A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DOENÇAS CAUSADAS POR VÍRUS. Desoxivírus Varíola Contágio direto através de aerossóis de saliva; contágio indireto através de objetos contaminados. O.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DOENÇAS CAUSADAS POR VÍRUS. Desoxivírus Varíola Contágio direto através de aerossóis de saliva; contágio indireto através de objetos contaminados. O."— Transcrição da apresentação:

1 DOENÇAS CAUSADAS POR VÍRUS

2 Desoxivírus

3 Varíola Contágio direto através de aerossóis de saliva; contágio indireto através de objetos contaminados. O vírus penetra nas vias aéreas, dissemina-se pela corrente circulatória e instala-se na pele e mucosas, causando as ulcerações características da doença. Uso de vacina feita a partir de vírus bovino atenuado. A varíola foi erradicada oficialmente, segundo a OMS em 1980.

4 Herpes Simples (HSV) Contato direto com doentes na fase de manifestação da doença, seja pela boca e pele (tipo I), ou pela região genital (tipo II), sendo esta última uma DST (doença sexualmente transmissível). O vírus se instala na pele. Passa por um período de latência e, em determinadas condições, manifesta-se provocando lesões bolhosas. O sol ou a queda de imunidade, por exemplo, pode desencadear a manifestação. Deve-se evitar contato com o doente na fase de manifestação.

5 Os sintomas podem incluir: - Feridas dolorosas (bolhas) nos genitais (por exemplo, no pênis de um homem ou na área ao redor da vagina de uma mulher), coxas e nádegas - Febre (normalmente só na primeira erupção das bolhas) - Mal-estar geral, dor muscular - Corrimento vaginal - Dor ao urinar - Dificuldade para urinar - Dor durante a relação sexual - Coceira - Sensibilidade, crescimento de caroços com pus na virilha

6 Hepatite B (HBV) (Outras formas, A, C, D etc: RIBOVÍRUS) Via parenteral (transfusões sangüíneas ou objetos cortantes e perfurantes contaminados com sangue), via oral-fecal ou via sexual. O vírus multiplica-se no fígado, causando destruição das células hepáticas. O fígado passa a ter sérias disfunções, levando à febre, perda de apetite, náuseas, dores musculares, abdominais e de cabeça e icterícia (pele e esclerótica amareladas pela deposição de bilirrubina, produzidas pelo fígado disfuncional). Cuidado com seringas contaminadas, transfusões sangüíneas e parceiros sexuais contaminados. Profissionais de saúde estão especialmente expostos ao risco. A vacina deve ser administrada especialmente contra a hepatite B.

7 HEPATITE A Ocorre em jovens e adultos Pode ocorrer de forma epidêmica se a população estiver sujeita a água e alimentos contaminados, especialmente frutos do mar. Os vírus de replicam no trato gastrointestinal e se disseminam no sangue para o fígado, o baço e os rins. Ocorre icterícia, mal estar, dores abdominas e perda de apetite. Existe vacina disponível. HEPATITE C Pode ser diferenciada de outros tipos de hepatite pela alta concentração de uma enzima hepática, a alanina transferase. Ocorre contaminação por sangue, durante relações sexuais, por hemorragias placentárias. Não existe nehuma vacina disponível e a imunidade não se segue a infecção. HEPATITE D Vírus delta Não consegue produzir envelope protéico e está sempre associado ao vírus da hepatite B. O HBV e HDV juntos podem resultar em morte

8 Catapora ou varicela / herpes zooster - Catapora e herpes zoster são doenças diferentes causadas pelo mesmo tipo de vírus: HHV-3 (família herpesviridae). -A catapora ocorre a primeira vez na infância. -No adulto ocorre a herpes zóster ou cobreiro. -Na catapora vírus penetra pelo trato respiratório superior. -Ocorre formação de pústulas na pele que regridem posteriormente. -O DNA viral permanece, em geral, em estado latente nos gânglios nervosos espinhais. -A catapora pode ser fatal, pois coágulos formados e hemorragias a partir de vasos lesados ocorrem. -A morte por pneumonia causada pela varicela é devida ao intenso dano causado aos vasos sanguíneos dos pulmões pelo acúmulo de eritrócitos e leucócitos nos alvéolos. - Vacinação. - Muito grave quando acomete gestantes.

