A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE CONSULTORES PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE CONSULTORES Datasul Hospitalar Área da saúde.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE CONSULTORES PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE CONSULTORES Datasul Hospitalar Área da saúde."— Transcrição da apresentação:

1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE CONSULTORES PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE CONSULTORES Datasul Hospitalar Área da saúde

2 Objetivo do Treinamento Auxiliar o aluno a compreender os principais conceitos e estruturas da saúde no Brasil, pertinentes para o trabalho de consultoria; Auxiliar o aluno a compreender os principais termos e personagens que fazem parte do cotidiano dos hospitais;

3 Conteúdo do Treinamento Ministério da Saúde Acreditação Hospitalar Órgãos de Acreditação Programas qualidade Profissionais da área da saúde Especialidades médicas Principais conceitos do ambiente hospitalar Siglas importantes Glossário da Agência Nacional de Vigilância Sanitária Função geral da TI em ambientes de saúde

4 Ministério da Saúde É função do Ministério da Saúde dispor de todas as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, reduzindo as enfermidades, controlando as doenças endêmicas e parasitárias, melhorando a vigilância à saúde e dando qualidade de vida ao brasileiro; Por estas atribuições, o Ministério da Saúde tem o desafio de garantir o atendimento à saúde, independente da condição social; A Constituição Federal de 1988 criou o SUS (Sistema Único de Saúde); Fonte:

5 Acreditação Hospitalar Acreditação é um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Em seus princípios tem um caráter educativo, voltado para a melhoria contínua, sem finalidade de fiscalização ou controle oficial, não devendo ser confundido com os procedimentos de licenciamento e ações típicas de Estado.

6 Níveis de Acreditação: Nível 1- A instituição conta com instalações adequadas para a atenção e cuidados aos pacientes, dispondo de Responsável Técnico habilitado para a condução do serviço. As áreas apresentam condições de conforto e segurança que contribuem para a boa assistência prestada por profissionais habilitados. Nível 2- A instituição dispõe de manuais de normas, rotinas e procedimentos documentados, atualizados e disponíveis; realiza programa de educação e treinamento continuado; dispõe de um sistema de coleta de dados e indicadores que permitem a avaliação para a melhoria dos procedimentos e rotinas. Nível 3- A instituição dispõe de sistema de aferição da satisfação dos pacientes; participa ativamente do programa institucional de qualidade e produtividade; seus serviços estão integrados ao sistema de informação da instituição, dispondo de dados, taxas e indicadores que permitem a avaliação do serviço e comparações com referências adequadas.

7 Acreditação X Certificação São semelhantes, mas não idênticos; A Acreditação é definida como a certificação, por entidade reconhecida, das instalações, da capacitação, objetividade, competência e integridade de uma agência, serviço ou operacional, para fornecer serviços específicos; A Certificação é o procedimento e a ação por entidade devidamente autorizada, de determinar, verificar e atestar, por escrito, quanto à qualificação de pessoal, processo de itens, de acordo com os requisitos aplicáveis. A ISO permite que cada empresa escolha tanto o sistema quanto o nível de qualidade, que variam de zero a cinco estrelas;

8 Órgãos de Acreditação Instituições credenciadas pela ONA Instituições credenciadas pela ONA : IQG – Instituto Qualisa de Gestão IPASS – Instituto Paranaense de Acreditação de Serviços em Saúde FCAV – Fundação Carlos Alberto Vanzolini ICQ Brasil IAHCS - Institudo de Acreditação Hospitalar e Certificação em Saúde;

9 Outros órgãos de Acreditação: Acreditação na Área Clínica CBA – Consórcio Brasileiro de Acreditação Associado à JCI – Joint Commission International

10 Profissionais da área da saúde - Assistencial Médicos Enfermeiros Aux/Téc de Enfermagem Nutricionistas Psicólogos Fisioterapeutas Fonoaudiólogos Farmacêutico / Bioquímico Técnico Raio X Perfusionista Instrumentador Circulante Dentista

11 Profissionais da área da saúde - Assistencial Médico Médico: realiza consultas, solicita exames, chega ao diagnóstico, encaminha ao tratamento clínico ou cirúrgico, visando o bem estar e cura para preservar a vida do paciente;

