A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DCS – DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DCS – DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS."— Transcrição da apresentação:

1 UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DCS – DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS LINHA DE PESQUISA: SOCIEDADE, CULTURA E PODER DIMENSÕES DO CAPITAL SOCIAL: CONCEITOS E APLICAÇÕES PERÍODO DE EXECUÇÃO: Dezembro de 2003 a dezembro de 2005 Elaboração: Dejalma Cremonese DCS – UNIJUÍ – RS – BRASIL

2 1. DELIMITAÇÃO DO TEMA Este projeto de pesquisa se propõe a discutir, em um primeiro momento a teorização conceitual do tema capital social para, posteriormente, medir o seu estoque nos municípios em que a UNIJUÍ tem seus campi. 2. OBJETIVO GERAL Ao considerar a relevância do debate em torno do tema capital social nas Ciências Sociais nas últimas décadas, este projeto de pesquisa se propõe fazer uma discussão teórica da temática capital social, (conceito, origem, evolução e pertinência do mesmo) para, logo após, medir o estoque de capital social nos municípios de Ijuí, Santa Rosa, e Três Passos (RS) no período de

3 3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. Verificar a evolução temático-conceitual do capital social nas últimas décadas, através de uma ampla revisão bibliográfica; 2. Explicitar a relação entre a formação do capital social e da cultura cívica na consolidação da institucionalização da governabilidade municipal local; 3. Estudar as relações de confiança interpessoais entre as pessoas, elemento-chave da cultura cívica como formador de capital social; 4. Analisar a participação política dos eleitores dos municípios citados. 5. Medir, através de um questionário, o nível de capital social dos referidos municípios através de um estudo do número e atuação de organizações sociais dos municípios.

4 MUNICÍPIOS A SEREM PESQUISADOS 4, 24, 45

5 4. PROBLEMÁTICA A diversidade conceitual nos obriga a buscar, nas diversas teorizações, inicialmente, uma definição do que seja capital social. Outras questões parecem requerer esclarecimentos: Um maior ou menor estoque de capital social pode incidir no desenvolvimento econômico de uma região ou cidade? A existência ou não de capital social pode ou não ter implicações para a teoria, a investigação e a formulação de políticas públicas? É possível afirmar que, quanto maior o estoque de capital social de uma comunidade maior é o fortalecimento democrático? Até que ponto a confiança interpessoal e institucional podem afetar as bases de uma construção eficiente da democracia? É possível construir uma democracia em condições de pobreza? Quais são os problemas metodológicos na abordagem da cultura política e de capital social? Pode o conceito de capital social ser reterritorializado? Quais os grupos que têm avançado na construção social das comunidades via confiança recíproca?

6 5. HIPÓTESES Verificar se as teses de Putnam se comprovam ou não na realidade estudada: 1. Tanto maior a participação em associações locais, maior é a cultura cívica. 2. Quanto mais cívica for a região, mais eficaz é seu governo. 3. Quanto maior for o número de filiação sindical, maior é o civismo da região. 4. Quanto maior for a participação dos fiéis nas igrejas, menor é o engajamento cívico. 5. Quanto maior for o pedido de favores aos poderosos, menor é o civismo da região. 6. Regiões menos cívicas estão mais sujeitas à corrupção política. 7. A satisfação e a felicidade moram numa comunidade cívica. 8. Quanto maior for a desconfiança menor é a civilidade. 9. Quando há uma comunidade cívica, há coesão social, harmonia política e bom governo. 10. Quando mais extremismo, maior a dificuldade de um governo eficaz.

7 6. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Tocqueville (1835; 1840) Hanifan (1916) Jane Jacobs (1961) Pierre Bourdieu (1983) James S. Coleman (1988;1990) Robert D. Putnam (1993; 2000) Fukuyama (1995, 1999) Kliksberg (2001) Bertolini e Bravo (1999) Cohen e Prusak (2001) Banco Mundial (1999) Woolcock (2000) Bandeira (2003); Monastério (1999; 2000) e Baquero (1999, 2003)

8 CAPITAL SOCIAL: É POSSIVEL UMA DEFINIÇÃO? A expressão capital social ainda carece de uma definição clara. O termo capital nos remete a um recurso econômico, porém, o foco da problematização está centrado nas relações sociais. Apesar de controverso e contraditório, trata-se de um paradigma emergente, rico em conceitos aplicáveis em realidades sociais que demandam programas promotores do aumento da participação e da superação da pobreza. (Carlos Renato Mota)

9 CAPITAL SOCIAL: ORIGEM E EVOLUÇÃO O capital social é um conceito novo com um crescimento rápido nas Ciências Sociais nos anos 90. Há dificuldade na definição – não é um conceito homogêneo. O entendimento conceitual continua a se desenvolver.

10 CAPITAL SOCIAL: ORIGEM E EVOLUÇÃO O espírito do capital social vem da teoria social clássica do século XIX: – Teóricos como Tocqueville, Stuart Mill, Durkheim, enfatizaram longamente a importância da sociedade civil e associações voluntárias como vitais para a consolidação da democracia Os escritos sobre capital social: – Início do século XX: Reformador na Educação (Hanifan) – Meio do século XX: ativista urbano (Jacobs) – Fim do século XX: Cientistas Politicos (Coleman, Putnam)

11 CAPITAL SOCIAL: ÁREAS DE ABRANGÊNCIA Sociologia Bourdieu (1981) Coleman (1988; 1990) Ciências Politicas Putnam (1993) Debate sobre o desenvolvimento Banco Mundial (depois de 1995) Fonte:

12 Capital social : um conceito heterogêneo Estruturas sociais (Coleman) obrigações recíprocas canais de informações normas sociais Ordenamento das organizações sociais (Putnam) confiança, normas e redes, engajamento civico e comunitário. bonding, bridging, linking (Banco Mundial) Fonte:

13 Capital social: primeiras referências A literatura registra que as primeiras referências ao termo "capital social", no sentido geral em que é atualmente utilizado – ou seja, para designar a fonte dos benefícios individuais ou coletivos derivados da participação em redes sociais – ocorreu em um trabalho publicado em 1916, de autoria de Lyda Judson Hanifan, intitulado The Rural School Community Center BANDEIRA (2003)

14 Capital social: primeira definição esses ativos tangíveis que contam para a maioria das pessoas na vivência diária: isto é confiança, companheirismo, simpatia, e relacionamento social entre os indivíduos e famílias que compõem uma unidade social. (L. J. Hanifan, 1916) Fran Baum Fran.ppt

15 Bourdieu e Coleman Bourdieu (1985, p. 20) e Coleman (1990, p. 30) fazem referências ao capital social a partir de referências de grupos sociais, coletivos e comunitários. Segundo esses autores, o estudo do capital social está imerso na comunidade, não fazendo parte de nenhuma aplicação de recursos de forma privada nem ser alienado a partir de um valor de mercado. Trata-se de um valor da comunidade gerador de bens públicos, onde todos se beneficiam.

16 Putnam apoiou-se no modelo de associação voluntária de Tocqueville Ref.: Frumkin (ch 2) 2002 Igualdade Associação cívica Associação política Democracia

17 Robert Putnam A popularidade do conceito é atribuída à repercussão do trabalho de Robert Putnam, cientista político da Universidade de Harvard. Obras: Making Democracy Work: Civic Traditions in Modern Italy (publicado em 1993), (Comunidade e Democracia: a experiência da Itália moderna 1996). Putnam estudou detalhadamente as diferenças de desempenho institucional verificadas entre as administrações regionais italianas, ao longo dos vinte anos que se seguiram à sua implantação, ocorrida em A principal contribuição de Putnam para a popularidade do conceito de capital social, talvez esteja relacionada com outro artigo seu, publicado em 1995, intitulado Bowling Alone: Americas Declining Social Capital.

18 CAPITAL SOCIAL – DEFINIÇÃO O capital Social é o envolvimento individual em atividades coletivas, construção de redes de confiança recíproca, construção de virtudes cívicas que possibilitam o fortalecimento da democracia Robert Putnam

19 CAPITAIS DA COMUNIDADE Capital natural: ar, água, solo, biodiversidade – animais, plantas – paisagens) Capital humano: cultura, conhecimento Capital material: bens móveis e imóveis Capital financeiro: recursos, dinheiro Capital político: organizações, poder, vóz/expressões, connections Capital social: redes, cooperação, associação, confiaça (CS. É mais um elemento agregador da comunidade)

20 CAPITAL DA COMUNIDADE Capital Social Capital financeiro/ construções Capital Humano Capital Natural Ecossistema saudável Economia vital Igualdade social

21 UM CAPITAL PODE AUMENTAR OUTROS CAPITAIS? Capital Social Construir Capital financeiro Capital humano Capital Natural Capital Cultural Capital político Liderança: Reconhecendo Oportunidades & mobilizando recursos para aumentar capitais

22 Capital Social Construindo confiança mútua Reciprocidade Formação e colaboração entre grupos Identidade coletiva Senso de partilha futura Trabalhando juntos

23 CAPITAL SOCIAL Espírito comunitário Voluntarismo Ajuda mútua e governança Participação em assuntos locais Organização civica Envolvimento na comunidade e atividades sociais Ajudando os vizinhos e as pessoas que estão com necessidades

24 Capital Social é: F ortalecer relações e comunicação participação comunicação relações

25 Construir confiança mútua Formação de grupos grupos Colaboração entre grupos Fortalecer a Identidadecoletiva Construir um futuro compartilhado Capital social é

26 TRÊS DIMENSÕES ESSENCIAIS DO CAPITAL SOCIAL: Aglutinadoras: BONDING Aglutinadoras: Quando as pessoas se unem e interagem entre si; Pessoas interligadas por laços fortes de amizade ou parentesco... Neste nível prepondera o sentimento de solidariedade, amizade, entre membros de famílias ou grupos étnicos dentro de um grupo específico... Conexões entre as pessoas, (as pessoas se associam para poder sobreviver...) Ponte: BRIDGING Ponte: consiste na interação entre grupos sociais... Associações com maior mobilidade onde as relações sociais são horizontais objetivando bem comuns... Conectoras: LINKING Conectoras: é a união entre as pessoas com o objetivo de alavancar recursos junto às instituições estabelecidas, acesso a bancos, governo... é quando os pobres batem à porta do Estado para pedir recursos... Para esta discussão ver Putnam (1998); Narayan (1999); Woolcock (2000); Banco Mundial (2002)

27 bridging bonding linking

28 Ausência de capital social

29 Capital Social Bonding

30 Capital Social Bridging State Market CivilSociety State Market

31 O que deve ser considerado para medir capital social: Participação política Participação cívica Participação religiosa União e associações profissionais Conexão social informal Voluntarismo e filantropia Confiança, honestidade, cooperação e reciprocidade

32 A diferença das outras formas de capital que se consomem com seus uso, o Capital Social é a única forma de capital que quanto mais se usa mais cresce. Albert Hirschman (Princeton) UMA ANOTAÇÃO FINAL


Carregar ppt "UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DCS – DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google