A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ANÁLISE LITERÁRIA A DIVINA COMÉDIA A DIVINA COMÉDIA AMOR ALÉM DA VIDA AMOR ALÉM DA VIDA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ANÁLISE LITERÁRIA A DIVINA COMÉDIA A DIVINA COMÉDIA AMOR ALÉM DA VIDA AMOR ALÉM DA VIDA."— Transcrição da apresentação:

1 ANÁLISE LITERÁRIA A DIVINA COMÉDIA A DIVINA COMÉDIA AMOR ALÉM DA VIDA AMOR ALÉM DA VIDA

2 O FILME Título: Amor Além da Vida País de Origem: EUA Gênero: Romance/Drama Ano de Lançamento: 1998 Direção: Vincent Ward Título: Amor Além da Vida País de Origem: EUA Gênero: Romance/Drama Ano de Lançamento: 1998 Direção: Vincent Ward

3 ENREDO Chris Nielsen, Annie, sua esposa, e os filhos do casal fazem uma família feliz. Mas os jovens morrem em um acidente e o casal é bastante afetado, principalmente Annie. No entanto, eles superam a morte dos filhos e conseguem levar suas vidas adiante, mas quatro anos depois é a vez de Chris morrer em um acidente e ser mandado para o Paraíso. Mas não um Céu com arcanjos e harpas, pois lá cada um tem um universo particular e o dele é uma pintura. Enquanto tenta entender o Paraíso, onde tudo pode acontecer, bastando que apenas deseje realmente, Chris fica sabendo que Annie, dominada pela dor, comete suicídio. Assim, ele nunca poderá encontrá- la, pois os suicidas são mandados para outro lugar. Mesmo assim decide tentar achá-la, apesar de ser avisado que mesmo que a encontre, ela nunca o reconhecerá. Chris Nielsen, Annie, sua esposa, e os filhos do casal fazem uma família feliz. Mas os jovens morrem em um acidente e o casal é bastante afetado, principalmente Annie. No entanto, eles superam a morte dos filhos e conseguem levar suas vidas adiante, mas quatro anos depois é a vez de Chris morrer em um acidente e ser mandado para o Paraíso. Mas não um Céu com arcanjos e harpas, pois lá cada um tem um universo particular e o dele é uma pintura. Enquanto tenta entender o Paraíso, onde tudo pode acontecer, bastando que apenas deseje realmente, Chris fica sabendo que Annie, dominada pela dor, comete suicídio. Assim, ele nunca poderá encontrá- la, pois os suicidas são mandados para outro lugar. Mesmo assim decide tentar achá-la, apesar de ser avisado que mesmo que a encontre, ela nunca o reconhecerá.

4 PERSONAGENS Chris Nielsen Albert Annie Nielsen Marie Nielsen Ian Nielsen Chris Nielsen Albert Annie Nielsen Marie Nielsen Ian Nielsen

5 TEMÁTICA VALORIZAÇÃO DA VIDA; VALORIZAÇÃO DA VIDA; A BUSCA PELA PAZ (PELO PARAÍSO); A BUSCA PELA PAZ (PELO PARAÍSO); A FÉ HUMANA (RELIGIOSIDADE); A FÉ HUMANA (RELIGIOSIDADE); CRENÇA NAS ETAPAS PÓS A MORTE (INFERNO, PURGATÓRIO E PARAÍSO); CRENÇA NAS ETAPAS PÓS A MORTE (INFERNO, PURGATÓRIO E PARAÍSO); AMOR (SENTIMENTO QUE MUDA OS DESTINOS). AMOR (SENTIMENTO QUE MUDA OS DESTINOS).

6 A OBRA A DIVINA COMÉDIA A DIVINA COMÉDIA AUTOR: DANTE ALIGHIERI AUTOR: DANTE ALIGHIERI PUBLICAÇÃO: 1307/1321 PUBLICAÇÃO: 1307/1321

7 O AUTOR - Dante Alighieri nasceu em Florença, em 1265, de uma família da baixa nobreza. Sua mãe morreu quando era ainda criança e seu pai quando tinha dezoito anos. - A Commedia consumiu 14 anos e durou até a sua morte, em 1321, ocorrida pouco após a conclusão do Paraíso. - Morreu em Ravenna, foi sepultado com honras.

