A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida CONTEÚDO 01 INGESTÃO DIÁRIA RECOMENDADA DE NUTRIENTES

2 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida

3 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida

4 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida QUAL O MÁXIMO DE NUTRIENTES DEVEMOS CONSUMIR PARA NÃO FICARMOS INTOXICADOS?

5 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida

6 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida

7 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida 1860: Estabelecimentos dos padrões de referência nutricionais de energia e proteína; 1940: Governo Federal dos USA – Comitê de Alimentação e Nutrição (Food and Nutrition Board – FNB); 1941: Tabela de RDA (Recommended Dietary Allowances – Doses Diárias Dietéticas Recomendadas) Energia, Proteína, Cálcio, Ferro, Vitamina A, Tiamina, Riboflavina, Ácido Nicotiamínico, Ácido Ascórbico e Vitamina D. 1943: Primeira impressão da RDA;

8 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida 1974: VIII Edição da RDA Nível de ingestão de nutrientes essenciais para cobrir as necessidades de nutrientes específicos de praticamente todos os indivíduos saudáveis; 1993: FNB + Canadá: Workshop para discussão de alguns aspectos técnicos da RDA (prevenção de doenças crônicas); 1995: FNB + Canadá: Formação do Comitê das DRIs (Dietary Reference Intakes) Objetivos: Prevenção de deficiências nutricionais + prevenção de DCNT + limite para ingestão de nutrientes; 1997: Lançamento das DRIs;

9 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida

10 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Planejamento de dietas; Rotulagem de alimentos; Planejamento de programas de orientação nutricional; Elaboração de novos produtos;

11 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida As DRIs consideram todas as informações sobre o balanço, o metabolismo de nutrientes em diversas faixas etárias, a diminuição do risco de doenças, levando em consideração variações individuais nas necessidades de cada nutriente, sua biodisponibilidade e os erros associados aos métodos de avaliação de consumo dietético. É baseada em dados escassos e estudos limitados.

12 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Nível de ingestão dietética diária que é suficiente para atender as necessidades de um nutriente de praticamente todos (97 a 98%) dos indivíduos saudáveis de um determinado grupo de mesmo gênero e estágio da vida. RDA = 1,2 a 1,3 X EAR

13 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Estimated Average Requirement (Necessidade Média Estimada) Valor de ingestão diária de um nutriente que estima-se que supra a necessidade da metade (50%) dos indivíduos saudáveis de um determinado grupo de mesmo gênero e estágio da vida RDA = 1,2 a 1,3 X EAR EAR = RDA / 1,2 a 1,3

14 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Adequate Intake (Ingestão Adequada) Quando não há dados suficientes para a determinação da RDA. É um valor prévio à RDA. Baseado em níveis de ingestão ajustados experimentalmente ou em aproximações da ingestão observada de nutrientes de um grupo de indivíduos aparentemente saudáveis.

15 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Tolerable Upper Intake Level (Limite Superior Tolerável de Ingestão) Valor mais alta de ingestão diária continuada de um nutriente que aparentemente não oferece nenhum efeito adverso à saúde em quase todos os indivíduos de um estágio de vida e gênero. Importante para a Fortificação de alimentações e Suplementação

16 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Maior nível de ingestão que pode, com grande probabilidade, ser tolerado biologicamente? Os nutrientes que não possuem valor recomendado de UL, podem ser considerados nutrientes cuja ingestão excessiva não gera risco à saúde? Como determinar a toxicidade em populações heterogêneas?

17 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida A UL é composta de 2 conceitos: NOAEL (No Observed Adverse Effect Level): Maior nível de ingestão de um nutriente que não resultou em nenhum efeito adverso. LOAEL (Lowest Observed Adverse Effect Level): Ingestão mais baixa na qual um efeito adverso tenha sido identificado.

18 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Nem tudo que ingerimos, iremos absorver. Nem tudo que absorvemos, iremos utilizar. Nem tudo que utilizamos, será utilizado para aquilo que pretendemos. Biodisponibilidade é a acessibilidade de um nutriente ingerido aos processos metabólicos e fisiológicos normais. Influcencia efeitos benéficos e maléficos.

19 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Concentração e forma química do nutriente; Nutrição e saúde do indivíduo; Perdas por excreção; Formas de ingestão; Interação fármaco-nutriente; Interação nutriente-nutriente;

20 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Como avaliar se o que as pessoas estão ingerindo está adequado? Homem, de 55 anos, com ingestão média de folato (registro de 3 dias) de 410µg/dia. O EAR do folato para homens entre 51 e 70 anos é de 320µg/dia. O seu consumo de folato é adequado?

21 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Avaliação da ingestão de nutrientes Necessidade individual do nutriente X Ingestão habitual do nutriente; A ingestão individual encontramos nas Tabelas das DRIs. Como sabermos a ingestão habitual do nutriente? Magnitude da variabilidade da ingestão intrapessoal nas populações;

22 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Avaliação da ingestão de nutrientes Necessidade individual do nutriente X Ingestão habitual do nutriente; A ingestão individual encontramos nas Tabelas das DRIs. Como sabermos a ingestão habitual do nutriente? Magnitude da variabilidade da ingestão intrapessoal nas populações;

23 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Avaliação da ingestão de nutrientes Enquanto utilizamos a RDA como uma meta para ser alcançada na elaboração de planos alimentares para indivíduos, utilizaremos a EAR/AI para avaliar se a ingestão de nutrientes está adequada. Ingestão habitual será calculada a partir de instrumentos diretos e/ou indiretos, devendo-se considerar o número de dias que se está estimando o consumo. A sub ou superstimação poderá ser resultado de erro potencial e da magnitude da variabilidade intrapessoal.

