A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Docente: Charles Revson de Araujo Discente: Donizete Vinicius Vaz da Silva Igor Gonçalves de Souza França Natã Arcelino Albrecht Walber Corsino Cayres.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Docente: Charles Revson de Araujo Discente: Donizete Vinicius Vaz da Silva Igor Gonçalves de Souza França Natã Arcelino Albrecht Walber Corsino Cayres."— Transcrição da apresentação:

1 Docente: Charles Revson de Araujo Discente: Donizete Vinicius Vaz da Silva Igor Gonçalves de Souza França Natã Arcelino Albrecht Walber Corsino Cayres São Vicente 2014

2 Biologia e Manejo de Plantas Daninhas

3

4 Ciclo de vida Anuais Bianuais Perenes

5 Hábito de Crescimento Herbáceas São as plantas daninhas de menor porte, no máximo 1m. A maioria das gramíneas são herbáceas

6 Sub-arbustivas. São plantas que crescem entre 80 a 150 cm, principalmente de hábito ereto.

7 Arbustivas São plantas que apresentam caule e crescem entre 150 a 250cm e possuem hábitos de crescimento ereto.

8 Competição  Alelopatia

9 Principais Plantas Daninhas Tiririca (Cyperus spp.) A mais importante planta infestante do mundo é agressiva, competitiva e tem uma boa distribuição nas áreas invadidas.

10 Principais Plantas Daninhas Grama-seda (Cynodon dactylon.) Altamente invasora, difícil controle, reduz 80% da produção quando em grandes infestações.

11 Principais Plantas Daninhas Capim-braquiária (Brachiaria decumbens.) Grande agressividade vegetativa e reprodutiva.

12 Principais Plantas Daninhas Capim-marmelada (Brachiaria plantaginea) Se for eliminada 98% das plantas, os outros 2% vão retornar a causar os mesmos prejuízos em pouco tempo.

13 Principais Plantas Daninhas Capim-colonião (Panicum maximum) Muito agressivo e resistente dificulta muita a colheita da cana-de-açúcar.

14 Principais Plantas Daninhas Capim-colchão ( Digitaria horizontalis) Agressiva, causa problemas em mais de 60 países e 30 culturas.

15 Principais Plantas Daninhas Capim-camalote (Rottboelia exaltata) Fica entre as 12 piores espécies de plantas daninhas da cana.

16 Principais Plantas Daninhas Capim pé-de-galinha (Eleusine indica) É uma planta muito competidora.

17 Principais Plantas Daninhas Corda-de-viola (Ipomoea spp.) Ela prejudica muito a colheita e é muita competidora.

18 Principais Plantas Daninhas Caruru ( Amaranthus spp.) Apresenta crescimento muito rápido, competindo com a cultura muito cedo.

19 Manejo das Plantas Daninhas  Manejo integrado. Combina diferentes praticas para o controle de ervas daninhas.  Manejo preventivo. É feito com objetivo de prevenir o ataque de ervar daninhas.  Manejo manual. Principalmente a capina.

20 Manejo das Plantas Daninhas  Manejo cultural. Rotação de cultura, espaçamento, cobertura, trânsitos de máquinas, adubação, pragas e doenças, tolerância de defensivos agrícolas, condições edafoclimátíca.  Manejo mecanizado. Revolver o solo com maquinas utilizando grades, discos ou hastes.  Manejo químico. Mais usual, praticidade, economia e rapidez.

21 Controle da mato competição no agro ecossistema da cana- de - açúcar

22 Estratégia Segurança Pessoal Segurança ambiental Métodos de controle Manual e Mecânico Químicos tratorizado

23 Pragas

24 Broca-da-cana (Diatraea saccharalis)

25 Cigarrinha das raízes

26 Broca gigante

27 Besouro Migdolus fryanus

28 Formigas

29 Elasmo (Elasmopalpus lignosellus).

30 Doença Causada por Vírus Mosaico Agente causador: Pulgões. Sintomas: Deixam as folhas vermelhas e provocam necrose. Controle: Utilização de cultivares resistentes, e tratamentos térmicos.

31

32 Doença Causada por Bactérias Escaldadura-das-folhas. Agente causador: Bactéria gram-negativa (Xantomonas albilineans) Sintomas: Queima das folhas e morte dos colmos, e apresentam três tipos infecção, Latente,croníca, aguda. Disseminação: É feita através de ferramentas de cortes. Controle: Utilização de variedades resistentes ao patógeno, e a limpeza das ferramentas.

33

34 Doença Causada por Bactérias Estrias vermelhas. Agente causador: bactéria gram-negativa Pseudomonas rubrilineans. Sintomas: provoca aparecimento e estrias finas e longas e podridão do topo do colmo. Disseminação: Através de clima favorável, acima de 28 ºC. Controle: Não cultivar em regiões favoráveis, e devem cultivar em solos de baixa fertilidade e em condição de adubação limitada.

35

36 Doença Causada por Bactérias. Raquitismo-da-soqueira. Causador: Pela bactéria gram-positiva Leifsonia xyli. Sintomas: Não demostras sintomas externos, o subdesenvolvimento dos colmos oriunda da rebrota da touceira,justificando seu nome. Disseminação: Através de ferramentas de corte como podão, maquinas de plantio e colheita. Controle: utilização de variedades resistentes ao patogenia e tratamento térmico longo (50,5ºC por 2 horas) mais isso não é de total eficiência.

