A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Farmaeconomia Aplicando conceito à prática Dr. Stephen Stefani Coordenador da Câmara Técnica de Oncologia da UNIMED do Brasil Professor da Fundação UNIMED.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Farmaeconomia Aplicando conceito à prática Dr. Stephen Stefani Coordenador da Câmara Técnica de Oncologia da UNIMED do Brasil Professor da Fundação UNIMED."— Transcrição da apresentação:

1 Farmaeconomia Aplicando conceito à prática Dr. Stephen Stefani Coordenador da Câmara Técnica de Oncologia da UNIMED do Brasil Professor da Fundação UNIMED Presidente do Capítulo Brasil da International Society of Pharmacoeconomics and Outcome Research (ISPOR)

2 Declaração de potencial conflito de interesses R1595/2000 Conselho Federal de Medicina (CFM) Resolução RDC 102/2000 (ANVISA ) • Não tenho conflitos de interesse ligados ao tema discutido nesta palestra

3

4 Dados de Referência

5

6

7

8

9 Relação entre atores

10

11 •Baseia-se em leis federais (LEI N O 9656, MP , CDC ) e nos contratos vigentes Lei e diretrizes da empresa influenciadores •Gestores •Analistas •Auditores respeito ao contrato administração/ excessos respeito à prescrição referenciais •concorrência •tabelas independentes controle das contas políticas de pagamento Análise Contratual

12 Justiça Social • 78% dos juízes entendem que a justiça social justifica decisões que violem os contratos • 83,7% dos juízes com menos de 40 anos entendem que deve-se julgar contra a lei a favor da justiça social Fonte: IPEA

13

14 A sociedade produziu uma revolução na Medicina que aumentou a vida do homem, mas ela não foi capaz de criar uma revolução financeira que a sustentasse com dignidade J.F.Kennedy

15 Barreiras de um novo tratamento para acesso ao mercado Eficácia Segurança Qualidade Análise Econômica

16 Agências para Avaliação de Tecnologia em Saúde ATS obrigatória ATS voluntária ATS desejável PBAC NICE NGC CCOHTA

17 Diferença de Custos + - Diferença de Efeito I II III IV A Estratégia A é mais efetivas mas é mais cara 0 Estratégia A é mais efetiva e mais barata Estratégia A é menos efetiva e mais barata Estratégia A é menos efetiva e mais cara (Custo efetividade) ( cost–saving : Estratégia dominate) (Estratégia a ser rejeitada ) - + Decisão de Adoção de Tecnologia

18 Farmacoeconomia Ciência que analisa as relações entre custos e desfechos de diferentes alternativas de decisão em saúde, com o objetivo de identificar aquela capaz de oferecer o melhor resultado por unidade monetária investida. Farmacoeconomia Ciência que analisa as relações entre custos e desfechos de diferentes alternativas de decisão em saúde, com o objetivo de identificar aquela capaz de oferecer o melhor resultado por unidade monetária investida. Drummond et al. Ann Int Med 1987; 107(1): 88–92 Kobelt G. Health Economics: an introduction to economic evaluation. London: OHE, 2002

19 Determinação do Tipo de Análise

20 Pacientes Provedores Sociedade Pagadores Efeitos na saúde: Dias livre de sintomas Anos de vida ganho Eventos evitados Utilities: QALYs: quality-adjusted life-years DALYs: disability- adjusted life-years Base científica consistente O que é “razoável”?

21 Quality-Adjusted Life Year (QALY) (AVAQ – Anos de Vida Ajustados pela Qualidade ) Quality-Adjusted Life Year (QALY) (AVAQ – Anos de Vida Ajustados pela Qualidade ) Unidade de medida que associa duração e qualidade de vida de um paciente ou uma população anos QALY

22 Quality-Adjusted Life Year (QALY) (AVAQ – Anos de Vida Ajustados pela Qualidade ) Quality-Adjusted Life Year (QALY) (AVAQ – Anos de Vida Ajustados pela Qualidade )

23 Quality-Adjusted Life Year (QALY) (AVAQ – Anos de Vida Ajustados pela Qualidade ) Quality-Adjusted Life Year (QALY) (AVAQ – Anos de Vida Ajustados pela Qualidade ) 1 QALY = 1 ano de vida vivido com plena qualidade

24 Sobrevida Sem doença Tratamento Morte Recorrência Modelo de Markov

25

26 ? Definição de “custo-efetivo” PaísDefinição EUA US$ United Kingdon (NICE) US$ Brasil

27 Tratamento Custo por ano de vida ganho (U$) Recomendar abandonar tabagismo 1300 – 3900 Betabloqueadores em cardiopata isquêmico 5900 Estatinas9800 Coquetel antiviral para HIV Betabloqueadores pos IAM Air Bag para acento ao lado do motorista Diálise50000 Mamografia anual pacientes < 45 anos Ergometria em homen 40 anos assintomatico Inibidores de Cox2 para prevenir sangramento digestivo por úlcera Custo por Ano de Vida Ganho Source: J Probstfield, Am J Cardiol 2003: 91 (suppl): 22G – 27G Johannesson et al. N Engl J Med 1997; 336: 332– 336; T O Tengs, Risk Analysis 1995: 15, 3, ; Goldman L et al. N Engl J Med 1988; 319:

28 Tratamento Custo por ano de vida ganho (U$) Recomendar abandonar tabagismo 1300 – 3900 Betabloqueadores em cardiopata isquêmico 5900 Estatinas9800 Coquetel antiviral para HIV Betabloqueadores pos IAM Air Bag para acento ao lado do motorista Diálise50000 Mamografia anual pacientes < 45 anos Ergometria em homen 40 anos assintomatico Inibidores de Cox2 para prevenir sangramento digestivo por úlcera Custo por Ano de Vida Ganho Source: J Probstfield, Am J Cardiol 2003: 91 (suppl): 22G – 27G Johannesson et al. N Engl J Med 1997; 336: 332– 336; T O Tengs, Risk Analysis 1995: 15, 3, ; Goldman L et al. N Engl J Med 1988; 319:

29 WHO Commission. Macroeconomics and health: investing in health for economic development.. Report of the Commission on macroeconomics and Health. Geneva: World Health Organization; 2001 The World Health Organisation (WHO) defines the threshold for cost-effectiveness as being less than 3X the gross domestic product (GDP) per head Cost effective  Interventions that gain each year of healthy life (e.g. disability adjusted life year [DALY] averted) at a cost less than GDP per head (i.e. less than US$ 30,000 per head) are defined as very cost effective  Interventions averting each DALY at a cost between one and three times GDP per head (US$ 30,000 – US$ 90,000) are defined as cost-effective Not cost effective  The remainder (>US$90,000 per QALY) is defined as not cost- effective Definição de “custo-efetivo”

30

31

32 6 razões para análise diferente • Muitos dispositivos são diagnósticos e não terapêuticos • Inviabilidade de RCTs • Dependem de “como é usado” • Interferência do ambiente, como local de uso • Comparativos não disponíveis • Oscilação de preços varia mais do que drogas

33 Quanto vale a vida de um brasileiro? Valor ético: infinito Valor atribuído para buscar equidade de acesso: sociedade brasileira deve decidir

34 E o futuro?

35

36

37 Preço baseada em Valor (VBP) Lista de Custo Efetividade Incremental

38 Publicada no DOU do dia 29/abril/2011, que altera a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a assistência terapêutica e a incorporação de tecnologia em saúde no âmbito do SUS

39 In. Avaliação de tecnologias em saúde, Artmed, 2009

40

41

42

43

44

45

46 ”O maior risco nos tempos de turbulência não é a turbulência em si; é agir com a lógica de ontem.” Peter Drucker

47 Obrigado pela atenção!

48 Formado em Medicina pela UFRGS (1994) com residência médica no Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) em Clínica Médica ( ) e Cancerologia ( ). Estágios na Oncology Division da University of California / Stanford (1997). Especialização em Auditoria Médica pela Universidade Costa Gama (2001). Coordenador da Auditoria Médica da UNIMED Porto Alegre ( ). Coordenador da Câmara Técnica de Oncologia da UNIMED do Brasil (desde 2004). Professor da pós Graduação, com foco em Economia da Saúde, da Universidade de Ribeirão Preto (URP) e Universidade Federal do Ceará (UFC) e do Instituto de Administração Hospitalar e Ciências da Saúde (IAHCS). Professor de Oncologia e Farmacoeconomia da Fundação UNIMED. Publicou mais de 60 trabalhos e capítulos de livros no país e exterior, incluindo o livro Clínica Médica, com mais de 30 mil exemplares vendidos no Brasil e Portugal. Tem mais de 100 palestras em congressos médicos, inclusive nos EUA, Argentina, Colômbia, Portugal, Suíça e Canadá. Traduziu e participou da revisão técnica de 6 dos principais livros de gestão médica disponíveis no país. Atua como Consultor e Auditor de mais de 70 operadoras de planos de saúde no país. Coordena o Programa de Medicamento Oncológico da Capesesp, auto-gestão da Fundação Nacional de Saúde, ligada ao Ministério da Saúde. Membro efetivo de várias sociedades médicas, incluindo American College of Physicians (ACP), International Association for the Studu of Lung Cancer (IASLC) e American Society of Clinical Oncology (ASCO). Presidente do capítulo Brasil da International Society of Pharmacoeconomics and Outcome Research (ISPOR). Membro do Comitê Executivo da ISPOR América Latina. Currículo completo:


Carregar ppt "Farmaeconomia Aplicando conceito à prática Dr. Stephen Stefani Coordenador da Câmara Técnica de Oncologia da UNIMED do Brasil Professor da Fundação UNIMED."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google