24 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Avaliação da ingestão de nutrientes Devemos assumir que não é possível conhecer a exata necessidade de cada indivíduo, tampouco a ingestão habitual. Assim, sempre consideraremos que: A EAR é a melhor forma de estimar a necessidade de um indivíduo. Porém, deve-se considerar as variações intrapessoais (desvios padrões); A média da ingestão observada e calculada é a melhor estimativa da ingestão habitual (desvios padrões); D = Mi - EAR

25 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Avaliação da ingestão de nutrientes O cálculo do desvio padrão de D (DPd), depende de 3 fatores: Número de dias de avaliação da ingestão habitual; Desvio padrão das necessidades que está entre 10 a 15% da EAR para a maioria dos nutrientes; Desvio padrão intrapessoal da ingestão, que é obtido em inquéritos dietéticos populacionais;

26 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Avaliação da ingestão de nutrientes Uma vez que os valores de D e de DPd forem calculados, a relação entre D/DPd fornecerá a probabilidade da ingestão estar acima ou abaixo da necessidade, ou seja, dela estar adequada ou inadequada. Vamos aos exemplo…

27 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Como avaliar se o que as pessoas estão ingerindo está adequado? Homem, de 55 anos, com ingestão média de folato (registro de 3 dias) de 410µg/dia. O EAR do folato para homens entre 51 e 70 anos é de 320µg/dia. O seu consumo de folato é adequado?

28 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Avaliação da ingestão de nutrientes Primeiro calcularemos o valor de D: D = Mi – EAR D = 410µg - 320µg D = 90µg Depois calcularemos os desvios padrões (DPd) O desvio padrão da necessidade (DPn) é de 10% da EAR (32µg); O desvio padrão da ingestão (Dpi) é de 150µg DPd = Vn + (Vi / n) Vn = DPn 2 = 32µg x 32µg = 1.024µg Vi = DPi 2 = 150µg x 150µg = µg

29 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Avaliação da ingestão de nutrientes Continuando… DPd = Vn + (Vi / n) DPd = 1.024µg + (22.500µg / 3) DPd = 1.024µg + (7.500µg) DPd = 8.524µg DPd = 92,3µg O terceiro passo é calcular a relação D/DPd: R = D/DPd R = 90µg / 92,3µg R = 0,98

30 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Avaliação da ingestão de nutrientes Critério D/DPdConclusãoProbabilidade de certeza > 2,00Ingestão habitual adequada0,98 > 1,65Ingestão habitual adequada0,95 > 1,50Ingestão habitual adequada0,93 > 1,00Ingestão habitual adequada0,85 > 0,50Ingestão habitual adequada0,70 > 0,00Ingestão habitual adequada / Inadequada0,50 < -0,50Ingestão habitual inadequada0,70 <-1,00Ingestão habitual inadequada0,85 < -1,50Ingestão habitual inadequada0,93 < -1,65Ingestão habitual inadequada0,95 < -2,00Ingestão habitual inadequada0,98

31 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Avaliação da ingestão de nutrientes De forma simplificada, podemos concluir que: A ingestão de um nutriente, provavelmente estará inadequada quando esta for menor que a EAR ou quando estiver entre a EAR e a RDA; A ingestão de um nutriente, provavelmente estará adequada quando, na avaliação de vários dias, a média for igual ou maior que a RDA ou quando, na avaliação de poucos dias, a ingestão for muito superior à RDA;

32 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Avaliação da ingestão de nutrientes E quando não tivermos o valor da EAR, somente o valor de AI? Devemos lembrar que: A EAR representa a mediana da necessidade do nutriente, enquanto a AI representa a ingestão que, provavelmente, excede a necessidade da maioria dos indivíduos; Assim, a AI provavelmente excederia a RDA se essa pudesse ser estabelecida; Dessa forma, a avaliação da ingestão habitual utilizando-se a AI, permitirá concluir apenas se a ingestão excede ou não a RDA.

33 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Avaliação da ingestão de nutrientes Vamos ao exemplo… Mulher de 40 anos com ingestão média de cálcio (registro de 3 dias) de 1.200mg/dia. A AI de Cálcio (31 a 50 anos) = 1.000mg/dia; Ao invés de calcularmos D e DPd, calculares o valor de Z; Z = (Mi – AI) / (Dpi / n) Z = (1.200mg – 1.000mg) / (325mg / 3) Z = 1,06

34 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Avaliação da ingestão de nutrientes Critério ZConclusãoProbabilidade de certeza > 2,00Ingestão habitual adequada (excessiva)0,98 > 1,65Ingestão habitual adequada (excessiva)0,95 > 1,50Ingestão habitual adequada (excessiva)0,93 > 1,25Ingestão habitual adequada (excessiva)0,90 > 1,00Ingestão habitual adequada (excessiva)0,85 > 0,85Ingestão habitual adequada (excessiva)0,80 > 0,68Ingestão habitual adequada (excessiva)0,75 > 0,50Ingestão habitual adequada (excessiva)0,70 > 0,00Ingestão habitual adequada (segura)0,50 Se a média da ingestão for menor que a recomendação (AI), então é impossível determinar se a ingestão está adequada ou inadequada.

35 Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida SEMPRE VERIFICAR SE A INGESTÃO MÉDIA NÃO É SUPERIOR A UL


Carregar ppt "Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida Prof. Esp. Mick Lennon Machado Curso de Nutrição Nutrição nos Ciclos da Vida."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google