A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Acidentes por Escorpiões Palmira Cupo Depto. Puericultura e Pediatria Centro de Controle de Intoxicações UE-HCFMRP-USP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Acidentes por Escorpiões Palmira Cupo Depto. Puericultura e Pediatria Centro de Controle de Intoxicações UE-HCFMRP-USP."— Transcrição da apresentação:

1 Acidentes por Escorpiões Palmira Cupo Depto. Puericultura e Pediatria Centro de Controle de Intoxicações UE-HCFMRP-USP

2 Os escorpiões situam-se entre os primeiros animais a conquistarem a Terra há algo em torno de 425 a 450 milhões de anos. Desde então pouco mudaram morfologicamente, mas foram capazes de adaptar diversos aspectos de sua fisiologia às condições de vida mais inóspitas. Alguns escorpiões toleram temperaturas extremamente baixas, durante semanas, enquanto outros sobrevivem em regiões de calor abrasivo. Podem viver praticamente sem beber água e ficar até um ano sem se alimentar. ESCORPIONISMO

3 Os escorpiões pertencem à classe ARACHNIDA, ordem SCORPIONES, atualmente com 20 famílias descritas. Distribuem-se em ampla faixa territorial, com representantes em todos os continentes, com exceção da Antártida. Todas as espécies de escorpiões perigosas para o homem pertencem à família BUTHIDAE. É a família mais importante, tanto em número de gêneros como de espécies, estimadas em 550. Desse total no entanto apenas 25 espécies são consideradas capazes de causar acidentes graves ou fatais.

4 ESCORPIONISMO Os escorpiões mais perigosos pertencem a quatro gêneros: Androctonus e Leiurus ( África do Norte e Oriente Médio), Buthus (África do Norte), Centruróides (México e Estados Unidos) e Tityus (América do Sul e Trinidad). Ocorrem no Brasil cinco famílias, das quais apenas a família BUTHIDAE, gênero Tityus, apresenta espécies de importância médica.

5 ESCORPIÕES DE INTERESSE MÉDICO NO BRASIL T. Serrulatus MG,SP,RJ,ES,BA,GO, DF T. Bahiensis MG,GO,SP,PA T. Stigmurus NE, exceto MA

6 ESCORPIÕES DE INTERESSE MÉDICO NO BRASIL T. T.metuendus PA, AM, RO, Roraima T. cambridgei PA, Amapá, AM

7 FAIXA ETÁRIA E SEXO DOS PACIENTES VÍTIMAS DE ESCORPIONISMO n = 9230 idade

8 ACIDENTES ESCORPIÔNICOS DURANTE OS MESES DO ANO n = 9230

9 ESPÉCIES DE ESCORPIÕES X ANOS CCI – HC-FMRPUSP n = 10961

10 TEMPO TRANSCORRIDO ENTRE O ACIDENTE E A CHEGADA AO HOSPITAL ESCORPIONISMOESCORPIONISMOESCORPIONISMOESCORPIONISMO

11 6,5% 28,8% 0,5% 45,4% 11,3% 3,7% 0,9% DISTRIBUIÇÃO TOPOGRÁFICA DAS PICADAS

12 atua sobre os canais de sódio provocando:  estimulação das fibras musculares e terminações nervosas do simpático, parassimpático e medula da supra-renal causando  liberação de neurotransmissores, catecolaminas e acetilcolina atua sobre os canais de sódio provocando:  estimulação das fibras musculares e terminações nervosas do simpático, parassimpático e medula da supra-renal causando  liberação de neurotransmissores, catecolaminas e acetilcolina AÇÕES DO VENENO ESCORPIONISMOESCORPIONISMO ESCORPIONISMOESCORPIONISMO

13 ação de neurotransmissores efeito tóxico direto de componentes do veneno (?) ação das citocinas (?) ESCORPIONISMOESCORPIONISMO Fisiopatologia do Envenenamento

14 AÇÃO DOS NEUROTRANSMISSORES Catecolaminas midríase  FC,  PA arritmias cardíacas vasoconstricção sudorese *  FR  Glicemia  Potássio Acetilcolina miose  FC arritmias cardíacas vasodilatação  secreções broncoconstricção priapismo  Amilase ESCORPIONISMOESCORPIONISMO

15 ESCORPIONISMO MANIFESTAÇÕES LOCAIS

16 ACIDENTES LEVES dor local, de intensidade variável parestesias vômitos ocasionais agitação e/ou taquicardia leves TRATAMENTO combate à dor: analgésicos e/ou anestésicos locais ESCORPIONISMOESCORPIONISMO

