A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2012 A Igreja e a Saúde Pública Formatação: Adilson Luiz Gonzaga Paróquia São Benedito - Itajubá/MG Adaptação de Pe. Jésus Benedito.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2012 A Igreja e a Saúde Pública Formatação: Adilson Luiz Gonzaga Paróquia São Benedito - Itajubá/MG Adaptação de Pe. Jésus Benedito."— Transcrição da apresentação:

1 CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2012 A Igreja e a Saúde Pública Formatação: Adilson Luiz Gonzaga Paróquia São Benedito - Itajubá/MG Adaptação de Pe. Jésus Benedito dos Santos (Arq. De Pouso Alegre/MG)

2 O SUS (Sistema Único de Saúde), inspirado em belos princípios como a universalidade, com a proposta de atender a todos, indiscriminadamente, deveria ser modelo para o mundo. No entanto, com algumas exceções, os seus serviços deixam a desejar, sobretudo no atendimento das pessoas mais necessitadas dos seus cuidados

3 Toda a ação eclesial brota de Jesus Cristo e se volta para Ele e para o Reino do Pai. A CF/2012 vem para acender mais uma luz de esperança aos que precisam dos serviços de saúde.

4 Saúde e doença Diante de muitas doenças, males e sofrimentos a pessoa tende a perguntar pelo sentido religioso do sofrimento. Podemos dizer que todos nutrem-se do religioso e necessitam do apoio religioso para poder vencer e sair daquela condição.

5 A bênção prometida para quem observa a lei de Deus é uma situação de bem-estar, saúde e prosperidade Deuteronômio (28,1-14) A bênção prometida para quem observa a lei de Deus é uma situação de bem-estar, saúde e prosperidade Deuteronômio (28,1-14)

6 SAÚDE E SALVAÇÃO Nas línguas antigas é comum a utilização de um mesmo termo para expressar os significados de saúde e de salvação. GREGO = SOTER LATIM = SALUS Saúde e salvação significaram plenitude, integridade física e espiritual, paz, prosperidade.

7 Houve um tempo em que, entre os judeus piedosos, o fato de recorrer aos médicos era visto como falta de fé no Deus vivo e verdadeiro, pois a doença era compreendida como uma forma de punição por parte de Deus. É o que se percebe no segundo livro das Crônicas que denuncia o rei Asa por não ter recorrido ao Senhor, mas ter buscado médicos e morrido rapidamente. 2Cr 16,12 (430 aC) 2Cr 16,12 (430 aC)

8 Para muitos povos antigos a doença resultava da ação de forças alheias ao organismo que se instalavam na pessoa por causa de: > erros em vidas passadas > infrações na vida presente > castigo da divindade > ações de demônios Por isso era comum a busca da cura na religião ou com certas práticas de magia. Para muitos povos antigos a doença resultava da ação de forças alheias ao organismo que se instalavam na pessoa por causa de: > erros em vidas passadas > infrações na vida presente > castigo da divindade > ações de demônios Por isso era comum a busca da cura na religião ou com certas práticas de magia. RELAÇÃO SAÚDE E RELIGIÃO NA ANTIGUIDADE E NA BÍBLIA

9 A preservação da saúde, mais do que a cura da doença era obtida pela a observância da Lei de Deus Dt 28, 1-14. Para certos problemas físicos eram os sacerdotes que deviam ser consultados, recorrer aos médicos era visto como falta de fé no Deus vivo. RELAÇÃO SAÚDE E RELIGIÃO NA ANTIGUIDADE E NA BÍBLIA

10 Antigo Testamento

11 É melhor um pobre são e vigoroso do que um rico flagelado em seu corpo. Saúde e boa constituição valem mais do que uma enorme fortuna. Não existe riqueza que valha mais do que um corpo sadio, nem maior satisfação do que a alegria do coração. Eclo 30, 14-16 (180 AC) Eclo 30, 14-16 (180 AC)

