A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Associação Brasileira de Metalurgia e Materiais AUTORES: Prof. Antônio Eduardo Polisseni / UFJF Prof. Luiz Cezar Duarte Pacheco / UFJF Prof. Luiz Cezar.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Associação Brasileira de Metalurgia e Materiais AUTORES: Prof. Antônio Eduardo Polisseni / UFJF Prof. Luiz Cezar Duarte Pacheco / UFJF Prof. Luiz Cezar."— Transcrição da apresentação:

1 Associação Brasileira de Metalurgia e Materiais AUTORES: Prof. Antônio Eduardo Polisseni / UFJF Prof. Luiz Cezar Duarte Pacheco / UFJF Prof. Luiz Cezar Duarte Pacheco / UFJF Prof. Orlando Longo / UFF Prof. Orlando Longo / UFF Sustentabilidade do Setor Siderúrgico Brasileiro: Agregado Siderúrgico NOVEMBRO / 2006 A UTILIZAÇÃO DO AGREGADO SIDERÚRGICO COMO LASTRO DE FERROVIA

2 1. Introdução 1.1. Construção Civil: Desenvolvimento Tecnológico Compartilhado com Desenvolvimento Sustentável Compartilhado com Desenvolvimento Sustentável

3 1.2. Visão de Sustentabilidade 3 R REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR

4 RECICLAR ???? REDUZIR ???? ESCÓRIA DE ACIARIA ENTULHO DE CAÇAMBA

5 ENTULHO DE CAÇAMBA RECICLADO ESCÓRIA DE ACIARIA RECICLADA

6 2. Justificativa

7 a) b) c) d) Escória de aciaria: a) vazamento da escória; b) resfriamento lento; c) escória sólida; d) sistema de britagem e recuperação da fração metálica.

8 3.Oportunidades de utilização das escórias de aciaria 3. Oportunidades de utilização das escórias de aciaria

9 3.1.Ferrovias 3.1. Ferrovias Locomotiva Vagões Via Permanente

10 VIA PERMANENTE Dormentes; Trilhos; Lastro; Sub-lastros; Fixações; OAC; OAE.

11 VIA PERMANENTE

12 VIA PERMANENTE - DESGUARNECIMENTO

13

14 Sistema Ferroviário Nacional

15 Malhas da RFFSA (87%) - Concessão

16 Sistema Ferroviário Nacional: Toneladas por Kilômetro Útil - TKU)

17 3.2. Geração média dos principais resíduos siderúrgicos

18 Lastro Ferroviário: Agregado Siderúrgico TendênciaVetor de CrescimentoBarreiras Privatização das ferrovias; Competitividade comparada com a brita; Características mecânicas e de forma compatíveis com os resultados da brita; Apelo ambiental Falta de normalização; Divulgação e conhecimento da tecnologia ; Falta de infra-estrutura p/ carregamento nos vagões; Custo do frete para distância acima de 60 Km; Paradigma da brita.

19 4. Ensaios / Avaliações Agregado Siderúrgico NBR Via Férrea – Lastro Padrão (Agregado Natural) NBR XXXX – Via Férrea – Lastro Padrão (Agregado Siderúrgico)

20

21

22

23

24

25 Caracterização Ambiental (NBR 10004) Os resíduos podem ser classificados em dois grupos de acordo com suas características: Os resíduos podem ser classificados em dois grupos de acordo com suas características: - Resíduos Perigosos (Classe I) - Resíduos Não Perigosos (Classe II) Inertes (Classe II B) Não Inertes (Classe II A)

26 Classificação: - Ensaio de solubilização - Ensaio de lixiviação O ensaio de solubilização avalia o potencial dos resíduos de liberar seus componentes constituintes para a água pura, comparativamente ao padrão de potabilidade. O ensaio de solubilização avalia o potencial dos resíduos de liberar seus componentes constituintes para a água pura, comparativamente ao padrão de potabilidade. O ensaio de lixiviação avalia o potencial de liberação dos componentes constituintes dos resíduos para o meio ambiente e portanto seu potencial de vir a impactar solos e águas subterrâneas. O ensaio de lixiviação avalia o potencial de liberação dos componentes constituintes dos resíduos para o meio ambiente e portanto seu potencial de vir a impactar solos e águas subterrâneas. Caracterização Ambiental (NBR 10004)

27 Classe I – 3% Classe II B – 2% Classe II A – 95% Caracterização Ambiental (NBR 10004)

28 Granulometria (NBR 5564) Granulometria conforme Granulometria não-conforme

29 NBR 5564: Via Férrea / Lastro PadrãoEnsaios Material Pétreo NBR 5564 Material Pétreo (Valores Médios) Agregado Siderúrgico (Valores Médios) Massa Específica (g/cm³) Mínima 2,42,73,5 Massa Unitária (g/cm³) **1,41,7 Absorção de Água (%) Máxima 10,41,9 Porosidade Aparente (%) Máxima 10,63,8 Abrasão Los Angeles (%) Máxima ,3 Resistência ao Choque (TRETON) (%) Máxima 206,24,7 Formato das Partículas CúbicoCúbicoCúbico Fragmentos Macios e Friáveis (%) 51,30

30 Peneira (mm) Porcentagem em massa retida acumulada (%) Padrão A Padrão B 76,2– 0 – 0 63,5 0 – 10 50,8 – 38,0 30 – – 75 25,4 85 – 100 – 19,0– 90 – ,0 95 – 100 Granulometria (NBR 5564)

31

32 Caracterização Ambiental (NBR 10004)

33 Ensaio de Resistividade Via seca Via úmida

34 Resistividade In Loco

35 Avaliação da Resistividade In Loco por um período de 6 (seis) meses: CVRD ALL FCA Supervia MRS Logística Resistividade In Loco

36 4. Conclusões

37


Carregar ppt "Associação Brasileira de Metalurgia e Materiais AUTORES: Prof. Antônio Eduardo Polisseni / UFJF Prof. Luiz Cezar Duarte Pacheco / UFJF Prof. Luiz Cezar."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google