8 CONTEXTO HISTÓRICO A Divina Comédia foi escrita na Idade Média Baixa: A Divina Comédia foi escrita na Idade Média Baixa: Início do declínio do pensamento medieval; Início do declínio do pensamento medieval; A Itália no tempo de Dante estava dividida entre o poder do papa e o poder do Sagrado Império Romano; A Itália no tempo de Dante estava dividida entre o poder do papa e o poder do Sagrado Império Romano; Visão de mundo teocêntrica vs. Visão antropocêntrica (o divino e o mundano); Visão de mundo teocêntrica vs. Visão antropocêntrica (o divino e o mundano);

9 O TÍTULO Dante chamou a sua obra de Comédia. O adjetivo "Divina" foi acrescido pela primeira vez em uma edição de 1555: Dante chamou a sua obra de Comédia. O adjetivo "Divina" foi acrescido pela primeira vez em uma edição de 1555: DIVINA: a vida como um dom divino; como essa vida continua após a morte; DIVINA: a vida como um dom divino; como essa vida continua após a morte; COMÉDIA: no sentido de que tudo acaba bem (no paraíso), ao contrário da tragédia. Não há qualquer relação com algo engraçado. COMÉDIA: no sentido de que tudo acaba bem (no paraíso), ao contrário da tragédia. Não há qualquer relação com algo engraçado.

10 UM POEMA ÉPICO A Divina Comédia foi escrito na estrutura de um poema épico, ou seja, uma narrativa contada na forma de versos: A Divina Comédia foi escrito na estrutura de um poema épico, ou seja, uma narrativa contada na forma de versos: Nel mezzo del cammin di nostra vita mi ritrovai per una selva oscura ché la diritta via era smarrita. Ahi quanto a dir qual era è cosa dura esta selva selvaggia e aspra e forte che nel pensier rinova la paura! Tant'è amara che poco è più morte; ma per trattar del ben ch'i' vi trovai, dirò de l'altre cose ch'i' v'ho scorte.

11 A ESTRUTURA Os três livros que formam a Divina Comédia são divididos em 33 cantos cada, com aproximadamente 40 a 50 tercetos, que terminam com um verso isolado no final. Os três livros que formam a Divina Comédia são divididos em 33 cantos cada, com aproximadamente 40 a 50 tercetos, que terminam com um verso isolado no final. O Inferno possui um canto a mais que serve de introdução a todo o poema. No total são 100 cantos. Os lugares descritos por cada livro (o inferno, o purgatório e o paraíso) são divididos em nove círculos cada, formando no total 27 (3 vezes 3 vezes 3) níveis. O Inferno possui um canto a mais que serve de introdução a todo o poema. No total são 100 cantos. Os lugares descritos por cada livro (o inferno, o purgatório e o paraíso) são divididos em nove círculos cada, formando no total 27 (3 vezes 3 vezes 3) níveis. Os três livros rimam no último verso, pois terminam com a mesma palavra: stelle, que significa 'estrelas'. Os três livros rimam no último verso, pois terminam com a mesma palavra: stelle, que significa 'estrelas'.

12 ENREDO A Divina Comédia descreve uma viagem de Dante através do Inferno, Purgatório, e Paraíso, primeiramente guiado pelo poeta romano Virgílio, autor do poema épico Eneida, através do Inferno e do Purgatório e, depois, no Paraíso, pela mão da sua amada Beatriz (com quem, presumem muitos autores, nunca tenha falado e, apenas visto, talvez, de uma a três vezes). A Divina Comédia descreve uma viagem de Dante através do Inferno, Purgatório, e Paraíso, primeiramente guiado pelo poeta romano Virgílio, autor do poema épico Eneida, através do Inferno e do Purgatório e, depois, no Paraíso, pela mão da sua amada Beatriz (com quem, presumem muitos autores, nunca tenha falado e, apenas visto, talvez, de uma a três vezes).

13 O INFERNO

14 PORTAL DO INFERNO POR MIM SE VAI À CIDADE DOLENTE, POR MIM SE VAI À ETERNA DOR, POR MIM SE VAI À PERDIDA GENTE. POR MIM SE VAI À CIDADE DOLENTE, POR MIM SE VAI À ETERNA DOR, POR MIM SE VAI À PERDIDA GENTE. JUSTIÇA MOVEU O MEU ALTO CRIADOR, QUE ME FEZ COM O DIVINO PODER, O SABER SUPREMO E O PRIMEIRO AMOR. JUSTIÇA MOVEU O MEU ALTO CRIADOR, QUE ME FEZ COM O DIVINO PODER, O SABER SUPREMO E O PRIMEIRO AMOR. ANTES DE MIM COISA ALGUMA FOI CRIADA EXCETO COISAS ETERNAS, E ETERNA EU DURO. ANTES DE MIM COISA ALGUMA FOI CRIADA EXCETO COISAS ETERNAS, E ETERNA EU DURO. DEIXAI TODA ESPERANÇA, VÓS QUE ENTRAIS! DEIXAI TODA ESPERANÇA, VÓS QUE ENTRAIS!

