A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Pink Floyd 1994 - Take it back...5:01 Caneiro.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Pink Floyd 1994 - Take it back...5:01 Caneiro."— Transcrição da apresentação:

1 Pink Floyd Take it back...5:01 Caneiro

2 pesquisas-sem-animais/ / A música refere-se ao conflito entre homem e natureza, lançada com intenção de refletir sobre o abuso dos seres humanos sobre o planeta e seus animais... Vai fazer um ano... Discussão “científica” Fant. alternativas para pesquisas sem animais...9:57

3 O debate sobre o que nós “humanos” podemos sobre os animais é assunto antigo...

4 B- (Uel) Leia o texto de Platão a seguir: Logo, desde o nascimento, tanto os homens como os animais têm o poder de captar as impressões que atingem a alma por intermédio do corpo. Porém relacioná-las com a essência e considerar a sua utilidade, é o que só com tempo, trabalho e estudo conseguem os raros a quem é dada semelhante faculdade. Naquelas impressões, por conseguinte, não é que reside o conhecimento, mas no raciocínio a seu respeito; é o único caminho, ao que parece, para atingir a essência e a verdade; de outra forma é impossível. (PLATÃO. Teeteto. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: Universidade Federal do Pará, p. 80.) Com base no texto e nos conhecimentos sobre a teoria do conhecimento de Platão, considere as afirmativas a seguir: I. Homens e animais podem confiar nas impressões que recebem do mundo sensível, e assim atingem a verdade. II. As impressões são comuns a homens e animais, mas apenas os homens têm a capacidade de formar, a partir delas, o conhecimento. III. As impressões não constituem o conhecimento sensível, mas são consideradas como núcleo do conhecimento inteligível. IV. O raciocínio a respeito das impressões constitui a base para se chegar ao conhecimento verdadeiro. Assinale a alternativa correta. a) Somente as afirmativas I e II são corretas. b) Somente as afirmativas II e IV são corretas. c) Somente as afirmativas III e IV são corretas. d) Somente as afirmativas I, II e III são corretas. e) Somente as afirmativas I, III e IV são corretas. B-A primeira etapa do processo do conhecimento em Platão é dominada pelas impressões ou sensações advindas dos sentidos. Essas impressões sensíveis são responsáveis pela opinião que temos da realidade. A opinião representa o saber que se adquire sem uma busca metódica. O conhecimento, entretanto, para ser autêntico, deve ultrapassar a esfera das impressões sensoriais, o plano de opinião, e penetrar na esfera racional da sabedoria, o mundo das ideias. Para atingir este mundo, o homem não pode ter apenas “amor às opiniões (filodoxia); precisa possuir um “amor ao saber” (filosofia).

5 d. (Uema) Coloque V para verdadeiro, F para falso e, em seguida, marque a opção que apresenta a sequência correta. ( ) Os reflexos e os instintos, enquanto atividades idênticas e variáveis, são responsáveis pela atividade dos animais. ( ) A existência humana é desenvolvida na relação com o outro e com a natureza buscando, nessa relação ampla e complexa, uma visão cada vez mais profunda, enquanto os animais vivem na singularidade de suas espécies e na superficialidade de seus conceitos primitivos. ( ) O homem é racional, capaz de criar e transformar o seu meio, para suprir suas necessidades, das mais simples e básicas às mais elaboradas e complexas. ( ) As sociedades sistêmicas têm como característica marcante a ausência dos valores como eixo norteador das ações, ou seja, os indivíduos não se identificam pelos valores transmitidos de geração a geração que caracterizam sua maneira de agir. a) F, F, F, V b) V, V, F, F c) F, F, V, F d) V, V, V, F e) F, V, F, V D-A definição do que é humanidade em oposição à animalidade é uma característica ocidental que também é trabalhada pela filosofia. Dentre as afirmativas, todas estão corretas, com exceção da última. Os seres humanos são racionais, utilizam a linguagem para se comunicarem e transmitirem, através das gerações, o conhecimento do mundo e das coisas. Nisso percebe-se como a relação simbólica com os outros homens e com a natureza é uma necessidade própria dos seres humanos. Vale ressaltar que tais características se relacionam com a capacidade humana de produzir cultura e de criar valores morais que regram a sua convivência em sociedade.