12 Profissionais da área da saúde - Assistencial Enfermeiro Planejar as atividades diárias de enfermagem do setor sob sua responsabilidade; supervisionar os cuidados prestados; fazer prescrições de enfermagem; elaborar planos de assistência de enfermagem; prestar assistência direta de acordo com a complexidade do cuidado; organizar e dirigir os serviços de enfermagem e de suas atividades técnicas e auxiliares; realizar balanço hídrico; planejar e colaborar com os programas de capacitação e participar de projetos de pesquisa; executar outras tarefas de mesma natureza e nível de dificuldade; obedecer as normas técnicas de biossegurança na execução de suas atribuições; Anotações e registros no prontuário (checagem, evoluções, etc);

13 Profissionais da área da saúde - Assistencial Técnico Enfermagem Participar da programação da assistência de enfermagem; Executa ações assistenciais de enfermagem; Aplica medicações e injeções; Auxiliar o enfermeiro nas unidades de internação, em suas funções administrativas; Realizar as anotações de enfermagem no prontuário, referente aos cuidados realizados ao paciente; Realizar checagem das medicações aplicadas no paciente, bem como anotações de enfermagem referentes à evolução do paciente;

14 Profissionais da área da saúde - Assistencial Auxiliar de Enfermagem Observar, anotar e notificar alterações do paciente; Prestar cuidados de enfermagem: higiênicos, procedimentos terapêuticos, controle de sinais vitais e hídricos, cuidados pré e pós operatórios, junto e em harmonia com os técnicos sob a supervisão de acordo com a prescrição de enfermagem.

15 Profissionais da área da saúde - Assistencial Nutricionista Estuda os alimentos e sua interação com os processos fisiológicos e matabólicos, com a doença e a saúde (a nível mundial ou da comunidade). Investiga o comportamento alimentar das populações e suas implicações sociais, econômicas, culturais e psicológicas. A partir deste cenário, este profissional propõe a aplicação de uma política nutricional para promover o desenvolvimento da alimentação e a melhoria da qualidade de vida;

16 Profissionais da área da saúde - Assistencial Psicólogo A psicologia estuda o comportamento humano, seus processos mentais e fenômenos psíquicos. Assim, a função do psicólogo é orientar e auxiliar as pessoas com problemas emocionais, mentais ou de personalidade, analisando os diversos tipos de comportamentos com o objetivo de ajudar cada um na busca do auto-conhecimento ;

17 Profissionais da área da saúde - Assistencial Fisioterapeuta É favorecer, preservar e restaurar a capacidade funcional do ser humano, possibilitando-lhe autonomia para realizar suas atividades de vida diária. Trabalha com indivíduos que apresentam alterações do sistema músculo-esquelético, cardiorrespiratório e neurológico, visando ao restabelecimento das funções para melhorar a qualidade de vida de seus pacientes, facilitando o processo de integração social.

18 Profissionais da área da saúde - Assistencial Fonoaudiólogo Cuida da comunicação humana, no que se refere ao seu desenvolvimento, aperfeiçoamento, distúrbios e diferenças em relação aos aspectos envolvidos na função auditiva periférica e central, na linguagem oral e escrita, na fala, na fluência, na voz, nas funções orofaciais e na deglutição.

19 Profissionais da área da saúde - Assistencial Farmacêutico Bioquímico Habilitado em Farmácia: a função do farmacêutico é disponibilizar aos médicos os medicamentos para utilização nos pacientes, bem como orientar quanto a sua correta utilização; sugerir determinados medicamentos para as patologias e cumprir com informações legais a respeito do uso de determinados medicamentos; Habilitado em Bioquímica: realização de exames de análises clínicas, a partir de materiais colhidos dos pacientes que estão sendo tratados. Fornecer o resultado destes exames com o máximo de precisão é papel do bioquímico;

20 Profissionais da área da saúde - Assistencial Técnico Radiologia Profissional responsável pela realização de exames de Raios X, tomografias e ressonâncias magnéticas; este profissional realiza os exames a partir de uma solicitação feita obrigatoriamente pelo médico, e encaminha as imagens provenientes destes exames para que o médico especialista possa realizar o laudo;

