A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DE ATERROS SUSTENTÁVEIS DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PARA MUNICÍPIOS DE PEQUENO PORTE. Grupo: Daniela Souza Francesco Caterina.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DE ATERROS SUSTENTÁVEIS DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PARA MUNICÍPIOS DE PEQUENO PORTE. Grupo: Daniela Souza Francesco Caterina."— Transcrição da apresentação:

1 PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DE ATERROS SUSTENTÁVEIS DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PARA MUNICÍPIOS DE PEQUENO PORTE. Grupo: Daniela Souza Francesco Caterina Nathalia Ribeiro Paulo André Secomandi Rodrigo Ruschel Viviane Vilela

2 E STUDOS P RELIMINARES A geração de resíduos está relaciona ao número de habitantes e aos hábitos de vida da comunidade. O levantamento de dados para um planejamento adequado é constituído por: Geração Varrição Coleta/transporte Tratamento Destino final Situação atual Solução

3 SELEÇÃO DA ÁREA O local escolhido deve: Minimizar os impactos ambientais negativos aos meios físico, biótico e antrópico; Minimizar os custos envolvidos; Minimizar a complexidade técnica para viabilização do aterro; Maximizar a aceitação pública ao encontro dos interesses da comunidade. A escala mais adequada para esse tipo de análise em âmbito municipal é de 1:50.000

4 CRITÉRIOS A SEREM CONSIDERADOS NA SELEÇÃO DE ÁREAS PARA DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

5 C RITÉRIOS A MBIENTAIS Fundamental para a gestão municipal, não apenas para a gestão de resíduos sólidos. Com um diagnóstico ambiental torna-se mais fácil locar atividades potencialmente poluidoras. Características ambientais a serem levantadas: Distância de recursos hídricos mínima de 200 metros; Áreas inundáveis impróprias à disposição de resíduos sólidos em virtude da possibilidade de contaminação dos recursos hídricos pelos líquidos gerados nos sistemas de aterramento;

6 C RITÉRIOS A MBIENTAIS Geologia - potencial hídrico preocupação com a escassez de água; Condutividade hidráulica do solo potencialidade de infiltração de líquidos no solo; maior condutividade hidráulica permitirá mais facilmente a passagem do lixiviado pelo solo; Profundidade do lençol freático obtenção por sondagens; Fauna e flora local enfoque do meio biológico (espécies indicadoras da qualidade ambiental, raras e ameaçadas de extinção e APP).

7 CRITÉRIOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Distância de vias impactos ambientais como ruídos, odores e modificações da paisagem Legislação municipal especificações de cada município Distância aos centros urbanos quanto mais longe da zona urbana mais caro o serviço de transporte; nas proximidades das residências causa incômodo (odores, ruídos, poeira) Outros dois critérios deveriam interferir na análise da seleção de área para o aterro sustentável: Custo da terra para adquirí-la (quando não é propriedade do município) e para avaliação técnica Vida útil adotada relacionada ao crescimento populacional e à geração de resíduos.

8 C RITÉRIOS O PERACIONAIS Clinografia fator restritivo do uso para a disposição e limita o transporte do material Espessura do solo relevância na confecção das camadas de cobertura e base de trincheiras Reaproveitamento da área do lixão para reforçar a importância da recuperação da área degradada

9 P ROJETO Aterro sustentável para comunidades de pequeno porte.

10 M EMORIAL D ESCRITIVO Deverá constar das seguintes partes: Informações cadastrais Deverão constar: Qualificações dos responsáveis técnicos pela área de disposição de resíduos e qualificações daqueles que elaborarem o projeto Informações sobre os resíduos a serem dispostos na área São aquelas informações detalhadas nos estudos preliminares, nas etapas de geração, coleta e transporte. Descrição e especificações dos elementos do projeto; Operação; Uso futuro da área.