6 c. (Unesp 2010) “Em algum remoto rincão do sistema solar cintilante em que se derrama um sem-número de sistemas solares, havia uma vez um astro em que animais inteligentes inventaram o conhecimento. Foi o minuto mais soberbo e mais mentiroso da história universal: mas também foi somente um minuto. Passados poucos fôlegos da natureza congelou-se o astro, e os animais inteligentes tiveram de morrer. - Assim poderia alguém inventar uma fábula e nem por isso teria ilustrado suficientemente quão lamentável, quão fantasmagórico e fugaz, quão sem finalidade e gratuito fica o intelecto humano dentro da natureza. Houve eternidades em que ele não estava; quando de novo ele tiver passado, nada terá acontecido. Ao contrário, ele é humano, e somente seu possuidor e genitor o toma tão pateticamente, como se os gonzos do mundo girassem nele. Mas se pudéssemos entender-nos com a mosca, perceberíamos então que também ela boia no ar [...] e sente em si o centro voante deste mundo”. (NIETZSCHE. O Livro das Citações, 2008.) Sobre o texto, é correto afirmar que: a) Seu teor acerca do lugar da humanidade na história do universo é antropocêntrico. b) O autor revela uma visão de mundo cristã. c) O autor apresenta uma visão cética acerca da importância da humanidade na história do universo. d) Ao comparar a vida humana com a vida de uma mosca, Nietzsche corrobora os fundamentos de diversas teologias, não se limitando ao ponto de vista cristão. e) Para o filósofo, a vida humana é eterna. C-A alternativa C é a única correta, pois a citação demonstra que Nietzsche critica justamente o antropocentrismo, isto é, a visão na qual o Homem ocupa o centro das atenções em relação não só à Natureza, mas também em relação ao Universo (alternativa A). Do mesmo modo, o autor não poderia revelar aí uma visão de mundo cristã (alternativa B), pois esta também é antropocêntrica. A comparação da vida humana com a vida de uma mosca (alternativa D) serve não para contemplar outras teologias, mas sim para demonstrar a relatividade da importância da vida humana. Por fim, a alternativa E é desmentida na seguinte passagem: “Houve eternidades em que ele (o intelecto humano) não estava; quando de novo ele tiver passado, nada terá acontecido”.

7 d. (Interbits 2012) O fato de distinguir de um lado a vida social, de outro a natureza, favoreceu a percepção de que a natureza é alguma coisa exterior ao homem e pode ser transformada em um recurso passível de ser destruído em nome da vida social. [...] Há cada vez mais pessoas convencidas de que a distinção natureza/cultura não tem nenhum sentido, porque fenômenos como aquecimento global e efeito estufa são naturais, mas também culturais. O que se vê é a irrupção do social dentro do natural e do natural dentro do social, o que terá efeitos políticos importantes que, esperamos, não seja tarde demais. Fonte: DESCOLA, P. Entrevista. [20 nov. 2012]. Rio de Janeiro: Valor Econômico. Entrevista a Carla Rodrigues. Adaptado. Disponível em: Acesso em 17 dez A respeito da construção das noções de natural e social, assinale a alternativa INCORRETA. a) A chamada irrupção do natural no social e do social no natural tornou-se um dos importantes temas para a sociologia. b) A diferença entre natural e social é caracterizada, na sociedade ocidental, a partir da ciência. c) A noção de sociedade e de natureza são construções sociais. d) Para a sociologia, a natureza é anterior à sociedade. Sendo assim, a sociedade evolui da mesma forma que evoluem os animais. D-Não se pode dizer que a sociedade evolui tal como evoluem os animais. Esses são processos distintos e que não podem ser confundidos.

