A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ACONSELHAMENTO EM DST, HIV AIDS E HEPATITES VIRAIS CTA FLORIANÓPOLIS 1.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ACONSELHAMENTO EM DST, HIV AIDS E HEPATITES VIRAIS CTA FLORIANÓPOLIS 1."— Transcrição da apresentação:

1

2 ACONSELHAMENTO EM DST, HIV AIDS E HEPATITES VIRAIS CTA FLORIANÓPOLIS 1

3 A dinâmica de Aconselhamento como uma prática integral de Saúde 2

4 Acolhimento: Acolher significa apreender, compreender e atender as demandas do usuário, dispensando-lhe a devida atenção, com o encaminhamento de ações direcionada para a sua resolutividade. (Seidl, E.M.F e Noura, M. Projeto Nascer) 3

5 Aconselhamento! Técnica eficaz que permite contato direto com o usuário, considerado como estratégia eficaz para intervenções educativas com vistas à mudança de comportamentos de risco e para manejo da comunicação do resultado. Exige disponibilidade de tempo por parte do aconselhador, consistência, uniformidade e precisão da informação. 4

6 Por que realizar o Aconselhamento ? A AIDS atinge todos os segmentos da população. Milhares de pessoas desconhecem sua condição sorológica. Conhecer a sorologia e ter acesso ao tratamento é um direito do cidadão. As pessoas realizam o teste para o diagnóstico do HIV, em média, cinco anos após terem se infectado. 5

7 6 Desafio do Aconselhamento: Estabelecer serviços efetivos de prevenção ao HIV/Aids na rede básica de saúde; Compreender as rotas de transmissão do vírus que são ligadas a práticas muito íntimas, carregadas de sombolismos particulares, determinados – social culturalmente

8 OBJETIVOS DO ACONSELHAMENTO: A prevenção primária do HIV; A reflexão que possibilite a percepção das vulnerabilidades e a adoção de práticas mais seguras; A adesão do usuário ao tratamento; O tratamento do(s) parceiros sexual(is); A adoção de práticas preventivas. 7

9 ACONSELHAMENTO INDIVIDUAL PRÉ- TESTE. Destina-se a uma maior aproximação com o usuário visando esclarecer as dúvidas de acordo com as necessidades e situações individuais. É um momento de conquistar uma maior segurança e confiança por parte do usuário. 8

10 EFEITOS POSITIVOS DO ACONSELHAMENTO E TESTE ANTI-HIV: Aumento do conhecimento; Oportunidade para prover suporte emocional; Aquisição de habilidade para mudar comportamento; Obtenção de suporte para adoção de comportamento mais seguro; Obtenção de informações e referências dos serviços; Diminuição da ansiedade quanto às possibilidades de infecção pelo HIV. 9

11 OUTROS EFEITOS DO ACONSELHAMENTO E TESTE ANTI-HIV: Aumento da ansiedade pela possibilidade de infecção pelo HIV; Trauma psicológico pelo reconhecimento do status sorológico; Estigmatização e discriminação social. 10

12 ACONSELHAMENTO INDIVIDUAL PÓS -TESTE. Reafirmar o carater confidencial e o sigilo das informações. Depende do resultado do teste. 11

13 QUANDO O TESTE É NEGATIVO Comunicar o resultado à pessoa, Ressaltar o significado do teste, Avaliar a possibilidade de a pessoa estar em janela imunológica, De acordo com janela imunológica orientar a realização de testes posteriores, Esclarecer possíveis dúvidas, Reforçar a prevenção, mudanças de hábitos, 12

14 Valorizar a mudança de comportamentos mais do que incentivar a testagem periódica, Em caso de gestantes lembrar as possíveis conseqüências que uma infecção pelo HIV ou outra DST podem trazer para o feto/RN, Incentivar o uso de preservativos, e o não uso de drogas ao menos até o nascimento da criança, Fornecer preservativos, ressaltando que podem ser pegos sempre que necessário. 13

15 QUANDO O TESTE É POSITIVO Comunicar o resultado à pessoa, Explicar o significado do teste, sua importância como revelador da presença do HIV, dissociando o diagnóstico de infecção da idéia de AIDS e de morte iminente, Reforçar a importância de bloquear a cadeia de transmissão do HIV e orientar para que evite se reinfectar, inclusive por outra DST, 14

16 Ressaltar que a infecção é tratável, Reforçar para as gestantes a importância da realização do teste como meio eficaz de aumentar as chances do bebê nascer sem o vírus e a não indicação do aleitamento materno, Reforçar a necessidade de testar os outros filhos e o companheiro, Encaminhar para serviços de apoio existentes na comunidade, 15

17 Elaboração: Débora Cristina Dolzan (Assistente Social/Aconselhadora) Mônica Novoa de Queiroz(Assistente Social/Aconselhadora) Muito Obrigada.

18 Referencias estão disponíveis no site Centro de Testagem e Aconselhamento - CTA (48)


Carregar ppt "ACONSELHAMENTO EM DST, HIV AIDS E HEPATITES VIRAIS CTA FLORIANÓPOLIS 1."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google