A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 SUGESTÕES PARA A CONCEITUAÇÃO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 SUGESTÕES PARA A CONCEITUAÇÃO."— Transcrição da apresentação:

1 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 SUGESTÕES PARA A CONCEITUAÇÃO DA DURABILIDADE E VIDA ÚTIL NORMA DESEMPENHO – VIDA ÚTIL

2 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 ESTRUTURA DAS SUGESTÕES Novos conceitos e re-adequação de outros para contextualizá-los segundo uma abordagem sistêmica Nova redação para os ANEXOS D e E, em um único ANEXO C - Considerações sobre durabilidade e vida útil, com caráter informativo, procurando explicar didaticamente estes conceitos e introduzir uma metodologia objetiva para definição da Vida Útil Nova redação para o item 14.1, com a incorporação da tabela de vida útil no próprio texto normativo e não mais em anexo.

3 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 CONCEITOS 3.20 sistema: o edifício analisado como um todo. Sua subdivisão hierárquica (em partes: subsistemas, elementos e componentes) É FEITA PELO NÍVEL FUNCIONAL DE SUAS PARTES subsistema: a maior parte funcional do edifício. Conjunto de elementos e componentes destinado a cumprir uma macro função que a define (exemplo: fundação, estrutura, vedações verticais, instalações hidrosanitárias, cobertura). Nesta norma, nas partes 2 a 6, estão estabelecidas as especificações de desempenho para alguns dos subsistemas do edifício. 3.6a elemento: uma parte de um subsistema com funções específicas. Geralmente é composto por um conjunto de componentes. (exemplo: parede de vedação de alvenaria, painel de vedação pré-fabricado, estrutura de cobertura). 3.1 componente: Produto integrante de determinado elemento do edifício, com forma definida e destinado a cumprir funções específicas (exemplos: bloco de alvenaria, telha, folha de porta).

4 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 POR QUE DIVIDIR EM PARTES? As partes têm funções bem definidas e devem ter desempenho específico para atender às exigências dos usuários; Ao subdividir em partes menores fica mais fácil e preciso o estabelecimento de requisitos de desempenho; As partes podem ter diferentes vida útil. Quanto mais baixa na hierarquia funcional menor a vida útil requerida, desde que possam ser substituídas. Ou seja: –A vida útil das partes é uma fração da vida útil do edifício. P.ex.: a vida útil de um componente pode ser uma fração da vida útil de um subsistema.

5 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 CONCEITOS

6 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 CONCEITOS 3.26 vida útil (VU): período de tempo durante o qual o edifício, ou suas partes, mantêm o desempenho esperado, quando submetido apenas às atividades de manutenção pré definidas em projeto. 3.26a vida útil requerida (VUR): vida útil definida para atender às exigências do usuário (a ser estabelecida em projeto ou em especificações de desempenho) vida útil de projeto (VUP): vida útil requerida para o edifício ou para uma sua parte, pré-estabelecida na etapa de projeto.

7 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 CONCEITOS tempo Manutenção desempenho ToTo Desempenho requerido T f1 T f2 Vida útil com manutenção Vida útil sem manutenção

8 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 DETERMINAÇÃO DA VIDA ÚTIL

9 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 DETERMINAÇÃO DA VIDA ÚTIL A metodologia adotada para determinação da vida útil (tabela 14.1) incorpora três conceitos essenciais: a. o efeito que uma falha no desempenho do subsistema ou elemento acarreta; b. a maior facilidade ou dificuldade de manutenção e reparação em caso de falha no desempenho; c. o custo de correção da falha, considerando-se inclusive o custo de correção de outros subsistemas ou elementos afetados (por exemplo, a reparação de uma impermeabilização de banheiro pode implicar na substituição de todo o piso e o custo resultante é muito superior ao custo da própria impermeabilização).

10 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 DETERMINAÇÃO DA VIDA ÚTIL TABELA C1 – EFEITO DAS FALHAS NO DESEMPENHO CategoriaEfeito no desempenhoExemplos típicos APerigo a vida (ou de ser ferido)colapso repentino da estrutura BRisco de ser feridodegrau de escada quebrado CPerigo à saúdeséria penetração de umidade DInterrupção do uso do edifíciorompimento de coletor de esgoto EComprometer a segurança de usoquebra de fechadura de porta FSem problemas excepcionaissubstituição de uma telha OBS. Falhas individuais poderão ser enquadradas em duas ou mais categorias