9 HPV (vírus do papiloma humano) Contato direto no HPV tipo I, relacionado a verrugas normais, e contágio sexual no HPV tipo II, relacionado a verrugas nos órgãos genitais. Verruga nos genitais: crista de galo ou condiloma acuminado Colo do útero exame papa Nicolau Transmissão por contato anal, oral ou vaginal mesmo que não haja penetração; pode também ser transmitido de mão para filho durante o parto. É tratado com uma cauterização no local ou com uma intervenção cirúrgica para a retiradas verrugas

10 Ribovírus

11 Dengue (vírus flavivírus, da família dos arbovírus). Existem quatro sorotipos: DEN-1,DEN-2, DEN-3 e DEN-4. Ao contrair um dos tipos, o indivíduo se torna imune a este tipo, podendo, entretanto, contrair um dos outros três restantes. 1º contágio Dengue clássica - Febre - cefaléia - mialgia - artralgia - eritemas 2º contágio Dengue hemorrágico Trobocitopenia grave Hemorragia e hipovolemia Não há vacina contra dengue.

12 A Dengue Hemorrágica pode provocar hemorragias nasais, gengivais, urinárias, gastrointestinais ou uterinas.Dengue Hemorrágica Na Dengue Hemorrágica, assim que os sintomas de febre acabam a pressão arterial do doente cai, o que pode gerar tontura, queda e choque. Se a doença não for tratada com rapidez, pode levar à morte.Dengue Hemorrágica

13 Recomendações Não existem medicamentos antivirais para combater a dengue. O tratamento é apenas sintomático. Tomar muito líquido, para evitar desidratação, e utilizar antipiréticos e analgésicos, para aliviar os sintomas, são as medidas de rotina. Por interferir com a coagulação, medicamentos que contenham ácido acetilsalicílico (AAS, Aspirina, Buferin, Melhoral, Doril, etc.) estão formalmente contra indicados. Medicamentos à base de dipirona constituem boa opção para baixar a temperatura.

14 Febre amarela - O vírus infecta inicialmente os linfonodos, espalhando-se em seguida pelo fígado, baço, rins e coração. No início da infecção os sintomas são febre, dor de cabeça, náuseas e vômitos. - Com a lesão do fígado, pigmentos biliares são liberados no sangue e se depositam na pele e nas membranas mucosas ocorrendo a icterícia. - Seu vetor é o mosquito Aedes aegypti na forma urbana e o gênero Haemagogus na forma silvestre. - Os principais hospedeiros são os macacos. - Vacinação antiamarílica. - Não são conhecidos casos de reincidência.

15 Raiva - Transmissão por saliva de animais infectados em ferimentos tais como mordidas, arranhões e lambeduras. - O vírus se instala no SNC - Ocaiosnam espasmos dos músculos da boca e da faringe, que ocorre quando o animal ou a pessoa afetada tentam inalar ar ou engolir água (ocorre a hidrofobia A doença culmina com um quadro de depressão do sistema nervoso central, coma e morte. - Vacinação anti-rábica para cães e gatos. mordida de animais infectados: silvestres: lobos, raposas e morcegos. domésticos: cães e gatos

16 Poliomielite - É causada por três variedades de poliovírus. - Os vírus tem afinidade pelos neurônios motores na medula espinhal e no encéfalo. - O vírus atinge o SNC em 1 a 2% dos casos. - Ocorrem febre alta, dor nas costas e espasmos musculares. - Ocorre paralisia total ou parcial em apenas 1% dos casos. - A transmissão ocorre tanto pela via fecal- oral quanto a partir de secreções faringeanas. - A morte resulta da paralisia dos músculos respiratórios. - Vacinas: Sabin e Salk

17 Sarampo - Contágio direto através de aerossóis de saliva. - O vírus penetra pelas vias aéreas e se espalha por vários órgãos. Provoca febre, conjuntivite e erupções (exantemas) na pele. No início, na face, depois no tronco e depois nos membros. (extremamente contagiosa). - Vacinação (MMR). - A vacina MMR ou tríplice viral age simultaneamente contra sarampo, caxumba e rubéola.

