A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Introdução às pastagens naturais Magno José Duarte Cândido

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Introdução às pastagens naturais Magno José Duarte Cândido"— Transcrição da apresentação:

1 Introdução às pastagens naturais Magno José Duarte Cândido
Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Introdução às pastagens naturais Magno José Duarte Cândido Núcleo de Ensino e Estudos em Forragicultura-NEEF/DZ/CCA/UFC (www.neef.ufc.br) Fortaleza – Ceará 22 de outubro de 2012

2 O QUE SÃO PASTAGENS NATURAIS? (Holechek et al., 2001)
Todas as áreas do mundo que não são desertos inóspitos, fazendas com culturas ou pastagens cultivadas ou que não sejam cobertas por rochas ou gelo SÃO PASTAGENS NATURAIS Florestas, savanas, campos, desertos etc. CONSENSO: Pastagens naturais são áreas não cultivadas (devido a sérias limitações edafo-climáticas) capazes de fornecer habitat para animais domésticos e silvestres  herbivoria. IMPORTANTE: Não devemos classificar pastagens naturais como áreas impossíveis de serem utilizadas para o cultivo agrícola. Ex: Utilização do cerrado, Pantanal e caatinga para a produção de grãos USO DAS PASTAGENS NATURAIS PAISES POBRES: Produção Animal PAISES RICOS: Excesso de oferta de alimentos  água, vida selvagem e recreação MANEJO DE PASTAGENS NATURAIS Manipulação dos componentes da pastagem para se obter a combinação ótima de bens e serviços de forma sustentável.

3 Tipos de plantas de pastagens naturais
Figura – Morfologia da parte aérea e do sistema radicular de plantas lenhosas (árvores e arbustos) e herbáceas (dicotiledôneas e gramíneas).

4 Tipos de ecosssistemas de pastagens naturais
Deserto: estrato herbáceo com baixas densidade e cobertura vegetal Campos: estrato herbáceo (gramíneas e dicotiledôneas herbáceas) em > número Savana: estrato herbáceo abundante e lenhoso esparsado Floresta de porte baixo: estrato herbáceo e lenhoso com elevada densidade de plantas (estrato lenhoso com plantas de menor porte) Floresta de porte alto: estrato herbáceo e lenhoso com elevada densidade de plantas (estrato lenhoso com plantas de porte mais alto)

5 Exemplos de pastagens naturais no mundo
Figuras – Pradarias norte-americanas. Figura – Pradarias norte-americanas submetidas a diferentes pressões de pastejo.

6 Exemplos de pastagens naturais no mundo
Figura - Pastagens arbustivas de Acacia sp. no leste da África. Fonte:

7 Exemplos de pastagens naturais no mundo
Figura - Pastagem nativa rebrotando após queima natural no leste da África Fonte:

8 Exemplos de pastagens naturais no mundo
(Cortesia de Luis Iniguez, 2004)

9 Exemplos de pastagens naturais no Brasil
Figura - Caatinga nativa durante a época chuvosa (cortesia de Araújo Filho).

10 Exemplos de pastagens naturais no Brasil
Figura - Fisionomia de campo cerrado, Bodoquena, MS (Foto: Vânia R. Pivello).

11 Conceitos básicos Pastagem natural é um recurso renovável
A energia solar pode ser utilizada pelas plantas e pode ser colhida unicamente pelos animais em pastejo Em termos de balanço energético do ecossistema como um todo, a pastagem natural supre os humanos com alimentos e fibras DE ORIGEM ANIMAL a custos energéticos muito baixos comparados com aqueles obtidos em pastagens cultivadas Comparando ainda a produção de alimentos oriundos de animais ruminantes x monogástricos em pastagens naturais, a primeira é mais viável, uma vez que os ruminantes são melhor adaptados para usar alimentos mais fibrosos A produtividade é determinada pelo solo, topografia e características climáticas e é geralmente baixa, considerando cada produto econômico individualmente A pastagem natural apresenta possibilidades de produção diversificadas (alimento, fibra, água, recreação, vida selvagem, minerais e madeira)

