A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Navegação Fluvial do Estado de São Paulo TURMA DO 8º PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA Grupo 10 2012.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Navegação Fluvial do Estado de São Paulo TURMA DO 8º PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA Grupo 10 2012."— Transcrição da apresentação:

1 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo TURMA DO 8º PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA Grupo

2 2 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo Planejamento e Controle de Operações Intermodais Prof. Enderson Fabian TURMA DO 8º PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA Grupo 10 1.Daniela Massmann 2. Deborah Lenterne 3. Marcelo Gonçalves 4. Marcos Paulo 5.Sergio Couto 6.Thiago Michetti

3 1 – Navegação Fluvial 3 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

4 2 – Introdução – História da navegação fluvial - SP Navegação fluvial Cana-de-açúcar – Vale do Médio Tietê Navegação comercial Catullo Branco – eng. da sec. de Serviço Público Sistema Tietê-Paraná Governador Paulo Franco Montoro Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

5 Transporte Hidroviário CLASSIFICAÇÃO DOS CURSOS D’ÁGUA Rios de alto curso Percorrem regiões altas e/ou acidentadas São comuns as quedas rápidas e corredeiras; Grande a velocidade de escoamento; As condições de navegabilidade são precárias. 5 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

6 CLASSIFICAÇÃO DOS CURSOS D’ÁGUA Rios de médio curso (rios de planalto): Também apresentam obstáculos para a navegação; Obstáculos não são muito freqüentes; Nem sempre fácil, para embarcações maiores. No Brasil, temos os rios de planalto o Paraná e seu afluente o São Francisco; 6 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

7 CLASSIFICAÇÃO DOS CURSOS D’ÁGUA Rios de baixo curso ou de planície: São os mais favoráveis à navegação; Caracterizados por uma declividade suave e regular; São em geral razoavelmente largos; A maior parte dos rios da Amazônia brasileira é constituída por rios de baixo curso. 7 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

8 3 – Transporte Hidroviário PRINCIPAIS CLASSES DE HIDROVIAS Rios de corrente livre; Rios canalizados; Canais. 8 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

9 Rios de corrente livre Naturalmente navegáveis, sem barragens em seu curso; 9 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

10 Rios canalizados; Construído uma serie de barragens com eclusas; 10 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

11 Rios canalizados; 11 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

12 Canais Via navegáveis interiores completamente artificiais; 12 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

13 Eclusas É utilizado e conhecido a bastante tempo no Brasil; 13 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

14 ANTAQ Regular, supervisionar e fiscalizar as atividades de prestação de serviços de transporte aquaviário; Garantir a movimentação de pessoas e bens; Harmonizar os interesses dos usuários com os das empresas concessionárias 14 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

15 Hidrovia Tietê-Paraná Início na década de 50; Produção energética e exploração do transporte fluvial; Desenvolvimento e interiorização da economia regional; Rios da bacia: Tietê, Paraná, Grande, Paranaíba,Iguaçu e Paranapanema; A partir de 1992, integração das hidrovias do Tietê – Paraná. 15 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

16 Navegação fluvial no estado de São Paulo A movimentação de carga: 01 empurrador e 4 chatas ( ton ) = tone por comboio; Em média, saindo do Porto de Guaíra (PR) até a entrada do Canal Pereira Barreto, gasta-se cerca de 10 dias. Se o destino for até Conchas (SP), totalizam-se cerca de 15 dias 16 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

17 Navegação fluvial no estado de São Paulo Dnit: Órgão executor das políticas de transporte; Convênio Dnit/CODOMAR para gestão das hidrovias e portos interiores; Administração hidrovia Paraná: AHRANA; Extensão: 1800 Km; 76 milhões de hectares: estados de SP, MG, PR, MS E GO ( metade do PIB nacional ); Sistema multimodal de escoamento de produção agrícola; Capacidade máxima de movimentação: t/ano; Capacidade transportada em 2011: ton 17 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