12 Rende ao médico as honras que lhe são devidas por causa de seus serviços, porque o Senhor o criou. Pois é do Altíssimo que vem cura, como um presente que se recebe do rei. Eclo 38,1.7

13 Mais importante que curar é o trabalho de evitar que as pessoas adoeçam e promovê-las para que tenham vida em abundância. Realidade que o ditado popular consagrou:é melhor prevenir que remediar. Mais importante que curar é o trabalho de evitar que as pessoas adoeçam e promovê-las para que tenham vida em abundância. Realidade que o ditado popular consagrou:é melhor prevenir que remediar. Temperança (Eclo 37,27-31)

14 Novo Testamento Cego de nascença (Jo 9,1-41) Quem pecou para que ele nascesse cego? Nem ele, nem seus pais pecaram, mas é uma ocasião para que se manifestem nele as obras de Deus Discípulos Jesus

15 Novo Testamento

16 Jesus percorria toda a Galiléia,... Curando toda espécie de doença e enfermidade do povo (Mt 4, 23). Estas obras manifestam a sua origem divina e sua messianidade, ao curar o homem inteiro, alma e corpo e, resgatá-lo para o convívio social. Também indica uma nova forma de se relacionar com as pessoas necessitadas, especialmente os doentes. Jesus percorria toda a Galiléia,... Curando toda espécie de doença e enfermidade do povo (Mt 4, 23). Estas obras manifestam a sua origem divina e sua messianidade, ao curar o homem inteiro, alma e corpo e, resgatá-lo para o convívio social. Também indica uma nova forma de se relacionar com as pessoas necessitadas, especialmente os doentes. JESUS E OS DOENTES: A SAÚDE SE DIFUNDE SOBRE A TERRA

17 Novo Testamento Jesus dá uma nova direção para a compreensão da enfermidade, acabando com a lógica excludente de atribuir a culpa da enfermidade a Deus e por decorrência ao pecado, o que gerava e, ao mesmo tempo, legitimava a exclusão social e religiosa de quem se achasse doente.

18 Novo Testamento Jesus não tem só poder de curar, mas também de perdoar pecados: ele veio curar o homem inteiro, alma e corpo; é o médico de que necessitam os doentes. Sua compaixão para com todos aqueles que sofrem é tão grande que ele se identifica com eles: estive doente e me visitaste (Mt 25,36 ). Seu amor de predileção pelos enfermos não cessou, ao longo dos séculos, de despertar a atenção toda especial dos cristãos para com todos os que sofrem no corpo e na alma. Esse amor está na origem dos incansáveis esforços para aliviá-los

19 Novo Testamento

20 BOM SAMARITANO Atitude em revelada em sete verbos 1) VER O Bom Samaritano é todo homem que se detém junto ao sofrimento de outro homem, seja qual for o sofrimento.

21 BOM SAMARITANO Atitude em revelada em sete verbos 2) COMPADECER-SE Bom Samaritano é todo homem sensível ao sofrimento de outrem... Por vezes esta compaixão acaba por ser a única ou a principal expressão do nosso amor e da nossa solidariedade com o homem que sofre (SD 28).

22 BOM SAMARITANO Atitude em revelada em sete verbos 3) APROXIMAR-SE Curar-se do medo de se aproximar do outro, de se tornar próximo do outro, pois isto implica aceitar tornar-se frágil nas mãos de outrem.

23 BOM SAMARITANO Atitude em revelada em sete verbos 4) CURAR A presença do outro que sofre clama por cuidado. Acolhendo este clamor se traduz em atitude os sentimentos de solidariedade e compaixão.

24 BOM SAMARITANO Atitude em revelada em sete verbos Significa colocar a serviço do outro os próprios bens. 5) COLOCAR NO PRÓPRIO ANIMAL

25 BOM SAMARITANO Atitude em revelada em sete verbos 6) LEVAR À HOSPEDARIA Indica a necessidade de mudanças e adaptação para atender aquele que sofre. A mobilização de levar à hospedaria gera uma rede de solidariedade.

