A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Fissuras Lábio-Palatinas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA UNIDADE DE CIRURGIA BUCO-MAXILAR III.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Fissuras Lábio-Palatinas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA UNIDADE DE CIRURGIA BUCO-MAXILAR III."— Transcrição da apresentação:

1 Fissuras Lábio-Palatinas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA UNIDADE DE CIRURGIA BUCO-MAXILAR III

2 Introdução nomenclatura mais comum em orientais unilaterais (¾) ou bilaterais masculino (lábio), feminino (palato) defeitos não afetarão o futuro multidisciplinar fonação, mastigação, deglutição, audição, estética As fissuras labial e palatina são defeitos congênitos caracterizadas pela descontinuidade das estruturas do lábio, palato ou ambos, com extensão variável.

3 Divisão palato primário região pré-forame palato secundário região pós-forame ( palato duro e mole) Peterson et al., 2000

4 Embriologia da face inicia na 4ª semana e atinge as característi cas gerais na 8ª semana Lessa e Carreirão, 1981

5 5ª semana Protuberância nasal lateral formação da asa do nariz protuberância nasal medial porção média do nariz, do lábio superior e da maxila palato primário Embriologia da face Peterson et al., 2000

6 6ª e 7ª semana protuberâncias maxilares crescem em direção medial e comprimem as protuberâncias nasais mediais de encontro à linha média, que se fundem e formam o lábio superior. Embriologia da face Peterson et al., 2000

7 6ª e 7ª semana Embriologia da face Protuberâncias mediais unidas em nível profundo Segmento intermaxilar Origem componente labial forma o filtro do lábio superior componente da maxila contém os quatro dentes incisivos componente palatino forma o palato primário Peterson et al., 2000

8 6ª e 7ª semana processos palatinos orientados obliquamente para baixo atingem posição horizontal, acima da língua, e unem-se formando o palato secundário Embriologia da face Peterson et al., 2000

9 6ª e 7ª semana Embriologia da face Peterson et al., 2000

10 Teoria da formação das fissuras Falta de fusão Dursy (1869), His (1892) Falta de fusão dos brotos embrionários durante o desenvolvimento da face, decorrente de patogenias diversas, levará à formação de fissuras medianas, laterais e transversas Lessa e Carreirão, 1981

11 Teoria da formação das fissuras Penetração mesodérmica Warbrick (1938), Stark (1954) Palato primário resultam da falha do mesoderma que penetra entre os processos nasais mediais e maxilares impedindo a fusão Palato secundário falha na fusão dos processos palatinos falha da língua em descer para dentro da cavidade oral Peterson et al., 2000Lessa e Carreirão, 1981

12 fatores genéticos (20%) fatores ambientais Carência alimentar: deficiência de vitaminas e nutrientes. Influências psicológicas: distúrbios emocionais durante gestação Doenças infecciosas: rubéola (12 a 15%); Drogas: tranquilizantes ; Radiações ionizantes: modificação do código genético. Etiologia

13 Classificação Fissuras pré-forame incisivo unilateral (direita ou esquerda) bilateral Fissuras trans-forame incisivo unilateral ( direita ou esquerda) bilateral Fissuras pós-forame incisivo completa ou incompleta Fissuras raras Completa Incompleta

14 Sutura embrionária Lessa e Carreirão, 1981

15 Fissura pré-forame Pré-alveolar

16 Fissura pré-forame Lessa e Carreirão, 1981

17

18 Fissura pós- forame

19 Alterações dentárias mal-oclusão deformidade nasal respiração alimentação audição fonação

20 Alterações dentárias decíduos e permanentes incisivo lateral e canino alteração morfológica, hipomoneralização, na margem da fissura ausência dentária dentes deslocados supranumerários momento da extração (perda óssea)

21 Mal-oclusão fissura causa estreitamento do arco discrepâncias esqueléticas retardo no crescimento maxilar classe III condição dentária agrava a mal-oclusão avaliar início da ortodontia

22 Deformidade nasal quando há fissura labial menor suporte ósseo para a base correção nasal é o último procedimento rebordo, maxila alteram suporte ósseo nasal dificuldade respiratória

23 Respiração alterações bastante comuns colapso da asa do nariz desvio do septo hipertrofia de adenóides respiração bucal prejuízo para respiração vital, agravado pelas constantes infecções das vias aéreas superiores Durante a fala, a respiração torna-se ruidosa e irregular Cuidados são importantes para favorecer o trabalho com a articulação.

24 Alimentação menor pressão negativa intrabucal dificuldade de sucção e deglutição musculatura é ineficaz melhor posição ao alimentar tipo de alimentação bicos especiais alongados, abertura alargada favorecer adequada maturação motora dos órgãos que servem à alimentação e à articulação seringas, conta-gotas

25 Audição músculos tensor e elevador do véu palatino inseridos no palato e tubo auditivo permite abertura do óstio na nasofaringe não há drenagem do ouvido médio infecção do ouvido médio recorrente diminui a audição

26 Fonação retardo dos sons consonantais formação do vocabulário hipernasalidade mecanismo velo-faríngeo mal-oclusão, posição anormal da língua deficiência na audição

27 Plano de tratamento multidisciplinar pediatra, geneticista, enfermeira, nutricionista, fonaudiólogo, psicólogo, otorrinolanringologista, assistente social, odontopediatra, ortodontista e cirurgião buco-maxilo-facial problemas estéticos, funcionais, dentários, fonéticos, otorrinolaringológicos, emocionais

28 Protocolo de atendimento 1ª Semana ao 3º mês terapêutica clínica básica (pediatria, fonoaudiologia, odontologia e prótese); 3º ao 6º mês correção do lábio (queilorrafia) e caso necessário, drenagem dos ouvidos pelo otorrino; 6º ao 15º mês terapia clínica básica

29 15º ao 18º mês correção do palato (palatorrafia) 18ºmês ao 5º ano acompanhamento com a terapia básica 6º ao 9º ano expansão, como já ocorreu a maior parte do crescimento alveolar, é feito a cirurgia de enxerto ósseo alveolar; 9º ao 16º ano início a ortodontia corretiva 16º ao 20º ano cirurgia ortognática Protocolo de atendimento

30 Apoio multidisciplinar ao paciente Tratamento prolongado Fatores ambientais evitados Apoio familiar e psicológico Considerações Finais

31 Referências Lessa, S.; Carreirão, S. Tratamento das Fissuras Lábio-Palatinas. Ed. Interamericana, São Paulo, Neves et al. Anomalias dentárias em pacientes portadores de fissuras labiopalatinas: Revisão de literatura. Peterson LJ et al. Cirurgia Oral e Maxilofacial Contemporânea. 3ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. Silva et al. Aleitamento materno em recém nascidos portadores de fissura labiopalatina: dificuldades e métodos utilizados. Rev.CEFAC, São Paulo, v.7, n.1, 21-28, 2005.


Carregar ppt "Fissuras Lábio-Palatinas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA UNIDADE DE CIRURGIA BUCO-MAXILAR III."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google