A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CONTROLE DAS PRAGAS DA CANA-DE- AÇÚCAR: BROCA, CIGARRINHAS, FORMIGAS E PRAGAS DE SOLO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CONTROLE DAS PRAGAS DA CANA-DE- AÇÚCAR: BROCA, CIGARRINHAS, FORMIGAS E PRAGAS DE SOLO."— Transcrição da apresentação:

1 CONTROLE DAS PRAGAS DA CANA-DE- AÇÚCAR: BROCA, CIGARRINHAS, FORMIGAS E PRAGAS DE SOLO.

2

3 CARACTERÍSTICAS DAS PRAGAS: Adaptação ao meio ambiente Adaptação ao meio ambiente Proliferação rápida Proliferação rápida Elevada taxa de reprodução Elevada taxa de reprodução Capacidade de dispersão Capacidade de dispersão Provocam danos à planta Provocam danos à planta Praga = f (Alimento x Água x Abrigo) Praga = f (Alimento x Água x Abrigo)

4 Reino Animal: BACTÉRIAS, ALGAS, VIRUS BACTÉRIAS, ALGAS, VIRUS PROTOZOA PROTOZOA VERMES VERMES NEMATÓIDES NEMATÓIDES MOLUSCOS MOLUSCOS ANELIDEOS ANELIDEOS ARTRÓPODOS: ARTRÓPODOS: Insecta Insecta Aracnida Aracnida CHORDATA CHORDATA PEIXES PEIXES AMPHIBIA AMPHIBIA REPTILIA REPTILIA AVES AVES MAMMALIA: MAMMALIA: ROEDORES, MORCEGOS, PRIMATAS ROEDORES, MORCEGOS, PRIMATAS

5 CENTRO DE TECNOLOGIA CANAVIEIRA CONTROLE BIOLÓGICO DA BROCA DA CANA-DE-AÇÚCAR, (Diatraea saccharalis), NA USINA IRACEMA (Diatraea saccharalis), NA USINA IRACEMA CONTROLE BIOLÓGICO DA BROCA DA CANA-DE-AÇÚCAR, (Diatraea saccharalis), NA USINA IRACEMA (Diatraea saccharalis), NA USINA IRACEMA

6 Distribuição geográfica (Diatrea sp.) Américas Américas Norte Argentina Norte Argentina Sul dos EUA Sul dos EUA Brasil Brasil Broca da cana-de-açúcar

7 Distribuição geográfica Américas Américas Norte Argentina Norte Argentina Sul dos EUA Sul dos EUA Brasil Brasil Broca da cana-de-açúcar D.saccharalis

8 Distribuição geográfica Américas Américas Norte Argentina Norte Argentina Sul dos EUA Sul dos EUA Brasil Brasil Broca da cana-de-açúcar D.saccharalis D.flavipenella

9 Distribuição geográfica Américas Américas Norte Argentina Norte Argentina Sul dos EUA Sul dos EUA Brasil Brasil Broca da cana-de-açúcar D.saccharalis D.flavipenella D.albicrinella

10 Danos diretos: Coração morto Raízes aéreas Brotação Quebra Broca da cana-de-açúcar

11 Podridãovermelha Danos indiretos: Fungos: Colletotrichum sp. Fusarium sp.

12 Broca da Cana-de-Açúcar (Diatraea saccharalis) Respeitar e incentivar a ação dos inimigos naturais Respeitar e incentivar a ação dos inimigos naturais Direcionar o controle à locais específicos, através da realização de levantamentos Direcionar o controle à locais específicos, através da realização de levantamentos Não adotar medidas que causem desequilíbrio nas populações de parasitóides e predadores Não adotar medidas que causem desequilíbrio nas populações de parasitóides e predadores Produzir e/ou liberar parasitóides Produzir e/ou liberar parasitóides Manejo Integrado Filosofia do Trabalho:

13 Controle biológico: Produção de Parasitóides LiberaçõesDirigidas LevantamentosdeInfestaçãoLevantamentosPopulacionais Broca da cana-de-açúcar

14 Seleçãodasmassas Laboratório Liberação Produção do Parasitóide Cotesia flavipes em Laboratório:

15 Determinar quando aplicar medidas de controle Determinar quando aplicar medidas de controle Avaliar as medidas de controle adotadas Avaliar as medidas de controle adotadas Avaliar o desempenho dos parasitóides Avaliar o desempenho dos parasitóides Levantamentos populacionais Objetivos: Locais Todos os talhões Todos os talhões

