A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA – UEPB CAMPUS I PROGAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID E. E. E. F e M. RAUL CÓRDULA PROFESSORA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA – UEPB CAMPUS I PROGAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID E. E. E. F e M. RAUL CÓRDULA PROFESSORA."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA – UEPB CAMPUS I PROGAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID E. E. E. F e M. RAUL CÓRDULA PROFESSORA SUPERVISORA : GRAÇAS ALMEIDA PIBIDIANOS: JHONATA, JOSÉ BATISTA, LENALDO, LIARA E ROBSON

2 I MPERIALISMO

3 O S EUROPEUS EM UMA NOVA ONDA DE COLONIZAÇÃO A revolução industrial se expande por alguns países da Europa e acaba gerando algumas conseqüências:  Busca por novas áreas de investimento  Mão-de-obra barata e farta  Matéria- prima barata  Fonte de energia  Escoamento de um excedente populacional Dessa maneira, intensificou-se o processo de expansão imperialista, o que futuramente leva à partilha dos continentes africano e asiático.

4 J USTIFICATIVAS Para justificar a dominação sobre os outros povos, os europeus do século XIX usaram argumentos como: Estavam destinados a levar a civilização (o progresso técnico-científico e os “bons costumes”) aos povos não- europeus. A “raça branca” é superior às outras (esse argumento está contido em teorias raciais da época). As nações cristãs tinham o dever de cristianizar todos os povos que viviam mergulhados na “superstição” e na “barbárie”.

5 A PARTILHA DA Á FRICA Conferência de Berlim (1884 – 1885) Definir “regras” para regulamentar a ocupação das terras africanas e evitar o choque entre as potencias. Tornou oficial o processo de colonização.

6 I MPERIALISMO NA Á SIA China e índia foram duas regiões mais cobiçadas do continente asiático e vítima da ações imperialista imposta principalmente por países europeus, como Inglaterra e França. A china atraiu o interesse de diversas potências imperialistas, entretanto seu vasto território, não se formou exclusivamente de uma única ocupação estrangeira, como ocorreu em outras regiões do continente asiático.

7 G UERRA DO Ó PIO Os comerciantes britânicos passaram a difundir o ópio na China, para pagar com cargas de ópio as cargas de chá e assim não ter de pagar o chá com dinheiro vivo. A Companhia Britânica das Índias Orientais mantinha intenso comércio com os chineses, comprando chá e vendendo o ópio trazido da Índia. A droga chegou a representar a metade das exportações britânicas para a China. O primeiro decreto proibindo o consumo de ópio datou de 1800, mas nunca chegou a ser respeitado. Em 1839, a droga ameaçava seriamente não só as finanças do país, como também a saúde dos soldados. A corrupção crescia. A guerra ocorre nos dois anos seguintes com a vitória britânica.

8 Í NDIA A Índia foi mais um país afetado pelo Imperialismo Britânico, que impôs através da formalidade o domínio militar e cultural através da justificativa do Darwinismo Social e do eurocentrismo (Europa como centro do mundo e cultura superior às outras). Com o fim de acabar com o imperialismo britânico na Índia a população fez a Revolta dos Cipaios, em que nacionalistas indianos apoiados pela população local e pelo exército da Índia reivindicavam o direito indiano à liberdade. Mas a revolta foi sufocada pela Inglaterra

9 I MPERIALISMO N ORTE -A MERICANO As nações recém independentes da América do Sul e da América Central tentavam se esquivar da dominação inglesa e acabavam contando com o “apoio” norte- americano. O que acabou resultando em uma dominação econômica durante todo o século XX.

10 C OLORÁRIO R OOSEVELT O presidente norte-americano Theodore Roosevelt, governou de 1901 até 1909, e foi responsável pela formatação da ação imperialista norte-americana na América Latina. Desenvolveu e aplicou a Política do Big Stick e a Doutrina Monroe. Política do Big Stick (grande porrete)- Frase de efeito utilizada para definir a diplomacia norte-americana, que assumiu um papel de polícia da América. As nações deveriam seguir certas determinações norte-americanas, caso agissem em desacordo com o desejo norte-americano sofriam intervenções militares. Doutrina Monroe (“América para os americanos” ) Idealizada, inicialmente, pelo presidente James Monroe, que governou de 1817 e 1825 Propunha a não criação de novas colônias nas Américas; a não intervenção nos assuntos internos dos países americanos;a não intervenção dos Estados Unidos em conflitos relacionados aos países europeus como guerras entre estes países e suas colônias.

11 J APÃO Até o século XIX o Japão possuía uma estrutura praticamente feudal. Poder concentrado nas mãos de grandes proprietários de terras – Xoguns. O isolamento do país impediu a entrada de idéias estrangeiras que pudessem questionar essa estrutura de poder. Em 1853 os EUA forçam a abertura dos portos japoneses a partir da “frota negra”. A entrada do capitalismo desestruturou a indústria artesanal. Para solucionar esse problema – Era Meiji – modernizou o Japão e colocou a economia em condições de competir com os países imperialistas.

12 C ONSEQÜÊNCIAS DO I MPERIALISMO Empobrecimento Subdesenvolvimento Perda da identidade cultural Destruição das economias domésticas Divisão do continente africano entre os países da Europa como Inglaterra, França, Bélgica e Portugal em traçado muito retilíneo para facilitar a dominação Isto gerou problemas de cunho econômico, político e social muito graves em diversas nações africanas, houve diversas guerras civis e contra nações vizinhas onde milhares de pessoas morreram decorrentes dessas guerras e de pobreza extrema, doenças, pestes, e péssimas condições de infra-estrutura, saneamento básico e higiene acarretaram a situação. I GUERRA MUNDIAL


Carregar ppt "UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA – UEPB CAMPUS I PROGAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID E. E. E. F e M. RAUL CÓRDULA PROFESSORA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google