A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Mª Filipa CastanheiraSilves, 3 de Maio de 2010 UFCD: 3777- Fundamentos gerais de Higiene no Trabalho Sessão 4 1 PROCEDIMENTOS DE CALIBRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Mª Filipa CastanheiraSilves, 3 de Maio de 2010 UFCD: 3777- Fundamentos gerais de Higiene no Trabalho Sessão 4 1 PROCEDIMENTOS DE CALIBRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS."— Transcrição da apresentação:

1 Mª Filipa CastanheiraSilves, 3 de Maio de 2010 UFCD: Fundamentos gerais de Higiene no Trabalho Sessão 4 1 PROCEDIMENTOS DE CALIBRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO

2 2 • Conjunto de operações que estabelecem, sob condições especificas, a relação entre os valores indicados por um instrumento de medição ou sistema de medição ou valores representados por uma medida materializada ou um material de referência, e os valores correspondentes das grandezas estabelecidos por padrões. CALIBRAÇÃO DEFINIÇÃO:

3 3 FREQUÊNCIA DE CALIBRAÇÃO : Estabelecimento da Frequência de Calibração. Tempo CalendárioTempo Real de uso Número de utilizações Leva em conta a degeneração desde inicio de utilização, uso e tempo livre. Leva em conta a degeneração desde o inicio de utilização e o tempo de uso. Leva em conta a degeneração no tempo de uso. “degeneração”  desgaste

4 4 FACTORES QUE INFLUÊNCIAM NA ESCOLHA DE FREQUÊNCIA DE CALIBRAÇÃO. - Tipo de equipamento; - Recomendação do fabricante; - Tendência dos dados de calibrações anteriores; - Histórico registado de manutenção e serviço; - Extensão e severidade do uso; - Tendência ao desgaste e à instabilidade;

5 5 - Frequência de verificação cruzada contra outros equipamentos e/ou padrões; - Frequência e formalidade da verificação interna das calibrações; - Condições ambientais; -Exactidão requerida/pretendida para a medida; - Penalização ocorrida em caso de aceitação de medidas decorrentes de falhas de calibração do equipamento. Cont (…)

6 6 Valor Nominal Valor Médio Incerteza Erro Média - resultado médio obtido durante a calibração Incerteza - variação prevista da medida Erro - diferença entre a média e o valor nominal Tolerância - variação máxima permitida

7 7 Média que resulta de um infinito número de medições do mesmo mensurando, efectuada sob condições de repetitividade, menos o valor verdadeiro do mensurando. ERROS DE UMA MEDIDA ERRO SISTEMÁTICO É inerente ao sistema, está relacionado com o procedimento de medição, não pode ser eliminado, apenas minimizado por um factor de correcção.

8 8 Erro sistemático • Afecta todas as medidas de uma mesma grandeza. Está ligado a média das medidas, varia de forma previsível. • São originados devido a falhas do método empregado ou de defeitos do operador. Exemplos : -- Um relógio descalibrado que está sempre adiantado ou atrasado. -- Calibração errónea de uma escala de instrumento de medição. -- O operador que sempre sobrestima ou sempre subestima os valores das medidas.

9 9 Não é previsível, independente do tempo, da pessoa, do equipamento ou qualquer outro factor. Se não se prevê, não se pode eliminar. ERROS DE UMA MEDIDA ERRO ALEATÓRIO Resultado de uma medição menos a média que resultaria de um infinito número de medições do mesmo mensurando efectuadas sob condições de repetitividade.

10 10 Erro Aleatório • Varia ao acaso de maneira imprevisível, quando se executam várias medidas de uma mesma grandeza. • Um operador, ao repetir diversas vezes a medida de uma grandeza, mesmo que observe com o máximo de cuidado, pode não obter valores repetidos iguais. Exemplos : -- Reflexos variáveis do operador ao apertar um cronómetro. -- Influência do cansaço do operador ao longo de uma série de medições. -- Erro na leitura de uma escala.

11 11 (Afecta Exactidão) (Afecta Precisão)

12 12

13 13 Mede a proximidade entre o resultado obtido e o valor real. Termo utilizado para descrever a reprodutibilidade dos resultados Define-se como a concordância entre os valores numéricos de várias medidas efectuadas pelo mesmo método.

14 14 (a)Exacto e não preciso (b)Preciso e exacto (c) Não preciso não exacto (d) Precisos e não exactos

15 15  M  M  M  M Precisão e exactidão - Um exemplo Valor real = Média = Média = Média = Média =

16 16  M  M  M  M Precisão e exactidão - Um exemplo Valor real = Média = Média = Média = Média = Preciso Não Exacto Não Preciso Exacto Não Preciso Não Exacto Preciso Exacto

17 17 MÉTODOS PARA DIMINUIÇÃO DOS ERROS DE MEDIDAÇÃO - Quantificar os componentes do erro, - Uniformização dos procedimentos operacionais dos equipamentos, - Implementação de programas de calibração e ajuste, - Escolha de equipamentos mais robustos.

18 18 INTERVALO ENTRE CALIBRAÇÕES Instrumento deve ser calibrado sempre: •Após aquisição •Antes de uma manutenção •Após uma manutenção Para definir o intervalo entre calibrações deve-se 1. Estipular um intervalo inicial 2. Executar 4 calibrações com este intervalo 3. Avaliar os resultados

19 19 Definição: VOLTA À ORIGEM ! RASTREABILIDADE DE MEDIÇÃO

20 20 RASTREABILIDADE DA MEDIÇÃO “Propriedade do resultado de uma medição ou do valor de um padrão estar relacionado a referências estabelecidas, geralmente a padrões internacionais, através de uma cadeia contínua de comparações, todas tendo incertezas estabelecidas.”

21 21  Todos os equipamento, incluindo aqueles para medições auxiliares, devem ser calibrados antes de colocados em uso,  Devemos stabelecer programas e procedimentos para calibração dos equipamentos,  Devemos garantir a rastreabilidade às unidades de medida do SI,  Devemos solicitar calibrações em laboratórios que possam demonstrar competência: -Laboratórios credenciados ou integrantes de Institutos Nacionais de Metrologia de outros países. RASTREABILIDADE DA MEDIÇÃO

22 22 Quando não for possível a rastreabilidade ao SI, o laboratório deve fornecer confiança nas medições, através da rastreabilidade a padrões apropriados, como:  uso de materiais de referência certificados  uso de métodos especificados e/ou padrões apropriados RASTREABILIDADE DA MEDIÇÃO

23 23 O registro dos dados das calibrações internas deve conter, no mínimo, as seguintes informações: -Identificação do laboratório, -Identificação do equipamento; quando foi recebimento (ordem de serviço), -Identificação do equipamento ( n série, entre outros), -Normas ou procedimento adoptado na calibração, -Identificação dos padrões e equipamentos utilizados na calibração, -Dados originais obtidos (leituras) e condições ambientais, -Resultado da medição e sua incerteza, -Data e assinatura do responsável pela realização da calibração.

24 24

25 25 As verificações necessárias à manutenção da confiança no status da calibração dos padrões e materiais de referência devem ser realizadas conforme procedimentos e cronogramas definidos. Ter procedimento para: •Manuseamento •Transporte •Armazenamento •Utilização Dos padrões e materiais de referência de forma a prevenir contaminação ou deterioração e proteger a sua integridade. CONCLUSÃO

26 26

27 27

28 28

29 29


Carregar ppt "Mª Filipa CastanheiraSilves, 3 de Maio de 2010 UFCD: 3777- Fundamentos gerais de Higiene no Trabalho Sessão 4 1 PROCEDIMENTOS DE CALIBRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google