A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS PARA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE MADEIRA SÓLIDA EXPORTADORA JEFFERSON GARCIA 1 o SEMINÁRIO DE NOVAS TENDÊNCIAS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS PARA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE MADEIRA SÓLIDA EXPORTADORA JEFFERSON GARCIA 1 o SEMINÁRIO DE NOVAS TENDÊNCIAS."— Transcrição da apresentação:

1 TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS PARA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE MADEIRA SÓLIDA EXPORTADORA JEFFERSON GARCIA 1 o SEMINÁRIO DE NOVAS TENDÊNCIAS PARA O SETOR MOVELEIRO JULHO 2007 SÃO BENTO DO SUL / SC

2 CONTEÚDO 1.EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL 2.MADEIRAS DE PLANTAÇÕES NO MERCADO 3.EMERGENTES NO MERCADO INTERNACIONAL 4.PERSPECTIVAS PARA EXPORTADORES 5.CONSIDERAÇÕES FINAIS

3 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL

4 COMÉRCIO INTERNACIONAL GLOBAL Crescimento Médio >>> 4,0% a.a. EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL

5 Fonte: FAO, adaptado STCP Crescimento Médio >>> 6,8% a.a. Participação dos Produtos Florestais no Comércio Mundial >>> 2,2% COMÉRCIO INTERNACIONAL DE PRODUTOS FLORESTAIS EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL

6 COMÉRCIO INTERNACIONAL DE PRODUTOS FLORESTAIS Fonte: FAO, adaptado STCP EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL

7 PRINCIPAIS EXPORTADORES DE PMS País% Canadá16,7 Rússia9,7 Alemanha8,1 EUA7,5 Malásia5,0 Outros52,9 MUNDO100,0 País% EUA16,6 Canadá13,9 Malásia12,9 Indonésia5,1 Suécia4,3 Outros47,2 MUNDO100,0 Fonte: FAO, adaptado STCP MUDANÇAS -REDUÇÃO DOS EUA E PAÍSES ESCANDINAVOS -RÚSSIA NOVO ATOR EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL

8 PRINCIPAIS IMPORTADORES DE PMS País% Japão27,5 EUA10,7 China9,5 Alemanha5,9 Reino Unido5,2 Outros41,2 MUNDO100,0 País% EUA19,8 China12,0 Alemanha9,0 Japão8,0 Reino Unido7,0 Itália6,0 Outros38,2 MUNDO100,0 Fonte: FAO, adaptado STCP MUDANÇAS -JAPÃO PERDE IMPORTÂNCIA -CHINA E ESTADOS UNIDOS CRESCEM EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL

9 MADEIRAS DE PLANTAÇÕES NO MERCADO

10 ÁREA PLANTADA E PRODUÇÃO SUSTENTADA (2005) PAÍS ÁREA TOTAL (milhão ha) ÁREA PRODUTIVA (milhão ha) PRODUÇÃO SUSTENTADA (mil m³/ano) ÍNDIA32,68, INDONÉSIA9,94, BRASIL5, TAILÂNDIA4, VIETNAM1, VENEZUELA0, NIGÉRIA0,70, OUTROS11,26, TOTAL67,533, TRÓPICOS MADEIRAS DE PLANTAÇÕES

11 ÁREA PLANTADA E PRODUÇÃO SUSTENTADA (2005) PAÍS ÁREA TOTAL (milhão ha) ÁREA PRODUTIVA (milhão ha) PRODUÇÃO SUSTENTADA (mil m³/ano) CHINA 45,028, RÚSSIA ¹ 17,35, EUA ¹ 16, JAPÃO ¹ 10,700 FINLÂNDIA 5, UCRÂNIA ¹ 4,41, NOVA ZELÂNDIA 1, OUTROS22,215, TOTAL119,974, FORA DOS TRÓPICOS ¹ Estimativa STCP MADEIRAS DE PLANTAÇÕES

12 PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO (2005) - TRÓPICOS REGIÃO TROPICAL PAÍS PRODUÇÃO DE MADEIRA INDUSTRIAL (1.000 m³) PARTICIPAÇÃO PLANTAÇÕES (%) TOTALPLANTAÇÕES ÁSIA- PACÍFICO INDONÉSIA ,3 TAILÂNDIA ,3 ÍNDIA ,3 MALÁSIA ,7 VIETNAM ,7 OUTROS ,5 SUB-TOTAL ,5 MADEIRAS DE PLANTAÇÕES

13 PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO (2005) - TRÓPICOS REGIÃO TROPICAL PAÍS PRODUÇÃO DE MADEIRA INDUSTRIAL (1.000 m³) PARTICIPAÇÃO PLANTAÇÕES (%) TOTALPLANTAÇÕES ÁFRICA NIGÉRIA ,1 ZIMBABUE ,9 QUÊNIA ,6 CAMARÕES ,4 COSTA DO MARFIM ,1 GANA ,5 OUTROS ,8 SUB-TOTAL ,5 CONTINUAÇÃO MADEIRAS DE PLANTAÇÕES