17 ACIDENTES MODERADOS dor local alguns episódios de vômitos algumas manifestações sistêmicas isoladas e de pequena intensidade: sudorese, sialorréia,  PA,taqui/bradicardia, taquipnéia, agitação TRATAMENTO combate à dor : analgésicos e/ou anestésicos locais combate aos vômitos soroterapia em crianças < 7a Observação em ambiente hospitalar ESCORPIONISMOESCORPIONISMO

18 ACIDENTES GRAVES náuseas e vômitos profusos sudorese intensa sialorréia, rinorréia alterações dos ritmos cardíaco e respiratório  ou  PA,  ou  FC agitação intensa / sonolência, torpor TRATAMENTO combate à dor : analgésicos e/ou anestésicos locais combate aos vômitos soroterapia para todos os pacientes Monitorização cardio-respiratória contínua ESCORPIONISMOESCORPIONISMO ESCORPIONISMOESCORPIONISMO

19 Os acidentes graves podem evoluir para: insuficiência cardíaca edema pulmonar choque óbito Alterações Laboratoriais  Glicemia, glicosúria  Amilase  Potássio Leucocitose  CK-MB,  LDH,  TGO  Troponina I Alterações ECG, ECO, Rx de tórax Alterações laboratoriais (moderados, graves) Reversíveis dentro de 5 a 7 dias ESCORPIONISMOESCORPIONISMO

20 GRAVIDADE DO ESCORPIONISMO X IDADE IDADE CCI – HC-FMRPUSP Moderados 84% < 15a Graves 65% < 7a 94% < 15a Óbitos 7 < 15a , n=9230

21 ESCORPIONISMOESCORPIONISMO

22 ECG – Principais Alterações Observadas arritmias arritmias taquicardia sinusal taquicardia sinusal infra/supradesnive- infra/supradesnive- lamento segmento ST lamento segmento ST alterações onda T alterações onda T presença onda Q presença onda Q prolongação QTc prolongação QTc presença onda U presença onda U ESCORPIONISMOESCORPIONISMOESCORPIONISMOESCORPIONISMO

23 Nayele chegada 17/8/2006

24 Nayele 7h após SAV

25 Claudinei chegada

26 Claudinei após 3 h SAV

27 Jonathan 12/07/06

28 Eduardo 36 h após acidente

29 Thalesson fev 2003

30 ESCORPIONISMOESCORPIONISMO ECO – Principais Alterações Observadas hipo / acinesia paredes e septo  da fração de ejeção  encurtamento das fibras regurgitação mitral dilatação das câmaras cardíacas ESCORPIONISMOESCORPIONISMO

31 ESCORPIONISMOESCORPIONISMO ESCORPIONISMOESCORPIONISMO CINTILOGRAFIA MIOCÁRDICA PAC. 1 PAC. 9 Figueiredo et al., 2006 FMRP-USP

32 ESCORPIONISMOESCORPIONISMO Figueiredo et al., 2006 FMRP-USP Distribuição das Alterações Contráteis por Segmento Distribuição das Alterações Perfusionais por Segmento

33 ESCORPIONISMO – TRATAMENTO SINTOMÁTICO

34 Tratamento Específico ESCORPIONISMOESCORPIONISMO Soro antiescorpiônico ou Soro antiaracnídico Soro antiescorpiônico ou Soro antiaracnídico Casos Moderados : 4 ampolas Casos Graves : 8 ampolas (qualquer idade)

35 ROTINA SOROTERAPIA ANTIVENENO Aplicar, 20 minutos antes do SAV, via intravenosa: dextroclorfeniramina ( 0,08 mg/kg / 5 mg) hidrocortisona ( 10 mg/kg / 500 mg ) ranitidina ( 2mg/kg / mg ) Aplicar SAV, gota a gota, durante 20 a 30 minutos Manter preparados: adrenalina, oxigênio, aminofilina, SF, material de urgência ESCORPIONISMOESCORPIONISMO

36 ESCORPIONISMOESCORPIONISMO Geral combate à dor combate aos vômitos Suporte às condições vitais IC/EA: oxigênio, diuréticos, ventilação mecânica, drogas vasoativas bradicardia ou bloqueio AV total: atropina hipertensão arterial mantida: bloqueadores do canal de cálcio TRATAMENTO

37 PROFILAXIA vedar frestas evitar entulhos, madeiras, tijolos observar roupas e calçados tampar ralos erradicar baratas limpeza de terrenos baldios manter galinhas ao redor das casas ESCORPIONISMOESCORPIONISMO

38


Carregar ppt "Acidentes por Escorpiões Palmira Cupo Depto. Puericultura e Pediatria Centro de Controle de Intoxicações UE-HCFMRP-USP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google