A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MOTIVAÇÃO e EMOÇÕES Processo de Selecção e Preferência por alguma actividade, a Persistência nessa actividade e a Intensidade (vigor) aí empreendido Dimensões.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MOTIVAÇÃO e EMOÇÕES Processo de Selecção e Preferência por alguma actividade, a Persistência nessa actividade e a Intensidade (vigor) aí empreendido Dimensões."— Transcrição da apresentação:

1 MOTIVAÇÃO e EMOÇÕES Processo de Selecção e Preferência por alguma actividade, a Persistência nessa actividade e a Intensidade (vigor) aí empreendido Dimensões da MOTIVAÇÃO DIRECÇÃO ( Escolha e Preferência) INTENSIDADE Esforço e Empenhamento PERSISTÊNCIA Manutenção na Actividade

2 A Motivação coordena e dirige a Direcção e a Intensidade do Esforço dos indivíduos A Motivação exprime também a tendência para lutar pelo Sucesso, persistir em face do fracasso e experenciar orgulho pelos resultados conseguidos

3 O CONTROLO EMOCIONAL “ Jogar futebol com as pernas e a cabeça e não com as emoções” Quando não controla as suas emoções, verifica-se: Agressividade exagerada. Agressividade exagerada. Grande sensibilidade para reagir (gritar, gesticular). Grande sensibilidade para reagir (gritar, gesticular). Impulsividade e reacções sem pensar. Impulsividade e reacções sem pensar. Dificuldade em analisar racionalmente as decisões Dificuldade em analisar racionalmente as decisões

4

5 As Emoções são o Reflexo Objectivo ou Subjectivo, de Satisfação ou Frustração, Real ou Pensada, de uma Motivação. A Satisfação ou Não de uma Motivação é geradora de uma reacção Emocional

6 O Controlo da Activação e da Ansiedade como elemento fundamental para o rendimento desportivo

7 ANSIEDADE É um estado emocional, habitualmente negativo, que tem a ver com sentimentos de nervosismo, preocupação e apreensão, associados ao aumento da activação do organismo É um estado emocional, habitualmente negativo, que tem a ver com sentimentos de nervosismo, preocupação e apreensão, associados ao aumento da activação do organismo

8 A Ansiedade é um conceito que integra pelo menos duas dimensões: A Componente Mental (Cognitiva) Normalmente designada por Ansiedade Cognitiva associada a pensamentos e expectativas negativas e a preocupações acerca de si mesmo em relação a determinadas situações e a potenciais consequências

9 A Componente Fisiológica (Emocional) Habitualmente referida como Ansiedade Somática que tem a ver com a percepção individual de aspectos fisiológicos-afectivos traduzidos em desagradáveis sentimentos de nervosismo e tensão.

10 No desporto, a elevação dos níveis de intensidade das dimensões da Ansiedade está directamente relacionado com “a pressão competitiva inerente á pratica desportiva organizada”, pelo que é determinante para o seu rendimento que os jogadores desenvolvam habilidades para responder eficazmente no confronto com os problemas e as situações, a nível mental e emocional.

11 A Ansiedade Cognitiva é mais preocupante do que a Ansiedade Somática uma vez que esta ultima habitualmente desaparece ou reduz-se com o inicio do jogo

12 As Atitudes do Treinador como Fonte de Ansiedade O Treinador contribui para a Ansiedade dos seus jogadores: Quando define objectivos irrealistas ou expectativas muito elevadas Quando ensina ou modifica tácticas complexas antes de importantes competições

13 Quando utiliza o sarcasmo e a critica injustamente ou em momentos não adequados. Quando aumenta o estado de incerteza de todos os aspectos que envolvem a competição ( quem joga, a táctica etc) Prelecções com elevada carga emocional muito próximas do jogo

14 Criticas publicas em momentos de dificuldade para o jogador Intervenções durante o jogo que transmitem demasiada carga ou descontrolo emocional.

15 Indicadores de Activação ( Ansiedade Somática) Sensação de aperto no estômago Sensação de aperto no estômago Incremento da Tensão muscular, respiração, transpiração, batimento cardíaco, frequência da urina. Incremento da Tensão muscular, respiração, transpiração, batimento cardíaco, frequência da urina. Alterações nos padrões de sono Alterações nos padrões de sono Mão suadas ou frias Mão suadas ou frias Movimentos repetidos de mãos e pés Excessiva contracção muscular

16 Indicadores de Ansiedade Cognitiva Redução da Auto-Confiança Redução da Auto-Confiança Decréscimo na sensação de controlo Decréscimo na sensação de controlo Dificuldade na Concentração e atenção Dificuldade na Concentração e atenção Sentimentos de insegurança, medo, duvidam, indecisão, apreensão Sentimentos de insegurança, medo, duvidam, indecisão, apreensão Expectativas de falhas e erros Expectativas de falhas e erros Perspectiva negativa sobre a competição

