A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Giácomo Balbinotto Neto (UFRGS) Ricardo Letizia Garcia (UERGS) Farmacoeconomia: Análise de Custo-Benefício.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Giácomo Balbinotto Neto (UFRGS) Ricardo Letizia Garcia (UERGS) Farmacoeconomia: Análise de Custo-Benefício."— Transcrição da apresentação:

1 Giácomo Balbinotto Neto (UFRGS) Ricardo Letizia Garcia (UERGS) Farmacoeconomia: Análise de Custo-Benefício

2 2 Bibliografia Sugerida Drummond et all (2005, cap.7) Rascati (2010, cap.7)

3 3 A análise de custo-benefício é uma técnica analítica derivada da teoria econômica que enumera e compara custos líquidos de uma intervenção de cuidados em saúde com os benefícios que surgiram como uma consequência dessa intervenção. Para esta técnica, ambos os custos líquidos e os benefícios da intervenção de saúde, são expressos em unidades monetárias. Análise Custo-Benefício (ACB)

4 4 O benefício da intervenção são os resultados melhorados de saúde, conforme comparado aos resultados que teriam sido obtidos com a alternativa. Os resultados podem incluir não apenas resultados tradicionais no paciente, mas também, valores de opção (o benefício de ter um tratamento disponível somente para o caso necessário) e valores altruísticos (o benefício de ver a melhora de outros). Análise Custo-Benefício (ACB)

5 5 Os resultados melhorados em saúde são avaliados em unidades monetárias, frequentemente pela disposição a pagar. O custo líquido da intervenção é o custo do tratamento e de seu acompanhamento 9drogas, médicos, hospitais, cuidados domésticos, custos do paciente e da família, custo da perda de produtividade, etc.) menos o custo do tratamento e do acompanhamento com alternativa. Análise Custo-Benefício (ACB)

6 6 A linha de fundo da análise é o benefício líquido, que é o benefício menos o custo líquido. O benefício líquido é o critério básico de decisão nesta análise. Se o benefício líquido for positivo, a regra de decisão geralmente aceita é fundamentar a decisão. Análise Custo-Benefício (ACB)

7 7 A análise de custo-benefíciopermite a comparação de programas e intervenções com resultados inteiramente diferentes. Dessa maneira, é possível comparar dois programas completamente não relacionados estritamente dentro de uma base monetária. A regra de decisão econômica é escolher a droga ou tratamento com o benefício líquido mais elevado. Análise Custo-Benefício (ACB) Vantagens (I)

8 8 A análise custo benefício é singular por ser a única técnica que têm uma regra de decisão definitiva, autocontida para avaliações de intervenções simples. Se o benefício líquido da intervenção for positivo, a intervenção deverá ser fundamentada. Análise Custo-Benefício (ACB) Vantagens (II)

9 9 Tipo de Avaliação: Custo - Benefício Medida de Custos: Unidades Monetárias Medida de Efeitos: Unidades Monetárias Análises: (C A - B A ) - (C B - B B ) Vantagem: Permite comparar diferentes tipos de alternativas farmacológicas Limitação: Dificuldade de converter resultados de saúde em unidades monetárias DESCRIÇÃO Análise Custo-Benefício (ACB)

10 10 Nesta análise o que se procura é identificar a opção de tratamento que permite reduzir custos ou aumentar os benefícios, especificamente olhando a resposta financeira obtida por cada opção; Há uma semelhança entre a filosofia adota neste tipo de análise e uma aplicação financeira (na qual se comparam as opções disponíveis no mercado para se descobrir qual proporcionará a maior taxa de lucro). Análise Custo-Benefício (ACB)

11 11 Nesta avaliação econômica os custos do atendimento médico são comparados com os benefícios econômicos do atendimento, onde tanto o custo e o benefício são expressados em unidade monetária. Os benefícios tipicamente incluem redução no custo de cuidados de saúde no futuro. É aplicável quando a opção terapêutica é avaliada tão somente em termos de suas vantagens ou desvantagens econômicas. Análise Custo-Benefício (ACB)

