A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2012 A Igreja e a Saúde Pública Formatação: Adilson Luiz Gonzaga Paróquia São Benedito - Itajubá/MG Adaptação de Pe. Jésus Benedito.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2012 A Igreja e a Saúde Pública Formatação: Adilson Luiz Gonzaga Paróquia São Benedito - Itajubá/MG Adaptação de Pe. Jésus Benedito."— Transcrição da apresentação:

1 CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2012 A Igreja e a Saúde Pública Formatação: Adilson Luiz Gonzaga Paróquia São Benedito - Itajubá/MG Adaptação de Pe. Jésus Benedito dos Santos (Arq. De Pouso Alegre/MG)

2 O SUS (Sistema Único de Saúde), inspirado em belos princípios como a universalidade, com a proposta de atender a todos, indiscriminadamente, deveria ser modelo para o mundo. No entanto, com algumas exceções, os seus serviços deixam a desejar, sobretudo no atendimento das pessoas mais necessitadas dos seus cuidados

3 Toda a ação eclesial brota de Jesus Cristo e se volta para Ele e para o Reino do Pai. A CF/2012 vem para acender mais uma luz de esperança aos que precisam dos serviços de saúde.

4 Saúde e doença Diante de muitas doenças, males e sofrimentos a pessoa tende a perguntar pelo sentido religioso do sofrimento. Podemos dizer que todos nutrem-se do religioso e necessitam do apoio religioso para poder vencer e sair daquela condição.

5 A bênção prometida para quem observa a lei de Deus é uma situação de bem-estar, saúde e prosperidade Deuteronômio (28,1-14) A bênção prometida para quem observa a lei de Deus é uma situação de bem-estar, saúde e prosperidade Deuteronômio (28,1-14)

6 SAÚDE E SALVAÇÃO Nas línguas antigas é comum a utilização de um mesmo termo para expressar os significados de saúde e de salvação. GREGO = SOTER LATIM = SALUS Saúde e salvação significaram plenitude, integridade física e espiritual, paz, prosperidade.

7 Houve um tempo em que, entre os judeus piedosos, o fato de recorrer aos médicos era visto como falta de fé no Deus vivo e verdadeiro, pois a doença era compreendida como uma forma de punição por parte de Deus. É o que se percebe no segundo livro das Crônicas que denuncia o rei Asa por não ter recorrido ao Senhor, mas ter buscado médicos e morrido rapidamente. 2Cr 16,12 (430 aC) 2Cr 16,12 (430 aC)

8 Para muitos povos antigos a doença resultava da ação de forças alheias ao organismo que se instalavam na pessoa por causa de: > erros em vidas passadas > infrações na vida presente > castigo da divindade > ações de demônios Por isso era comum a busca da cura na religião ou com certas práticas de magia. Para muitos povos antigos a doença resultava da ação de forças alheias ao organismo que se instalavam na pessoa por causa de: > erros em vidas passadas > infrações na vida presente > castigo da divindade > ações de demônios Por isso era comum a busca da cura na religião ou com certas práticas de magia. RELAÇÃO SAÚDE E RELIGIÃO NA ANTIGUIDADE E NA BÍBLIA

9 A preservação da saúde, mais do que a cura da doença era obtida pela a observância da Lei de Deus Dt 28, Para certos problemas físicos eram os sacerdotes que deviam ser consultados, recorrer aos médicos era visto como falta de fé no Deus vivo. RELAÇÃO SAÚDE E RELIGIÃO NA ANTIGUIDADE E NA BÍBLIA

10 Antigo Testamento

11 É melhor um pobre são e vigoroso do que um rico flagelado em seu corpo. Saúde e boa constituição valem mais do que uma enorme fortuna. Não existe riqueza que valha mais do que um corpo sadio, nem maior satisfação do que a alegria do coração. Eclo 30, (180 AC) Eclo 30, (180 AC)