26 BOM SAMARITANO Atitude em revelada em sete verbos 7) CUIDAR Este verbo expressa o conjunto da intervenção do Samaritano. Cuidar passa a ser uma missão, pois os passos dados pelas ações no decorrer da intervenção gera compromisso.

27 Novo Testamento O espírito do samaritano deve impulsionar o trabalho da igreja. Como mãe amorosa, ela deve aproximar-se dos doentes, dos fracos, dos feridos, de todos os que se encontram jogados no caminho a fim de acolhê-los, cuidar deles, infundir-lhes força e esperança. No restabelecimento da saúde física está em jogo mais que a vitória imediata sobre a enfermidade. Quando nos aproximamos dos enfermos, aproximamo-nos de todo ser humano porque a enfermidade o afeta integralmente.

28 Alguém dentre vós está doente? Mande chamar os presbíteros da Igreja, para que orem sobre ele, ungindo-o com óleo no nome do Senhor Alguém dentre vós está doente? Mande chamar os presbíteros da Igreja, para que orem sobre ele, ungindo-o com óleo no nome do Senhor Tg 5,14

29 AS AÇÕES DE JESUS INSPIRAM A IGREJA As ações de Jesus para com os doentes inspiraram a Igreja no exercício da caridade fraterna. É importante salientar que muitos religiosos e religiosas vivem sua consagração a Deus e se incorporam na missão da Igreja por meio do serviço aos doentes e àqueles que sofrem. O discípulo missionário abre seu coração para todas as formas de vida ameaçada desde o seu início até a morte natural. DGAE 2011 - 2015, n. 67. As ações de Jesus para com os doentes inspiraram a Igreja no exercício da caridade fraterna. É importante salientar que muitos religiosos e religiosas vivem sua consagração a Deus e se incorporam na missão da Igreja por meio do serviço aos doentes e àqueles que sofrem. O discípulo missionário abre seu coração para todas as formas de vida ameaçada desde o seu início até a morte natural. DGAE 2011 - 2015, n. 67.

30 Quem permanece por muito tempo próximo das pessoas que sofrem, conhece a angústia e as lágrimas, mas também o milagre da alegria, fruto do amor (Bento XVI). Na Igreja, os doentes evangelizam e recordam que a esperança repousa em Deus. Se os enfermos evangelizam, também provocam uma resposta da Igreja. Primeiro, a oração na fé, a oração feita com fé salvará o doente, e o Senhor o levantará (cf. Tg 5,15). Quem permanece por muito tempo próximo das pessoas que sofrem, conhece a angústia e as lágrimas, mas também o milagre da alegria, fruto do amor (Bento XVI). Na Igreja, os doentes evangelizam e recordam que a esperança repousa em Deus. Se os enfermos evangelizam, também provocam uma resposta da Igreja. Primeiro, a oração na fé, a oração feita com fé salvará o doente, e o Senhor o levantará (cf. Tg 5,15). OS ENFERMOS NO SEIO DA IGREJA

31 AÇÃO TRANSFORMADORA NO MUNDO DA SAÚDE A Pastoral da Saúde representa a atividade desempenhada pela Igreja no setor da saúde, é expressão de sua missão e manifesta a ternura de Deus para com a humanidade que sofre. A Igreja, ao meditar a parábola do bom samaritano (cf. Lc 10,25-37), entende que não é lícito delegar o alívio do sofrimento apenas à medicina, mas é necessário ampliar o significado desta atividade humana. DGAE 2011 - 2015, n. 67. A Pastoral da Saúde representa a atividade desempenhada pela Igreja no setor da saúde, é expressão de sua missão e manifesta a ternura de Deus para com a humanidade que sofre. A Igreja, ao meditar a parábola do bom samaritano (cf. Lc 10,25-37), entende que não é lícito delegar o alívio do sofrimento apenas à medicina, mas é necessário ampliar o significado desta atividade humana. DGAE 2011 - 2015, n. 67.