15 O PURGATÓRIO

16 UMA ESCADA PARA O PARAÍSO A concepção do purgatório como uma montanha é, até onde sabemos, uma idéia original de Dante. O inferno sempre foi associado com o mundo subterrâneo e o Céu sempre foi visto como a morada dos deuses e dos por eles escolhidos. Na representação de Dante, o purgatório serve como uma escada para o Céu, ligando a superfície terrestre às portas do paraíso. Chegar lá, porém, não é tão fácil quanto chegar no inferno, cujas portas estão sempre abertas. É preciso purificar-se. A concepção do purgatório como uma montanha é, até onde sabemos, uma idéia original de Dante. O inferno sempre foi associado com o mundo subterrâneo e o Céu sempre foi visto como a morada dos deuses e dos por eles escolhidos. Na representação de Dante, o purgatório serve como uma escada para o Céu, ligando a superfície terrestre às portas do paraíso. Chegar lá, porém, não é tão fácil quanto chegar no inferno, cujas portas estão sempre abertas. É preciso purificar-se.

17 OS SETE PECADOS CAPITAIS A montanha tem, no total, nove áreas de purgação. Duas ficam antes da entrada guardada pelo anjo. As outras sete, que representam os sete pecados capitais, ficam entre a porta e o pico da montanha onde está o Paraíso Terrestre ou Jardim do Éden. O Paraíso Terrestre está separado do purgatório por uma parede de fogo. Os pecados decrescem em gravidade à medida em que se escala a montanha: A montanha tem, no total, nove áreas de purgação. Duas ficam antes da entrada guardada pelo anjo. As outras sete, que representam os sete pecados capitais, ficam entre a porta e o pico da montanha onde está o Paraíso Terrestre ou Jardim do Éden. O Paraíso Terrestre está separado do purgatório por uma parede de fogo. Os pecados decrescem em gravidade à medida em que se escala a montanha:

18 A SALVAÇÃO Qualquer alma pecadora que tenha se arrependido em vida tem direito ao purgatório, por mais graves que tenham sido os pecados cometidos: Qualquer alma pecadora que tenha se arrependido em vida tem direito ao purgatório, por mais graves que tenham sido os pecados cometidos: -A luxúria; -A avareza; -A gula; -A preguiça; -A ira; -A inveja; -A vaidade.

19 O PARAÍSO

20 ENFIM A LUZ A luz do mundo surge aos mortais das mais variadas fontes, mas do ponto onde unem-se quatro círculos e três cruzes, nasce o Sol no seu melhor curso, na sua melhor constelação, iluminando a cera do mundo com sua melhor influência. Quando cheguei àquela foz o dia amanhecia e aqui, de onde escrevo, era tarde. Agora, o Sol brilhava com sua melhor luz naquele hemisfério, enquanto neste já era noite. A luz do mundo surge aos mortais das mais variadas fontes, mas do ponto onde unem-se quatro círculos e três cruzes, nasce o Sol no seu melhor curso, na sua melhor constelação, iluminando a cera do mundo com sua melhor influência. Quando cheguei àquela foz o dia amanhecia e aqui, de onde escrevo, era tarde. Agora, o Sol brilhava com sua melhor luz naquele hemisfério, enquanto neste já era noite.

21 TEMÁTICA A finitude da vida humana; A finitude da vida humana; O mundo divino vs. O mundo humano (o divino e o mundano); O mundo divino vs. O mundo humano (o divino e o mundano); O pecado como controlador das ações humanas (o inferno é o fim); O pecado como controlador das ações humanas (o inferno é o fim); Visão medieval da sociedade (força da Igreja e do Papado). Visão medieval da sociedade (força da Igreja e do Papado). A fé como restauradora da vida (mesmo depois da morte); A fé como restauradora da vida (mesmo depois da morte); O amor humano, capaz de mudar os destinos; O amor humano, capaz de mudar os destinos;

22 DEPOIS DA VIDA NÓS QUE AQUI ESTAMOS, POR VÓS EPEREAMOS NÓS QUE AQUI ESTAMOS, POR VÓS EPEREAMOS

23 INTERTEXTUALIDADE Crença na vida pós a morte; Crença na vida pós a morte; O amor como sentimento infinito e restaurador; O amor como sentimento infinito e restaurador; A valorização da vida (bem maior); A valorização da vida (bem maior); Percepção dos principais pecados humanos (manipulação do medo). Percepção dos principais pecados humanos (manipulação do medo).


Carregar ppt "ANÁLISE LITERÁRIA A DIVINA COMÉDIA A DIVINA COMÉDIA AMOR ALÉM DA VIDA AMOR ALÉM DA VIDA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google