A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Adolfo Sérgio Furtado da SilvaERGONOMIA 1. 2 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva Definição: Ê Estuda as interações entre o trabalho e o ser humano.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Adolfo Sérgio Furtado da SilvaERGONOMIA 1. 2 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva Definição: Ê Estuda as interações entre o trabalho e o ser humano."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da SilvaERGONOMIA 1

2 2 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva Definição: Ê Estuda as interações entre o trabalho e o ser humano sob o ponto de vista dos movimentos músculo-esqueletais envolvidos, e as suas conseqüências; Ê Analisa basicamente a questão das posturas corporais no trabalho e a aplicação de forças; 2.3 - Biomecânica Ocupacional

3 ERGONOMIA 3 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva Definição: 2.3 - Biomecânica Ocupacional

4 ERGONOMIA 4 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva TAREFAS MANUAIS E MOVIMENTOS DAS MÃOS Ê Atividade da mão e tarefa manual 3Importância da mão nos gestos de trabalho: grande plasticidade mecânica, importante mobilidade dos dedos em relação a multiplicidade de ossos, músculos e articulações e, em relação a fineza da inervação motora e sensitiva (tato); 2.3 - Biomecânica Ocupacional

5 ERGONOMIA 5 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva desfavorávelfavorável 2.3 - Biomecânica Ocupacional

6 ERGONOMIA 6 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva Ë Os movimentos manuais: 3Os movimentos especificamente manuais: Envolvem atividades de manipulação com imobilização do tronco, dos braços, dos ante-braços. Esses movimentos são encontrados em tarefas finas e delicadas como micro-soldagem, desenho decorativo em cerâmica, relojoaria, micro-eletrônica. 2.3 - Biomecânica Ocupacional

7 ERGONOMIA 7 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva 3Os movimentos não especificamente manuais: Envolvem um certo número de segmentos corporais: mobilização do ante-braço, do braço e, às vezes, de movimentos de acompanhamento do tronco. Esta mobilização é necessária à aplicação de força e a realização eficaz do gesto de trabalho, como por exemplo em tarefas de aperto de parafusos de maiores dimensões. 2.3 - Biomecânica Ocupacional

8 ERGONOMIA 8 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva Envolvimento do tronco, do braço e do antebraço, além, é claro, da mão, para a realização do gesto de trabalho 2.3 - Biomecânica Ocupacional

9 ERGONOMIA 9 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva OS GESTOS DE TRABALHO Ê Tipos de gestos em função dos circuitos empregados: ò Os gestos voluntários: São os gestos realizados de forma consciente pelo sujeito e que envolve o córtex cerebral. Como todos os gestos, eles subentendem uma interação entre a força muscular e a força gravitacional. Eles podem ser: 3Gestos voluntários subentendidos: ã São gestos lentos, tensos, operados por contração dos músculos sinérgicos e de controle, que trabalham em sentido opostos. 2.3 - Biomecânica Ocupacional

10 ERGONOMIA 10 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva 3Gestos voluntários balísticos: ã São gestos mais econômicos em termos energéticos, eles são muito mais rápidos e a ação simultânea dos músculos sinérgicos e de controle é bastante reduzida. ã Este tipo de gesto é utilizado, por exemplo, em caso de perigo, quando de uma parada brusca de uma máquina em funcionamento. O movimento balístico termina, então, sobre o botão vermelho de parada de urgência, que está localizado, normalmente, ao lado do painel de comando das máquinas e equipamentos, cujo diâmetro é aproximadamente o da palma da mão. 2.3 - Biomecânica Ocupacional

11 11 ò Os gestos automáticos ou automático-voluntários: São os gestos que correspondem às atividades motoras que envolvem um nível de integração sub-cortical. Pode ser observado em trabalhadores experientes. Um exemplo de atividade automática-voluntária é dado pela análise do comportamento operativo de um motorista quando da condução de um veículo em uma rua bastante conhecida. ò Os gestos reflexos: São gestos que correspondem a circuitos reflexos bem conhecidos, do ponto de vista fisiológico. Este tipo de gesto ocorre, por exemplo, em caso de perigo para a integridade física corporal do sujeito: reação à choque, calor, gesto de proteção do rosto. 2.3 - Biomecânica Ocupacional

12 12 Ë A classificação dos gestos em função do tipo de tarefa: ò A tarefa de ajustamento contínuo: Este tipo de tarefa é caracterizada pela necessidade de ajustar, a cada instante, a ação motora a seu objetivo. As informações vindo do ambiente de trabalho e variando de forma aleatória, exigem uma resposta motora contínua e permanentemente corrigida. Por exemplo, a condução de um automóvel e o corte de determinados materiais segundo um traçado pré-determinado. 2.3 - Biomecânica Ocupacional