32 Seu objetivo geral é promover, educar, prevenir, cuidar, recuperar, defender e celebrar a vida ou promover ações em prol da vida saudável e plena de todo o povo de Deus, tornando presente, no mundo de hoje, a ação libertadora de Cristo na área da saúde. Sua atuação é em âmbito nacional e de referência internacional. Esse trabalho evangelizador atua em três dimensões, sempre em consonância com as Diretrizes de Ação da CNBB. São elas: solidária, comunitária, político- institucional. Seu objetivo geral é promover, educar, prevenir, cuidar, recuperar, defender e celebrar a vida ou promover ações em prol da vida saudável e plena de todo o povo de Deus, tornando presente, no mundo de hoje, a ação libertadora de Cristo na área da saúde. Sua atuação é em âmbito nacional e de referência internacional. Esse trabalho evangelizador atua em três dimensões, sempre em consonância com as Diretrizes de Ação da CNBB. São elas: solidária, comunitária, político- institucional. A PASTORAL DA SAÚDE

33 Proposta de ação - Igreja trabalhar, datas ligadas à saúde, e mostrar a importância de um estilo de vida saudável; promover a formação política e participação cidadã cada vez mais responsável dos cristãos; Trabalho de evangelização com os agentes da área de saúde. articular a participação efetiva de membros das comunidades nas instâncias colegiadas do SUS (Conselhos municipais e Conferências de Saúde). trabalhar, datas ligadas à saúde, e mostrar a importância de um estilo de vida saudável; promover a formação política e participação cidadã cada vez mais responsável dos cristãos; Trabalho de evangelização com os agentes da área de saúde. articular a participação efetiva de membros das comunidades nas instâncias colegiadas do SUS (Conselhos municipais e Conferências de Saúde). PROPOSTA DE AÇÃO - IGREJA

34 Proposta de ação - Igreja - Criar observatórios locais da saúde, que se tornem referências para a população; denunciar situações de irregularidade na condução da coisa pública. - dar continuidade à CF 2011 (Fraternidade e Vida no Planeta) e reforçar ações de equilíbrio na relação entre ser humano e o meio ambiente. - Criar observatórios locais da saúde, que se tornem referências para a população; denunciar situações de irregularidade na condução da coisa pública. - dar continuidade à CF 2011 (Fraternidade e Vida no Planeta) e reforçar ações de equilíbrio na relação entre ser humano e o meio ambiente. PROPOSTA DE AÇÃO - IGREJA

35 COMO AS FAMÍLIAS PODEM COLABORAR -incentivar o cuidado pleno aos extremos de vida (criança e idosos); -garantir que a prevenção avance através de ações educativas abrangentes e outras como manter o cartão de vacinas atualizado. -Colaborar na prevenção ao uso de drogas; -Aderir à coleta seletiva e à reciclagem, a práticas que resultem na sustentabilidade. -incentivar o cuidado pleno aos extremos de vida (criança e idosos); -garantir que a prevenção avance através de ações educativas abrangentes e outras como manter o cartão de vacinas atualizado. -Colaborar na prevenção ao uso de drogas; -Aderir à coleta seletiva e à reciclagem, a práticas que resultem na sustentabilidade.

36 Campanha da Fraternidade 2012 Paróquia São Benedito

37 1)Quais são os sinais de vida e sinais de morte relativos a saúde pública em nosso município? 2)Como encaminhar a Campanha da Fraternidade para melhor celebrar a Páscoa? 3) Quais os gestos concretos que a comunidade vai assumir com esta Campanha da Fraternidade? 1)Quais são os sinais de vida e sinais de morte relativos a saúde pública em nosso município? 2)Como encaminhar a Campanha da Fraternidade para melhor celebrar a Páscoa? 3) Quais os gestos concretos que a comunidade vai assumir com esta Campanha da Fraternidade?


Carregar ppt "CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2012 A Igreja e a Saúde Pública Formatação: Adilson Luiz Gonzaga Paróquia São Benedito - Itajubá/MG Adaptação de Pe. Jésus Benedito."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google