8 e. (Interbits 2012) A relação do homem com os animais é bastante ambígua. Se, por um lado, há uma imensa exploração econômica sobre eles – vide a tamanha exploração do gado bovino, por exemplo –, há também uma grande valorização religiosa ou afetiva com relação a esses animais. É o que se observa no Brasil em relação a animais como gatos e cães, e na Índia em relação às vacas. Desta maneira, pode-se afirmar que: I. As fronteiras de valorização ou não dos animais são convenções sociais. II. Observa-se, na contemporaneidade, uma valorização dos direitos dos animais. III. A valorização da vaca na Índia corresponde a um desvio irracional. IV. O desenvolvimento capitalista interfere na relação do homem com os animais. V. A fronteira entre humanidade e animalidade pode variar culturalmente. Somente a(s) afirmativa(s) está(ão) correta(s): a) I, II e III. b) I, II e IV. c) II, III e V. d) III, IV e V. e) I, II, IV e V. E-A afirmativa III é a única incorreta. A valorização da vaca está relacionada a uma série de preceitos culturais e religiosos do hinduísmo. Isso não corresponde a uma manifestação de irracionalidade, mas somente a um outro tipo de lógica social e religiosa. clandestino-de-caes-de-raca/ / Vídeo, Fant. até sequestro...5:54

9 Sátira propaganda venda de carne no Brasil... SofriBoi...0:47 Será que um dia os animais “despertarão”, campanha sobre violência nos criadouros... Porco Matrix...3:06

10 O debate é histórico... No século VI a.C., Pitágoras, filósofo e matemático, já falava sobre respeito animal, pois acreditava na transmigração de almas. Aristóteles, escreveu no século IV a.C., argumentando que os animais estavam distantes dos humanos na Grande Corrente do Ser ou escala natural. Alegando irracionalidade, concluía assim sendo os animais não teriam interesse próprio, existindo apenas para benefício dos Seres Humanos..

11 No século XVII, o filósofo francês René Descartes argumenta que animais não têm almas, logo não pensam e não sentem dor, sendo assim os maus-tratos não eram errados. Contra isso, Jean-Jacques Rousseau argumenta, no prefácio do seu Discursos sobre a Desigualdade (1754), que os seres humanos são animais, embora ninguém "exima-se de intelecto e liberdade". Entretanto, como animais são seres sencientes (capacidade de sofrer ou sentir prazer ou felicidade) "eles deveriam também participar do direito natural e que o homem é responsável no cumprimento de alguns deveres deles, especificamente "um tem o direito de não ser desnecessariamente maltratado pelo outro."

12 Atualmente, um dos maiores defensores dos Direitos dos Animais é Roger Yates, sóciologo e ativista desde os anos 70, chegou a ser preso nos anos 80 por sua militância e defende o fim de toda propriedade humana sobre os animais e o pacifismo como forma de luta. artigos/fim-da-propriedade/

13 Outro pensador atual é Peter Albert David Singer que em sua grande obra Libertação Animal, lançada originalmente em 1975 (e publicada no Brasil em 2004), ele defende que animais também podem sentir dor. Tendo no movimento “Libertação Animal” – não por acaso com o mesmo nome de seu livro –uma de suas principais frentes de estudos e pesquisas, ele se esforça para chamar a atenção para os danos que humanos causam às outras espécies. Até em “Turismo de observação”... turistico-no-pantanal/ / BDiaBr Onça...2:23

14 Existe a... Declaração Universal dos Direitos Animais, uma proposta levada por ativistas da causa pela defesa dos direitos animais à UNESCO em 15 de Outubro de 1978, em Paris, e que visa criar parâmetros jurídicos para os países membros da Organização das Nações Unidas, sobre os direitos animais (com 14 artigos)... 1:28

15 7Q Entre as “celebridades”, um dos maiores “veganos” é Paul McCartney "Se os abatedouros tivessem paredes de vidro...“13:04 Música... Novo sentido...3:52


Carregar ppt "Pink Floyd 1994 - Take it back...5:01 Caneiro."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google