21 Profissionais da área da saúde - Assistencial Perfusionista É o profissional que opera o equipamento de circulação extracorpórea durante qualquer situação médica em que é necessário oferecer suporte ou substituir as funções cardiopulmonares ou circulatórias e assegurar o manuseio adequado das funções fisiológicas;

22 Profissionais da área da saúde - Assistencial Instrumentador Profissional que auxilia o cirurgião e os auxiliares no ato cirúrgico, fornecendo os instrumentos para que o médico possa realizar a cirurgia;

23 Profissionais da área da saúde - Assistencial Circulante Profissional que atua dentro do Centro Cirúrgico, e tem a função de providenciar materiais e/ou medicamentos que não foram previstos no momento da cirurgia. Enquanto a cirurgia ocorre, este profissional tem a função de providenciar os itens que não estão disponíveis naquele momento dentro da sala cirúrgica;

24 Profissionais da área da saúde - Assistencial Dentista Profissional que cuida da saúde bucal e algumas cirurgias na boca;

25 Especialidades médicas São especializações que dão condições ao médico de atender à determinados casos: Clínico Geral; Cirurgia Geral; Anestesiologista; Gastroenterologia; Cardiologia; Cirurgia Cardio-vascular; Ortopedia; Neurologia; Intensivista; Endocrinologia...

26 Principais termos do ambiente hospitalar Assistenciais Prontuário do Paciente Prescrição médica Transcrição da prescrição Prescrição de enfermagem Sistematização da enfermagem Anamnese Evolução Crônico / agudo Tipos de atendimento (eletivo/ urgência) Escalas Interação medicamentosa APACHE Diagnóstico Protocolos

27 Principais termos do ambiente hospitalar Assistenciais Pronto Atendimento (PA) Internação Ambulatório SADT Hospital Dia Home Care

28 Principais conceitos do ambiente hospitalar Prontuário do Paciente Entende-se por Prontuário do Paciente não apenas o registro da anamnese do paciente, mas todo acervo documental padronizado, ordenado e conciso, referente ao registro dos cuidados médicos prestados e aos documentos anexos. Constituem um verdadeiro dossiê que tanto serve para análise da evolução da doença como para fins estatísticos que alimentam a memória do serviço e como defesa do profissional caso ele venha a ser responsabilizado por algum resultado atípico ou indesejado.

29 Principais conceitos do ambiente hospitalar Prescrição Médica É uma ordem médica para que o paciente receba determinados medicamentos, a dosagem do medicamento e suas quantidades diárias; Na prescrição médica, também são prescritos outros cuidados que devam ser dados ao paciente: exames, cuidados de enfermagem, monitorizações, etc.. A prescrição médica tem validade diária, sendo necessário que o médico faça uma prescrição para cada dia e para cada paciente; A prescrição pode ser eletrônica (feita no computador) ou manual (feita no papel);

30 Principais conceitos do ambiente hospitalar Transcrição da Prescrição É o ato de interpretar a prescrição em papel feita pelo médico e inserí-la de forma idêntica a que à original no sistema de informações do hospital. Este ato normalmente é utilizado no início do processo de implantação de prescrição eletrônica, para que logo em seguida o médico seja inserido no processo; Quando utilizado, o processo da transcrição deve ter data de fim, para que o papel de prescrever eletronicamente seja transferido ao médico, a quem realmente pertence;

31 Principais conceitos do ambiente hospitalar Prescrição da Enfermagem É uma ordem da enfermagem para que sejam executados os cuidados e procedimentos de enfermagem (curativos, cuidados com feridas, troca de cateter, etc...) visando o atendimento do paciente; É uma ordem da enfermagem para que sejam executados os cuidados e procedimentos de enfermagem (curativos, cuidados com feridas, troca de cateter, etc...) visando o atendimento do paciente; A prescrição da enfermagem somente pode ser realizada por um profissional de nível superior, podendo ser executada por um enfermeiro ou por técnicos e auxiliares, dependendo dos procedimentos prescritos; A prescrição da enfermagem somente pode ser realizada por um profissional de nível superior, podendo ser executada por um enfermeiro ou por técnicos e auxiliares, dependendo dos procedimentos prescritos;