17 Porque é que o Rendimento é afectado com elevados níveis de Ansiedade ? Aumento da Tensão Muscular Aumento da Tensão Muscular Dificuldades de Coordenação Dificuldades de Coordenação Sensação de Fadiga Sensação de Fadiga Atenção Restringida Atenção Restringida Perturbação da Concentração Perturbação da Concentração

18 Rendimento Níveis de Ansiedade A habitual relação entre a Ansiedade e o Desempenho (Rendimento) Elevado Baixo Baixa Óptima Excessiva

19 Rendimento A tradicional relação entre as componentes da Ansiedade e o Desempenho (Rendimento) Elevado Baixo AUTOCONFIANÇA Ansiedade SOMÁTICA Ansiedade COGNITIVA Níveis baixosNíveis elevados

20 Baixa Alta RelaxaçãoExcitação AborrecimentoAnsiedade Sensação de Activação

21 Consequências para a prática

22  A sensação de elevada activação muito frequente sobretudo no momento pré-competitivo não é necessáriamente um factor desagradável e prejudicial ao rendimento de determinado jogador. No estudo confirma-se a preferência da maior parte dos jogadores por sentir niveis mais elevados de activação que, se para uns isso pode resultar em ansiedade, para outros é apenas um sentimento de excitação. A atenção particular por parte do treinador á interpretação da activação de cada jogador é um processo central para melhor rentabilizar as capacidades dos jogadores.

23 O FACTOR “CASA” …uma vantagem cognitiva

24 A percepção de territoriedade A percepção de territoriedade Representa a Percepção de Direitos de Propriedade sobre um determinado espaço Representa a Percepção de Direitos de Propriedade sobre um determinado espaço ( No Futebol representa o campo ou o estádio) que contribui para a Moral do Grupo (equipa) e para a Satisfação Individual dos membros (jogadores) ( No Futebol representa o campo ou o estádio) que contribui para a Moral do Grupo (equipa) e para a Satisfação Individual dos membros (jogadores)

25 OS FACTORES da VANTAGEM de JOGAR em CASA Assistência - - Numero e Densidade (esta mais importante) dos Espectadores apoiantes da equipa da casa.. - Atitudes dos Espectadores da Equipa da Casa que exercem uma influência positiva, por diferentes razões, algumas delas contrárias: Através do seu silêncio ou através do barulho. Porque incentivam ou porque criticam os jogadores. Pela pressão sobre o árbitro ou pela cordialidade para com ele -Pela pressão e intimidação sobre os adversários

26 Aprendizagem/Conhecimento 1- Aspectos ESTAVEIS Todos os elementos físicos presentes no espaço de jogo e envolvente conhecidos pelos jogadores que lhes dá uma sentimento de confiança e referências durante a competição. 2- Aspectos INSTAVEIS Todos os elementos que podem ser manipulados estrategicamente para permitir uma vantagem cognitiva. ( Colocação do banco de Suplentes; Condições de balneário; condições do campo etc )

27 Jogadores Sobre o Rendimento / Prestação Equipa da casa recebe maior apoio e suporte por parte da assistência, Assim como reforços positivos por todos os comportamentos positivos e sucessos parciais e no final do jogo. A Equipa visitante, "é recebida" pela assistência com um enorme silêncio sempre que produz algo de positivo ou mesmo ao realizar um feito extraordinário

28 Sobre a Agressividade, Persistência e Esforço -A Equipa da Casa tem tendência para uma maior agressividade no sentido da disputa da bola e procura da baliza (vontade de vencer), que muitas vezes é persistente (ataque continuo) e assenta num esforço atacante muito maior, contrariamente á Equipa adversária.

29 Deslocações Fadiga, alterações nos hábitos alimentares, sono etc, associados ás viagens para os campos dos adversários Estados Psicológicos Críticos Alguns dos factores anteriores e outros provocam: * Nos Jogadores da Equipa da Casa, aumento da Confiança, Orgulho, Satisfação, Bem Estar * Na Equipa Adversária Incerteza, Ansiedade * Nos Árbitros, Intimidação

30 Estados Comportamentais Críticos O Factor Casa influencia os Comportamentos dos Jogadores, Treinadores e Árbitros Árbitros As Decisões Subjectivas ( sobre situações de jogo que criam duvidas a quem assiste) São Tendencialmente e Maioritáriamente julgadas a favor da Equipa da Casa. Os Erros sobre Decisões Objectivas acontecem Maioritáriamente contra a equipa visitante.

