A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O DESAFIO NA ADESÃO AO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE ASMA E DPOC José Laerte Rodrigues da Silva Júnior.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O DESAFIO NA ADESÃO AO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE ASMA E DPOC José Laerte Rodrigues da Silva Júnior."— Transcrição da apresentação:

1 O DESAFIO NA ADESÃO AO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE ASMA E DPOC José Laerte Rodrigues da Silva Júnior

2 Adesão O quanto o paciente segue as instruções médicas O quanto o paciente segue as instruções médicas Sabate E.WHO Adherence Meeting Report. Geneva,World Health Organization, 2001.

3 Adesão O quanto o paciente segue as instruções médicas O quanto o paciente segue as instruções médicas Sabate E.WHO Adherence Meeting Report. Geneva,World Health Organization, 2001.

4 Adesão O quanto o paciente segue as instruções médicas O quanto o paciente segue as instruções médicas Sabate E.WHO Adherence Meeting Report. Geneva,World Health Organization, 2001.

5 Adesão O quanto o paciente segue as instruções médicas O quanto o paciente segue as instruções médicas Sabate E.WHO Adherence Meeting Report. Geneva,World Health Organization, 2001.

6 Adesão “A extensão pela qual o comportamento de uma pessoa tomando medicamentos, seguindo uma dieta ou mudando seu estilo de vida, correspondem a recomendações acordadas com o provedor de cuidados de saúde” “A extensão pela qual o comportamento de uma pessoa tomando medicamentos, seguindo uma dieta ou mudando seu estilo de vida, correspondem a recomendações acordadas com o provedor de cuidados de saúde” Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

7 Para que medir? Garantir que as mudanças nos parâmetros de desfecho refletem o uso do regime recomendado Garantir que as mudanças nos parâmetros de desfecho refletem o uso do regime recomendado Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

8 Como Medir? Não há um “padrão-ouro” Não há um “padrão-ouro” Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

9 Como Medir? Não há um “padrão-ouro” Não há um “padrão-ouro” Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

10 Como Medir? Não há um “padrão-ouro” Não há um “padrão-ouro” Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

11 Como Medir? Não há um “padrão-ouro” Não há um “padrão-ouro” Superestimar Superestimar Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

12 Como Medir? Não há um “padrão-ouro” Não há um “padrão-ouro” Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

13 Como Medir? Não há um “padrão-ouro” Não há um “padrão-ouro” Quem segue: Quem segue: Informações fidedignas Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

14 Como Medir? Não há um “padrão-ouro” Não há um “padrão-ouro” Quem não segue: Quem não segue: “Não é muito preciso” Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

15 Como Medir? Não há um “padrão-ouro” Não há um “padrão-ouro” Avaliar a dispensação: Avaliar a dispensação: Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

16 Como Medir? Não há um “padrão-ouro” Não há um “padrão-ouro” Avaliar a dispensação: Avaliar a dispensação: “Obter a medicação não “Obter a medicação não garante seu uso” garante seu uso” Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

17 Como Medir? Não há um “padrão-ouro” Não há um “padrão-ouro” Contar as doses restantes Contar as doses restantes Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

18 Como Medir? Não há um “padrão-ouro” Não há um “padrão-ouro” Contar as doses restantes Contar as doses restantes Não significa necessariamente uso da medicação, superestima Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

19 Como Medir? Não há um “padrão-ouro” Não há um “padrão-ouro” Dosagens bioquímicas Dosagens bioquímicas Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

20 Como Medir? Não há um “padrão-ouro” Não há um “padrão-ouro” MEMS -Medication Event Monitoring System MEMS -Medication Event Monitoring System Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

21 A Magnitude do Problema Em países desenvolvidos a aderência a terapias de longo prazo na população geral está em torno de 50% e é muito mais baixa em países em desenvolvimento Em países desenvolvidos a aderência a terapias de longo prazo na população geral está em torno de 50% e é muito mais baixa em países em desenvolvimento Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

22 Consequências Manejo e controle dessas doenças abaixo do esperado, com complicações médicas e sociais Manejo e controle dessas doenças abaixo do esperado, com complicações médicas e sociais Redução da qualidade de vida desses pacientes e maiores gastos dos sistemas de saúde Redução da qualidade de vida desses pacientes e maiores gastos dos sistemas de saúde Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

23 Consequências “Quando estamos doentes, trabalhar é difícil e aprender é mais difícil ainda. A doença embota nossa criatividade,corta nossas oportunidades... as doenças solapam o povo e o conduz ao sofrimento, desespero e pobreza”. “Quando estamos doentes, trabalhar é difícil e aprender é mais difícil ainda. A doença embota nossa criatividade,corta nossas oportunidades... as doenças solapam o povo e o conduz ao sofrimento, desespero e pobreza”. Kofi Annam

24 Tipos de não adesão Sub-utilização Sub-utilização Super-utilização Super-utilização Utilização inapropriada Utilização inapropriada Medication adherence issues in patients treated for COPD. Int J Chron Obstruct Pulmon Dis 2008.