32 Principais conceitos do ambiente hospitalar Sistematização de Atendimento da Enfermagem É um dos meios que o enfermeiro dispõe para aplicar seus conhecimentos técnico-científicos e humanos na assistência ao paciente e caracterizar sua prática profissional; Através de um check-list elaborado de acordo com a área da enfermagem, é possível enquadrar os diagnósticos e combiná-los entre si, tendo como resultado a conduta que a enfermagem deve seguir para cuidar do paciente; Permite gerar a prescrição da enfermagem reduzindo o que deve ser escrito manualmente;

33 Principais conceitos do ambiente hospitalar Anamnese É um dos principais componentes do diagnóstico médico. A anamnese é uma espécie de entrevista que o médico faz com o paciente, e nesta entrevista o médico busca informações do que o paciente sente, locais da dor, histórico na família, etc. É um dos principais componentes do diagnóstico médico. A anamnese é uma espécie de entrevista que o médico faz com o paciente, e nesta entrevista o médico busca informações do que o paciente sente, locais da dor, histórico na família, etc. Alguns especialistas afirmam que a anamnese chega a ser responsável por 75% das informações do diagnóstico, ficando os outros 25% a cargo de exames auxiliares; A cada internação ou a cada consulta, o médico realiza uma anamnese do paciente; A cada internação ou a cada consulta, o médico realiza uma anamnese do paciente;

34 Principais conceitos do ambiente hospitalar Evoluções do Paciente Evolução Médica: realizada pelo médico, e nela retrata a evolução do quadro clínico do paciente referente ao tratamento que está sendo realizado; Evolução da Enfermagem: realizada diariamente pelo enfermeiro, e deve registrar a situação do paciente, tendo dados como estado físico e emocional do paciente, temperatura, pressão, etc. A cada evolução que é realizada, esta deve ser assinada pelo profissional que a registrou. Existem as evoluções realizadas pelos demais profissionais da enfermagem, são em períodos diferenciados, normalmente no final do plantão;

35 Principais conceitos do ambiente hospitalar Eletivo X Urgência Eletivo: procedimentos que necessitam ser realizados imediatamente, porém, não são urgentes e não colocam a vida do paciente em risco. Urgência: procedimentos que necessitam ser realizados de forma urgente, independente se oferecem risco ou não à saúde do paciente;

36 Principais conceitos do ambiente hospitalar Escalas e Índices As escalas possuem um papel de auxiliar o médico, que através de informações ou resultados de exames, ajudam a conduzir o tratamento correto. Algumas escalas: –Escala de Coma de Glasgow: auxilia o médico a tomar a decisão quanto à necessidade de entubar o paciente; –Escala de Framingham: através dela, é possível calcular se uma pessoa tem riscos de sofrer um ataque cardíaco nos próximos 10 anos;

37 Principais conceitos do ambiente hospitalar Protocolos São padronizações feitas pelas instituições, visando normatizar determinados tipos de atendimentos: São padronizações feitas pelas instituições, visando normatizar determinados tipos de atendimentos: –Protocolo médico para atendimento a pacientes com suspeita de enfarte; –Protocolo de Enfermagem para realização de trocas de curativos; –Protocolo de anestesia; –Etc... –OBS: não confundir com os protocolos do faturamento, que são as remessas de contas que são enviadas aos convênios.

38 Principais termos do ambiente hospitalar Assistenciais Pronto Atendimento (PA). O Pronto Atendimento é um serviço que se caracteriza pelo atendimento a pacientes com necessidades sentidas como urgentes. Internação. Admissão de um paciente para ocupar um leito hospitalar por um período igual ou maior que 24 horas. Ambulatório. Local onde se presta assistência a pacientes, em regime de não internação. SADT. É uma sigla e significa Serviço de Apoio Diagnostico e Terapia, inclui serviços de exames de Radiologia, Tomografia, Laboratório, etc. Hospital Dia. Local onde se presta serviços geralmente de cirurgias de pequeno porte do tipo ambulatorial. Home Care. É uma modalidade provê cuidados, tratamentos, produtos, equipamentos, serviços especializados e específicos para cada paciente, num ambiente extra-institucional, porém não tão somente nas suas residências.