11 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 DETERMINAÇÃO DA VIDA ÚTIL TABELA C2 – CATEGORIA DE VIDA ÚTIL DE PROJETO PARA PARTES DO EDIFÍCIO CategoriaDescriçãoVida útilExemplos típicos 1SubstituívelVida útil mais curta que o edifício e sua substituição é fácil e prevista na etapa de projeto Muitos revestimentos de pisos; louças e metais sanitários 2ManutenívelSão duráveis mas necessitam manutenção periódica e são passíveis de substituição ao longo da vida útil do edifício Revestimentos de fachadas; janelas 3Não-manutenívelDevem ter a mesma vida útil do edifício por não possibilitarem manutenção Fundações e muitos elementos estruturais

12 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 DETERMINAÇÃO DA VIDA ÚTIL TABELA C3 – CUSTO DE MANUTENÇÃO E REPOSIÇÃO AO LONGO DA VIDA ÚTIL CategoriaDescriçãoExemplos típicos ABaixo custo de manutençãoVazamentos em metais sanitários BMédio custo de manutenção ou reparaçãoPintura de revestimentos internos CMédio ou alto custo de manutenção ou reparação/ custo de reposição (do elemento ou subsistema) equivalente ao custo inicial Pintura de fachadas; esquadrias de portas; pisos internos; telhamento Dalto custo de manutenção e ou reparação/ custo de reposição superior ao custo inicial/comprometimento da sua durabilidade afeta outras partes do edifício Revestimentos de fachada; estrutura de telhados EAlto custo de manutenção ou reparação/ custo de reposição muito superior ao custo inicial Impermeabilização de piscinas e de banheiros

13 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 DETERMINAÇÃO DA VIDA ÚTIL TABELA C4 – CRITÉRIOS PARA O ESTABELECIMENTO DA VUP DAS PARTES DO EDIFÍCIO Valor de VUP para os subsistemas, elementos e componentes Efeito da falha (C1) Categoria de VUP (C2) Categoria de custos (C3) 1/15 da VUP do edifícioF1A 1/10 da VUP do edifícioF1B 1/5 da VUP do edifícioE, F1C 1/3 da VUP do edifícioD, E, F2D ½ da VUP do edifícioqualquer2D, E Igual à VUP edifícioqualquer3 OBS.: as VUP de 1/15 e 1/10 da VUP do edifício são aplicáveis apenas a componentes e as demais a todas as partes do edifício (subsistemas, elementos e componentes)

14 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 DETERMINAÇÃO DA VIDA ÚTIL TABELA C5 – CATEGORIAS DE VUP PARA EDIFÍCIOS (BS 7543) Categoria DescriçãoVida útil para a categoria Exemplos 1TemporáriaPor acordo e até 10 anos Abrigos não-permanentes e edifícios de exposição temporários 2Vida curtaPeríodo mínimo de 10 anos Edifícios educacionais temporários, lojas de varejo, escritórios (renovação interna) 3Vida médiaPeríodo mínimo de 30 anos Edifícios industriais, renovação de edifícios habitacionais 4Vida normalPeríodo mínimo de 60 anos Escolas e hospitais novos; edifícios habitacionais novos; renovação de alta qualidade de edifícios públicos 5Vida longaPeríodo mínimo de 120 anos Edifícios públicos e outros edifícios de alta qualidade OBS.: esta tabela é valida também para componentes, elementos e subsistemas

15 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 DETERMINAÇÃO DA VIDA ÚTIL Nesta norma, para se definir a VUP mínima para as diversas partes do edifício, descritas na tabela 14.1, adotou-se como VUP mínima para o edifício 40 anos, de modo a compatibilizar, para a construção de habitações de interesse social (HIS), as limitações quanto ao custo inicial com as exigências do usuário em relação à durabilidade e aos custos de manutenção e de reposição, visando garantir, por um prazo razoável, a utilização em condições aceitáveis do edifício habitacional. Este prazo, inferior ao aceito internacionalmente como mínimo, foi adotado nesta primeira edição da norma, em função das condições sócio-econômicas existentes atualmente (2007) e poderá ser modificado quando da sua revisão, mantendo porém os percentuais estabelecidos na tabela C4. Deve-se atentar que um período de vida útil de 40 anos implica em que anualmente deverão ser construídas mais de 1,5 milhão de habitações apenas para repor o estoque habitacional existente hoje no País, número bastante expressivo diante da realidade atual.

16 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 DETERMINAÇÃO DA VIDA ÚTIL Para a VUP superior do edifício foi adotado o prazo de 60 anos, de modo a: a.como um balizador do que é possível de ser tecnicamente obtido; b.um estímulo à concorrência e competição no mercado empreendedor; c.caracterizar que existe a opção pela minimização de custos de operação e manutenção ao longo do tempo através de uma maior VU e d.induzir o mercado a buscar soluções de melhor custo-benefício além das de VU mínima.

