A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Meningites Alunas : Fernanda Castro J. S. Gonçalves Alunas : Fernanda Castro J. S. Gonçalves Juliana Horie Silva Juliana Horie Silva Lais Missae M. R.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Meningites Alunas : Fernanda Castro J. S. Gonçalves Alunas : Fernanda Castro J. S. Gonçalves Juliana Horie Silva Juliana Horie Silva Lais Missae M. R."— Transcrição da apresentação:

1 Meningites Alunas : Fernanda Castro J. S. Gonçalves Alunas : Fernanda Castro J. S. Gonçalves Juliana Horie Silva Juliana Horie Silva Lais Missae M. R. Lais Missae M. R.

2 MENINGITE AGENTES: AGENTES: BACTERIANA BACTERIANA VIRAL VIRAL TUBERCULOSA TUBERCULOSA FÚNGICA FÚNGICA

3 Epidemiologia

4 Meningite Bacteriana Definição: infecção/inflamação das meninges causadas por bactérias Definição: infecção/inflamação das meninges causadas por bactérias História Natural: História Natural: Bacteremia silenciosa, originada por germes da orofaringe (mais comum) Bacteremia silenciosa, originada por germes da orofaringe (mais comum) Infecção por extensão de um foco próximo Infecção por extensão de um foco próximo Sinusite Sinusite Otite Otite Trauma Trauma Neurocirurgia Neurocirurgia

5

6 Agentes mais comuns Haemophilus influenzae - 20,3% Haemophilus influenzae - 20,3% Neisseria meningitidis – 20,2% Neisseria meningitidis – 20,2% Streptococcus pneumoniae -11,6% Streptococcus pneumoniae -11,6%

7 Meningite Bacteriana - Clínica: História de IVAS ou diarréia, otite, História de IVAS ou diarréia, otite, celulite periorbitária, pneumonia Febre, prostração, hipoatividade, letargia/ alteração do nível de consciência, cefaléia, náuseas, vômitos em jato Febre, prostração, hipoatividade, letargia/ alteração do nível de consciência, cefaléia, náuseas, vômitos em jato Associados a sinais de irritação meníngea (dor e rigidez cervicais)

8 Sinais de irritação meníngea Rigidez de nuca Rigidez de nuca Kernig Kernig Brudzinski Brudzinski

9 Diagnóstico Clínico Clínico Punção liquórica : realizado na região lombar entre L1 – S1, sendo mais indicados os espaços L3 – L4 ; L4 – L5 ou L5 – S1 Punção liquórica : realizado na região lombar entre L1 – S1, sendo mais indicados os espaços L3 – L4 ; L4 – L5 ou L5 – S1 contra-indicações: contra-indicações: Infecção no local da punção (piodermite) Infecção no local da punção (piodermite)

10 Meningite Bacteriana - Diagnóstico É confirmado por análise do LCR em todos casos suspeitos: microorganismos na coloração Gram e cultura, uma pleicitose neutrofílica, nível de proteína elevado e concentração de glicose reduzida É confirmado por análise do LCR em todos casos suspeitos: microorganismos na coloração Gram e cultura, uma pleicitose neutrofílica, nível de proteína elevado e concentração de glicose reduzida

11 Tratamento

12 Meningite viral – Agente Etiológicos Enterovírus - 80% Enterovírus - 80% Herpes simples Herpes simples EBV EBV Varicela zoster Varicela zoster Vírus da caxumba Vírus da caxumba Sarampo Sarampo Arbovírus Arbovírus Treponema pallidum e outros Treponema pallidum e outros

13 Meningite Viral - Quadro clínico Síndrome clínica clássica Síndrome clínica clássica Irritação meníngea Irritação meníngea Hipertensão intracraniana: cefaléia, náuseas vômitos Hipertensão intracraniana: cefaléia, náuseas vômitos Toxemia: febre, mal estar Toxemia: febre, mal estar Sinais menígeos: Kerning e Brudsinsk Sinais menígeos: Kerning e Brudsinsk Rash cutâneo e diarréia no caso de enteroviroses Rash cutâneo e diarréia no caso de enteroviroses Manifestaçoes do envolvimento do encéfalo: agitação, rebaixamento do nivel de consciencia e crises convulsivas Manifestaçoes do envolvimento do encéfalo: agitação, rebaixamento do nivel de consciencia e crises convulsivas Curso benigno e auto limitado Curso benigno e auto limitado