39 Principais conceito do Ambiente Hospitalar Dispensação Devolução Aprazamento e Ciclo da Prescrição Reconstituição Diluição Solução Princípio ativo (SAL) Nome comercial Medicamento Genérico Medicamento Psicotrópico

40 Principais conceito do Ambiente Hospitalar Dispensação Tarefa realizada pela Farmácia Hospitalar. Consiste em separar os itens da prescrição do paciente, e encaminhá-los à unidade do paciente para administração. O ato da dispensação está geralmente está atrelado ao controle do estoque; Em alguns casos, está vinculado ao lançamento na conta do paciente;

41 Principais conceito do Ambiente Hospitalar Devolução Tarefa realizada em conjunto com a enfermagem da unidade e farmácia hospitalar. Consiste em devolver ao estoque aqueles itens que foram dispensados mas que não foram administrados no paciente. O ato de devolver ao estoque também pode estar vinculado ao estorno da despesa na conta do paciente;

42 Principais conceito do Ambiente Hospitalar Aprazamento Aprazamento são os horários pré-definidos aos quais os medicamentos devem ser administrados ao paciente. O médico é quem prescreve os horários e as quantidades diárias; Como a prescrição é válida para 24 horas, ao término desta prescrição inicia-se uma nova, formando um ciclo de prescrições;

43 Principais conceito do Ambiente Hospitalar Princípio Ativo É o nome do SAL (nome técnico) em que o medicamento é manipulado, produzido, controlado e até mesmo prescrito;

44 Principais conceito do Ambiente Hospitalar Nome Comercial É o nome que o fabricante registrou determinado princípio ativo para comercialização;

45 Principais conceito do Ambiente Hospitalar Medicamento Genérico De acordo com a lei dos medicamentos genéricos, o medicamento pode ser comercializado com o nome do princípio ativo, visando preços mais baixos e facilidade na aquisição;

46 Principais conceito do Ambiente Hospitalar Medicamentos Psicotrópicos ou Controlados É o famoso “tarja preta”. São medicamentos que possuem controje rigoroso realizado pela Vigilância Sanitária; Todas as compras, movimentações e consumo em pacientes destes medicamentos são informados à Secretaria de Saúde local; Os documentos usados para realização destes controles são: Balanço de Movimentações, Balanço de Aquisições e o Livro de Psicotrópicos;

47 Principais conceitos do ambiente hospitalar Faturamento Faturamento Guia de Solicitação Guia de Autorização Protocolo de contas Tabelas (AMB, CBHPM, Brasíndice, SIMPRO, etc) Auditoria de Contas

48 Principais conceitos do ambiente hospitalar Guia de Solicitação Formulário padronizado onde o médico solicita ao convênio a aprovação para realização do procedimento. Este formulário é padronizado pela ANS, conforme veremos a seguir. Solicitação de Internamentos; Procedimentos; Mat / Med ou OPME;

49 Principais conceitos do ambiente hospitalar Guia de Autorização Formulário padronizado onde o convênio envia a autorização do procedimento ao prestador executante. A Guia da Autorização pode ser: –Diárias –Procedimentos –Honorários –Mat/Med –Materiais especiais, –Etc...

50 Principais conceitos do ambiente hospitalar Protocolo de Contas É uma remessa na qual o prestador envia as contas para o convênio. O protocolo é feito após as contas estarem faturadas. Esta remessa é enviada ao convênio com a documentação e é enviado um arquivo XML estruturado com as mesmas informações em meio eletrônico;

51 Principais conceitos do ambiente hospitalar Tabelas de Preços Procedimentos AMB, CBHPM, CIEFAS, etc. Taxas / Diárias Tabelas próprias Mat / Med SIMPRO Brasíndice

52 Principais conceitos do ambiente hospitalar Auditoria de Contas É um processo que está ligado ao faturamento da conta hospitalar. Este ato visa trabalhar em conjunto com o faturamento, porém realizado por uma equipe composta por médicos e enfermeiros. O principal objetivo é revisar as contas antes de serem encaminhadas aos convênios, atentando para todos os casos onde o convênio possa glosar itens da conta hospitalar. Caso sejam encontrados erros de cobrança e/ou erros operacionais, a Auditoria deve atuar para corrigí-los, tanto de maneira imediata como de maneira preventiva;