12 Rende ao médico as honras que lhe são devidas por causa de seus serviços, porque o Senhor o criou. Pois é do Altíssimo que vem cura, como um presente que se recebe do rei. Eclo 38,1.7

13 Mais importante que curar é o trabalho de evitar que as pessoas adoeçam e promovê-las para que tenham vida em abundância. Realidade que o ditado popular consagrou:é melhor prevenir que remediar. Mais importante que curar é o trabalho de evitar que as pessoas adoeçam e promovê-las para que tenham vida em abundância. Realidade que o ditado popular consagrou:é melhor prevenir que remediar. Temperança (Eclo 37,27-31)

14 Novo Testamento Cego de nascença (Jo 9,1-41) Quem pecou para que ele nascesse cego? Nem ele, nem seus pais pecaram, mas é uma ocasião para que se manifestem nele as obras de Deus Discípulos Jesus

15 Novo Testamento

16 Jesus percorria toda a Galiléia,... Curando toda espécie de doença e enfermidade do povo (Mt 4, 23). Estas obras manifestam a sua origem divina e sua messianidade, ao curar o homem inteiro, alma e corpo e, resgatá-lo para o convívio social. Também indica uma nova forma de se relacionar com as pessoas necessitadas, especialmente os doentes. Jesus percorria toda a Galiléia,... Curando toda espécie de doença e enfermidade do povo (Mt 4, 23). Estas obras manifestam a sua origem divina e sua messianidade, ao curar o homem inteiro, alma e corpo e, resgatá-lo para o convívio social. Também indica uma nova forma de se relacionar com as pessoas necessitadas, especialmente os doentes. JESUS E OS DOENTES: A SAÚDE SE DIFUNDE SOBRE A TERRA

17 Novo Testamento Jesus dá uma nova direção para a compreensão da enfermidade, acabando com a lógica excludente de atribuir a culpa da enfermidade a Deus e por decorrência ao pecado, o que gerava e, ao mesmo tempo, legitimava a exclusão social e religiosa de quem se achasse doente.

18 Novo Testamento Jesus não tem só poder de curar, mas também de perdoar pecados: ele veio curar o homem inteiro, alma e corpo; é o médico de que necessitam os doentes. Sua compaixão para com todos aqueles que sofrem é tão grande que ele se identifica com eles: estive doente e me visitaste (Mt 25,36 ). Seu amor de predileção pelos enfermos não cessou, ao longo dos séculos, de despertar a atenção toda especial dos cristãos para com todos os que sofrem no corpo e na alma. Esse amor está na origem dos incansáveis esforços para aliviá-los

19 Novo Testamento

20 BOM SAMARITANO Atitude em revelada em sete verbos 1) VER O Bom Samaritano é todo homem que se detém junto ao sofrimento de outro homem, seja qual for o sofrimento.

21 BOM SAMARITANO Atitude em revelada em sete verbos 2) COMPADECER-SE Bom Samaritano é todo homem sensível ao sofrimento de outrem... Por vezes esta compaixão acaba por ser a única ou a principal expressão do nosso amor e da nossa solidariedade com o homem que sofre (SD 28).

22 BOM SAMARITANO Atitude em revelada em sete verbos 3) APROXIMAR-SE Curar-se do medo de se aproximar do outro, de se tornar próximo do outro, pois isto implica aceitar tornar-se frágil nas mãos de outrem.

23 BOM SAMARITANO Atitude em revelada em sete verbos 4) CURAR A presença do outro que sofre clama por cuidado. Acolhendo este clamor se traduz em atitude os sentimentos de solidariedade e compaixão.

24 BOM SAMARITANO Atitude em revelada em sete verbos Significa colocar a serviço do outro os próprios bens. 5) COLOCAR NO PRÓPRIO ANIMAL

25 BOM SAMARITANO Atitude em revelada em sete verbos 6) LEVAR À HOSPEDARIA Indica a necessidade de mudanças e adaptação para atender aquele que sofre. A mobilização de levar à hospedaria gera uma rede de solidariedade.