18 Caxumba ou parotidite Contágio direto através de aerossóis de saliva. O vírus instala-se nas glândulas salivares, principalmente as parótidas. Estas incham, na região entre cabeça e pescoço, principal característica da doença. Recomenda-se repouso, pois, caso contrário, o vírus pode se instalar em outros órgãos, como testículos, ovários, pâncreas e cérebro, tornando-se grave. Vacinação (MMR).

19 - Rubivirus (família Tagoviridae) - É a mais benigna das doenças que causam exantema (erupção cutânea). - O vírus se espalha pelo sangue. - Na síndrome da rubéola congênita o vírus atravessa a placenta e ocasiona danos a diversos órgãos do embrião. Pode ocorrer surdez, catarata, retardo mental e morte. - Transmissão principalmente por secreção nasal. - Altamente contagiosa. - Febre - Vacina ( junto com as vacinas contra sarampo e caxumba, na forma de tríplice viral Rubéola

20 Mononucleose - Causada pelo vírus Epstein – Barr – EBV ( Pode também ser causada pelo Cytomegalovirus - CMV) - Os sintomas são febre, dor de garganta e inchaço nos linfonodos, falta de apetite, dores musculares, calafrios, náuseas, desconforto abdominal, tosse, vômitos e dores articulares - Está relacionado com desenvolvimento de alguns cânceres ( Linfoma de Burkitt e carcinoma nasofaríngeo). - A transmissão se faz por contato íntimo com a saliva de pessoas contaminadas.

21 Citomegalovírus O citomegalovírus (CMV) pertence à família do herpesvírus, a mesma dos vírus da catapora, herpes simples, gerpes genital e do herpes zoster. As manifestações clínicas da infecção pelo CMV variam de uma pessoa para outra e vão desde discreto mal-estar e febre baixa até doenças graves que comprometem o aparelho digestivo, sistema nervoso central. Transmissão O citomegalovírus pode ser transmitido das seguintes formas: a) por via respiratória – tosse, espirro, fala, saliva, secreção brônquica e da faringe servem de veículo para a transmissão do vírus; b) por transfusão de sangue; c) por transmissão vertical da mulher grávida para o feto; d) por via sexual - neste caso, ele é considerado causador de doença sexualmente transmissível; e) por objetos como xícaras e talheres – embora esse tipo de transmissão seja pouco comum, ele é possível porque o citomegalovírus não é destruído pelas condições ambientais.

22 Gripe - Influenzavirus Neuraminidase – agem para o vírus recém formado se desligar da célula hospedeira. Hemaglutinina – Promove a ligação com a célula hospedeira.

23 Gripe - Influenzavirus Transmissão: o vírus influenza replica-se nas células epiteliais do trato respiratório, acessa as secreções e é disseminado através de pequenas partículas durante espirros, tosse e conversas ou, até mesmo, por contato.

24 Gripe – Influenzavirus Período de incubação: 1 a 4 dias Sintomas: febre, calafrios de início abrupto, dores de cabeça, de garganta e musculares, mal-estar geral, vermelhidão de mucosas e membranas, espirro, tosse seca, eliminação de secreção clara pelo nariz.

25 Profilaxia: evitar aglomerações de pessoas e locais pouco arejados; vacinas: formuladas com vírus inativados, trivalentes contêm os subtipos influenza A (H1N1), influenza A (H3N2) e influenza B: a vacina inativada é segura e imunogênica, induzindo imunidade em 60% a 90% das crianças e adultos (é menos efetiva em idosos). Gripe – Influenzavirus

26 Os três mais dramáticos eventos causados pelos vírus influenza ocorreram em: epidemia da gripe espanhola; epidemia da gripe asiática; epidemia da gripe de Hong Kong. Gripe – Influenzavirus

27 Gripe aviária - Como humanos e outras espécies, aves também são suscetíveis à gripe. Existem 15 tipos de gripe aviária ou do frango. As variedades mais contagiosas, que são geralmente fatais em aves, são a H5 e H7. - O tipo que está causando preocupação é a variedade H5N1, que pode também ser fatal para humanos. - Aves selvagens migratórias, principalmente patos selvagens, são os portadores naturais dos vírus, mas costumam não desenvolver a infecção. - O risco é que estas aves transmitam o vírus para aves domésticas, que são bem mais suscetíveis ao vírus.

