A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Unidade 5 Direitos, cidadania e movimentos sociais Os movimentos sociais não são predeterminados; dependem sempre das condições específicas em que se desenvolvem,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Unidade 5 Direitos, cidadania e movimentos sociais Os movimentos sociais não são predeterminados; dependem sempre das condições específicas em que se desenvolvem,"— Transcrição da apresentação:

1 Unidade 5 Direitos, cidadania e movimentos sociais Os movimentos sociais não são predeterminados; dependem sempre das condições específicas em que se desenvolvem, ou seja, das forças sociais e políticas que os apoiam ou os confrontam, dos recursos existentes para manter sua ação e dos instrumentos utilizados para que obtenham repercussão.

2 Os movimentos sociais Capítulo 15 Os movimentos sociais são ações coletivas com o objetivo de manter ou mudar uma situação. Thinkstock/Getty Images Podem ser locais, regionais, nacionais ou internacionais. Podem ainda ser organizados ou conjunturais.

3 Os movimentos sociais Capítulo 15 Movimentos sociais organizados  greves trabalhistas, movimentos por melhores condições de vida na cidade e no campo, movimentos étnicos, feminista, ambiental, estudantil, etc. Greve de professores da rede municipal de São Paulo por melhora nos salários e nas condições de trabalho. Fotografia de Caio Guatelli/ Folha Imagem

4 Os movimentos sociais Capítulo 15 Movimentos conjunturais  duram alguns dias e desaparecem para, depois, surgir em outro momento, com novas formas de expressão. Exemplo: movimento dos caras-pintadas pelo impeachment do então presidente Fernando Collor de Mello, em Carlos Rodrigues/Agência Estado/AE Manifestação em Porto Alegre pelo impeachment do então presidente Fernando Collor. Fotografia de 1992.

5 Os movimentos sociais Capítulo 15 Confrontos e parcerias Os movimentos sociais são sempre de confronto político. Na maioria dos casos, têm uma relação com o Estado, seja de oposição, seja de parceria, de acordo com seus interesses e necessidades. Acampamento montado em frente à prefeitura de São Paulo, em ação organizada pela Frente de Luta por Moradia (FLM). Fotografia de Marcelo Min/Agência Fotogarrafa

6 Os movimentos sociais Capítulo 15 Existem também movimentos cujo objetivo é desenvolver ações que favoreçam a mudança da sociedade com base no princípio fundamental do reconhecimento do outro, do diferente. Por meio desses movimentos, procuram-se disseminar visões de mundo, ideias e valores que proporcionem a diminuição dos preconceitos e das discriminações.

7 Os movimentos sociais Capítulo 15 Em seu livro Luta por reconhecimento, o sociólogo alemão Axel Honneth declara que “uma luta só pode ser caracterizada de social na medida em que seus objetivos se deixam generalizar para além dos horizontes das intenções individuais, chegando a um ponto em que eles podem se tornar a base de um movimento coletivo”.

8 Os movimentos sociais Capítulo 15 A greve como elemento central Para Émile Durkheim: todo conflito é resultado da inexistência de regras e normas que regulem as atividades produtivas e a organização das várias categorias profissionais; a questão social é também moral, pois envolve ideias e valores divergentes dos da consciência coletiva; uma sociedade dividida não pode ser normal.

9 Os movimentos sociais Capítulo 15 Para Karl Marx: a greve é a expressão mais visível da luta de classes entre a burguesia e o proletariado; o trabalhador representa a força de trabalho e o empresário representa o capital; cabe ao Estado regular a relação entre trabalho e capital. O Estado também age com a força policial.