12 Produtos obtidos das pastagens naturais
Produtos animais Carne bovina, ovina, caprina etc. Lã: Austrália (Holechek et al., 2001) Leite Sangue (tribos nômades africanas) Vida selvagem Past. naturais  primeiro habitat p/ animais selvagens com alto valor para carne, caça e apreciação estética. Estados Unidos: provavelmente principal finalidade Safáris. Ex.: Quênia Recreação Caminhada Cavalgadas Camping Trilha (tracking) Piquenique Caça Pescaria “Parques temáticos” (cultura sertaneja)

13 Figura - Utilização das Pastagens naturais para fins de recreação
Produtos obtidos das pastagens naturais Figura - Utilização das Pastagens naturais para fins de recreação

14 Produtos obtidos das pastagens naturais
Produtos vegetais Espécies tolerantes ao estresse salino (erva-sal) Venda de arbustos ornamentais (cactáceas de modo geral, Agave) Jojoba (Simmondsia chinensis)  substituir o óleo de baleia (ind. lubrif.) Cera p/ fabricar pneus, plantas medicinais (anticancerígenas) etc. Frutos produzidos por plantas nativas (umbuzeiro, cajarana, seriguela...) Madeira e minério Minerais: pastejo tem pouco efeito (uso definido só pelo geólogo e com autoriz. governamental) Madeira: mourões, estacas, lenha, carvão. O pastejo pode exercer efeito. Espaço Aberto Perda de espaço: problema ambiental do século XXI nos países desenvolvidos EUA: população regiões costeiras  Utah, N. México, Arizona, Idaho e Colorado ( 25% nos últimos dez anos) Também: import. na purificação do ar e da água e habitat para espécies raras

15 Produtos obtidos das pastagens naturais
SERVIÇOS ECOLÓGICOS PROPORCIONADOS PELAS PASTAGENS NATURAIS Manutenção da qualidade do ar Manutenção da qualidade da água Decomposição de detritos e matéria orgânica Ciclagem de nutrientes Polinização de plantas Revigoramento da fertilidade do solo Provisão de recursos genéticos, animais e vegetais Controle natural de patógenos e doenças Regulação dos reservatórios de água Sequestro de carbono

16 PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA UTILIZAÇÃO DAS PASTAGENS NATURAIS
Taxa de lotação adequada (principal) Solução imediata de baixo custo: redução no tamanho do rebanho Distribuição adequada dos animais em pastejo Tipo de animal apropriado para cada tipo de pastagem natural Método de pastejo adequado para cada tipo de pastagem natural PRINCIPAIS RISCOS ASSOCIADOS COM A PRODUÇÃO EM PASTAGENS NATURAIS Riscos climáticos: seca, frio, geadas, chuvas torrenciais, fogo natural... Riscos biológicos: incerteza do sucesso de algumas práticas infecções e/ou intoxicações no rebanho ocorrência de predadores ocorrência de pragas Riscos econômicos: imposição de taxas e impostos redução no preço do produto animal aumento nos custos de produção oscilações no valor da terra Outros riscos: fogo intencional descontrolado, roubo, vandalismo

17 DESERTIFICAÇÃO “Formação de condições desérticas em áreas que não têm clima desértico” Causas: pastejo sem controle do manejador, queima, desmatamento, cultivos itinerantes e o abandono de terras áridas e semi-áridas Dados climáticos  seca é recorrente em regiões desérticas. Mas: efeitos da seca sobre a vegetação têm se ampliado Manejo racional das past. naturais  minimizar ou reverter a desertificação DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI RELACIONADOS ÀS PAST. NATURAIS Estabilização da população humana Estabilização do clima

18 Muito Obrigado! Visite o site do Núcleo de Ensino e Estudos em Forragicultura: Magno José Duarte Cândido TEL: (85)


Carregar ppt "Introdução às pastagens naturais Magno José Duarte Cândido"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google