37

38 Doenças Causada por Fungos Carvão. Causador: Fungo filamentoso Ustilago scitaminea. Sintomas: É um estrutura denominada de chicote que pode atingir até um metro de comprimento. Disseminação: Através do vento. Controle: Através de variedades resistente ao carvão, ou Roguing que é uma medida pouco eficaz.

39

40 Doenças Causada por Fungos Ferrugem. Causador: Fungo filamentoso Puccinia melanocephala Sintomas: Afeta as folhas com pequenas cloróticas, as manchas aumentam rapidamente alterando sua coloração para vermelha–parda e preta nos estados finais da necrose das folhas. Disseminação: É feita pelo vento. Controle: a única forma de controle e a utilização de variedades resistente, por ter uma grande variedades de fungos.

41

42 Doenças Causada por Fungos. Mancha Parda. Causador: Fungo filamentoso Cercosporo longipes. Sintomas: São manchas elepticas a fusoides com largura de 1 a 3 mm e comprimento 0,2 a 1,5 cm, com coloração marrom avermelhada, marrom amarelada nas folhas adultas. Disseminação: Através da dispersão de esporo através do ventos e chuvas. Controle: Utilização de cultivares variedades resistentes, todas as cultivadas tem alta resistência menos a RB72454, e uso de fungicidas.

43

44 Doenças Causada por Fungos. Podridão abacaxi. Causador: Fungo filamentoso Ceratocystis paradoxa. Sintomas: Pouca germinação e morte de brotos. Disseminação: É feita através da água, do vento e do solo que carrega os esporos para outros locais. Controle: Uma providencia recomendável é picar os toletes grandes com seis gemas ou mais ou plantar a cana inteira.

45

46 Doenças Causada por Fungos. Fusariose. Causador: Fungo filamentoso Funsarium moniliforme. Sintomas: Os sintomas são variáveis pois o fungo acompanha todos os estágios da planta, podridão de raiz e de colo e sistema radicular pouco desenvolvidos Disseminação: Pelo ventos e chuvas. Controle: Utilizar variedades tolerantes e o controle da broca da cana-de-açúcar.

47

48 Manejo de nematóides na cana-de-açúcar

49 Nematóides Meloidogne javanica Meloidogne incógnita Pratylenchus zeae. Pratylenchus brachyurus

50 Raízes de cana-de-açúcar infestadas por nematóides do gênero Meloidogyne

51 Raízes de cana-de-açúcar atacadas por nematóides do gênero Pratylenchus.

52 Redução do sistema radicular da cana-de-açúcar Gênero Pratylenchus

53 Variedade RB cultivada em área infestada por Meloidogne javanica e Pratylenchus zeae não tratadatratada com nematicida

54 Variedade SP cultivada em área infestada por Pratylenchus zeae não tratadatratada com nematicida após o corte

55 Consequências de produtividade das nematóides na cana-de-açúcar Pratylenchus zeae e Meloidogne javani: causam 20% a 30% de redução de produtividade Meloidogne incógnita: 40% de redução de produtividade. Em casos de variedades muito suscetíveis e níveis populacionais muito altos, as perdas provocadas por nematóides podem chegar a até 50% da produtividade.

56 Amostragem A Coleta deve ser feita em época chuvosa (Primavera e Verão) Depois de tirada a amostra deve-se fazer

57

58 Variedades resistentes São raras as variedades atualmente em cultivo O instituto IAC ( Instituto Agronômico Campinas) Rotação de cultura

59 Controle químico Aldicarb (Temik 150G na dose de 10 a 12 kg/ha no plantio e 8 a 10kg/há na soqueira ) Carbofuran (Furadan 50G ou 100G ou 350SC na dosagem de 6 a 6,5L/ha ou equivalente nas formulações granuladas) Terbufós (Counter 150G na dose de 15 a 17 kg/ha) No plantio são aplicados no sulco, sobre os toletes, imediatamente antes da cobertura deles. Nas soqueiras, geralmente são aplicados ao lado da linha de cana ou sobre elas. Sempre incorporados ao solo. Hoje existem nematicidas novos da FMC Rugby 200CS Rugby 100GR

60 Fonte: FMC

61 Matéria orgânica  Na cana-de-açúcar a matéria orgânica mais utilizada é a torta de filtro.  Dinardo Miranda em 2003.

62 Tecnologia de aplicação de produtos fitossanitários em cana-de-açucar

63 Tecnologia de aplicação

64 Qual a situação a ser tratada?

65 Qual a praga que esta causando problemas fitossanitário?

66 Quais as condições ambientais reinantes no momento da aplicação?

67 Qual será o equipamento utilizado para a aplicação?

68 Qual produto mais adequado para a situação de aplicação? Herbicida Inseticida Fungicida

69 A equipe está capacitada ao trabalho?

70 Seleção do bico de pulverização

71 Perguntas???

72 Obrigado!


Carregar ppt "Docente: Charles Revson de Araujo Discente: Donizete Vinicius Vaz da Silva Igor Gonçalves de Souza França Natã Arcelino Albrecht Walber Corsino Cayres."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google