18 Navegação fluvial no estado de São Paulo 18 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

19 Navegação fluvial no estado de São Paulo Principais produtos transportados: grãos e derivados, areia e cascalho para construção civil, calcário e fertilizantes, madeira, carvão e máquinas; Vantagem econômica para grandes distancias; Importação, exportação e mercado interno; 19 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

20 Navegação fluvial no estado de São Paulo TRANSPOSIÇÃO DA UHE ITAIPÚ HIDROVIA MERCOSUL é constituída pelo Rio Paraná (2.000km),Rio Paraguai (2.300Km) e Rio Uruguai (500km), somada à rede hidroviária à constituída pela Hidrovia Paraná– Tietê (1.800km) e cerca de 6.600Km de vias Navegáveis. A Hidrovia Mercosul Interligará Buenos Aires (ARG), Assunção (PY), Corumbá(MS), Cárceres (MT) e Foz do Iguaçú (PR), ao sul de Goiás, ao Triângulo Mineiro (MG),ao sudeste de Mato Grosso do Sul e a todo interior de São Paulo, até as proximidades de Piracicaba e Sorocaba (SP). 20 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

21 Navegação fluvial no estado de São Paulo Transpetro: projeto logístico para a exportação de álcool; 20 comboios, compostos de 1 empurrador e 4 barcaças cada ; capacidade para transportar 6 milhões de toneladas de álcool por ano; Rede de terminais logísticos, intermodalização do transporte. 21 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

22 Vantagens do transporte fluvial - Menor utilização de espaços; 22 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

23 Vantagens do transporte fluvial Grande capacidade de carga; 23 Vantagens do transporte fluvial

24 24 Vantagens do transporte fluvial  Menor custo de combustível;  Aumento da competitividade dos produtos brasileiros devido a multimodalidade;

25 25 Vantagens do transporte fluvial Modal de TransporteExtensão (km) Área desmatada (km2) Investimento (milhões US$) Hidrovia ,7 Ferrovia ,0 Rodovia ,0 Desmatamento Necessário para a Implantação de Cada Modal de Transporte Vantagens do transporte fluvial Causa menos danos a natureza; Modal de TransporteUS$ / 100 t / km Hidrovia US$ 3,20 Ferrovia US$ 0,74 Rodovia US$ 0,23 Custos Sócio-Ambientais de Transportes (Inclui acidentes, poluição atmosférica e sonora, consumo de espaço e água)

26 Problemas identificados Fator cultural investimentos Manutenção 26 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

27 Problemas identificados Falta integração entre os modais Burocracia Carência de mão de obra qualificada 27 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

28 Dados Gerais do Transporte Fluvial 63 mil km de rios e lagos/lagoas Utilização de apenas 40 mil km Navegação comercial – 13 mil km Capacidade de Transporte milhões / ton 28 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

29 Investimentos 29 Evolução do Investimento Brasileiro em Hidrovias Fonte: Ministério dos Transportes – Ano 2010 Investimentos do PAC Navegação Fluvial do Estado de São Paulo

30 PROJETO DE UTILIZAÇÃO DE HIDROVIAS KM KM KM 30 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo CONSIDERAÇÕES FINAIS

31 DESEQUILIBRIO NA MATRIZ DE TRANSPORTE MAIS DE 40 MIL KM DE HIDROVIAS COM POTENCIAL PARA NAVEGAÇÃO. FALTA INVESTIMENTOS 31 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo CONSIDERAÇÕES FINAIS

32 NAVEGAÇÃO COMERCIAL EM APENAS ALGUMAS HIDROVIAS FRETE BARATO 45/90/110 IMPORTANTE PELO BAIXO IMPACTO AO AMBIENTE 32 Navegação Fluvial do Estado de São Paulo CONSIDERAÇÕES FINAIS


Carregar ppt "Navegação Fluvial do Estado de São Paulo TURMA DO 8º PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA Grupo 10 2012."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google