28 Gripe aviária Humanos pegam a doença por meio de contato com aves vivas e infectadas. As aves excretam o vírus por meio de suas fezes, que secam e se transformam em pó, sendo então inaladas, o que causa a contaminação. Os sintomas são similares a outros tipos de gripe: febre, mal-estar, dor de garganta e tosse. Os infectados também podem desenvolver conjuntivite. Os pesquisadores estão preocupados pois cientistas estudando um caso no Vietnã descobriram que o vírus H5N1 pode afetar todas as partes do corpo, não apenas o pulmão. Toma benegrip filha!!!

29 SARS – Síndrome respiratória aguda grave - Coronavírus - RNA + - Sintomas: febre, tosse seca, cefaléia, dispinéia e diarréia. - Transmissão direta ou via objetos contaminados. - Sem tratamento

30 AIDS

31

32 - Retrovírus - Infecção das células de Langerhans nas relações sexuais (maior risco em relações anais) - HIV1 e HIV2 - Células hospedeiras: Linf. T4; alguns macrófagos; alguns neurônios; Células epiteliais do reto e ânus. - O HIV pode estar presente por décadas nos Linf T de Memória. - Elevada taxa de mutação (1 pessoa pode ter 100 milhões de variantes) QUADRO GERAL - Caquexia - Sarcoma de Kaposi - Doença por Citomegalovírus - Diarréia por Salmonella, shigella e campylobacter - Demência por infecção das micróglias e dos neurônios – semelhante a Alzheimer

33 AIDS CLASSIFICAÇÃO – ESTÁGIOS DA DOENÇA CATEGORIA A - Assintomática - Linfonodos aumentados CATEGORIA B - Infecções por C.albicans (boca, garganta e vagina) - Herpes zooster, diarréia, febre, placas esbranquiçadas na mucosa oral. CATEGORIA C - AIDS clínica - Infecções: Candida albicans no esôfago, brônquios e pulmões. Pneumonia, Toxoplasmose cerebral e Sarcoma de Kaposi.

34 AIDS DIAGNÓSTICO LABORATORIAL - ELISA (ENZYME LIKED IMUNOSORBENT ASSAY) - Prático e barato - Detecta a presença de anticorpos anti HIV no sangue – exame indireto - Margem de erro: 30% - OBS: em indivíduos contaminados, os vírus só começam a aparecer depois de 3 meses (Janela Imunológica) - WESTERNBLOT - Feito em caso de Elisa positivo para confirmação (corta prego, rsrsrs!!!) - Mais preciso e mais caro - Detecta proteínas do envelope do HIV - exame direto

35 AIDS TRATAMENTO DA AIDS - Inibidores de Transcriptase reversa - AZT (zidovudina); 3TC (lamivudina); DDC (zalcitabina); DDI (didanosina); ABC (acacavir) - Inibidores de protease – Idinavir; Ritonavir; Ceconavir - Inibidores de integrase - raltegravir

36 Concentração sanguínea de células T CD4 (células mm3)

37

38 Gripe suína

39 - A gripe suína é uma doença respiratória aguda (gripe), causada pelo vírus A (H1N1) - Este novo subtipo do vírus da influenza é transmitido de pessoa a pessoa principalmente por meio da tosse ou espirro e de contato com secreções respiratórias de pessoas infectadas. - TRANSMISSÃO: por meio de tosse, espirro e de secreções respiratórias de pessoas infectadas. PROFILAXIA - - lavar bem as mãos frequentemente com água e sabão; - evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies; - não compartilhar objetos de uso pessoal - cobrir a boca e o nariz com lenço descartável ao tossir ou espirrar. SINTOMAS Sintomas: febre acima de 38º e tosse, podendo ser seguida de dor nas articulações, garganta, cabeça, prostração e dificuldade respiratória – em pessoas que tenham voltado em até 10 dias dos países atingidos pela doença. Maiores dúvidas:

40


Carregar ppt "DOENÇAS CAUSADAS POR VÍRUS. Desoxivírus Varíola Contágio direto através de aerossóis de saliva; contágio indireto através de objetos contaminados. O."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google