26 BOM SAMARITANO Atitude em revelada em sete verbos 7) CUIDAR Este verbo expressa o conjunto da intervenção do Samaritano. Cuidar passa a ser uma missão, pois os passos dados pelas ações no decorrer da intervenção gera compromisso.

27 Novo Testamento O espírito do samaritano deve impulsionar o trabalho da igreja. Como mãe amorosa, ela deve aproximar-se dos doentes, dos fracos, dos feridos, de todos os que se encontram jogados no caminho a fim de acolhê-los, cuidar deles, infundir-lhes força e esperança. No restabelecimento da saúde física está em jogo mais que a vitória imediata sobre a enfermidade. Quando nos aproximamos dos enfermos, aproximamo-nos de todo ser humano porque a enfermidade o afeta integralmente.

28 Alguém dentre vós está doente? Mande chamar os presbíteros da Igreja, para que orem sobre ele, ungindo-o com óleo no nome do Senhor Alguém dentre vós está doente? Mande chamar os presbíteros da Igreja, para que orem sobre ele, ungindo-o com óleo no nome do Senhor Tg 5,14

29 AS AÇÕES DE JESUS INSPIRAM A IGREJA As ações de Jesus para com os doentes inspiraram a Igreja no exercício da caridade fraterna. É importante salientar que muitos religiosos e religiosas vivem sua consagração a Deus e se incorporam na missão da Igreja por meio do serviço aos doentes e àqueles que sofrem. O discípulo missionário abre seu coração para todas as formas de vida ameaçada desde o seu início até a morte natural. DGAE , n. 67. As ações de Jesus para com os doentes inspiraram a Igreja no exercício da caridade fraterna. É importante salientar que muitos religiosos e religiosas vivem sua consagração a Deus e se incorporam na missão da Igreja por meio do serviço aos doentes e àqueles que sofrem. O discípulo missionário abre seu coração para todas as formas de vida ameaçada desde o seu início até a morte natural. DGAE , n. 67.

30 Quem permanece por muito tempo próximo das pessoas que sofrem, conhece a angústia e as lágrimas, mas também o milagre da alegria, fruto do amor (Bento XVI). Na Igreja, os doentes evangelizam e recordam que a esperança repousa em Deus. Se os enfermos evangelizam, também provocam uma resposta da Igreja. Primeiro, a oração na fé, a oração feita com fé salvará o doente, e o Senhor o levantará (cf. Tg 5,15). Quem permanece por muito tempo próximo das pessoas que sofrem, conhece a angústia e as lágrimas, mas também o milagre da alegria, fruto do amor (Bento XVI). Na Igreja, os doentes evangelizam e recordam que a esperança repousa em Deus. Se os enfermos evangelizam, também provocam uma resposta da Igreja. Primeiro, a oração na fé, a oração feita com fé salvará o doente, e o Senhor o levantará (cf. Tg 5,15). OS ENFERMOS NO SEIO DA IGREJA

31 AÇÃO TRANSFORMADORA NO MUNDO DA SAÚDE A Pastoral da Saúde representa a atividade desempenhada pela Igreja no setor da saúde, é expressão de sua missão e manifesta a ternura de Deus para com a humanidade que sofre. A Igreja, ao meditar a parábola do bom samaritano (cf. Lc 10,25-37), entende que não é lícito delegar o alívio do sofrimento apenas à medicina, mas é necessário ampliar o significado desta atividade humana. DGAE , n. 67. A Pastoral da Saúde representa a atividade desempenhada pela Igreja no setor da saúde, é expressão de sua missão e manifesta a ternura de Deus para com a humanidade que sofre. A Igreja, ao meditar a parábola do bom samaritano (cf. Lc 10,25-37), entende que não é lícito delegar o alívio do sofrimento apenas à medicina, mas é necessário ampliar o significado desta atividade humana. DGAE , n. 67.