13 13 ò A tarefa de ajustamento descontínuo: Este tipo de tarefa é caracterizada pelo fato de que a necessidade de ajustar a ação motora ao seu objetivo não ocorre a todo instante. As informações provenientes do ambiente de trabalho são independentes da natureza da resposta motora precedente. Entram neste tipo de tarefa aquelas que comportam uma única e mesma ação (por exemplo: girar um botão com duas posições) e aquelas que comportam uma seqüência de gestos, mais ou menos isolados (por exemplo: digitação, onde após um erro o digitador pode perfeitamente continuar a digitar o texto) 2.3 - Biomecânica Ocupacional

14 ERGONOMIA 14 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva Ê A aprendizagem: 3A aprendizagem de um trabalho consiste em criar circuitos sensório-motores preferenciais que, na medida em que vão sendo elaborados, tendem a se tornar cada vez menos conscientes; 3Neste sentido, o endereço gestual máximo é obtido quando este circuito torna-se perfeitamente automático; 3Dois processos neuro-fisiológicos concorrem à aprendizagem: o processo central e o periférico. OS FATORES QUE INFLUENCIAM OS GESTOS: 2.3 - Biomecânica Ocupacional

15 15 ò Processo central: 3Estabelecimento de planos de cooperação muscular, por meio da criação de vias neuro-fisiológicas particulares; 3Nota-se ao nível dos gestos uma diminuição progressiva dos movimentos acessórios (diminuição das co-contrações) dos grupos musculares cuja intervenção é útil à atividade considerada; 3Objetivamente, isto se traduz por um gesto fácil e simples com um sujeito experiente, em oposição à um gesto hesitante e contraído com um sujeito aprendiz. 2.3 - Biomecânica Ocupacional

16 ERGONOMIA 16 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva ò Processo periférico: 3Adaptação fisiológica cardio-respiratória, muscular, desenvolvimento do tato. Por exemplo: ao nível muscular observa-se um aumento da força e da velocidade de execução. 3Na prática, para a aprendizagem, na medida em que se necessita uma forte concentração mental e motora, é desejável, ao menos no início, que as seções sejam curtas e repetitivas. 2.3 - Biomecânica Ocupacional

17 ERGONOMIA 17 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva Ë Os estereótipos mentais: DEFINIÇÃO: 3Estereótipo é a tendência que um sujeito tem de atingir uma certa reação dos aparelhos que ele utiliza quando ele age sobre um comando, assim como o significado que ele tem tendência a dar na interpretação de uma informação lida sobre um painel, por exemplo; 3Identifica-se dois tipos de estereótipos mentais: os universais e os culturais. 2.3 - Biomecânica Ocupacional

18 ERGONOMIA 18 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva Existem determinados estereótipos, universalmente aceitos, que podem ser caracterizados qualitativa e quantitativamente. 3Noção qualitativa: A noção qualitativa está relacionada com a ação motora realizada. Por exemplo: quando uma alavanca é puxada de sua posição central para a direita ou para frente, espera-se que a agulha de um painel que visualize esta ação, gire no sentido horário ou para cima, conforme Figura 2.1. 2.3 - Biomecânica Ocupacional

19 19 Figura 2.1 - Esteriótipos universais: noção qualitativa 2.3 - Biomecânica Ocupacional

20 ERGONOMIA 20 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva 3Noção quantitativa: À Sobre uma escala graduada horizontal o zero está a esquerda; Á Sobre uma escala graduada vertical o zero está em baixo; Â Nestes dois casos, um aumento do parâmetro que se estuda, deverá se traduzir, respectivamente, por um deslocamento da esquerda para a direita, e de baixo para cima, conforme Figura 2.2. 2.3 - Biomecânica Ocupacional

21 21 Figura 2.2 - Esteriótipos universais: noção quantitativa 2.3 - Biomecânica Ocupacional

22 ERGONOMIA 22 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva Ì O tremor: 3Consiste em uma oscilação concomitante ao esforço aplicado, desenvolvido para conservar a posição ou a direção fixada do gesto. 3O tremor diminui com a aprendizagem, em caso de trabalho com atrito ou se o membro superior for apoiado (se isto for possível), assim como se o corpo for bem equilibrado. 3O tremor aumenta em caso de fadiga, quando se faz um esforço para não tremer ou em caso de emoção. 2.3 - Biomecânica Ocupacional


Carregar ppt "Prof. Adolfo Sérgio Furtado da SilvaERGONOMIA 1. 2 Prof. Adolfo Sérgio Furtado da Silva Definição: Ê Estuda as interações entre o trabalho e o ser humano."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google