A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A terceirização no Brasil: Impactos, resistências e lutas A terceirização no Brasil: Impactos, resistências e lutas Terceirização e os limites da relação.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A terceirização no Brasil: Impactos, resistências e lutas A terceirização no Brasil: Impactos, resistências e lutas Terceirização e os limites da relação."— Transcrição da apresentação:

1 A terceirização no Brasil: Impactos, resistências e lutas A terceirização no Brasil: Impactos, resistências e lutas Terceirização e os limites da relação de emprego: Trabalhadores mais próximos da escravidão e morte Vitor Araújo Filgueiras CESIT / UNICAMP indicadoresderegulacaodoemprego.blogspot.com.br

2 Problema: relação entre terceirização e os limites da relação de emprego Mensuração: Total dos resgates de trabalhadores: 2010 a 2013 Total dos acidentes fatais registrados em 2013 IBGE/RAIS 31/12/2012 RAIS 2002 a 2012 Notícias, relatórios de investigação, SFIT, autos de infração, base de recolhimento do FGTS

3 Terceirizados no mercado de trabalho RAIS 8,3% em 2012 (CNAE exclusivo de terceiros) Avaliações mais “otimistas” 25% Na construção civil, por exemplo: (IBGE, 2012) Mais de 60% os empregados formais em empresas com mais de 100 empregados. Mais de 2/3 dos empregados em empresas com mais de 50 empregados.

4 Potencialização da transgressão de limites 1- A contratação de trabalhadores terceirizados normalmente resulta em menor propensão à insubordinação, vinculada à flexibilidade de dispensa. Além disso, por conta da condição mais precária, os trabalhadores terceirizados tendem a se esforçar mais, tanto para manter o emprego, quanto para atenuar sua inserção adversa. A existência de uma figura interposta entre trabalhador e tomador de serviços também propicia aprofundamento da subsunção do primeiro ao capital, pois o trabalhador muitas vezes sequer percebe sua participação no processo produtivo que integra. 2- As empresas buscam transferir (afastar) a incidência da regulação exógena (Estado e sindicato) do seu processo de acumulação, externalizando ao ente interposto o encargo de ser objeto de qualquer regulação limitadora.

5 Trabalho análogo ao escravo Ano Dos 10 casos, quantos envolveram terceirizados? Terceirizados resgatados Contratados diretos resgatados TOTAL de resgatados TOTAL Tabela 1: Trabalhadores em condi ç ão an á loga à de escravos no Brasil (informa ç ões concernentes aos dez maiores resgates em cada ano) Fonte: DETRAE (Departamento de Erradica ç ão do Trabalho Escravo), elabora ç ão pr ó pria.

6 Foto: Carla Gabrieli

7 O Grupo Especial de Fiscalização Móvel resgatou 55 trabalhadores submetidos a condições degradantes de trabalho em uma fazenda de hectares no Acre. “O empregador contratara 3 supostos empreiteiros para a realização do serviço de formação de pasto, por meio de derrubada de mata e roço. 55 rurícolas trabalhavam e viviam divididos em 4 acampamentos compostos de barracos de lona plástica, palha e madeira, sem as mínimas condições moradia, higiene e salubridade. O empregador não se preocupou em garantir aos 55 trabalhadores o mínimo necessário para um labor seguro e digno. Não foi respeitado nenhum dos direitos trabalhistas básicos, nem as obrigações referentes ao meio ambiente de trabalho seguro e saudável” Segundo depoimento do empregador a empreitada serve para não ter que se preocupar com pagamentos e problemas com os trabalhadores, deixando a cargo do empreiteiro.

8 Trabalho análogo ao escravo entre os resgates ocorridos em 2013, nos 8 maiores casos em que a totalidade dos trabalhadores era formal (entre 20 e 93 trabalhadores resgatados), todos eles eram terceirizados formalizados por figuras interpostas. Já no grupo de resgates com parte dos trabalhadores com vínculo formalizado, das 10 maiores ações (de 23 a 173 trabalhadores resgatados), em 9 os trabalhadores formais resgatados eram terceirizados Entre esses resgates com terceirizados formalizados figuravam desde médias empresas desconhecidas, até gigantes da mineração e da construção civil, do setor de produção de suco de laranja, fast food, frigorífico, multinacional produtora de fertilizantes, obras de empresas vinculadas a programas do governo federal No Rio de Janeiro, inclusive.

9 Todos formalizados Os trabalhadores, ludibriados, haviam pagado do próprio bolso o descolamento para Camaçari/BA desde a cidade de Acajutiba/BA, sem ressarcimento pela empresa. Não bastasse, os referidos empregados foram comunicados da dispensa no dia 10 de junho, e tiveram o direito de ir e vir diretamente violado porque queriam voltar à sua cidade natal, mas não tinham dinheiro. Alguns deles também tinham a carteira de trabalho retida, recrudescendo a violação do seu direito de livre deslocamento. Os empregados estavam sem água filtrada para beber e dinheiro para se alimentar, a comida tinha sido cortada, e eles literalmente estavam passando fome quando foram ao Ministério do Trabalho pedir socorro. Ademais, eles foram comunicados que seriam despejados da pousada onde estavam alojados, por falta de pagamento.