11 M EMORIAL D ESCRITIVO Caracterização da área É obtida a partir de: » Levantamento topográfico objetivo de mapear o relevo e os usos da área; » Geológico e geotécnico definição das condições favoráveis e desfavoráveis à implantação do sistema. Com a verificação das características físicas dos solos (espessura, textura, granulometria e condutividade hidráulica) pode se, por exemplo, identificar a ocorrência de fraturas e/ou falhas nas rochas subjacentes; » Levantamento climatológico importantes para as estimativas de geração de lixiviados; » Uso de água e solo indicar os usos dos recursos hídricos locais e áreas no entorno do local do aterro sustentável; Concepção e justificativa do projeto No caso de municípios de pequeno porte, o sistema a ser adotado é o de aterros sustentáveis, operados em trincheiras.

12 E LEMENTOS DO P ROJETO Sistema de drenagem superficial Função: evitar a entrada de água de escoamento superficial. Evita: aumento do volume de lixiviados e a erosão (esta leva a destruição da camada de cobertura e taludes). Sistema de tratamento de lixiviados A qualidade do lixiviado gerado corresponde a um efluente altamente poluidor e que não poderá ser descartado no meio ambiente. A legislação ambiental inclui parâmetros máximos para o lançamento de efluentes nos recursos hídricos naturais.

13 E LEMENTOS DO P ROJETO Impermeabilização de fundo e de laterais Municípios de pequeno porte sistemas simplificados, com redução do custo e adequada segurança. Evitando contaminação do solo, lençóis freáticos e afluentes próximos. Impermeabilização com o próprio solo compactado desde que as características de permeabilidade sejam adequadas Mantas plásticas PEAD (polietileno de alta densidade); PVC (policloreto de vinila Sistema de drenagem de gases Devido a degradação dos resíduos dentro das trincheiras formam- se gases, principalmente metano e dióxido de carbono. projetar um Para retirar os gases de drenagem de gases. Como os gases encontram-se misturados à massa de resíduos, a drenagem deve ser tanto horizontal quanto vertical.

14 E LEMENTOS DO P ROJETO Sistema de cobertura Função: eliminar a proliferação de vetores; diminuir a taxa de formação de lixiviados; reduzir a exalação de odores e impedir a saída descontrolada do biogás. Camada de cobertura dos resíduos propõe-se um solo argilo-arenoso, pois este tipo de material apresenta menor retração por secagem em relação a solos com teores de argila muito elevados.

15 M ONITORAMENTO DAS Á GUAS DO S UBSOLO NBR (ABNT, 1997) deverão ser locados e instalados poços de monitoramento na área Poço de monitoramento: Retira amostras que represente a qualidade da água existente no aqüífero mais alto Constituído de, no mínimo, quatro poços, sendo um a montante e três a jusante no sentido do fluxo de escoamento do lençol freático. Diâmetro mínimo suficiente para coleta de amostras Revestidos e tampados na parte superior para evitar a contaminação das amostras

16 MEMORIAL TÉCNICO Para a escolha da tecnologia a ser adotada no município se faz necessário um estudo preliminar de viabilidade econômica. Por exemplo, a adoção de triagem e compostagem antes do aterro sustentável Presidente Lucena, RS habitantes kg de resíduos sólidos 24% são contaminantes biológicos e 2%, contaminantes químicos Encaminhados direto ao aterro após tratamento

17 45% (653 Kg) restos de alimentos55% (798 kg) recicláveis 74% (1451 Kg) Restante 54% (352 Kg) composto 40% perdidos em transformações químicas e biológicas 6% (39 Kg) retidos na peneira Eficiência de 75% (598 Kg) 25% encaminhado as trincheiras SITUAÇÃO ATUAL 69,5% (1.362 kg ) do material coletado vai para as trincheiras Melhoria na Gestão dos Resíduos R$ /mês no composto (R$ 12,00/Kg) 193/mês em economia de área para disposição final (R$ 1,2/m²) Ganhos Ambientais

18 SISTEMA DO ATERRO Relevo Geometria das trincheiras e sistema de drenagem superficial Solo Lençol Freático Pluviometria Sistema de impermeabilização

