A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

As estruturas e os comportamentos sociodemográficos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "As estruturas e os comportamentos sociodemográficos."— Transcrição da apresentação:

1 As estruturas e os comportamentos sociodemográficos

2 A estrutura etária da população Pirâmide etária ou de idades Pirâmide etária ou de idades

3 Tipos de pirâmides etárias

4  Pirâmide jovem ou crescente  Pirâmide adulta ou de transição  Pirâmide idosa ou decrescente  Pirâmide rejuvenescente

5 Pirâmide jovem ou crescente (característica de países menos desenvolvidos)  Base larga Taxa de natalidade elevada  Topo estreito Reduzida esperança média de vida  Predomina o grupo dos jovens.

6 Pirâmide adulta ou de transição (característica de países com grande peso de população adulta)  Base larga;  Zona central tão larga como a base;  Predomínio da população em idade adulta;

7 Pirâmide idosa ou decrescente (característica de países desenvolvidos)  Base estreita; Quebra da taxa da natalidade  Topo largo; Aumento da esperança média de vida  Predomínio da população idosa;

8 Pirâmide rejuvenescente (Característica de um países que apresenta um aumento recente da natalidade)  Zona central larga;  Predomínio da população em idade adulta;

9 A evolução da estrutura etária em Portugal Pirâmide etária de Portugal em Pirâmide etária de Portugal em Pirâmide etária de Portugal em 1930.

10 A evolução da estrutura etária em Portugal Até à década de 60  População jovem Características rurais da população; Características rurais da população; Fraca presença das mulheres no mercado de trabalho; Fraca presença das mulheres no mercado de trabalho; Elevada natalidade; Elevada natalidade; Pouca difusão dos métodos anticoncepcionais. Pouca difusão dos métodos anticoncepcionais.

11 A evolução da estrutura etária em Portugal A partir da década de 60  Decréscimo da população jovem  Aumento da população idosa Aumento da esperança média de vida; Aumento da esperança média de vida; Diminuição da taxa de natalidade; Diminuição da taxa de natalidade; Melhoria das condições de vida; Melhoria das condições de vida; Progressos na medicina; Progressos na medicina; Fluxos migratórios; Fluxos migratórios; Aumento da população urbana; Aumento da população urbana; Maior integração da mulher no mercado de trabalho. Maior integração da mulher no mercado de trabalho.

12 A evolução da estrutura etária em Portugal Pirâmides etárias de Portugal em 1981, 1991 e em 2001.

13

14

15

16

17 A evolução da estrutura etária em Portugal  Transformação da estrutura etária da população portuguesa. Envelhecimento acentuado; Envelhecimento acentuado; Acentuada diminuição da natalidade; Acentuada diminuição da natalidade; Reduzida mortalidade; Reduzida mortalidade; Esperança média de vida maior. Esperança média de vida maior.

18

19

20

21 As assimetrias regionais  Contrastes entre o Litoral e o Interior.  No Litoral, temos uma população mais jovem, nomeadamente população em idade adulta; Grandes cidades ( Lisboa, Porto) e Cávado; Grandes cidades ( Lisboa, Porto) e Cávado;  No Interior temos uma população envelhecida; Menor percentagem de população jovem; Menor percentagem de população jovem; Alto Alentejo e Pinhal Interior-Sul. Alto Alentejo e Pinhal Interior-Sul.

22 Envelhecimento da população  Aumento progressivo da proporção da população idosa relativamente à população jovem. É um dos principais problemas sociodemográficos da população portuguesa. É um dos principais problemas sociodemográficos da população portuguesa.

23 Índice de Envelhecimento  IE = População com 65 ou mais anos X100 População com menos de 15 anos População com menos de 15 anos

24 Evolução do Índice de Envelhecimento Evolução do Índice de envelhecimento em Portugal entre 1960 e 2001.

25 Evolução do Índice de Envelhecimento  De 1960 a 2001 verifica-se um aumento crescente e constante;  Em 1960, o Índice de envelhecimento era de 27%;  Em 2001, o valor triplica, passando de 27%, para 103%.

26 Evolução do Índice de Envelhecimento Razões:  Diminuição da taxa de natalidade;  Maior esperança média de vida;  Emigração, sobretudo dos jovens;  Sociedade mais urbana.

27 As assimetrias regionais Percentagem de jovens por NUT III em 2001Percentagem de idosos por NUT III em 2001

28 Índice de Envelhecimento, por NUT III, em 2001

29 As assimetrias regionais  Diferenças entre o Litoral e o Interior.  Interior apresenta um Índice de envelhecimento mais elevado que o Litoral;  Interior maior percentagem de população idosa (Trás-os-Montes, Beiras, Alentejo);  Litoral maior percentagem de população jovem (Minho, Cávado, Grande Porto; Baixo Vouga, Península de Setúbal).  Baixo Índice de envelhecimento nas Regiões Autónomas.

30

31 Envelhecimento da população População com mais de 65 anos no Mundo

32 Envelhecimento da população  Países em vias de desenvolvimento, nomeadamente, África, Sul da Ásia e parte da América Latina têm uma população jovem;  Países desenvolvidos, nomeadamente, a América do Norte, Europa e Oceânia apresentam uma elevada percentagem de população idosa.

33 Envelhecimento da população Problemas:  Diminuição da população activa;  Diminuição da taxa de natalidade;  Diminuição do espírito de inovação e modernização;  Redução da produtividade económica;  Aumento dos encargos sociais com a reforma, pensão, assistência médica.

34 Envelhecimento da população Algumas medidas:  Incentivos à natalidade; Aumento dos abonos de família; Aumento dos abonos de família; Alargamento do período de licença de parto; Alargamento do período de licença de parto; Incentivos fiscais às famílias numerosas; Incentivos fiscais às famílias numerosas; Facilidades às famílias na pré-escolarização e escolaridade; Facilidades às famílias na pré-escolarização e escolaridade;  Elevar a idade de reforma;  Encorajar a imigração de jovens adultos;  Maior investimento na educação e novas tecnologias, de modo a dotar os jovens de capacidades, que respondam aos novos desafios que se colocam ao país.

35 Declínio da Fecundidade Declínio da Fecundidade

36 Declínio da Fecundidade Evolução do Índice de fecundidade em Portugal entre 1960 e 1999.

37 Evolução do Índice de Fecundidade  De 1960 a 1995, o Índice de fecundidade tem vindo a decrescer;  Em 1960, o Índice de fecundidade era de 3,2 filhos por mulher;  De 1970 a 1981, registou-se uma forte queda no Índice de fecundidade;  A partir de 1982, o número de filhos por mulher passou a ser inferior a 2,1 (renovação das gerações);  A partir de 1996 regista-se um ligeiro crescimento do Índice de fecundidade.

38 Evolução do Índice de Fecundidade Factores:  Redução da população jovem;  Casamento mais tardio;  Generalização do planeamento familiar e uso de métodos contraceptivos;  Prolongamento do tempo de escolaridade e aumento do nível de instrução  Aumento da taxa de actividade feminina;  Aumento das despesas com educação dos filhos.

39 Taxa de Fecundidade A taxa de fecundidade no mundo em 2001

40 Taxa de Fecundidade  Países em vias de desenvolvimento apresentam uma taxa de fecundidade elevada (há renovação de gerações);  Países desenvolvidos registam baixos valores de fecundidade (nem sempre é garantida a renovação de gerações).


Carregar ppt "As estruturas e os comportamentos sociodemográficos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google