25 Adesão em DPOC Dolce JJ, et al. Medication Adherence Patterns in Chronic Obstructive Pulmonary Disease. Chest, 1991.

26 Não adesão em DPOC Comum uso de 5-8 medicações Comum uso de 5-8 medicações Uso inapropriado da medicação inalatória Uso inapropriado da medicação inalatória (89%) Spray dosimetrado (89%) Spray dosimetrado Custo do tratamento Custo do tratamento Confiança no médico e a compreensão da doença Confiança no médico e a compreensão da doença Medication adherence issues in patients treated for COPD. Int J Chron Obstruct Pulmon Dis 2008.

27 Não adesão em DPOC Moore AC, Stone S. Meeting the needs of patients with COPD: patients’ preference for the Diskus inhaler compared with the Handihaler. Int J Clin Pract, 2004.

28 Dolce JJ, et al. Medication Adherence Patterns in Chronic Obstructive Pulmonary Disease. Chest, 1991.

29 Não adesão na Asma Estudos indicam que varia entre 6-44% (para compra da medicação) Estudos indicam que varia entre 6-44% (para compra da medicação) Em relação ao uso: um estudo de 12 semanas pacientes usaram medicação adequadamente em média 47% do tempo Em relação ao uso: um estudo de 12 semanas pacientes usaram medicação adequadamente em média 47% do tempo Cerveri I et al. International variations in asthma treatment compliance: the results of the European Community Respiratory Health Survey (ECRHS). European Respiratory Journal, 1999 Spector SL et al. Compliance of patient with asthma with an experimental aerosolized medication: Implications for controlled clinical trials. Journal of Allergy and Clinical Immunology, 1986.

30 Não adesão na Asma Severidade da asma Severidade da asma Crenças sobre corticóides inalatórios Crenças sobre corticóides inalatórios Complexidade no regime Complexidade no regime (n° dispositivos / tempo / n° de doses) (n° dispositivos / tempo / n° de doses) Mann MC et al. An evaluation of severity-modulated compliance with q.i.d. dosing of inhaled beclomethasone. Chest, Boulet LP. Perception of the role and potential side effects of inhaled corticosteroids among asthmatic patients. Chest, Sackett DL,Haynes RB. Compliance with therapeutic regimens. Baltimore, Johns Hopkins University Press, 1976.

31 Não adesão na TB Fatores econômicos Fatores econômicos Fatores paciente-relacionados (gênero, doença psiquiátrica, dependência química, conhecimento) Fatores paciente-relacionados (gênero, doença psiquiátrica, dependência química, conhecimento) Complexidade do regime Complexidade do regime Empatia com o profissional de saúde Empatia com o profissional de saúde Estrutura do serviço de saúde Estrutura do serviço de saúde Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

32 Intervenções para Asma e DPOC Estratégias educativas Estratégias educativas Estratégias comportamentais Estratégias comportamentais Personalizar a terapia Personalizar a terapia Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

33 Intervenções para TB Motivação da equipe e supervisão Motivação da equipe e supervisão Controle do abandono Controle do abandono Prompt Prompt Educação em saúde Educação em saúde Incentivadores e reembolso Incentivadores e reembolso Assistência da comunidade Assistência da comunidade Tratamento supervisionado Tratamento supervisionado Adherence to Long Term Therapies: Evidence For Action. Geneva: World Health Organization, 2003.

34 Conclusão A responsabilidade pela não adesão ao tratamento não é somente do doente A responsabilidade pela não adesão ao tratamento não é somente do doente

35 Conclusão

36 Conclusão

37 Conclusão

38 Conclusão

39 PERGUNTAS ?

40 OBRIGADO !


Carregar ppt "O DESAFIO NA ADESÃO AO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE ASMA E DPOC José Laerte Rodrigues da Silva Júnior."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google