19 ALTERNATIVAS E PROPOSTAS Terraplanagem (Layout) Trincheiras Acessos Facilidade na movimentação dos caminhões Área administrativa Área de triagem e compostagem Abertura das Trincheiras Paralelepípedo ou trapezoidal (aplicação de manta) Profundidade de 2 a 3 metros (depende do LF e solo) Passos para dimensionamento: Geração de resíduos Cobertura Intermediária (10 a 20 cm) Vida útil (2 a 4 meses) Compactação dos resíduos Profundidade Formato

20 Fonte: Alternativas de Disposição de Resíduos Sólidos Urbanos para Pequenas Comunidades, 2003 Obtendo a dimensão de uma trincheira e conhecendo-se as características de relevo local, pode-se localizar as trincheiras para o período de projeto (vida útil da área). Geralmente estipulado em 5 anos. É preciso considerar um espaço entre elas para o trânsito do caminhão que fará o descarregamento do material nas trincheiras, sempre observando as cotas do terreno a fim de diminuir a movimentação de terra.

21 Sistema de Drenagem Superficial Canaletas abertas manualmente na direção preferencial do fluxo das águas de escoamento superficial. Cálculo da Vazão de Águas Pluviais Dimensionamento do Canal Impermeabilização Laterais e fundo (abertura de trincheiras) Revestimentos Minerais (condutividade hidráulica (k) < 10 –7 cm/s) Camadas de 20 a 30 cm de espessura Espessura 60cm Revestimentos Sintéticos (Geomembranas) PEAD PVC Polipropileno Cobertura intermediária e final (durante o preenchimento) PVC para cobertura final, pois não há contato direto com os resíduos Baixa resistência química

22 Sistemas de Cobertura Minimizar impactos visuais, odores e vetores Dificultar a entrada de água no sistema anaeróbio Realizada com solo recuperado das trincheiras, podendo utilizar manta Fonte: Alternativas de Disposição de Resíduos Sólidos Urbanos para Pequenas Comunidades, 2003

23 Caso não haja cobertura intermediária, pode-se construir um telhado até que a trincheira seja inteira preenchida. Fonte: Alternativas de Disposição de Resíduos Sólidos Urbanos para Pequenas Comunidades, 2003

24 Sistema de Drenagem e Tratamento de Lixiviados Tratamento Biológico Recirculação do Lixiviado Tratamento Físico-químico (em conjunto com biológico) Sistema adotado em aterros de pequeno porte: Fonte: Alternativas de Disposição de Resíduos Sólidos Urbanos para Pequenas Comunidades, 2003 Recirculação do Lixiviado (aceleração do processo de degradação dos resíduos). Finalizado em um poço de captação, geralmente no ponto mais baixo do terreno. Vazão de lixiviado depende da precipitação anual, área da trincheira e da compactação dos resíduos.

25 Sistema de Drenagem de Gases Métodos para a predição da geração de gases Biodegrabilidade dos resíduos Composição elementar dos resíduos (Estequiometria) Drenos dispostos verticalmente até a superfície Queimadores de gases na extremidade Plano de monitoramento e uso futuro da área Garantir a segurança e integridade do sistema Durante toda a vida ativa do sistema, ou então até que as emissões atinjam padrões aceitáveis definidos pelos órgãos de controle ambiental. Alternativas Futuras Reiniciar a colocar mais resíduos sobre os já degradados Área de lazer para a comunidade Obras de engenharia não são recomendadas

26 IMPLANTAÇÃO Somente iniciado após o recebimento da LI (licença de instalação) pelo órgão estadual ambiental. Atividades a serem executadas (seguindo-se os dimensionamentos da etapa de projeto): Limpeza e isolamento da área, Construção de estruturas de apoio (portaria, vestiários), Melhoria e/ou implantação de vias de acesso; Terraplanagem; Construção das trincheiras; Sistemas de drenagem superficial, Sistemas de drenagem de lixiviados e gases; Impermeabilização de fundo e laterais; Poços de monitoramento; Obras de infra-estrutura para o sistema de tratamento de lixiviados.

