A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sapal de Corroios A história…. O que é um Sapal Vegetação própria de zonas húmidas, particularmente de águas salobras; Formado por pequenas ilhas cobertas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sapal de Corroios A história…. O que é um Sapal Vegetação própria de zonas húmidas, particularmente de águas salobras; Formado por pequenas ilhas cobertas."— Transcrição da apresentação:

1 Sapal de Corroios A história…

2 O que é um Sapal Vegetação própria de zonas húmidas, particularmente de águas salobras; Formado por pequenas ilhas cobertas de vegetação, intercalados por linhas de água de fundo lodoso; A textura e constituição mineralógica são essencialmente siltosa, argilosa e orgânica;

3 Localização do Sapal de Corroios Moinho de maré de Corroios e a restinga da Ponta do Mato; Com cerca de 143ha; Domínio Público Hídrico, abrangida pela legislação da Reserva Ecológica Nacional.

4 Importância do Sapal de Corroios É base cadeias alimentares do estuário do Tejo, servindo de sustento a todos os animais do estuário, nos vários níveis tróficos; Tem capacidade de armazenar e sequestrar metais pesados, tornando- os inactivos; Constitui abrigo e protecção dos peixes juvenis contra predadores;

5 Actividades desenvolvidas no sapal Em 1945 deu-se início à primeira actividade piscícola; Nestas explorações tradicionais o investimento e a intervenção humana eram mínimos;

6 O Atentado Ambiental no Sapal de Corroios – o início Em 1997 a empresa Viveilis – Viveiros de Peixe, Lda., apresentou à Direcção Regional de Ambiente de Lisboa e Vale do Tejo (DRALVT), um novo projecto; Que incluía um reservatório, 15 tanques para engorda de peixe e duas lagoas de sedimentação; Zona numa exploração em regime intensivo, envolveu cerca de 17,3ha da área do sapal, sendo construído com o apoio financeiro dos Fundos da União Europeia.

7 O Atentado Ambiental no Sapal de Corroios – a Destruição Em 2000, deu-se início à obra impedindo que as águas invadissem o viveiro, de modo a secar as lamas no seu interior, causando impactes negativos para as espécies ocorrentes…

8

9

10 O Atentado Ambiental no Sapal de Corroios – a Destruição Em 3 de Maio de 2001, várias entidades foram alertadas da movimentação de máquinas e terras junto ao Sapal de Corroios; Atentado Ambiental no Sapal de Corroios, onde se deu o início da destruição de um terço deste importante ecossistema;

11

12

13 GAIA

14

15 O Atentado Ambiental no Sapal de Corroios – a Destruição Meses antes do inicio da destruição do Sapal, a Câmara Municipal do Seixal ordenou a retirada de placas que identificavam a zona como Reserva Ecológica Nacional!

16 Formação do Grupo em Defesa do Sapal de Corroios (actual Grupo Flamingo);

17 Em 21 de Agosto de 2001, a CMS embargou a obra, invocando a falta de licenciamento Municipal; Em 30 de Abril de 2002, o Grupo Flamingo, denunciou e enviou à Comissão Europeia um relatório a explicar toda a situação decorrida no Sapal de Corroios;

18 O Atentado Ambiental no Sapal de Corroios – a Destruição …mas as obras continuaram GAIA

19 Em 23 de Outubro de 2002, procedeu-se ao embargo coercivo às obras de construção do viveiro pertencente à Viveilis, por parte da CMS… … As obras param…

20 No dia 28 de Fevereiro de 2003, o secretário de Estado Adjunto e do Ordenamento do Território, admite que a tutela cometeu uma irregularidade ao autorizar a construção de uma piscicultura no Sapal de Corroios; Declara nula a licença emitida e refere que a CCDRLVT deverá acompanhar a reposição do sapal…

21

22 Em Maio de 2003, foi entregue um abaixo assinado com cerca de duas mil assinaturas, que apelava à reposição da área destruída e à preservação do Sapal de Corroios…

23 A área destruída com cerca de 17,3ha nunca foi reposta, e não se verificou qualquer iniciativa por parte da Autarquia em pressionar a empresa ou as entidades competentes para a reposição do Sapal; Verificou-se que parte dos tanques ficaram submersos através da acção das marés, o que se conclui que a natureza tende a repor o seu estado natural, mesmo sem a ajuda daqueles que o destruíram…

24

25

26

27 O Atentado Ambiental no Sapal de Corroios – a Destruição No dia 7 de Dezembro decorreu uma sessão pública, por iniciativa da CMSeixal onde se constata que foi entregue um novo projecto pela empresa Viveilis para o recomeço das obras no Sapal de Corroios… … o projecto é o mesmo de 1997…

28 O Atentado Ambiental no Sapal de Corroios – a Destruição Com a nova alteração da Lei da REN, presentemente é permitido que se desenvolvam este tipo de infra-estruturas em locais frágeis como o Sapal de Corroios… Para as obras avançarem bastava a aprovação do executivo camarário…

29 O Atentado Ambiental no Sapal de Corroios – a Destruição Câmara do Seixal aprova tanques para engorda artificial de peixes no Sapal de Corroios e permite a destruição do mais importante património natural do concelho …com nove votos a favor do senhor Presidente da Câmara, Alfredo Monteiro e dos senhores vereadores, Corália Loureiro, Joaquim Santos, Jorge Silva, Carlos Mateus, Paula Santos, Menezes Rodrigues, Samuel Cruz e José Assis e duas abstenções dos senhores vereadores João Seabra e Manuel Pires, o licenciamento da piscicultura no Sapal de Corroios.

30 O Atentado Ambiental no Sapal de Corroios – a Destruição É pena que o Sr. Presidente da CMSeixal mude de opinião em sete anos decorridos.. Será que se esqueceu do que prometeu?

31 O Atentado Ambiental no Sapal de Corroios – a Destruição O que eles escreveram no Boletim Municipal do Seixal: n.º 325, de 13 de Julho de 2001, página 7 O que o Município exige é que seja reposto o sapal de Corroios e que as actividades que possam ter interesse económico não podem pôr em questão um património natural que sempre defendemos e preservamos. A Câmara Municipal, com as instituições e as pessoas, será um defensor intransigente deste património do nosso concelho e do Tejo.

32 Subscreva o abaixo-assinado Ajude-nos a salvar o Sapal de Corroios!


Carregar ppt "Sapal de Corroios A história…. O que é um Sapal Vegetação própria de zonas húmidas, particularmente de águas salobras; Formado por pequenas ilhas cobertas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google