A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Expedição à 4ª Nascente do Tabuão ou Lorena Expedição à 4ª Nascente do Tabuão ou Lorena.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Expedição à 4ª Nascente do Tabuão ou Lorena Expedição à 4ª Nascente do Tabuão ou Lorena."— Transcrição da apresentação:

1

2 Expedição à 4ª Nascente do Tabuão ou Lorena Expedição à 4ª Nascente do Tabuão ou Lorena

3 A 4ª nascente do ribeirão Tabuão ou Lorena é a nascente principal? Qual a situação da Área de Preservação Permanente dessa nascente? Problema Em 2002, foram visitadas duas nascentes ( em verde), as quais chamamos nascentes do meio e principal, acreditando que essa última seria a principal, porém levantou-se a hipótese de que a principal pudesse ser o 4º braço que aparece no mapa ( vermelho), na qual visitamos no dia 10 de maio de 2003.

4 Nascente do Meio Nascente Principal Encosta da Nascente do Meio Encosta da Nascente Principal

5 a. Promover análise e reflexão sobre assuntos relacionados a Geografia (homem e o meio), através da prática de interação dos diversos campos do conhecimento geográfico. b. Realizar a verificação de possíveis problemáticas que possam ser abordadas sob a ótica dos temas para projetos de pesquisa e futuros TCCs. c. Integrar teoria e prática, por meio dos estágios, incentivando a pesquisa e a atuação pedagógica. d. Dinamizar a formação do educador por meio de projetos de educação ambiental junto à escolas e comunidades. Objetivos Gerais

6 a. Identificar a nascente principal do ribeirão Tabuão, bem como verificar a situação da Área de Preservação Permanente. b. Inserir o processo educativo e a participação social na ação local junto a Bacia Hidrográfica do ribeirão Tabuão (Entregar projeto de recomposição da mata ciliar de uma das nascentes do Tabuão ao proprietário da fazenda Santa Edwiges). Objetivos Específicos

7 Público-alvo Comunidades do entorno do ribeirão Tabuão, principalmente proprietários de fazendas, escolas, moradores e poder público.

8 Realizar expedições junto ao ribeirão Tabuão e envolver estagiários da Geografia em estudos e levantamento de dados sobre: 1) Área da Bacia Hidrográfica do ribeirão Tabuão ou Lorena, por meio de observações, uso da cartografia e instrumentos próprios. 2) Identificação e análise das Áreas de Preservação Permanente. 3) A Ação antrópica e o Impacto ambiental. 4) As possíveis propostas de recomposição, educação e conservação ambiental.Conteúdos

9 Desenvolvimento e Metodologia Centro Unisal: Reconhecimento de área- Bacia Hidrográfica do ribeirão Tabuão ou Lorena, através da cartografia e instrumentos

10 Desenvolvimento e Metodologia Centro Unisal: Reconhecimento da Área de Preservação Permanente O entorno da nascente está cercada por uma mata em regeneração ( nativa secundária).

11 Desenvolvimento e Metodologia Identificação da NASCENTE PRINCIPAL Apesar da 4ª nascente estar numa altitude de 957 m, abaixo da 3ª nascente (1239 m) é a nascente considerada a PRINCIPAL, pois é a mais distante da foz. O olho dágua migrou em torno de 100 m, estando coberto por capim gordura. Para uma regeneração completa da vegetação, caberia aí o isolamento da nascente de um raio mínimo de 50 m.

12 Desenvolvimento e Metodologia A ação antrópica e o Impacto ambiental Ao fundo se pode ver a ação do homem, mares de morros desmatados, ao longo da história, para produzir café, carvão, leite e gado de corte. À nossa frente a nascente possuidora ainda de uma mata protetora, as nossas costas só pastos.

13 Desenvolvimento e Metodologia As possíveis propostas de recomposição, educação e conservação ambiental Nesta expedição foi entregue ao proprietário da Fazenda Santa Edwiges o PROJETO de recomposição da mata ciliar de uma das nascentes do Tabuão, organizado pelo Daee, Acdal, Ibama, Centro Unisal, Instituto Oykos, e Progaia, organizado após expedição em A participação do Comitê de Bacia Hidrográfica Paraíba do Sul sem dúvida, esclareceu a importância de cuidar das pequenas bacias hidrográficas, no sentido de garantirmos a conservação do ambiente e conseqüentemente a manutenção da água. Acdal Instituto Oykos

14 Levantamento Bibliográfico Lei 4771/65, de 15 de setembro de Institui o novo Código Florestal. Legislação Ambiental. GPRH- Grupo de Pesquisas em Recursos Hídricos – DEA- UFV e ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica. Lei 1172/76, de 17 de novembro de Delimita as áreas de proteção relativas aos mananciais, cursos e reservatórios de água a que se refere o artigo 2º à Lei nº 898 de 18 de dezembro de 1975, que estabelece normas de restrição do uso do solo e tais áreas e dá providências correlatas. Legislação Ambiental. GPRH- Grupo de Pesquisas em Recursos Hídricos – DEA - UFV e ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica. Lei 6938/81, de 31 de agosto de Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Legislação Ambiental. GPRH- Grupo de Pesquisas em Recursos Hídricos – DEA - UFV e ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica.

15 Levantamento Bibliográfico Levantamento Bibliográfico Constituição Brasileira de Art Dispõe sobre o Meio Ambiente. Legislação Ambiental. GPRH- Grupo de Pesquisas em Recursos Hídricos – DEA - UFV e ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica. Decreto nº. 750/93, de 10 de fevereiro de Dispõe sobre o corte, a exploração e a supressão de vegetação primária ou nos estágios avançados e médio de regeneração da Mata Atlântica e dá outras providências. Legislação Ambiental. GPRH - Grupo de Pesquisas em Recursos Hídricos – DEA - UFV e ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica. Lei 9605/98, de fevereiro de Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao Meio Ambiente e dá outras providências. Legislação Ambiental. GPRH - Grupo de Pesquisas em Recursos Hídricos – DEA - UFV e ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica.

16 Considerações Finais Considerações Finais Com a expedição pôde-se constatar que a nascente visitada é a nascente principal e sua situação de preservação é boa, porém ela deve ser cercada no mínimo exigido por lei em 50 m, a fim de protegê-la da invasão de animais. Muito importante é que a expedição incentivou os alunos na aprendizagem da Geografia, por meio da utilização dos mapas, bússola, GPS, pelo reconhecimento da área - erosão, área de preservação permanente, assoreamento do ribeirão, a ação antrópica... Permitiu ainda o levantamento dos temas a serem encaminhados para o trabalho de produção de material pedagógico, bem como para o trabalho de conclusão de curso.

17 Equipe- Equipe- Alunos Claudia Cristina Lourenço Claudio Antonio Lopes da Silva Dermeson Ezequiel de A Carvalho Elaine Cristina Blodorn José Rodrigues da Silva Júlio César Pereira Rosa Márcio Felipe Costa Maria de Fátima da Silva Maria Laura Aparecida Barbosa Pereira Priscila de Castro Corrêa Roberto de Souza Brandão Sônia Josemira Vicente

18 Equipe Professores Fábio Sanches Maurício Zacarias Moreira Euni Vieira e Silva Coordenadora de Estágios

19 Coordenadora Geografia Prof.ª Elisa Regina Torquato Salles Diretor Acadêmico Prof. Fábio José Garcia dos Reis Diretor Geral Pe. Milton Braga de Resende


Carregar ppt "Expedição à 4ª Nascente do Tabuão ou Lorena Expedição à 4ª Nascente do Tabuão ou Lorena."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google