14 Meningite Viral - Tratamento Suporte com reposição hidroeletrolítica Suporte com reposição hidroeletrolítica Controle das convulsões quando presentes Controle das convulsões quando presentes Isolamento respiratório em caso de meningites pelo vírus da caxumba ou enquanto durar o aumento das parotidas ou até 9 dias do inicio da doença Isolamento respiratório em caso de meningites pelo vírus da caxumba ou enquanto durar o aumento das parotidas ou até 9 dias do inicio da doença Acyclovir Acyclovir Meningites por Herpes Vírus Meningites por Herpes Vírus

15 Comparação dos achados liquóricos

16 Artigo DOSAGE OF LACTATE IN THE CEREBROSPINAL FLUID IN INFECTIOUS DISEASES OF THE CENTRAL NERVOUS SYSTEM DOSAGE OF LACTATE IN THE CEREBROSPINAL FLUID IN INFECTIOUS DISEASES OF THE CENTRAL NERVOUS SYSTEM Hideraldo Luis Souza Cabeça1, Hélio Rodrigues Gomes2,Luís dos Ramos Machado3, José Antonio Livramento4 Hideraldo Luis Souza Cabeça1, Hélio Rodrigues Gomes2,Luís dos Ramos Machado3, José Antonio Livramento4 Arq Neuropsiquiatr 2001;59(4): Arq Neuropsiquiatr 2001;59(4):

17 Objetivos : Objetivos : analisar o auxilio diagnóstico da dosagem do lactato no LCR em moléstias infecciosas do SNC. Tipo de estudo :Prospectivo. Materiais e Métodos: -130 amostras de LCR de 116 pacientes com diagnóstico clínico de processos infecciosos do SNC da escola de medicina de São Paulo entre Maio de 1996 e janeiro de As 130 amostras de LCR foram distribuídas em cinco grupos, sendo: 28 amostras controles, 40 meningite bacteriana, 22 meningite viral, 16 meningite fúngica e 24 pacientes com a síndrome da imunodeficiência humana adquirida (SIDA)

18 Resultados :A concentração do lactato no LCR estava elevada no grupo de pacientes com meningite bacteriana (média=46,20 mg/dL), meningite fúngica (média=27,37 mg/dL) e no grupo SIDA (média=23,54 mg/dL). Nos grupos controle e de meningite viral o teor de lactato no LCR encontrava-se entre os valores de referência para o método utilizado. A dosagem do lactato no LCR apresentou correlação negativa com a glicorraquia, e positiva com a celularidade e proteínas totais do LCR. Resultados :A concentração do lactato no LCR estava elevada no grupo de pacientes com meningite bacteriana (média=46,20 mg/dL), meningite fúngica (média=27,37 mg/dL) e no grupo SIDA (média=23,54 mg/dL). Nos grupos controle e de meningite viral o teor de lactato no LCR encontrava-se entre os valores de referência para o método utilizado. A dosagem do lactato no LCR apresentou correlação negativa com a glicorraquia, e positiva com a celularidade e proteínas totais do LCR.

19 Conclusões dosagem do lactato no LCR, apesar de inespecífica, auxilia na distinção entre processos infecciosos do SNC. dosagem do lactato no LCR, apesar de inespecífica, auxilia na distinção entre processos infecciosos do SNC. É recomendada principalmente para diferenciação entre meningite viral e bacteriana. É recomendada principalmente para diferenciação entre meningite viral e bacteriana.

20 Análise crítica Estudo de nível de evidência IIB por ser prospectivo. Estudo de nível de evidência IIB por ser prospectivo. Tipo de estudo adequado para objetivo com pouca possibilidade de viés devido metodologia utilizada Tipo de estudo adequado para objetivo com pouca possibilidade de viés devido metodologia utilizada Presença de grupo controle Presença de grupo controle Amostra de conveniência e reduzida Amostra de conveniência e reduzida


Carregar ppt "Meningites Alunas : Fernanda Castro J. S. Gonçalves Alunas : Fernanda Castro J. S. Gonçalves Juliana Horie Silva Juliana Horie Silva Lais Missae M. R."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google