27 FLUXOGRAMA DAS ETAPAS DE IMPLANTAÇÃO DO ATERRO SUSTENTÁVEL.

28

29

30

31

32 OPERAÇÃO Está diretamente ligada a todas as etapas anteriores de gerenciamento desses resíduos no município Fatores que interferem na forma pela qual as trincheiras serão operadas: freqüência de coleta; tipo de equipamento empregado na coleta; a existência ou não de coleta seletiva. Uma das medidas mais importantes para o bom gerenciamento municipal na área é a capitação capacitação profissional (um treinamento técnico mínimo ou, ainda mais, um curso básico sobre gerenciamento de resíduos sólidos).

33 DESCARGA/ PREENCIMENTO/ ESPALHAMENTO/ COMPACTAÇÃO DAS TRINCHEIRAS Operação propriamente dita das trincheiras é a forma pela qual os resíduos serão acondicionados nelas. Nesta etapa serão executadas ou não, dependendo das alternativas adotadas, a cobertura intermediária dos resíduos e a compactação dos mesmos.

34 Os resíduos após descarga nas trincheiras poderão ser espalhados manualmente. A compactação das trincheiras, por sua própria conformação, não pode ser executada com maquinário normalmente empregado para este fim em aterros sanitários (trator de esteiras). Após o total preenchimento de cada trincheira, a cobertura final é realizada, sendo interessante a plantação de gramíneas, auxiliando tanto a estética local como a diminuição de infiltração de água de chuva DESCARGA/ PREENCIMENTO/ ESPALHAMENTO/ COMPACTAÇÃO DAS TRINCHEIRAS

35 A NÁLISE DE CUSTOS DE ATERROS SANITÁRIOS Avaliação econômica incorpora os custos envolvidos em todas as etapas do aterro (projeto, implantação, operação e monitoramento). Os elementos de custo primeiramente envolvidos são aqueles referentes à etapa de estudos preliminares (principalmente a escolha da área). Para o caso de aterros sustentáveis, o custo de projeto varia em torno de 5% a 3% do total do investimento. A aquisição do local para implantação do aterro sanitário representa um dos principais custos relacionados à fase de planejamento do aterro sustentável. Custos referentes à etapa de implantação. Custos dos serviços de operação diária do sistema e de encerramento pós-finalização de uso da área.

36 CONSIDERAÇÕES FINAIS O aterro sustentável proposto tem as seguinte vantagens principais: Geram pequeno volume de resíduos nas trincheira, gerando poucos lixiviados e gases, possibilitando: Maior controle do sistema, tendo em vista eventuais vazamentos. O sistema de drenagem de gases pode ser bastante simplificado, com exigência de diâmetros mínimos, em decorrência da baixa geração. Utilização de sistema de impermeabilização de fundo e laterais e cobertura simplificado. Facilidade de operação, com a substituição de equipamentos usualmente empregados em aterros sanitários por operação manual.

37 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com a recirculação adequado dos lixiviados, tem como vantagens em sua aplicação: O processo de degradação da matéria orgânica acelerado pela técnica de recirculação do lixiviado; Dispensa a unidade de tratamento do lixiviado atinge rapidamente os valores máximo permitido para o lançamento dos efluentes no meio. Nitrogênio e fósforo Compostagem ou lançamento em camadas de solo para o tratamento terciário (infiltração no solo) A seleção de áreas representa a etapa mais importante do gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos, não apenas pela proteção ao meio ambiente, mas também pela significativa redução de custo que pode ser obtida no emprego de revestimentos minerais para impermeabilização de laterais e fundo.

38 CONCLUSÃO Através dos dados levantado no estudo, pode-se perceber que é economicamente viável e ambientalmente seguro utilizar tecnologias alternativas de disposição de resíduos sólidos urbanos.


Carregar ppt "PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DE ATERROS SUSTENTÁVEIS DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PARA MUNICÍPIOS DE PEQUENO PORTE. Grupo: Daniela Souza Francesco Caterina."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google