53 Principais conceitos do ambiente hospitalar Financeiro Glosa Repasse Recursos de Glosas

54 Principais conceitos do ambiente hospitalar Glosa É todo e qualquer item que o hospital cobrou em conta mas que o convênio não quis pagar. Glosa devida: são aquelas que o convênio recusou-se a pagar por falta de checagem, falta de guia de autorização, falta de assinatura do médico ou do paciente, cobrança realizada sem respeito ao contrato; Glosa indevida: são aquelas que o convênio recusou-se a pagar, porém recusou de maneira equivocada; Para as glosas devidas, existe o recurso de glosa, que é um ato de contestar a atitude do convênio e solicitar revisão no pagamento;

55 Principais conceitos do ambiente hospitalar Repasse É o processo de repassar aos profissionais executantes o valor que foi cobrado e recebido através do hospital; Médicos que não atendem um determinado convênio necessitam receber seus honorários. O hospital envia a cobrança na conta hospitalar, e quando recebe estes valores do convênio, repassa ao executor;

56 Siglas importantes ANS: Agência Nacional de Saúde Suplementar. Órgão do Ministério da Saúde responsável pela regulamentação e fiscalização das práticas em Saúde Suplementar (aquilo que não é saúde pública) TISS: Troca de Informações em Saúde Suplementar. Padrão estabelecido pela ANS para regulamentar a padronização das trocas de informações entre prestador e operadora. O padrão se aplicava inicialmente às guias em papel, demonstrativos e análises de contas. Desde 31/5/2007 a ANS exige que toda troca de informações seja feita por meio digital, via arquivos XML e WebServices, de acordo com as respectivas normativas da TISS. XML: Extensible Markup Language. Tipo de arquivo utilizado para armazenamento estruturado de informações. CID: Classificação Internacional de Doenças. Manual internacional de diagnósticos redigido e publicado pela OMS (Organização Mundial de Saúde). Determinados procedimentos são autorizados pela operadora somente a partir da especificação do CID correspondente.

57 Siglas importantes CFM: Conselho Federal de Medicina - órgão que possui atribuições constitucionais de fiscalização e normatização da prática médica CRM: Conselho Regional de Medicina. Cabe aos conselhos regionais defender a eticidade na medicina. É obrigação legal do conselho proceder sindicância toda vez que houver denúncia formal contra médicos. Aplicar o Código de Ética Médica aos médicos com atitudes antiéticas é um poder-dever da Instituição. SADT: Serviços Auxiliares de Diagnóstico e Terapia. Refere-se aos procedimentos que auxiliam na detecção e tratamento de doenças. Exemplos: radiografias, exames de sangue, sessões de fisioterapia. SND: Serviço de Nutrição e Dietética. Responsável principalmente por manipular e disponibilizar determinados complementos nutricionais que fazem parte do tratamento do paciente; SCIH: Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

58 Siglas importantes CCIH: Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. A CCIH é uma comissão que atua dentro do SCIH. Esta comissão é uma equipe multidisciplinar, composta por médicos, enfermeiros e farmacêuticos. A função da CCIH é propagar, implantar e fiscalizar rotinas de combate à infecção hospitalar através de treinamentos técnicos e campanhas educativas. Também é papel do CCIH controlar o uso de medicamentos antimicrobianos que são administrados aos pacientes dentro da instituição; SAME: Serviço de Arquivo Médico e Estatístico. É o setor onde os prontuários dos pacientes são revisados e arquivados. Existem legislações específicas para realizar este tipo de controle. Mesmo com o surgimento de sistemas eletrônicos (Prontuário Eletrônico), a garda dos documentos em papel é necessária.

59 Glossário da Agência Nacional de Vigilância Sanitária

60 Este material é de propriedade da DATASUL S.A., sendo proibida a sua reprodução em qualquer meio, total ou parcial, sem aprovação por escrito. Todos os direitos estão reservados. A informação contida aqui é confidencial e não pode ser utilizada fora da empresa ou das franquias que fazem parte da nossa rede, não podendo ser divulgada para clientes, parceiros ou outra empresa ou indivíduo sem o prévio consentimento de um diretor da DATASUL S.A. As opiniões expressas aqui estão sujeitas a modificação sem aviso prévio. Obrigado! Agradecimento


Carregar ppt "PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE CONSULTORES PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE CONSULTORES Datasul Hospitalar Área da saúde."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google