17 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 ESPECIFICAÇÃO DA VIDA ÚTIL C.3.1 Para que a VUP que for estabelecida para as partes que compõem o edifício habitacional possa ser atingida é necessário que sejam sejam atendidos simultaneamente todos os seguintes aspectos: a)emprego de componentes e materiais de qualidade compatível com a VU projetada; b)execução com técnicas e métodos que possibilitem a obtenção da VU projetada; c)cumprimento em sua totalidade dos programas de manutenção corretiva e preventiva; d)atendimento aos cuidados pré-estabelecidos para se fazer um uso correto do edifício; e)utilização do edifício em concordância ao que foi previsto em projeto. Os aspectos a) e b) são essenciais para que o edifício construído tenha potencial de atender integralmente a VUP e são de responsabilidade do construtor. Os aspectos c), d) e e) são essenciais para que se atinja efetivamente a VUP e são de responsabilidade dos usuários. No entanto, para que possam ser cumpridos, devem estar obrigatoriamente informados no Manual de uso, Operação e Manutenção do edifício, a ser entregue pelo empreendedor (público ou privado) aos usuários.

18 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 ESPECIFICAÇÃO DA VIDA ÚTIL C.3.2 A definição da VUP é responsabilidade do projetista de arquitetura que deve especificar claramente, em seus projetos, a VUP de cada um dos subsistema, elementos e componentes descritos na tabela 14.1, respeitando os períodos de tempo mínimos estabelecidos na mesma tabela. Na ausência destas especificações será admitido que foram adotadas as VUP mínimas descritas na tabela O projetista poderá especificar também a VUP de partes do edifício não contemplados na tabela, atendendo às exigências do usuário em relação as mesmas.

19 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 ITEM 14 DURABILIDADE 14.1 Generalidades A durabilidade de um produto se extingue quando ele deixa de cumprir as funções que lhe forem atribuídas, quer seja pela degradação que o conduz a um estado insatisfatório de desempenho, quer seja por obsolescência funcional. No anexo C, de caráter informativo, faz-se uma análise mais abrangente dos conceitos relacionados com a durabilidade e a vida útil, face a importância que representam para o desempenho do edifício e suas partes.

20 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 ITEM 14 DURABILIDADE 14.2 Requisito – Durabilidade do edifício e das partes que o compõem Manter a capacidade funcional do edifício e de suas partes durante a vida útil de projeto, desde que sejam realizadas as intervenções de manutenção pré-estabelecidas Critério – Vida útil O edifício e suas partes deverão atender a VUP pré-estabelecida Método de avaliação Pela análise do projeto. O projeto do edifício deverá especificar a VUP para cada uma de suas partes que o compõe. Os subsistemas e elementos do edifício deverão ser adequadamente detalhados e especificados em projeto de modo a possibilitar a avaliação da sua vida útil Critério – Durabilidade Os componentes que compõem os subsistemas do edifício deverão apresentar durabilidade compatível com a VUP pré-estabelecida para os elementos ou subsistemas nos quais eles se inserem.

21 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 A avaliação poderá ser realizada: a) através da verificação do cumprimento das exigências estabelecidas em normas brasileiras que estejam relacionadas com a durabilidade dos componentes empregados na construção do edifício. São exemplos de normas com estas características as normas da ABNT: NBR 6118; NBR 8800; NBR 9062; NBR e as normas a elas associadas que tratam de métodos de ensaios específicos como: NBR 6565; NBR 7398; NBR 7400; NBR 8094; NBR 8096; b) na inexistência de normas brasileiras através do cumprimento das exigências estabelecidas em normas estrangeiras específicas e coerentes com os componentes empregados na construção, como por exemplo: ASTM G154; ASTM E 424; ASTM D 1413.; c) por análise de campo, através de inspeção em protótipos e edificações ou pela análise dos resultados obtidos em estações de testes de durabilidade Método de avaliação ITEM 14 DURABILIDADE

22 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 TABELA 14.1 VIDA ÚTIL DE PROJETO (VUP)

23 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 TABELA 14.1 VIDA ÚTIL DE PROJETO (VUP)

24 FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 TABELA 14.1 VIDA ÚTIL DE PROJETO (VUP)


Carregar ppt "FHS CONSULTORIA E ENGENHARIA Projeto norma de desempenho – VIDA ÚTIL – sugestões Prof. Sabbatini reunião 8 de fevereiro 2007 SUGESTÕES PARA A CONCEITUAÇÃO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google