12 12 Objetiva identificar e avaliar sistematicamente todos os custos e benefícios associados a diferentes alternativas, e, assim, determinar qual a alternativa que maximiza a diferença entre benefícios e custos, os quais são expressos em termos monetários. Análise Custo-Benefício (ACB)

13 13 TIR = Taxa Interna de Retorno; B t = Benefício do período t; C t = Custo no período t; d = taxa de desconto. Σ B t – C t / (1 + TIR) t = 0 Indicador : Taxa Interna de Retorno Viabilidade será dada quando TIR = d. Análise Custo-Benefício (ACB)

14 14 A Análise Custo Benefício é de difícil realização porque requer que custos e benefícios sejam mensurados (ou convertidos) em termos monetários. Exemplo: realização de tratamento psiquiátrico em hospitais tradicionais ou sem a hospitalização. Análise Custo-Benefício (ACB)

15 15 Para a sua utilização, é necessário levar em conta que as alternativas sob estudo não trazem em si riscos éticos insuportáveis. Ex: quando uma opção altamente econômica ou lucrativa tem o potencial de aumentar a morbi-mortalidade, sem que haja razões justas para a sua adoção, não é ético ou mesmo lícito adotá-la. A alternativa mais barata, com potencial danoso, só poderá ser escolhida se for a única opção ou em caso de decisões em prol de uma maioria de indivíduos, que poderia ser prejudicada pela adoção de uma alternativa mais cara. Análise Custo-Benefício (ACB)

16 16 Análise Custo-Benefício (ACB) Componentes de uma Análise de Custo-Benefício CUSTOS ($) BENEFÍCIOS ($) Diretos não médicos Diretos médicos Benefícios DiretosBenefícios indiretos Benefícios intangíveis Preferência do paciente Dor e Sofrimento Disposição a pagar Produtividade Capital humano Disposição a pagar Economia direta médica e não médica

17 17 Os dois métodos mais comuns observados na literatura farmacoecnômica são as abordagens do capital humano (CH) e da disposição a pagar (DAP). Análise Custo-Benefício (ACB)

18 18 A abordagem do capital humano estima as perdas salariais e de produtividade devido a doença, incapacidade ou morte e pressupõe que o valor dos benefícios à saúde seja igual a produtividade econômica que eles permitem. Os dois componentes básicos para o cálculo do CH são a taxa salarial e o tempo perdido (dias ou anos) em decorrência da doença. Análise Custo-Benefício (ACB) A Abordagem do Capital Humano

19 19 A abordagem da DAP determina quanto as pessoas estão dispostas a pagar para reduzir a chance de um desfecho (outcome) adverso em saúde. A principal vantagem da abordagem da DAP é que esse é um método que atribui um valor em dólares a benefícios intangíveis. Análise Custo-Benefício (ACB) A Abordagem da Disposição a Pagar

20 20 A TIR é a taxa de retorno que iguala o Valor Presente Líquido (VP) de benefícios ao VP de custos. A meta é encontrar a taxa de retorno que tornaria os custos e benefícios iguais. Depois que a TIR é calculada, ela é comparada com uma taxa de barreira especificada. A regra de decisão da TIR é a aceitação de todos os projetos que tenham uma TIR maior do que a taxa de barreira. Se a TIR for maior do que a taxa de barreira, isso significa que o projeto pode render uma taxa de retorno maior em comparação com algum outro investimento. Análise Custo-Benefício (ACB) TIR – Taxa Interna de Retorno

21 21 Uma desvantagem deste tipo de análise é a dificuldade de conversão ou tradução dos resultados ou desfechos (outcomes) clínicos e de qualidade de visda não monetários, tais como vidas ou anos de vida ganhos, em unidades monetárias. Análise Custo-Benefício (ACB) Críticas

22 22 Análise Custo-Benefício (ACB) Bibliografia Adicional Cap. 7

23 FIM Giácomo Balbinotto Neto (UFRGS) Ricardo Letizia Garcia (UERGS) Farmacoeconomia: Análise de Custo-Benefício


Carregar ppt "Giácomo Balbinotto Neto (UFRGS) Ricardo Letizia Garcia (UERGS) Farmacoeconomia: Análise de Custo-Benefício."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google