14 PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO (2005) - TRÓPICOS REGIÃO TROPICAL PAÍS PRODUÇÃO DE MADEIRA INDUSTRIAL (1.000 m³) PARTICIPAÇÃO PLANTAÇÕES (%) TOTALPLANTAÇÕES AMÉRICA LATINA & CARIBE BRASIL ,0 VENEZUELA ,0 COSTA RICA ,1 CUBA ,6 MÉXICO ,2 PERU ,2 OUTROS ,6 SUB-TOTAL ,1 TOTAL ,3 CONTINUAÇÃO MADEIRAS DE PLANTAÇÕES

15 Fonte: ITTO (2006). EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE COMPENSADO NO BRASIL AVANÇO DAS PLANTAÇÕES = PINUS MADEIRAS DE PLANTAÇÕES

16 EMERGENTES NO MERCADO INTERNACIONAL

17 IMPORTAÇÕES DOS ESTADOS UNIDOS DE MOLDURAS DE PINUS EMERGENTES NO MERCADO INTERNACIONAL

18 Fonte: ITTO (2006). CHINA: EXPORTAÇÕES DE PMVA VALORPARTICIPAÇÃO MUNDIAL EMERGENTES NO MERCADO INTERNACIONAL

19 Fonte: ITTO (2006). BRASIL: EXPORTAÇÕES DE PMVA VALORPARTICIPAÇÃO MUNDIAL EMERGENTES NO MERCADO INTERNACIONAL

20 Fonte: ITTO (2006). VIETNAN: EXPORTAÇÕES DE PMVA VALORPARTICIPAÇÃO MUNDIAL EMERGENTES NO MERCADO INTERNACIONAL

21 Fonte: ITTO (2006). ÍNDIA: EXPORTAÇÕES DE PMVA VALORPARTICIPAÇÃO MUNDIAL EMERGENTES NO MERCADO INTERNACIONAL

22 Fonte: ITTO (2006). MALÁSIA: EXPORTAÇÕES DE PMVA VALORPARTICIPAÇÃO MUNDIAL EMERGENTES NO MERCADO INTERNACIONAL

23 Fonte: ITTO (2006). INDONÉSIA: EXPORTAÇÕES DE PMVA VALORPARTICIPAÇÃO MUNDIAL EMERGENTES NO MERCADO INTERNACIONAL

24 PERSPECTIVAS PARA EXPORTADORES

25 ASPECTOS GERAIS MERCADO INTERNACIONAL CONTINUARÁ À CRESCER  PMS: 470 BI (2025) DESLOCAMENTO DA PRODUÇÃO SERÁ ACELERADO NOVOS PLAYERS / AUMENTO COMPETITIVIDADE EXIGÊNCIAS CRESCENTES  QUALIDADE DO PRODUTO  LEGALIDADE  PRÁTICAS FLORESTAIS / AMBIENTAIS  PARÂMETROS SOCIAIS MAIOR SOFISTICAÇÃO  BARREIRAS NÃO TARIFÁRIAS  PROCESSOS DE CERTIFICAÇÃO PERSPECTIVAS PARA EXPORTADORES

26 IMPORTÂNCIA DAS EXPORTAÇÕES PARA INDÚSTRIA FLORESTAL PRODUÇÃO X EXPORTAÇÕES (2005) INDÚSTRIA FLORESTAL É DEPENDENTE DAS EXPORTAÇÕES!

27 EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE PRODUTOS FLORESTAIS CONCENTRAÇÃO DE MERCADO AINDA É PROBLEMA … BRASIL NÃO SABE VENDER?

28 E O MERCADO AMERICANO… REDUÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL de novas casas Fonte: RISI

29 ENTRADA DA CHINA (MADEIRA SERADA DE PINUS) E O MERCADO AMERICANO… Fonte: USDA

30 E O IMPACTO DO REAL FORTE QUEDA DAS EXPORTAÇÕES? * Estimativa Fonte: SECEX

31 ALGUMAS PERGUNTAS QUE FICAM… 1.A COMPETITIVIDADE BRASILEIRA É ARTIFICIAL? ESTÁ SUSTENTADA NO CÂMBIO? 2.COMO MANTER A COMPETITIVIDADE COM O DÓLAR FRACO? 3.POR QUE ALGUMAS EMPRESAS ESTÃO SE MANTENDO NO MERCADO? 4.POR QUE A INDÚSTRIA DE CELULOSE & PAPEL É MENOS AFETADA? 5.POR QUE OS INVESTIDORES ESTRANGEIROS ESTÃO BUSCANDO CADA VEZ MAIS O BRASIL?

