A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Processo de Votação e o Teorema do Eleitor Mediano TEORIA MICROECONÔMICA II Prof. Giácomo Balbinotto Neto.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Processo de Votação e o Teorema do Eleitor Mediano TEORIA MICROECONÔMICA II Prof. Giácomo Balbinotto Neto."— Transcrição da apresentação:

1 O Processo de Votação e o Teorema do Eleitor Mediano TEORIA MICROECONÔMICA II Prof. Giácomo Balbinotto Neto

2 2 Questões A determinação orçamentária envolve muito mais um processo político do que um processo de mercado. O objetivo desta aula é examinar este processo político.

3 3 Questões Como podem ser expressas e implementadas as preferências dos eleitores sobre bens públicos quando o processo de negociação é custoso e envolvem um grande número de participantes?

4 4 Questões As preferências individuais precisam ser traduzidas em decisões orçamentárias através de um processo político que envolva as preferências de cada um, reveladas através do voto, e a atuação daqueles partidos políticos ou líderes a quem foi delegada a decisão final.

5 5 Regras de Votação O enfoque moderno da democracia é consenso geral de que cada pessoa seja da um voto. As opiniões de todos os cidadãos devem ter o mesmo peso. Um outro ponto é a escolha da regra de votação. A regra usada mais comumente é a da maioria simples. Mas também pode ser usada a regra da maioria qualificada.

6 6 Regra da Maioria e o Eleitor Mediano O eleitor mediano é aquele que opta por uma quantidade que está na média das preferências do grupo. Ou dito de outra forma, num tema em que em que as preferências estão distribuídas entre uma quantidade mínima e uma quantidade máxima, o número de eleitores que preferem quantidades menores do bem público que o eleitor mediano é igual ao número do que preferem quantidades maiores.

7 7 Regra da Maioria e o Eleitor Mediano Eleitor AEleitor CEleitor B Q1 Q2Q3 Eleitor Mediano

8 8 Regra da Maioria e o Eleitor Mediano Q1 x Q2 - B e C votam em Q2 Q2 x Q3 – A e B votam em Q2 Numa democracia representativa, na qual os eleitores escolhem representantes, o teorema do eleitor mediano explica por que, no caso de dois candidatos (ou partidos) e supondo que todos votem, será eleito aquele com a proposta mais próxima das preferências do eleitor mediano e ambos tenderão a desenhar plataformas políticas similares.

9 9 Regra da Maioria e o Eleitor Mediano Caso seja aplicada a regra da maioria o eleitor mediano será o vencedor como veremos abaixo. Suponha que deva ser escolhido um dentre três níveis de atividade orçamentária: A (alto); B(médio) e c (baixo). Supomos que existam somente 3 eleitores: X, Y e Z. O custo dos serviços é igualmente dividido entre os três.

10 10 Regra da Maioria e o Eleitor Mediano Supomos que as preferências dos eleitores seja a seguinte: XYZ 1ACB 2BBC 3CAA

11 11 Regra da Maioria e o Eleitor Mediano Desde que estão envolvidas mais de duas opções, devemos votá-las aos pares: A x B - B vence B x C - B vence A x C seguindo C x B ou C x B seguido de B x A – B vencerá de todas as maneiras.

12 12 Regra da Maioria e o Eleitor Mediano O eleitor Z, que prefere a alternativa mediana, configura o que denominamos de eleitor mediano e é o vencedor. Este modelo simples de sistema de votação é o tipicamente usado na elaboração de tomada de decisões fiscais.

13 13 Regra da Maioria e o Eleitor Mediano O teorema do eleitor mediano estabelece que, nas condições especificadas pelo modelo, o resultado de uma eleição majoritária será a preferência do eleitor mediano.

14 14 Regra da Maioria e o Eleitor Mediano O teorema do eleitor mediano é um resultado matemático que mostra que se os eleitores escolhem um ponto ao longo de uma linha, cada eleitor deseja deseja o ponto mais próximo ao seu ponto mais preferido, então a regra da maioria irá escolher o ponto preferido pelo eleitor mediano.

15 15 Regra da Maioria e o Eleitor Mediano

16 16 Regra da Maioria e o Eleitor Mediano Aplicado a uma democracia representativa, na qual os eleitores escolhem representantes, o teorema do eleitor mediano explica por que, no caso de dois candidatos (ou partidos) e supondo que todos votem, será eleito aquele com uma proposta mais próxima das preferências do eleitor mediano (median voter strategy) e ambos irão desenhar plataformas similares. O candidato (ou partido) mais próximo do eleitor mediano estará mais próximo do ótimo de mais da metade do eleitorado.

17 17 Regra da Maioria e o Eleitor Mediano Uma implicação do teorema do eleitor mediano é que o processo político tende a priorizar as preferências de indivíduos que se encontram em um meio termo, mas não as preferências que se encontram distantes da mediana.

18 18 Despesas em educação por aluno (em dólares) 0 Disposição em pagar W1W1 W2W2 W3W3 AW O nível eficiente de gastos com educação é determinado pela soma da disposição a pagar por educação de cada um dos três cidadãos. Preferências privadas por bens públicos

19 19 Despesas em educação por aluno (em dólares) 0 Disposição em pagar W1W1 W2W2 W3W3 AW A regra de votação pela maioria gera um resultado eficiente? W 1 vota pelo nível de $600 de gasto W 2 e W 3 votam por $1.200 O nível preferido pelo votante mediano sempre vencerá uma eleição baseada na maioria dos votos. Preferências privadas por bens públicos

20 20 Pergunta A opção do votante mediano sempre será eficiente? Resposta Se dois dos três indivíduos preferirem $1.200, haverá gasto excessivo. Se dois dos três indivíduos preferirem $600, haverá nível muito baixo de gasto. Preferências privadas por bens públicos

21 21 A regra da maioria de votos é ineficiente porque atribui pesos iguais às preferências de cada cidadão, enquanto que, para a obtenção do resultado eficiente, é necessário ponderar os votos de cada cidadão pela intensidade de suas preferências pelo bem. Preferências privadas por bens públicos

22 22 Resumo Sob a votação pela regra da maioria, o nível de gasto no bem público será aquele correspondente à preferência do votante mediano – que não é, necessariamente, o resultado eficiente.

23 23 Evidências Empíricas para o Brasil

24 24 You tube Classes

25 25 Recomendações Downs, Anthony An Economic Theory of Democracy. New York: Harper & Row. Riker, William and Peter Ordeshook A Theory of the Calculus of Voting. American Political Science Review 62(1):

26 Fim TEORIA MICROECONÔMICA II Prof. Giácomo Balbinotto Neto UFRGS


Carregar ppt "O Processo de Votação e o Teorema do Eleitor Mediano TEORIA MICROECONÔMICA II Prof. Giácomo Balbinotto Neto."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google