16 Determinação da densidade populacional da broca da cana Amostragem de dois pontos por hectare: - Duas ruas de 5 metros cada ( total de 10 m / ponto ) - Coleta de formas biológicas das canas infestadas Cálculo do número de brocas por hectare (D): D= Função (Formas biológicas, Pontos, Espaçamento) Cana-planta3 a 4 meses após o plantio Cana-soca3 a 4 meses após a colheita Cana-planta3 a 4 meses após o plantio Cana-soca3 a 4 meses após a colheita

17 50 m (33 sulcos) Carreador Esquema para levantamentos populacionais da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis)

18 25 m (30 passos) 50 m (33 sulcos) Carreador Esquema para levantamentos populacionais da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis)

19 Levantamento de campo Coleta de formas biológicas Procedimentos para realização da coleta

20 25m 50m 50metros 1 Esquema para levantamentos populacionais da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis)

21 25m 50m 50metros 1 2 Esquema para levantamentos populacionais da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis)

22 25m 50m 50metros 50m 1 23 Esquema para levantamentos populacionais da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis)

23 25m 100 metros 50m 50metro s 50m Esquema para levantamentos populacionais da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis)

24 25m 100 metros 50m 50metro s 50m 25m 50m Esquema para levantamentos populacionais da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis)

25 25m25m 100metros100metros 50m50m50m50m 50metros50metros 50m50m 25m25m 50m50m 50m50m 50m50m 50m50m 50m50m50m50m 25m25m 25m25m 50m50m 50m50m 50m50m 50m50m 50m50m 50m50m 50m50m 100metros100metros 100metros100metros 50m50m 50m50m Ponto de amostragem (gabarito de 5 metros) em dois sulcos paralelos.

26 Tranportar o material, do laboratório ao campo, em caixas de isopor Tranportar o material, do laboratório ao campo, em caixas de isopor Posicionar-se no vértice do talhão- caminhamento Posicionar-se no vértice do talhão- caminhamento Abrir a tampa do copo no início do caminhamento e fixar o copo no primeiro ponto Abrir a tampa do copo no início do caminhamento e fixar o copo no primeiro ponto Caminhar com o copo aberto de um ponto ao outro fixando o copo no ponto de destino Caminhar com o copo aberto de um ponto ao outro fixando o copo no ponto de destino Percorrer todo o talhão seguindo a mesma recomendação Percorrer todo o talhão seguindo a mesma recomendação Registrar os dados Registrar os dados Procedimentos para liberação

27 Densidade populacional de brocas/ha Liberação média de adultos ou 160 massas de Cotesia. Parasitismo médio de Pós- liberação de 34%. Obteve-se no campo massas de Cotesia. Proporção de 1 : 6,2 (cada massa liberada produz 6,2 massas no campo). Resultados obtidos com o controle biológico da broca

28 Procedimentos Definição do local da amostragem Definição do local da amostragem Tomar uma cana inteira ao acaso Tomar uma cana inteira ao acaso Contar o número total de entrenós Contar o número total de entrenós Rachar a cana longitudinalmente Rachar a cana longitudinalmente Contar o número de entrenós danificados pela broca Contar o número de entrenós danificados pela broca Preenchimento da ficha Preenchimento da ficha Digitação dos dados em planilha específica Digitação dos dados em planilha específica Avaliação da intensidade de infestação (II%)

29 Campo ÁreaComercial Colheita Manual Colheita Manual Avaliação da intensidade de infestação (II%)

30 50 m (60 passos) Carreador Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis)

31 Pula a Primeira Leira Carreador 50 m (60 passos) Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis)

32 Contagemde Entrenós Totais Campo Avaliação da intensidade de infestação (II%)

33 Campo Contagemde Entrenós Brocados Avaliação da intensidade de infestação (II%)

34 Pula-Leira 50metros 1 Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I.) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) Pula-Leira Ponto de amostragem ( 3 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Ponto de amostragem ( 3 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso)

35 50metros 1 2 Pula-Leira Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I.) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) Pula-Leira Ponto de amostragem ( 3 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Ponto de amostragem ( 3 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso)