10 Trabalho análogo ao escravo Em 2011, dos 14 resgates na construção civil, 11 ocorreram com terceirização, incluindo desde pequenas empresas, até gigantes do setor da construção. Em 2012 foram 8 resgates, sendo que, em todos eles, eram terceirizados os trabalhadores resgatados.

11 Terceirização e acidentes fatais Nos últimos anos têm sido divulgadas pesquisas conclusivas sobre a maior frequência e incidência dos terceirizados entre as vítimas de acidentes fatais nos setores elétrico e petroleiro. CUT/DIEESE (2011), SILVA (2012). Em 2013, outros setores corroboram a vinculação entre acidentes e terceirização, como aponta a comparação da incidência de mortes registradas por setor frente a incidência de mortes do conjunto da economia. base de dados: todas as CAT emitidas no Brasil em 2013, comparadas com os dados dos empregados formais em 31/12/2012 do IBGE. O denominador comum dessas informações é o CNAE informado nessas bases. O CNAE é forma pela qual as empresas identificam suas atividades em diversos documentos e sistemas oficiais.

12 Da subnotificação Dos acidentes fatais ocorridos em 2013, dos autos lavrados (até 24/06/2014) por falta de comunicação ao MTE, 23 não comunicados eram terceirizados, 4 contratados diretos e para 8 não foi identificada a forma de contratação

13 Exemplo acidente não notificado OS EMPREGADOS EXECUTAVAM SERVICOS DE SONDAGEM AQUÁTICA NA BAÍA DO PONTAL EM ILHÉUS-BA PARA AS OBRAS DE CONSTRUÇÃO DE PONTE. OS SERVIÇOS ERAM EXECUTADOS EM TERRA E EM EMBARCAÇÃO FLUTUANTE NO MAR. NO DIA DO ACIDENTE, QUANDO DEIXARAM A EMBARCAÇÃO FLUTUANTE PARA EMBARCAÇÃO MÓVEL QUE OS CONDUZIRIA à TERRA FIRME, ESTA ÚLTIMA SE DESPRENDEU DA FLUTUANTE, FATO QUE, ADICIONADO AO MOVIMENTO INTENSO DA MARÉ, LEVOU OS TRABALHADORES PARA ALTO MAR, FICANDO à DERIVA. O MOVIMENTO DAS ÁGUAS FEZ COM QUE A EMBARCAÇÃO SE REVIRASSE E OS TRABALHADORES, SEM SE UTILIZAREM DE COLETE SALVA VIDAS E SEM SABER NADAR, FALECERAM AFOGADOS. Em seu depoimento o empregado sobrevivente MRO afirmou que nunca realizou nenhum treinamento na empresa. O citado empregado foi admitido inicialmente para trabalhar em serviços rotineiros de sondagem (obras de construção) e posteriormente designado para executar serviços de sondagem que exigia trabalho em superfície aquática, ou seja, em ambiente com riscos diversos dos quais estava submetido anteriormente. Mas antes que houvesse o treinamento dos empregados para essas novas circunstâncias, fazia-se necessária uma análise e antecipação desses novos riscos por parte da empresa, o que não foi feito, conforme se infere da análise do documento-base apresentado para o PPRA

14 Outro exemplo não notificado A situação geral de segurança e saúde do trabalho encontrada no canteiro de obras do Hotel Í Londrina é precária. Na verdade, analisando as irregularidades encontradas, chega-se a conclusão de que não há gestão de segurança e saúde do trabalhador no local. Para começar, o Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (PCMAT) não havia sido elaborado. O canteiro de obras do Hotel Í Londrina contava, na ocasião da inspeção, com o total de 32 (trinta e dois trabalhadores), sendo apenas 3 (três) da construtora principal, contratante das demais: o engenheiro civil, o metre de obras e o contra mestre. Os demais trabalhadores eram 8 (oito) da empresa Construtora AL., 15 (quinze) da empresa GGMP, e 6 (seis) da empresa SDT. (SRTE PR, 2013, p.8) Ademais, havia nessa obra 5 trabalhadores contratados por meio da empresa G, (inclusive o trabalhador acidentado), e que estavam no canteiro na ocasião do acidente, mas foram mandados embora pela contratante logo depois e a fiscalização não mais conseguiu localizá-los. A CAT da vítima do acidente sequer foi emitida.

15 Acidentes fatais notificados em 2013 Brasil, total: 2660 Grande setor da construção: 471 os CNAE da construção, entre os quais estão os subsetores apresentados, contemplam indiscriminadamente empresas tomadoras e terceirizadas, assim como trabalhadores diretamente contratados e terceirizados, trabalhando nas mesmas obras e comumente nas mesmas funções.

