A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Genograma Pedro José Pereira Cruz Júnior Gabriel Alfonso Lara Chacon Karla Brito e Silva Thaynara da Conceição Viana Silva.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Genograma Pedro José Pereira Cruz Júnior Gabriel Alfonso Lara Chacon Karla Brito e Silva Thaynara da Conceição Viana Silva."— Transcrição da apresentação:

1 Genograma Pedro José Pereira Cruz Júnior Gabriel Alfonso Lara Chacon Karla Brito e Silva Thaynara da Conceição Viana Silva

2

3 Considerações iniciais •Família: estrutura, regras, relacionamentos e condutas. “Algumas regras ou normas são estabelecidas pela família, vão nortear a conduta de seus membros e vão variar de família para família. Outras são similares para um grupo de famílias, condicionadas a classe social, nível cultural, etc.” (Werlang, 2002)  Ritos e hábitos: Produtos de consenso do grupo e exigem a crença de sua eficácia e a repetição constante.

4 •Família saudável: –Crescimento grupal e individual •Família disfuncional: –Inibição à mudança

5 •“ A história natural da família é transmitida de geração a geração, por meio das condutas repetitivas e nada acontece por acaso” (Burd e Baptista, 200-) •Sampaio e Carneiro (1985): –Eixo transgeracional ou vertical –Eixo Horizontal ou do aqui agora

6 Definição •Pode definir-se como um instrumento de avaliação familiar que consiste num sistema de colheita e registo de dados e que integra a história biomédica e a história psicossocial do paciente e da sua família. (Rebelo, 2007)

7 Histórico •Murray Bowen (1954) •Mônica goldldrick e randy Gerson (1985)

8 Carcterísticas •“ Na prática clínica diária o método mais usado de avaliação do contexto familiar consiste na realização de um genograma familiar. A construção e interpretação de um genograma familiar é uma competência básica de um médico de família. É um instrumento de trabalho tão importante para o médico de família como o bisturi é para o cirurgião.” (Rebelo, 2007)

9 Características •É um instrumento clínico de investigação da família. •Permite a distribuição de informações sobre os membros da família e seus relacionamentos entre si. •É uma excelente fonte de hipóteses •Fornece um resumo clínico e uma visão dos problemas em potencial. •Facilita a memorização e reconhecimento dos nomes e outros importantes para história clíca da família

10 •Construção mais rápida da relação médico/paciente •Confiabilidade estabelecida com uitos pacientes. •Retrata riscos herdados para certas doenças •Ajuda a prevenir doenças futuras.

11 História médica •Utilizamos categorias para identificar cada integrante. –DSM – IV, CID – 10 e abreviações reconhecíveis (AVC, CA, DPOC, etc) –Listam-se apenas as doenças e problemas maiores ou crônicos –Datas, quando possível.

12 •“Essa expressão gráfica fornece para o profissional e para a própria família uma rápida consulta dos complexos padrões familiares, sendo uma rica fonte de hipóteses a respeito de como o problema clínico pode ter se originado e evoluído no contexto familiar, ao longo do tempo. O Paciente colocado como identidade isolada, portadora da sintomatologia, deixa de ser o foco principal, passando apenas a ser um dos elos de um sistema disfuncional que é gerador de sofrimento e doença.” (Werlang, 2002)

13 Indicações •Nas consultas de 1.a vez, como método de diagnóstico apoiando o raciocínio e decisão clínica. •Quando o modelo biomédico não dá resposta satisfatória aos problemas dos pacientes •Em situações clínicas particulares, como ansiedade crónica, depressão e ataques de pânico, consumo de drogas, violência doméstica e sexual, problemas de comportamento infantil e “doente difícil”.

14 Limitações •A sua realização aumenta o tempo de consulta e pode demorar anos a completar; •É estático no tempo, como uma fotografia com data; •Não avalia a dinâmica nem a funcionalidade familiar; •Existem problemas de fiabilidade (grande diversidade de dados anotados, diagnósticos realizados por terceiros, falibilidade da memória, etc.);

15 Limitações •Tem baixa aplicação nas famílias de poucos elementos e o seu interesse é diminuto “nas pessoas sós”; •Certos pacientes são relutantes ou resistentes a prestarem informação de índole familiar. •Erros: fazer diagnóstico ou terapêutica baseado apenas no genograma.

16 Como fazer •Figuras e símbolos representam as pessoas ( quadrados e círculos) •Linhas representam seus relacionamentos (cheias ou pontilhadas) •Realizada através de uma entrevista de avaliação clínica •Um membro ou vários de uma família •Pelo menos três gerações

17 •Aconselhável ter um coordenador e um observador •Coordenador: conduzirá o mapa familiar •Observador: comunicação não verbal e detalhes significativos

18 •Às vezes não se consegue completar o genograma em uma única consulta •Deve levar em conta certas áreas como: a estrutura e o ciclo vital da família, os padrões repetitivos através das gerações, os eventos importantes e o funcionamento da família, os padrões relacionais e as triangulações, a estabilidade e o desequilíbrio familiar •Aspecto mais difícil é estabelecer prioridades para investigação e inclusão de dados

19 •Transtornos mentais, uma doença física grave, casos de dependência de álcool e/ou drogas, co- morbidade, podem ser representados com a metade esquerda preenchidos com a cor escura •Na entrevista é importante o papel de cada membro e o delineamento dos relacionamentos •Duração média de 90 minutos

20 •Aspecto mais difícil é estabelecer prioridades para investigação e inclusão de dados

21

22

23

24

25

26 Possíveis itens para rastrear •Fatores socioeconômicos: ocupação, nível de educação, papel social na comunidade, serviço comunitário •Fatores físicos genéticos: cor dos cabelos, calvície, visão, tendências a doenças •Valores religiosos •Fatores ambientais e genéticos: habilidades, tendências ligadas ao peso corporal, característica da personalidade •Valores familiares •Experiência cultural

27 •É útil no final do genograma um espaço para fazer observações •Permite antecipar o desenvovimento da próxima geração

28 Referências •1. Campbell TL. Family Systems Medici- •ne. In: Saultz JW, editor. Textbook of Family •Medicine. New York: McGraw-Hill; p. • •2. Saultz JW. The Contextual Care. In: •Saultz JW, editor. Textbook of Family Medi- •cine. New York: McGraw-Hill; p •-59. •3. Bowen M. Key to the use of the geno- •gram. In: Carter EA, McGoldrick M, editors. •The family life cycle: a framework for family •therapy. New York: Gardner Press; p. •xxiii. •4. McGoldrick M, Gerson R, Shellenber- •ger S. Genograms. Assessment and Inter- •vention. 2nd ed. New York: WW Norton & •Co.; •Williams & •Wilkins; p

29 Obrigado!


Carregar ppt "Genograma Pedro José Pereira Cruz Júnior Gabriel Alfonso Lara Chacon Karla Brito e Silva Thaynara da Conceição Viana Silva."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google