A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

INTRODUÇÃO À PRÁTICA CLÍNICA. EXPECTATIVAS INICIAIS Por que ser terapeuta? Por que ser psicólogo? Confusões -Trabalhar para valer – manter a dependência.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "INTRODUÇÃO À PRÁTICA CLÍNICA. EXPECTATIVAS INICIAIS Por que ser terapeuta? Por que ser psicólogo? Confusões -Trabalhar para valer – manter a dependência."— Transcrição da apresentação:

1 INTRODUÇÃO À PRÁTICA CLÍNICA

2 EXPECTATIVAS INICIAIS Por que ser terapeuta? Por que ser psicólogo? Confusões -Trabalhar para valer – manter a dependência -Responder à todas as perguntas

3 EXPECTATIVAS INICIAIS -Solucionar o problema do cliente -Dar nome a tudo -Interpretar as experiências do cliente dentro do próprio referencial -Supor que entendeu o que o cliente quis dizer -Relacionar-se com o cliente como se ele fosse seu amigo -Dar conselhos

4 MEDOS Não ser bom o suficiente Não ser capaz de entender o cliente – defender-se tentando ser o máximo Medo de que outros terapeutas sejam melhores do que você Medo de perder o cliente Não ser acolhedor

5 RESPONSABILIDADES PROFISSIONAIS O supervisor é o responsável ético legal pelo caso de seu aluno; por isso, o aluno deve mantê-lo informado Transcrever as sessões – sua importância em casos de suicídio, por exemplo Confidencialidade/código de ética – em que casos quebrar o sigilo

6 PREPARATIVOS Apresentação física e postura do profissional Ambiente físico do consultório Detectar a própria ansiedade e lidar com ela Saber o nome do cliente Triagem – coleta de informações Questionários

7 Levantamento de hipóteses Avaliação de diferentes áreas da vida do cliente Origem do encaminhamento Experiências anteriores com outros terapeutas Queixa manifesta e queixa latente Quando o cliente omite informações Forma do relato: vago, prolixo, desorganizado, detalhista, monossilábico O cliente relaciona-se com a psicoterapia da mesma forma que relaciona-se com a vida?

8 Qual é o estilo da personalidade do cliente? Dificuldades em marcar ou manter consultas Em instituições, saber há quanto tempo o cliente estava esperando o atendimento Cuidado com dogmas e certezas; hipóteses devem ser flexíveis

9 ENTREVISTA INICIAL Habilidades: acolhimento e coleta de informações Ansiedade de ambos; o cliente fica inseguro a respeito de como será visto pelo terapeuta O que o cliente projeta em você? Transferência e contra-transferência Comunicar ao cliente sobre supervisão e gravações (se houver)

10 Iniciar a entrevista com uma questão geral acerca do motivo da procura Conduzir o cliente a partir da fala dele semi- diretividade Quando o cliente chora Não forçar nenhum tipo de abertura Estar atento aos sinais verbais e não-verbais Nossa função nem sempre é provocar alívio

11 Especificar claramente o que precisa saber Transição suave de um tópico para outro Esclarecer e resumir Apontar sentimentos sem ser invasivo Provocar ansiedade??????!!

12 SUGESTÕES PARA O TERAPEUTA Planejar o ambiente físico Domínio da técnica da entrevista Segurança ao se apresentar e encaminhar o cliente à sala Tomar notas? Quase tudo que vc disser é reparável O silêncio não é, necessariamente um mal Cuidado com as expressões faciais Sua memória pode falhar

13 CONTEÚDO DA PRIMEIRA ENTREVISTA Exploração da queixa Avaliação de estados de crise Avaliar as respostas emocionais do cliente frente às dificuldades (através do relato do cliente e das observações do terapeuta) O que o cliente espera de sua situação Histórico: vida familiar, social, etc. Como vê seus problemas atuais – indagações gerais

14 TÉRMINO DA ENTREVISTA Atenção ao tempo Resumir conteúdo da entrevista ou preocupações Dar algum feedback (Abordagem)

15 ERROS COMUNS Ênfase excessiva para a pessoa e negligenciar a coleta de dados/ e vice- versa Dar pouca estrutura e diretividade à entrevista Abordar questões de maneira superficial Pressupor que entendeu o que o cliente disse/ é preciso explorar o significado Não querer aprofundar em temas tabu

16 INÍCIO DA TERAPIA: FEEDBACK E CONTRATO O que é entrevista de feedback O cliente decide se quer ou não a psicoterapia Devolver detalhes demais pode não ser produtivo Apresentar-se com autoridade: a maneira de falar sugere segurança e competência Evitar o uso de palavras vagas: eu acho, talvez..., não tenho muita experiência

17 Evitar o uso de termos técnicos Comunicar impressões É apropriado fornecer impressões além da queixa do cliente? Todas a impressões devem ser fornecidas ao cliente? É importante apoiar, mas não dar falsas esperanças

18 FEEDBACK SOBRE TESTES E CONSULTAS A TERCEIROS Testes: apresentar resultado, porém sem diagnóstico formal; até porque não deve diagnosticar com base em um teste apenas Outras consultas: limites para que não haja quebra de sigilo ou confusões por parte do cliente

19 OBJETIVOS DO TRATAMENTO Estabelecimento de vínculo Definir objetivos – quem define? Psicoterapia breve Expectativas do cliente Enquadre: técnicas, postura do terapeuta Ganhos e riscos – coragem para enfrentar Quando o cliente contesta sua forma de trabalho

20 REJEIÇÃO PELO CLIENTE Resistência do cliente: medo dos feedbacks Tolerância à frustração Transferência e contra-transferência Ausência de empatia Não adaptação aos métodos

21 QUANDO O TERAPEUTA SE RECUSA A ATENDER O CLIENTE A comunicação clara é extremamente importante Diversas situações: a instituição na qual você trabalha não tem condições para atender o caso; há necessidade de um terapeuta mais experiente; mudança de cidade; identificações; o cliente não se responsabiliza pelo processo Encaminhamento: como encaminhar e o que falar para o cliente

22 CONTRATO

23 CONDUÇÃO DA SESSÃO Não há efeito imediato (onipotência do terapeuta) As questões importantes são mencionadas repetidamente pelo cliente O terapeuta atua de acordo com: abordagem teórica; objetivos da psicoterapia e características do cliente Adequação de estratégias e flexibilidade

24 COMO INICIAR A SESSÃO Silêncio Questão aberta, não-diretiva Trabalho para casa (cuidado! A responsabilidade não é sua) Avaliar o afeto e o humor do cliente

25 COMO FACILITAR A DISCUSSÃO Aprender a tolerar o silêncio Confrontar o cliente em relação à sua não disponibilidade Captar frases e colocações importantes Considerar a fala do cliente, mesmo que pareça irrelevante Identificar o afeto presente quando o cliente fala sobre algo: mobiliza-se ou conta uma história?

26 TÓPICOS RELEVANTES Explorar profundamente os problemas Apresentar hipóteses Dar feedbacks Não dar conselhos Escolher a estratégia Avaliação do progresso

27 FINALIZAÇÃO DA SESSÃO Atenção ao tempo Resumo – retrospectiva Tarefa Manter a angústia??????


Carregar ppt "INTRODUÇÃO À PRÁTICA CLÍNICA. EXPECTATIVAS INICIAIS Por que ser terapeuta? Por que ser psicólogo? Confusões -Trabalhar para valer – manter a dependência."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google