31 Treinadores A influência do Factor Casa verifica-se nas Opções Tácticas e Estratégicas com a utilização dominante de Sistemas de Jogo Defensivos por parte da Equipa Visitante. É um aspecto da máxima importância e da responsabilidade do treinador porque é uma das causas para que o rendimento fora de casa não seja o mesmo no seu próprio campo

32 Do ponto de vista objectivo (capacidade técnica- táctica e fisica) não há razão para a alteração dos Sistemas que dão resultado nos jogos em casa.É puramente uma questão de âmbito psicológico que mostra: - Demasiado receio e incerteza em relação ao adversário - Pouca confiança no valor absoluto da sua equipa A influência da tradição.

33 Pode o Factor Casa ser uma DESVANTAGEM COGNlTIVA ? As características das atitudes dos espectadores da casa não coincide com as preferências dos jogadores da sua equipa ( medo de jogar em casa devido á excessiva pressão e exigência dos adeptos)

34 A equipa tem um Método de Jogo baseado e especializado no Contra-Ataque, que não pode ser aplicado quando joga em casa perante adversários em sistemas muitos defensivos. Quando o Adversário Joga em Contra-Ataque ( o que é dominante) e aproveita um desequilibro da Equipa da Casa que apesar de muito pressionar não consegue finalizar

35 Final da Taça do Clube Campeão Europeu de 1999: Bayern de Munique # Manchester United. Jogo com 93 minutos de duração, onde á entrada do 90 minuto o Bayern vencia por 1-0 e os seus jogadores começavam claramente a festejar a grande vitória, levando inclusivamente um deles a saudar um elemento presente na assistência ao jogo. Os Jogadores do Manchester, esses continuavam ainda completamente focalizados nas tarefas do jogo e em dois minutos marcam dois golos o que constituiu uma reviravolta impensável para quem conhece por dentro o Futebol. Para o Bayern confirmou-se como verdade a ideia habitualmente avançada de que “apenas” 99% de concentração pode significar 100% de insucesso.

36 ATENÇÃO e CONCENTRAÇÃO “ A concentração não é uma questão de talento, ela é um hábito”

37 No Futebol os jogadores encontram-se sempre em situações que requerem a intervenção dos processos atencionais embora com dois diferentes níveis de exigência: 1-Primeira Responsabilidade, quando o centro do jogo está no espaço do jogador e ele tem a responsabilidade máxima de decidir correctamente em função do interesse da equipa, o que exige concentração máxima. 2-Responsabilidade de Suporte, quando as acções principais ocorrem mais longe do seu espaço habitual de intervenção sendo a sua acção de suporte aos colegas de equipa, o que pode permitir algum “relaxamento” momentâneo.

38 Dimensões da Atenção Selectiva Dimensão Amplitude Dependendo do numero de elementos a ter em atenção e do tamanho do campo visual, pode ser: Ampla ou Estreita Dimensão Direcção Dependendo se o jogador a a orienta para si mesmo (pensamentos, sensações e sentimentos) ou para acontecimentos do envolvimento, pode ser: Interna ou Externa

39

40 Factores de Distracção Internos  Os sentimentos do jogador  O seu estado de fadiga  O pensamento excessivo sobre si mesmo ou sobre o sucesso ou fracasso passados  O medo de lesões  As duvidas sobre as suas próprias capacidades  A dor associada a possíveis problemas físicos  A ansiedade  A falta ou excesso de confiança  A preocupação com o futuro;  A inadequada motivação  Problemas pessoais ou familiares não desportivos.

41 Factores de Distracção Externos  As atitudes da assistência ( o que dizem e fazem)  As intervenções verbais e movimentações dos adversários  As intervenções verbais e as movimentações dos colegas de equipa.  O barulho envolvente.  As condições atmosféricas e do campo de jogo  O comportamento do treinador na competição  O Árbitro (uma vez que não é pouco frequente os jogadores parecerem mais preocupados com este elemento e os seus possíveis erros do que propriamente com as suas tarefas de jogo..)

42 As Intervenções do Treinador Durante a Competição Infelizmente constituem-se muitas vezes como um factor de distracção para os jogadores, quando o Treinador: * Fala Muito, mas diz pouco que seja objectivo * Insiste repetidamente na intervenção sobre o mesmo jogador * Altera as decisões ou é inconstante no que pede aos jogadores * Tem o hábito de exigir que o jogador lhe dê atenção quando dá indicações para o campo.

43 A Presença e a Actuação do Árbitro É um dos principais factores de distracção quando os jogadores: Estão sistematicamente a contestar a sua actuação Têm uma má opinião sobre o seu trabalho e estão atentos aos seus possíveis erros de actuação Esperam que o árbitro decida contra o adversário quando em momentos de descontrolo emocional (final do jogo) existem situações duvidosas (penalty, por exemplo)


Carregar ppt "MOTIVAÇÃO e EMOÇÕES Processo de Selecção e Preferência por alguma actividade, a Persistência nessa actividade e a Intensidade (vigor) aí empreendido Dimensões."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google