A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O EMOCIONAL E A APRENDIZAGEM. Palestrante: Marli Lúcia Trevisan Gasperin Professora da Rede Municipal Psicóloga formada pela UCS Licenciatura Plena em.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O EMOCIONAL E A APRENDIZAGEM. Palestrante: Marli Lúcia Trevisan Gasperin Professora da Rede Municipal Psicóloga formada pela UCS Licenciatura Plena em."— Transcrição da apresentação:

1 O EMOCIONAL E A APRENDIZAGEM

2 Palestrante: Marli Lúcia Trevisan Gasperin Professora da Rede Municipal Psicóloga formada pela UCS Licenciatura Plena em Psicologia Especialista em Terapia de Casal e Família Pós-graduação em Neuropsicopedagogia e Inclusão Escolar

3 Pauta: 1- Apresentação 2- Técnica da folha 3- Significado do aprender 4-Origem das dificuldades emocionais 5-Teoria do desenvolvimento 6- Sintomas emocionais 7- Técnica das mãos 8- O desenho infantil como instrumento para identificar dificuldades emocionas 9- Estudo dos desenhos 10- Encerramento - MENSAGEM

4 O papel representa nossa vida Balançar a folha com os olhos fechados e prestar atenção: que barulho faz? Que barulho lembra? Agora serão ditas alguma palavras relacionadas a sentimentos relacionados ao trabalho e à vida. Na medida em que estes sentimentos tiverem significado e intensidade na sua vida você amassará o papel.

5 Eu realizo uma função que desconheço ou tenho pouco conhecimento do que faço? Sinto insegurança? Tenho medos? Tenho vontade de desistir? Sinto-me reconhecido? Sinto-me feliz quando consigo executar alguma tarefa que eu criei? Me sinto desanimado? Sei o valor do meu trabalho? Sinto a importância do companheirismo da equipe?

6 O papel na mão é como a vida, somos responsáveis por ela. Somente nós controlamos nossa vida. Agora desamassem o papel e vejam como ficou. Que marcas ficaram no papel? Novamente balancem o papel e tentem identificar o som que o papel faz. Percebem que não faz barulho?

7 Assim é nossa vida e nosso trabalho. Estas são as marcas que temos na vida, mas que sem elas não teríamos uma história para contar. Elas são provas dos desafios que conseguimos ultrapassar. Olhem para as marcas que ficaram no papel. Fechando os olhos pensem no barulho..que faz o papel. Apesar de termos que enfrentar os problemas e dificuldades de nossa vida, sempre há uma forma de aquietar as tempestades e acalmar a nossa alma para estarmos sempre prontos para aprender, crescer e enfrentar novos desafios.

8 I nclusão : A inclusão é um desafio. Ser professor é um desafio. Múltiplos sentimentos são gerados por todo esse processo, pois não estamos preparados e precisamos entender de psicologia, de síndromes e de como ajudar este aluno a aprender. O que realmente cabe a nós ? Qual o meu papel diante de tudo isso?

9 Significado do aprender NÃO APRENDER NÃO É CONTRÁRIO DE APRENDER O NÃO APRENDER CUMPRE UMA FUNÇÃO APRENDER é desvendar a história Simbolizar a minha história As crianças não aprendem por fatores emocionais, porque aprender significa entender o que acontece na sua vida; isso pode causar muita dor, então os processos de aprendizagem são bloqueados.

10 Origem das Dificuldades Emocionais As crianças tem comportamentos diferentes: Calmos, agitados, agressivos, apáticos, mais sociais, antissociais, tímidos, extrovertidos. O que determina os comportamentos? FATOR HEREDITÁRIO: No momento da concepção certas qualidades são fixadas e exercem influências no comportamento. Ex: Tamanho, constituição física, mais capacidade em atividades motoras, posições de liderança e maior segurança, maior valorização dos pais e auto estima mais elevada

11 A capacidade intelectual também é limitada pelo fator hereditariedade, porém a estimulação precoce e o tratamento adequado podem promover adaptações consideráveis. A criança com capacidade mental limitada tem maiores dificuldades com honestidade, cooperação e tendências a comportamentos instáveis, isto também pode ser herdado.

12 INFLUÊNCIAS ORGANICAS: Dificilmente isolável dos fatores hereditários e operam a parte do nascimento Ex: nutrição, problemas endócrinos, epilepsia, encefalite, anóxia INFLUENCIAS AMBIENTAIS (Família, meio): Formam e modelam o comportamento do indivíduo. Grande impacto e profundo efeito sobre o comportamento. Exemplos: Atitude dos pais em relação ao nascimento. Grau de afeição, valorização e estimulação do processo de crescimento e independização, atritos conjugais.

13 INFLUÊNCIAS CULTURAIS E SOCIAIS: O comportamento também é determinado por pressões e tradições culturais. Ações e crenças determinadas por grupos sociais. Status econômico: nível econômico exerce fator determinante sobre a conduta. Estudos mostram que crianças com lares que o fator econômico é precário são mais vulneráveis a problemas de personalidade, tem mais potencial de desenvolver comportamentos antissociais.