10 Os movimentos sociais Capítulo 15 Na perspectiva de Marx, em uma greve questionam-se não só as condições de exploração em que vivem os trabalhadores, mas também a ação do Estado. Na fotografia de 2004, servidores públicos em greve defrontam a tropa de choque durante manifestação em Recife, Pernambuco. Márcia Mendes/JC Imagem

11 Os movimentos sociais Capítulo 15 As greves trabalhistas existem desde o início do processo de industrialização. Os trabalhadores sempre lutaram por melhores salários. Aos poucos, passaram a visar à conquista ou efetivação de direitos, principalmente os sociais. Também houve a preocupação de discutir questões mais gerais, como as políticas econômicas que geram o desemprego. A industrialização e as greves Conclamação à greve geral na França. Ilustração de Henri Paul Gassier, Coleção particular/Archives Charmet/ The Bridgeman Art Library/Keystone

12 Os movimentos sociais Capítulo 15 Os movimentos sociais contemporâneos Movimento ambiental O movimento ambiental teve início no século XIX, quando foram percebidos os primeiros sinais de distúrbios ambientais. Desenvolveu-se lentamente até a década de Desde então, cresce com rapidez. Esse movimento é típico da sociedade industrial, pois a industrialização predatória afeta o meio ambiente e coloca em risco os seres vivos.

13 Os movimentos sociais Capítulo 15 Robert Visser/AFP Leo Drummond/Folha Imagem Manifestações de duas organizações ambientalistas: à esquerda, em 2006, ação nos Estados Unidos contra o aquecimento global; à direita, em 2005, evento promovido em São Paulo em luta pela preservação da Mata Atlântica. Há questões ambientais que só podem ser tratadas globalmente, e problemas regionais, nacionais e locais que devem ser tratados no local em que surgem.

14 Os movimentos sociais Capítulo 15 As ações ambientalistas conquistaram gradativamente um espaço importante nos meios de comunicação de massa, gerando pressão social por mudanças. As empresas antigas fizeram mudanças em seu processo produtivo, tornando-o menos poluidor, e as novas empresas foram obrigadas a apresentar projetos de impacto ambiental. O Estado foi obrigado a controlar e fiscalizar os processos industriais e o desmatamento e promover a proteção ambiental.

15 Os movimentos sociais Capítulo 15 Movimento feminista A discussão moderna sobre a posição da mulher nas diferentes sociedades vem sendo travada desde o século XVIII. Em 1791, Olympe de Gouges encaminhou à Assembleia Nacional da França uma Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã. Em 1792, a inglesa Mary Wollstonecraft publicou o ensaio Em defesa dos direitos da mulher. Thinkstock/Getty Images

16 Os movimentos sociais Capítulo 15 A luta das mulheres adquiriu nova configuração com a organização de movimentos e campanhas pelo direito de votar. Mas a conquista desse direito só ocorreu em 1920, nos Estados Unidos, e em 1928, na Inglaterra. Capa da partitura do hino “A marcha das mulheres”, composto por Ethel Smyth em 1911 e dedicado a Emmeline Pankhurst, uma das pioneiras do movimento sufragista britânico. Museu de Londres, Inglaterra/HIP/TopFoto/Keystone No século XIX, Jeanne Deroin e Flora Tristán destacaram- se como líderes operárias na França.

17 Os movimentos sociais Capítulo 15 Na década de 1960, importantes estudos sobre a condição feminina foram publicados. Entre eles os de Betty Friedan, Kate Millet e Juliet Mitchell. Desenvolveu-se um movimento de reivindicação de direitos políticos, civis e sociais, além do questionamento sobre as raízes culturais da desigualdade de gênero. Nas décadas seguintes ocorreu uma grande diversificação das lutas e dos movimentos das mulheres.

18 Os movimentos sociais Capítulo 15 Exercícios 1. Identifique uma questão ambiental relacionada a sua comunidade. De que modo ela interfere em seu cotidiano? Reuters/Yuriko Nakao/Corbis/Latinstock 2. Há alguma ação em andamento para solucionar essa questão?

19 Os movimentos sociais Capítulo Observe a imagem ao lado, captada no Japão em Responda: a) Quais são os estereótipos ocidentais de beleza? Yuriko Nakao/Reuters/Corbis/Latin Stock b) Como esses estereótipos afetam sua vida?


Carregar ppt "Unidade 5 Direitos, cidadania e movimentos sociais Os movimentos sociais não são predeterminados; dependem sempre das condições específicas em que se desenvolvem,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google