16 Número de mortes CNAE construção em 2013 CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS135 Construção de rodovias e ferrovias63 Obras para geração e distribuição de energia e telecomunicações50 Serviços especializados para construção não especificados27 Obras de engenharia civil não especificadas anteriormente25 Serviços de engenharia23 Instalações elétricas22 Obras de acabamento20 Obras de terraplenagem19 Aluguel de máquinas e equipamentos para construção15 Construção de obras-de-arte especiais15 Incorporação de empreendimentos imobiliários14 Montagem de instalações industriais e de estruturas12 Obras de instalações em construções não especificadas11 Construção de redes de abastecimento de água, esgoto10 Atividades técnicas relacionadas à arquitetura e engenharia10

17 Construção civil Mortos construção de edifícios 135 mortos em 2013 O dobro em comparação à média do mercado de trabalho 75 terceirizados (55,5% dos mortos) 60 diretos ou não identificados Terceirizados não são maioria entre os empregados formalizados

18 Outros CNAE da Construção civil Em obras de acabamento, houve 2,32 vezes mais incidência de fatalidades entre seus trabalhadores, comparada à incidência do conjunto do mercado formal. Em números absolutos, foram 20 trabalhadores mortos, dos quais 18 eram terceirizados. Em obras de terraplanagem, cuja chance de morrer foi 3,3 vezes maior do que no restante do mercado de trabalho, dos 19 mortos, 18 eram terceirizados e apenas 1 contratado diretamente. Nos serviços especializados não especificados e obras de fundação, morreram 30 terceirizados e 4 contratados diretamente, tendo o setor 2,45 vezes maior índice de mortes em relação aos empregados formais da economia como um todo.

19 reflorestamento Com base na RAIS, fizemos essa comparação para dois CNAE que realizam as mesmas funções, mas que claramente discriminam terceirizados e contratados diretos, quais sejam: produção florestal (empresas principais) e atividades de apoio à produção florestal (terceirizados). Este último, apesar de ter menor quantidade de trabalhadores, registrou maior quantidade de mortos em Comparando os resultados com o conjunto do mercado de trabalho, a chance de morrer na Produção Florestal era 32% maior, enquanto que nas Atividades de Apoio à Produção Florestal, 148% superior à média nacional.

20 CNAE construção de edifícios ACIDENTE OCORRIDO EM OBRA DE AMPLIAÇÃO DA REDE DE ESGOTOS DA CIA. DE SANEAMENTO BÁSICO, DA QUAL O EMPREGADOR é SUBCONTRATADO. O TRABALHADOR PBS, AJUDANTE GERAL, ENCONTRAVA-SE DENTRO DE UMA VALA, DE APROXIMADAMENTE 1 M DE PROFUNDIDADE, OPERANDO UMA MÁQUINA LIXADEIRA à QUAL HAVIA SIDO ADAPTADO UM DISCO DE AÇO PARA CORTE DE TUBOS DE PVC RÍGIDO COM DIÂMETRO DE 0,50 M, UTILIZADOS EM REDES DE ESGOTO. O DISCO DE CORTE ATINGIU A VIRILHA DO TRABALHADOR, QUE NÃO SOBREVIVEU à HEMORRAGIA PROVOCADA PELO CORTE. ANALISANDO OS DOCUMENTOS APRESENTADOS PELO EMPREGADOR E EM ENTREVISTA COM OS TRABALHADORES, FOI CONSTATADO QUE NÃO HAVIA EQUIPAMENTO DESTINADO ÀQUELA TAREFA, SENDO FEITA A IMPROVISAÇÃO COM A LIXADEIRA (APÓS O ACIDENTE, O EMPREGADOR PASSOU A DESENVOLVER OUTRO EQUIPAMENTO PARA EXECUÇÃO DA TAREFA); O OPERADOR "HABITUAL" DE TAL EQUIPAMENTO NÃO SE ENCONTRAVA PRESENTE; O EQUIPAMENTO NÃO DISPUNHA DE TRAVA OU QUALQUER DISPOSITIVO DE BLOQUEIO PARA IMPEDIR SEU ACIONAMENTO POR PESSOAS NÃO AUTORIZADAS; O TRABALHADOR ACIDENTADO NÃO DISPUNHA DE QUALQUER TREINAMENTO PARA OPERAÇÃO DESSA OU DE OUTRAS MÁQUINAS, SENDO AJUDANTE GERAL.

21 Trecho relatório de fiscalização Apesar da verificação de falhas na gestão de risco da própria tomadora de serviço TOMADORA, como a falta de procedimentos e supervisão, o que se verifica na empresa CONTRATADA, como gestão de riscos, é apenas a reprodução piorada dos procedimentos da tomadora, treinamento de qualidade duvidosa, distribuição de equipamentos de proteção individual inadequados e o preenchimento de check-lists irreais. É acentuada a diferença das condições de trabalho entre os trabalhadores da tomadora de serviço e da prestadora, resultante da precarização das condições de trabalho e de gestão de segurança decorrente da substituição de mão-de-obra via terceirização. Conclui-se, assim, para fins de segurança e saúde do trabalhador, que a contratação por parte da TOMADORA, entregando a gestão de segurança a prestadores de serviço com capacidade técnica limitada, expõe a risco grave centenas de trabalhadores em atividade naquela empresa. (SRTE RS, 2014, p. 45 e 46).

22


Carregar ppt "A terceirização no Brasil: Impactos, resistências e lutas A terceirização no Brasil: Impactos, resistências e lutas Terceirização e os limites da relação."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google