel nº 802/ Pincel redondo02/ Tesoura grande02/ Tesoura sem ponta02/ Tinta guache com 6 cores02/ Tinta para carimbo02/2009

87 MATERIAIS DE ESCRITÓRIO MATERIALEMEIEMEFCEICEUCIEJAOBS - Caneta esferog. azul, preta e ver.03/ Cola líquida branca03/ Papel Sulfite A 405/ Marcador para quadro branco05/ Apagador para quadro branco05/ Reabastecedor de marcador05/ Tesoura pequena sem ponta05/ Pasta Catálogo06/ Pasta Polionda06/ Pasta com ferragem06/ Papel contact06/ Papel Kraft06/ Etiquetas06/ Caneta Marca texto06/ Caneta corretiva06/ Grampeador06/ Extrator de grampos06/ Perfurador de Papel06/2009

88 MATERIAIS DE ESCRITÓRIO MATERIALEMEIEMEFCEICEUCIEJAOBS - Fita Mágica06/ Grampo para grampeador06/ Cola em bastão06/ Capa para encadernação06/ Calculadora06/ Envelopes Kraft06/ Pasta para arquivo morto06/ Pasta fichário06/ Fita Corretiva06/ Classificador AZ06/ Tesoura06/ Giz branco e colorido06/ Borracha branca para lápis03/2009 -Clips03/2009

89 MATERIAIS ESPORTIVOS MATERIALEMEIEMEFCEICEUCIEJAOBS - Medalhas04/2009Olimpíadas CEU - Troféus04/2009Olimpíadas CEU - Kimonos04/2009Olimpíadas CEU - Uniformes de Futebol04/2009Olimpíadas CEU - Camisetas06/2009 Xadrez - Medalhas06/2009 Xadrez - Troféu06/2009 Xadrez - Recreio nas Férias07/2009

90 ALIMENTOS MATERIALEMEIEMEFCEICEUCIEJAOBS - Café Torrado e Moído02/ Açúcar Refinado03/ Café Torrado e Moído05/2009

91 MATERIAIS DE USO GERAL MATERIALEMEIEMEFCEICEUCIEJAOBS - Colchonetes--02/ Torneira automática02/ Caneca de polipropileno03/ Prato de polipropileno03/ Travesseiro anti refluxo03/ Lâmpadas Fluorescente03/ Reator03/ Garrafa Térmica para suco06/ Garrafa Térmica para café06/ Prato de Polipropileno06/ Caneca de polipropileno06/ Tigela de polipropileno06/ Colchonete06/2009

92 MATERIAIS PERMANENTES MATERIALEMEIEMEFCEICEUCIEJAOBS - Conjunto Carteira e Cadeira03/ Conjunto Sala de Aula03/ Armário 12 portas03/ Bebe Colinho e Cadeirão03/ Berço e Cadeirão03/ Utensílios Domésticos03/ Conj. Refeitório03/ Berços Cadeirões06/2009Uirapuru - Materiais Permanentes Diversos06/2009 Uirapuru - Refrigeradores06/ Conjunto Refeitório07/ Cadeiras de Rodas07/2009

93 PREVISÃO DE MATERIAIS DE CONSUMO


Carregar ppt "REUNIÃO DE ENCERRAMENTO 1º SEMESTRE - 2009 CEI / EMEI / EMEF DO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO - BUTANTÃ."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google