A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PNEUMONIAS NA INFÂNCIA PROF. BRUNO PAES BARRETO PEDIATRIA II.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PNEUMONIAS NA INFÂNCIA PROF. BRUNO PAES BARRETO PEDIATRIA II."— Transcrição da apresentação:

1 PNEUMONIAS NA INFÂNCIA PROF. BRUNO PAES BARRETO PEDIATRIA II

2 Henry Matisse The girl with green eyes 1908

3 DEFINIÇÃO Processos infecciosos, geralmente agudos, que atingem todas as estruturas pulmonares e, eventualmente, a pleura.

4 BACTÉRIA (PNEUMOCOCO) NO PARÊNQUIMA PULMONAR

5 CLASSIFICAÇÃO LOCAL DE AQUISIÇÃO: – Na Comunidade: agentes mais benignos e não-resistentes à terapêutica – Hospitalar: vírus (transmissão pessoal médico/enfermagem) ou bactérias (da microbiota hospitalar, mais resistentes à terapêutica)

6 CLASSIFICAÇÃO PELA ETIOLOGIA: Importante para orientação terapêutica – Fator Influenciador principal: Estado Imunitário Básico Idade Estado Nutricional Doenças Associadas: Leucemia, SIDA, Viroses Imunossupressoras Doenças Congênitas: Hemoglobinopatias, Fibrose Cística

7 ETIOLOGIA DAS PNEUMONIAS NO BRASIL IDADE RN Bacilos entéricosClamídiaInfecções congênitas S.Aureus; vírus Streptococcus B e D ATÉ 4 ANOS VírusClamídia S. pneumoniaeBacilos Entéricos H. influenzaeS. aureus PRÉ- ESCOLARES Vírus S. pneumoniae Mycoplasma pneumoniae ESCOLARES ADOLESC. VírusS. pneumoniae Mycoplasma pneumoniae Clamídia

8 ETIOLOGIA FIBROSE CÍSTICAPseudomonas IMUNODEFICIÊNCIAP. carinii INTERNAÇÃO PRÉVIAEstafilococos IMUNODEFICIÊNCIAS HUMORAIS Estafilococos, Pneumococo e Haemophilus

9 QUADRO CLÍNICO IVAS Anterior – Febre (quase sempre presente) – Tosse (inicialmente sêca) – Inapetência – Palidez – Toxemia – Taquidispnéia (excluída a Asma tem correlação fortemente positiva) – Dor torácica – Estertores creptantes, sopro brônquico e broncofonia

10 PNEUMONIA Comprometimento Alveolar – Falha na troca dos gases – Hipoxemia – Taquidispnéia

11 Capela Sistina Michelangelo

12 DIAGNÓSTICO CLÍNICO: – História, Exame Físico, Epidemiologia RADIOLÓGICO: – Visualização de derrames pleurais, opacificações, infiltrados intersticiais e hipertranparência

13 DIAGNÓSTICO RADIOLÓGICO (RX)

14

15 PNEUMONIA A: RX NORMAL B: RX PNEUMONIA COM DERRAME PLEURAL

16

17 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL – Condições do paciente: HMG, Gasometria, Eletrólitos – Recuperação do agente etiológico Hemocultura; Punção Pleural; Broncoscopia (lavado brônquico e biópsia) Métodos imunológicos: imunofluorescência; aglutinação; Elisa; PCR (reação em cadeia de polimerase)

18 TRATAMENTO Critérios para hospitalização – Baixa idade: < 2 meses – Desconforto respiratório – Oxigenioterapia – Toxemia e/ou instabilidade hemodinâmica – Incapacidade familiar – Dificuldade alimentar – Falta de resposta terapêutica à medicação oral – Doença de base – Complicações pulmonares: derrame, pneumotórax, abscesso

19 TRATAMENTO (Esquema inicial: agente não determinado) 1ª Opção2ª Opção3ª Opção4ª Opção Penicilina benzatina CloranfenicolOxacilina + Cloranfenicol Vancomicina e/ou Aminoglicosídeo Penicilina procaína Oxacilina + Aminoglicosídeo Penicilina cristalina Penicilina semi- sintética Amoxacilina Ampicilina Amicacina

20 TRATAMENTO (Esquema inicial: agente identificado ou características clínicas e Rx) AGENTE1ª Opção2ª Opção3ª Opção PNEUMOCOCO PENICILINAERITROMICINA OU CLINDAMICINA VANCOMICINA ESTREPTOCOCO PENICILINAERITROMICINA OU CLINDAMICINA VANCOMICINA ESTAFILOCOCO OXACILINACLINDAMICINAVANCOMICINA HAEMOPHILUS AMPICILINA E/OU CLORANFENICOL CEFTRIAXONA KLEBSIELLA CEFALOSPORINA E/OU AMINOGLICOSÍDEO CEFALOSPORINA DE 3ª GERAÇÃO PSEUDOMONAS CARBENICILINA E/OU AMINOGLICOSÍDEO CEFTAZIDIMA SALMONELLA CEFTRIAXONA CHLAMYDIA ERITROMICINA OU CLARITROMICINA P CARINII SULFAMETOXAZOL- TRIMETROPIM ISOTANATO PENTAMIDINA ANAERÓBIO PENICILINACLINDAMICINA E/OU CLORANFENICOL METRONIDAZOL

21 PNEUMONIAS COM ETIOLOGIA DETERMINADA Pneumococo: – Gram-positivo capsulado – 20% portadores sãos – Pneumonia de instalação rápida; lobar; 5% com derrame – Tratamento: Penicilina; Resistência no Brasil: 2% – Profilaxia vacinal em grupos de risco

22 PNEUMONIAS COM ETIOLOGIA DETERMINADA Haemophilus influenzae: – Gram-negativo; várias espécies (patogênicas são capsuladas (B)) – > freqüência: 1 os 3 anos – IVAS precedente; tosse coqueluchoide – Leucocitose com linfocitose – Tratamento: Ampicilina e/ou Cloranfenicol

23 PNEUMONIAS COM ETIOLOGIA DETERMINADA Estafilococo: – Gram-positivo; coagulase positivo – Lesões necróticas (microabcessos); pneumatocele e empiema (50%); derrame pleural (90%) – Quadro clínico mais grave: febre alta e toxemia – Tratamento: Oxacilina; Vancomicina (resistência a Oxacilina)

24 PNEUMONIAS COM ETIOLOGIA DETERMINADA Outros gram-negativos: – Pneumonias nosocomiais – Fatores: Condições do paciente Local de aquisição Procedimentos prévios – Quadro clínico mais grave – Terapêutica mais agressiva

25 PNEUMONIAS COM ETIOLOGIA DETERMINADA Klebsiella: – Aquisição extra-hospitalar – Segmentos posteriores do lobo superior; apical do inferior direito – Exsudatos inflamatórios nestes segmentos  abaulamento da fissura interlobar – Tratamento: Cefalosporinas de 2ª e 3ª gerações

26 Eva e o Criador Michelangelo 1500


Carregar ppt "PNEUMONIAS NA INFÂNCIA PROF. BRUNO PAES BARRETO PEDIATRIA II."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google