32 TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS QUANTO A MATÉRIA-PRIMA (TORA) REDUÇÃO DOS PREÇOS DA TORA DE PINUS

33 TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS AUMENTO DE BARREIRAS TARIFÁRIAS E NÃO-TARIFÁRIAS CE MARKING COTA CE PARA COMPENSADO COTA EUA PARA COMPENSADO / TAXAÇÃO BARREIRAS FITOSSANITÁRIAS USO DE ELEMENTOS TÉCNICOS, AMBIENTAIS E SOCIAIS PARA DESENVOLVIMENTO: BARREIRAS NÃO-TARIFÁRIAS IMPEDIMENTOS DE ACESSO REQUERIMENTOS DE MERCADO ELEMENTOS DIFERENCIADOS DE PROTEÇÃO AOS INTERESSES NACIONAIS

34 TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS QUANTO AO MERCADO AMERICANO BOLHA IMOBILIÁRIA / REDUÇÃO DA DEMANDA REDUÇÃO DE PREÇOS NOVOS PLAYERS PRODUTOS SUBSTITUTOS QUANTO AO MERCADO EUROPEU ESTÁVEL ENTRADA FORTE DOS PAÍSES DO LESTE EUROPEU TRANSFERÊNCIA DA PRODUÇÃO PRODUTOS SUBSTITUTOS

35 TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS FUNDAMENTOS ECONÔMICOS NÃO JUSTIFICAM SUBSTANCIAIS FLUTUAÇÕES NO CÂMBIO SOLUÇÃO PASSA PELA: MELHORIA DA EFICIÊNCIA AUMENTO DOS NÍVEIS DE PRODUTIVIDADE REDUÇÃO DO CUSTO BRASIL GANHOS DE ESCALA CONTROLE SOBRE O SUPRIMENTO DE MATÉRIA-PRIMA DIMINUIÇÃO DA IMPORTÂNCIA DAS TRADINGS: VÃO CONTINUAR TENDO ESPAÇO, MAS SUA IMPORTÂNCIA VAI DIMINUIR

36 CONSIDERAÇÕES FINAIS

37 BRASIL POSSUI: VANTAGENS COMPARATIVAS  ÁREA (TERRAS)  FLORESTAS NATIVAS  FLORESTAS PLANTADAS  MÃO-DE-OBRA BARATA VANTAGENS COMPETITIVAS  TECNOLOGIA NA ÁREA FLORESTAL  INDÚSTRIA DE BENS DE CAPITAL  CAPACIDADE TÉCNICA (CONSULTORIA / ENGENHARIA)  CLUSTERS ESTABELECIDOS  GRANDE MERCADO DOMÉSTICO

38 CONSIDERAÇÕES FINAIS MERCADO INTERNACIONAL NECESSÁRIO O SETOR FLORESTAL BRASILEIRO TEM AS CONDIÇÕES BÁSICAS PARA OCUPAR ESPAÇO DE DESTAQUE NO COMÉRCIO INTERNACIONAL UTILIZAR AS VANTAGENS COMPARATIVAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE

39 CONSIDERAÇÕES FINAIS ESTRATÉGIA: APRENDER COM COMPETIDORES ESFORÇOS DO SETOR PRIVADO DEVEM SER COMPLEMENTADOS POR AÇÕES DE GOVERNO NA DEFESA DOS INTERESSES NACIONAIS  PAÍSES PARA BECHMARKING: CANADÁ FINLÂNDIA MALÁSIA CHILE NOVA ZELÂNDIA

40 CONSIDERAÇÕES FINAIS ESTRATÉGIA SETORIAL PAÍSES COMPETIDORES TÊM ESTRUTURAS DE GOVERNO ATUANDO PARA:  PROMOVER A PRODUÇÃO  ASSEGURAR O SUPRIMENTO DE LONGO PRAZO  GANHAR NOVOS MERCADOS  DEFENDER INTERESSES COMERCIAIS E LIVRE ACESSO AOS MERCADOS  DESENVOLVER IMAGEM POSITIVA  APERFEIÇOAR INTELIGÊNCIA DE MERCADO  APOIAR O DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E DE RH

41 CONSIDERAÇÕES FINAIS SETOR FLORESTAL O PRODUTO FLORESTAL BRASILEIRO TEM EVOLUÍDO NAS EXPORTAÇÕES E O BRASIL TEM AS CONDIÇÕES BÁSICAS PARA AUMENTAR SIGNIFICATIVAMENTE SUA PARTICIPAÇÃO NO COMÉRCIO INTERNACIONAL O LIMITE SERÁ ESTABELECIDO POR POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO NACIONAIS (PRINCIPAL) E CENÁRIO INTERNACIONAL

42 CONSIDERAÇÕES FINAIS MELHORAR AS CONDIÇÕES DO AMBIENTE DOMÉSTICO EM QUE AS EMPRESAS ATUAM, PROMOVENDO GANHOS DE COMPETITIVIDADE SISTÊMICA QUE PERMITAM SUPERAR OS IMPACTOS DA PERDA DE RENTABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES

43 2007 © STCP Engenharia de Projetos Ltda. Rua Euzébio da Motta, 450 – Juvevê · Curitiba – Brasil Tel: Fax:


Carregar ppt "TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS PARA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE MADEIRA SÓLIDA EXPORTADORA JEFFERSON GARCIA 1 o SEMINÁRIO DE NOVAS TENDÊNCIAS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google