A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aos alunos do Curso e Colégio Energia. Avenida dos Vestibulares, 2006, frente Florianópolis - Cep 80025-300.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aos alunos do Curso e Colégio Energia. Avenida dos Vestibulares, 2006, frente Florianópolis - Cep 80025-300."— Transcrição da apresentação:

1 Aos alunos do Curso e Colégio Energia. Avenida dos Vestibulares, 2006, frente Florianópolis - Cep

2 carta A carta argumentativa segue algumas características: •É também um texto dissertativo, portanto tem tese e argumentação. •Geralmente ela deve contestar ou apoiar uma outra opinião dada por alguém, ou então um fato cotidiano (ex: um artigo de jornal, “o sistema de cotas”, “a crise com a Bolívia”, “a corrupção no governo”) •Ela permite a utilização da primeira pessoa. •A contra-argumentação deverá ser inquestionável.

3 carta Cuidados e Dicas •Numa carta, “você” é o emissor e o “outro” é o receptor. Perceba quem é esse “outro”. •Quando baseada em um artigo, a prova de redação transforma-se também em prova de “interpretação”. Você pode sim colocar seus argumentos, mas eles devem se basear nos argumentos do articulista. •Pode haver criatividade dependendo da proposta. Você pode fazer de conta que é “uma outra pessoa” contanto que o tema permita

4 Como tornar o Brasil uma nação letrada? É o título de um documento de Ottaviano Carlo De Fiore, secretário do Livro e Leitura. Honestamente, eu nem sabia que o Ministério da Cultura tinha um secretário do Livro e Leitura. Mas tem. Sua principal tarefa é "acompanhar, avaliar e sugerir alternativas para as políticas do livro, da leitura e da biblioteca". Foi exatamente o que Ottaviano Carlo De Fiore tentou fazer em seu documento, estudando maneiras de aumentar o interesse por livros no Brasil. Cito um trecho: "É fundamental que nos meios de massa, políticos, estrelas, sindicalistas, professores, religiosos, jornalistas (através de depoimentos, conselhos, testemunhos) propaguem contínua e perenemente a necessidade, a importância e o prazer da leitura, assim como a ascensão social e o poder pessoal que o hábito de ler confere às pessoas".

5 Não pertenço a nenhuma das categorias mencionadas por Ottaviano Carlo de Fiore. A rigor, portanto, meu depoimento não foi solicitado. Dou-o mesmo assim, ainda que tenha plena consciência de minha falta de prestígio e incapacidade de influenciar as pessoas. Se digo que meu escritor preferido é Rabelais, por exemplo, ninguém sente o irrefreável impulso de entrar numa livraria e comprá-lo. Se, por outro lado, Rubens Barrichello recomenda os relatos de reencarnação de Muitas Vidas, Muitos Mestres, do americano Brian Weiss ("depois que o li, o medo que tinha da morte foi embora"), é bastante provável que consiga vender quatro ou cinco exemplares a mais

6 Minha experiência, ao contrário do que afirma o documento de Ottaviano Carlo De Fiore, é que o hábito da leitura constitui o maior obstáculo para a ascensão social e o poder pessoal no Brasil. Não é um acaso que aqueles que vivem de livros — os escritores — se encontrem no patamar mais baixo de nossa escala social. Muito mais baixo do que políticos, estrelas, sindicalistas, professores, religiosos ou jornalistas. De fato, basta entrar no Congresso, num estúdio de TV, numa universidade ou numa redação de jornal para ver que todos os presentes têm verdadeira aversão por livros. Eles sabem que livros não ajudam a conquistar poder, dinheiro, respeitabilidade. Livros só atrapalham. Criam espíritos perdedores. Provocam isolamento, frustração, resignação.

7 Desde que comecei a ler, virei um frouxo, um molenga. Com o passar dos anos, foram-se embora todas as minhas ambições. Tudo porque os livros me colocaram no devido lugar. Nada disso, claro, tem a ver com o temperamento nacional, tão afirmativo, tão voraz, tão animal. É contraproducente tentar convencer os poderosos a prestar depoimentos sobre a importância dos livros em suas carreiras, simplesmente porque é mentira, e todo mundo sabe que é mentira. Dê uma olhada nas pessoas de sucesso que aparecem nas páginas desta revista. É fácil perceber que nenhuma delas precisou ler para subir na vida. A melhor receita para o sucesso, no Brasil, é o analfabetismo.

8 Por mais bem intencionado que seja Ottaviano Carlo De Fiore, duvido que um dia o Brasil venha a se tornar uma nação letrada. Se por acaso isso acontecer, certamente lerá os livros errados. Se calhar de ler os livros certos, só dirá bobagens sobre o que leu.

9 Proposta: Diodo Mainardi é certamente um dos articulistas que mais causa celeuma entre os leitores da revista Veja. No trecho acima, “desafinado o coro dos contentes”, como diria Torquato Neto, ele faz uma crítica ácida à leitura e à necessidade da mesma. Após ler novamente o texto, redija uma carta destinada a Diogo Mainardi, apoiando ou reprovando a sua idéia a respeito do tema. Em situação alguma assine seu nome na folha. proposta

10 pensando Texto de Mainardi: •Exposição do assunto. •Argumenta que ele não é influente. •A leitura constitui o maior obstáculo para a ascensão social no Brasil. •Os escritores estão num patamar social baixo. •O brasileiro, se um dia se tornar um grande leitor, falará bobagens

11 estrutura Cabeçalho Apresentação/Tese Argumento e contra-argumento I Argumento e contra-argumento II Argumento e contra-argumento III Conclusão e despedida

12 carta Florianópolis, 01 de maio de Senhor Diogo Mainardi Sou um leitor assíduo de suas colunas semanais na revista Veja e prezo, em quase todas, a postura crítica tomada pelo senhor. Uma em especial, entretanto, soou-me ácida demais: seu artigo intitulado “Ler não serve para nada“. Sobre ela, gostaria de fazer algumas ressalvas.

13 carta É inquestionável, sim, que os escritores não fazem parte do “hall” dos mais reconhecidos socialmente. Isso, entretanto, não lhes retira os méritos e a importância de continuar produzindo arte, pensamentos, teses e veiculá-las em livros. Se assim o fosse, a grande maioria das profissões não deveria ser executada. De um “office-boy” ao maestro, do médico do SUS, ao manobrista encontramos exemplos de cidadãos que, conscientemente ou não, colaboram com a sociedade sem serem reconhecidos.

14 carta Também é inquestionável que alguns políticos, universitários, jornalistas, enfim, todos aqueles citados pelo senhor não sejam ávidos de leitura. Mas não poderíamos colocar num mesmo patamar Eduardo Suplicy e Lula, livre docentes e alunos relapsos. É fundamental que exista a percepção e a responsabilidade (principalmente de colunistas como o senhor) de que a leitura pode, sim, elevar a capacidade crítica e analítica do cidadão comum, mesmo que isso não lhe dê, a princípio, uma ascendência social.

15 carta Portanto, senhor Mainardi, creio que a leitura possa modificar um país e seu povo. Deixar a leitura de lado seria a opção pela ignorância. E isso tanto eu quanto o senhor, sabemos não ser o melhor caminho. Tanto é verdade que sem ela nem eu estaria lhe escrevendo, como o senhor não estaria me lendo. Atenciosamente.


Carregar ppt "Aos alunos do Curso e Colégio Energia. Avenida dos Vestibulares, 2006, frente Florianópolis - Cep 80025-300."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google