14 A relação entre as dificuldades em aprender e o emocional Fases de desenvolvimento segundo Freud Fases de desenvolvimento segundo Piaget A fixação ou a passagem com lacunas nessas fases vai determinar estruturas psíquicas mais saudáveis, ou não, como também a internalizarão da aprendizagem Tudo que quantifica algo deve nos chamar atenção

15 É IMPORTANTE QUE O PROFESSOR SEJA CONTINENTE É necessário que se criem espaços para a saúde mental. ( tratamento, jogos, ludicidade) O NÃO APRENDER É A IMPOSSIBILIDADE DE INCORPORAR OS OBJETOS DE CONHECIMENTO À EXPERIÊNCIA DA VIDA

16 Muitas vezes a energia psíquica está envolvida em outras tarefas e a aprendizagem fica bloqueada ou reprimida O ego está envolvido em tarefas que comprometem a energia disponível Ex: depressão, mortes, segredos, fobias

17 Teoria do desenvolvimento e da personalidade

18 Estágios de Desenvolvimento segundo Piaget

19 SINTOMAS EMOCIONAIS ANSIEDADE Se caracteriza por preocupação excessiva, nervosismo Tensão muscular Sudorese, boca seca, tonturas, dores de estomago Resposta de sobressalto exagerada Medo que as pessoas da família irão adoecer ou morrer Crianças com ansiedade tendem a ter uma preocupação excessiva com seu desempenho escolar Necessitam exageradamente de asseguramento

20 Depressão: Perda do interesse e do prazer Desanimo, desesperança e sentimento de desvalia e culpa Dor emocional agonizante( angústia) Fobia à escola Humor irritável Alterações psicomotoras ( incapacidade de ficar sentado, mexer as pernas, fala diminuída, lentidão) Dificuldade de terminar tarefas, em concentrar-se

21 Agressividade: TRANSTORNO DESAFIADOR DE OPOSIÇÃO (TDO) Padrão de comportamento : -negativista -hostil -desafiador COMUM EM CRIANÇAS DE DOIS ANOS, PORÉM QUANDO PERMANECE E TRAZ PREJUÍZO SIGNIFICA TRANSTORNO.

22 TRANSTORNO DESAFIADOR DE OPOSIÇÃO (TDO) Perde a calma Discute com adultos Desacata ou se recusa ativamente a obedecer a solicitações ou regras de adultos Incomodativo Culpa os outros por seus erros Se irrita com facilidade Enraivecido e ressentido Rancoroso e vingativo

23 TRANSTORNO DE CONDUTA (TC) Padrão repetitivo persistente de comportamento, no qual são violados: os direitos individuais dos outros ou as normas ou regras sociais importantes próprias da idade

24 TRANSTORNO DE CONDUTA (TC) Agressão a pessoas e animais Destruição de patrimônio Defraudação ou furto Sérias violações a regras 2 TIPOS: -INÍCIO NA INFÂNCIA (ATÉ OS 10 ANOS) - INÍCIO NA ADOLESCÊNCIA (A PARTIR DOS 11 ANOS)

25 DIFERENÇAS BÁSICAS EMOÇÕESENRAIVECIDO FRIEZA E ENRAIVECIDO RESOLUÇÃO DE PROBLEMASPREJUDICADA CURSO E PROGNÓSTICOLEVE A MODERADA GRAVIDADE ALTA GRAVIDADE

26 SE NÃO TRATADO: RISCO DE EVOLUIR PARA TC 80% DESENVOLVEM OUTROS TRANSTORNOS MENTAIS NA VIDA ADULTA (T. HUMOR, DROGAS) RISCOS DE COMPORTAMENTO ANTISSOCIAL NO ADULTO MAIOR CAUSA DE PROCURA POR SERVIÇOS DE SAÚDE MENTAL (33-50% dos atendimentos) TDO: 2-16% TC: 1-10% >35% das famílias de baixa renda

27 O desenho infantil como instrumento para identificar dificuldades emocionas

28 Técnica das Mãos OBJETIVO: Entrar em contato com o colega através do sentir e adivinhar o que o outro pode estar pensando. INSTRUÇÕES: Em duplas, de mãos dadas, de frente um para outro. É PROIBIDO FALAR DOIS APERTOS DE MÃO É SIM UM APERTO DE MÃO É NÃO

29 PROCEDIMENTOS: Pensar em um objeto quem tem na sala Um sentimento bom Responder as perguntas pelo aperto de mão. Começa com a letra A? Sente todos o dia? Termina com a letra R?Começa com B? Tem a letra A? Tem 7 letras? Tem menos de 7 letras? Tem a Letra M no meio?

30 Agora tentem adivinhar o que o colega pensou. Quando estamos conectados com o outro muitas vezes não necessitamos de palavras, pelo olhar, percebe-se muitos sentimentos.

31 DEPRESSÃO: Aparência triste, costuma auto- desvalorizar-se e tem sentimentos de inferioridade, alterações de sono, insatisfação Agressividade, raiva, agitação, comportamentos para chamar a atenção.

32 Encerramento: Que todos nós possamos entender a inclusão como um processo, difícil, desafiador porém o seu êxito trará uma satisfação importante e trará muito conhecimento a nossas vida. PEÇA AJUDA, TRABALHE EM EQUIPE Ninguém sabe tudo e ninguém é obrigado a saber tudo.


Carregar ppt "O EMOCIONAL E A APRENDIZAGEM. Palestrante: Marli Lúcia Trevisan Gasperin Professora da Rede Municipal Psicóloga formada pela UCS Licenciatura Plena em."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google