A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Ciência Política e Teoria do Estado Professor Dejalma Cremonese Jéssica Caroline Gomes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Ciência Política e Teoria do Estado Professor Dejalma Cremonese Jéssica Caroline Gomes."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Ciência Política e Teoria do Estado Professor Dejalma Cremonese Jéssica Caroline Gomes Noll PÓS – MODERNIDADE Ijuí, 24 de março de 2008

2 Pós - Modernidade Conceito - É a condição sócio-cultural e estética do capitalismo contemporâneo, também denominado pós- industrial ou financeiro. Ópera de Sidney, projeto do dinamarquês Jorn Utzon. O pós-moderno em arquitetura refere-se às várias manifestações de reação ao Estilo Internacional.

3 Há controvérsias quanto significado e pertinência do termo pós-modernidade devido, principalmente, à dificuldade de se perceber com clareza os limites ou os sinais de ruptura em processos em curso.

4 Gênese Histórica da Pós - Modernidade A segunda metade do século XX assitiu a um processo de mudanças na história do pensamento e da técnica. Ocorreram mudanças pragmáticas no modo de pensar a sociedade e suas instituições.

5 As raízes da maioria dos conceitos sobre o Homem e seus aspectos foram constituídas no século XV e consolidadas no século XVIII (crença na Verdade alcançável pela Razão e na linearidade histórica rumo ao progresso).

6 Para substituir esses dogmas, são propostos novos valores, menos fechados categorizantes. Estes serviram de base para o período de superação da Modernidade, a Pós – Modernidade.

7 FATORES INFRA – ESTRUTURAIS Relações de produção industriais Relações de produção pós industriais.

8 RELAÇÕES DE PRODUÇÃO PÓS - INDUSTRIAIS Baseadas em serviços e em trocas de bens simbólicos ou abstratos, como a informação e a circulação de dinheiro virtuais da especulação financeira.

9 Gradualmente, cresceu a concepção de que nem o capitalismo seria demoníaco e nem o socialismo seria libertador, ou vice-versa. A Pós – Modernidade corresponderia a essa configuração de cultura.

10 Pós – Modernidade e Globalização Desde a década de 1980, desenvolve-se um processo de construção de uma cultura em nível global. Um sistema-mundo que acompanha e sistema-mundo político resultante da globalização.

11 A Pós – Modernidade, inscreve-se nesse contexto como conjunto de valores que norteiam a produção cultural subseqüente. Entre estes, a multiplicidade, a fragmentação, a desreferencialização e a entropia.

12 No modelo pós – industrial de produção, a Comunicação e a Indústria Cultural ganham papéis fundamentais na difusão de valores e idéias do novo sistema.

13 Crise da Representação Fenômeno diretamente ligado à destruição dos referenciais que vinham norteando o pensamento até bem recentemente. O figurativismo era o principal eixo das artes até o pós – guerra.

14 Dali em diante, tudo vale e todos os discursos são válidos. O resultado é que não há mais padrões limitados para representar a realidade, resultando em crise ética e estética.

15 O pós – moderno pelo seu caráter policultural, serve bem à constituição e uma rede inclusiva de consumidores. E dentro disso está inserida a dejeção dos referenciais de representação.

16 Imagem e Realidade Os meios audiovisuais têm potencial mais rico e imediato para transmitir sua visão de realidade. Literatura, música e poesia dependem de um grau maior de interação lógica com o intelecto.

17 Outras artes mais antigas já tiveram seu momento de mescla entre ficção e realidade, como as pinturas rupestres e as esculturas das primeiras civilizações.

18 Estética pós - moderna As similaridades estéticas entre os produtos modernos e pós – modernos provavelmente são conseqüência das condições de produção e de circulação, dado que um dos efeitos sabidos da globalização é a homogeneização das relações de produção e dos hábitos de consumo.

19 Daí advém o neo- historismo, que é a mistura de todos os estilos históricos e m produtos sem período.

20 O pós – modernismo por Ernest Gellner Em Pós – modernismo, razão e religião, de 1992, Gellner refere-se da seguinte forma: O pós – modernismo é um movimento contemporâneo (...). E sobretudo, não é completamente claro o que diabo ele é (...). O pós – modernismo parece ser claramente favorável ao relativismo e hostil à uma verdade única.

21 Os pós – modernos também se entregaram ao subjetivismo, mas o seu repúdio por disciplina formal, é expressa em prosa acadêmica, destinada à publicação nos distintos jornais, em meio de assegurar a promoção ao impressionar os comitês apropriados.

22 Marxismo Segundo alguns estudiosos, o pós – modernismo teria origem no marxismo. Trata-se de uma posição polêmica, pois o marxismo afirmava – se científico, enquanto os pós – modernos colocavam em questão a possibilidade de se chegar a uma idéia única.

23 Colaboraram com o pós – modernismo... Marxismo real – existente (os marxistas acreditavam em uma verdade única, a qual eles detinham) Escola de Frankfurt (a escola de Frankfurt tinha muitos traços em comum com os marxistas do partido, dado que explicava ao lado das visões de seus opositores)

24 O pós - modernismo Os pós – modernistas deram um passo a mais. Tal como os Frankfurters, eles repudiam o culto e busca de fatos externos, que tinham sido o caminho (supostamente errado) da percepção da realidade social, mas os pós – modernos não substituem esse caminho por um outro alternativo, (...)

25 (...) e sim pela afirmação de que nenhum tal caminho é possível, necessário ou desejável. NÃO É A OBJETIVIDADE SUPERFICIAL QUE É REPUDIADA, MAS A OBJETIVIDADE COMO TAL.

26 FONTES PESQUISADAS Pós - Modernidade


Carregar ppt "UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Ciência Política e Teoria do Estado Professor Dejalma Cremonese Jéssica Caroline Gomes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google