32 Seu objetivo geral é promover, educar, prevenir, cuidar, recuperar, defender e celebrar a vida ou promover ações em prol da vida saudável e plena de todo o povo de Deus, tornando presente, no mundo de hoje, a ação libertadora de Cristo na área da saúde. Sua atuação é em âmbito nacional e de referência internacional. Esse trabalho evangelizador atua em três dimensões, sempre em consonância com as Diretrizes de Ação da CNBB. São elas: solidária, comunitária, político- institucional. Seu objetivo geral é promover, educar, prevenir, cuidar, recuperar, defender e celebrar a vida ou promover ações em prol da vida saudável e plena de todo o povo de Deus, tornando presente, no mundo de hoje, a ação libertadora de Cristo na área da saúde. Sua atuação é em âmbito nacional e de referência internacional. Esse trabalho evangelizador atua em três dimensões, sempre em consonância com as Diretrizes de Ação da CNBB. São elas: solidária, comunitária, político- institucional. A PASTORAL DA SAÚDE

33 Proposta de ação - Igreja trabalhar, datas ligadas à saúde, e mostrar a importância de um estilo de vida saudável; promover a formação política e participação cidadã cada vez mais responsável dos cristãos; Trabalho de evangelização com os agentes da área de saúde. articular a participação efetiva de membros das comunidades nas instâncias colegiadas do SUS (Conselhos municipais e Conferências de Saúde). trabalhar, datas ligadas à saúde, e mostrar a importância de um estilo de vida saudável; promover a formação política e participação cidadã cada vez mais responsável dos cristãos; Trabalho de evangelização com os agentes da área de saúde. articular a participação efetiva de membros das comunidades nas instâncias colegiadas do SUS (Conselhos municipais e Conferências de Saúde). PROPOSTA DE AÇÃO - IGREJA

34 Proposta de ação - Igreja - Criar observatórios locais da saúde, que se tornem referências para a população; denunciar situações de irregularidade na condução da coisa pública. - dar continuidade à CF 2011 (Fraternidade e Vida no Planeta) e reforçar ações de equilíbrio na relação entre ser humano e o meio ambiente. - Criar observatórios locais da saúde, que se tornem referências para a população; denunciar situações de irregularidade na condução da coisa pública. - dar continuidade à CF 2011 (Fraternidade e Vida no Planeta) e reforçar ações de equilíbrio na relação entre ser humano e o meio ambiente. PROPOSTA DE AÇÃO - IGREJA

35 COMO AS FAMÍLIAS PODEM COLABORAR -incentivar o cuidado pleno aos extremos de vida (criança e idosos); -garantir que a prevenção avance através de ações educativas abrangentes e outras como manter o cartão de vacinas atualizado. -Colaborar na prevenção ao uso de drogas; -Aderir à coleta seletiva e à reciclagem, a práticas que resultem na sustentabilidade. -incentivar o cuidado pleno aos extremos de vida (criança e idosos); -garantir que a prevenção avance através de ações educativas abrangentes e outras como manter o cartão de vacinas atualizado. -Colaborar na prevenção ao uso de drogas; -Aderir à coleta seletiva e à reciclagem, a práticas que resultem na sustentabilidade.

36 Campanha da Fraternidade 2012 Paróquia São Benedito

37 1)Quais são os sinais de vida e sinais de morte relativos a saúde pública em nosso município? 2)Como encaminhar a Campanha da Fraternidade para melhor celebrar a Páscoa? 3) Quais os gestos concretos que a comunidade vai assumir com esta Campanha da Fraternidade? 1)Quais são os sinais de vida e sinais de morte relativos a saúde pública em nosso município? 2)Como encaminhar a Campanha da Fraternidade para melhor celebrar a Páscoa? 3) Quais os gestos concretos que a comunidade vai assumir com esta Campanha da Fraternidade?


Carregar ppt "CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2012 A Igreja e a Saúde Pública Formatação: Adilson Luiz Gonzaga Paróquia São Benedito - Itajubá/MG Adaptação de Pe. Jésus Benedito."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google