36 50metros 1 23 Pula-Leira Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I.) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) Pula-Leira Ponto de amostragem ( 3 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Ponto de amostragem ( 3 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso)

37 100 metros 50metro s Pula-Leira Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I.) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) Pula-Leira Ponto de amostragem ( 3 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Ponto de amostragem ( 3 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso)

38 100 metros 50metro s Pula-Leira Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I.) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) Pula-Leira Ponto de amostragem ( 3 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Ponto de amostragem ( 3 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso)

39 100metros100metros 50metros50metros 100metros100metros 100metros100metros Ponto de amostragem ( 3 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Ponto de amostragem ( 3 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Pula-Leira Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I.) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis)

40 Fichadecampo Registro dos dados Avaliação da intensidade de infestação (II%):

41 Campo ÁreaComercial Colheita Mecanizada Colheita Mecanizada Avaliação da intensidade de infestação (II%)

42 Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I.) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) Colheita de Cana Crua 5 Canas por Ponto

43 Colhedora 1 Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I.) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) 15 Passos 30 Passos Ponto de amostragem ( 5 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Ponto de amostragem ( 5 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso)

44 1 2 Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I.) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) Colhedora 15 Passos 30 Passos Ponto de amostragem ( 5 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Ponto de amostragem ( 5 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso)

45 1 23 Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I.) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) Colhedora 15 Passos 30 Passos Ponto de amostragem ( 5 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Ponto de amostragem ( 5 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso)

46 Colhedora Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I.) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) Colhedora 15 Passos 30 Passos Ponto de amostragem ( 5 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Ponto de amostragem ( 5 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso)

47 Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I.) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) Ponto de amostragem ( 5 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Ponto de amostragem ( 5 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Colhedora 15 Passos 30 Passos 15 Passos

48 Esquema para levantamentos de Intensidade de Infestação (I.I.) da broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) Colhedora Ponto de amostragem ( 5 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Ponto de amostragem ( 5 Canas Inteiras ao Acaso) ao Acaso) Colhedora 15 Passos 30 Passos 15 Passos 30 Passos 15 Passos 30 Passos

49 Categorias de intensidade de infestação Broca da cana-de-açúcar

50 Avaliação da Intensidade de Infestação (I.I.) da cana pela broca I.I. = ( Entrenós brocados / Entrenós totais ) x 100 Obs: 20 canas amostradas por hectare Dados analisados por computador: Fazenda, Talhão, Variedade, Estágio de corte I.I. = ( Entrenós brocados / Entrenós totais ) x 100 Obs: 20 canas amostradas por hectare Dados analisados por computador: Fazenda, Talhão, Variedade, Estágio de corte

51 Índices de perdas Para cada 1% de Intensidade de Infestação: Produção de cana0,77 % Produção de açúcar0,25 % Produção de álcool0,20 % Para cada 1% de Intensidade de Infestação: Produção de cana0,77 % Produção de açúcar0,25 % Produção de álcool0,20 %

52 Ponto de equilíbrio do controle biológico da D.saccharalis PONTO DE EQUILÍBRIO (horizonte de 16 anos) ,0%0,1%0,2%0,3%0,4%0,5%0,6%0,7%0,8% Redução média anual da intensidade de infestação (VAUE (milhões de dólares/ano)

53 Redução na Intensidade de Infestação de 11,0 % para 2,7 %. Liberação de 14,8 bilhões de adultos de Cotesia flavipes. Área liberada de 2,65 milhões de hectares. Economia de litros de inseticidas ou R$ 96,0 milhões. Custo do controle biológico de R$ 18,2 milhões. Custo médio de R$ 7,14 por hectare. Resultados obtidos com o controle biológico da broca, nas Unidades Cooperadas ( )

54

55 Amostragens abaixo dos níveis mínimos recomendados Amostragens abaixo dos níveis mínimos recomendados Aplicação INDEVIDA de agrotóxicos Aplicação INDEVIDA de agrotóxicos Redução das equipes de campo Redução das equipes de campo Redução dos laboratórios de Controle biológico Redução dos laboratórios de Controle biológico Aumento de Infestação em áreas de cana crua Aumento de Infestação em áreas de cana crua Broca da cana-de-açúcar Situação atual:


Carregar ppt "CONTROLE DAS PRAGAS DA CANA-DE- AÇÚCAR: BROCA, CIGARRINHAS, FORMIGAS E PRAGAS DE SOLO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google