A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Marco Teórico Década de 50 – SAMDU Serviço de Assistência Médica Domiciliar; 1982 – Primeiro serviço de RESGATE / DF com as UTEs Unidades Táticas de Emergência.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Marco Teórico Década de 50 – SAMDU Serviço de Assistência Médica Domiciliar; 1982 – Primeiro serviço de RESGATE / DF com as UTEs Unidades Táticas de Emergência."— Transcrição da apresentação:

1

2 Marco Teórico Década de 50 – SAMDU Serviço de Assistência Médica Domiciliar; 1982 – Primeiro serviço de RESGATE / DF com as UTEs Unidades Táticas de Emergência do Corpo de Bombeiros; 1986 – GSE do Corpo de Bombeiros do RJ c/ 01 médico e 02 Enfermeiros; 1989 – SAMU-RESGATE da SSP (Bombeiros) e SES-SP Década de 90 – Movimentos organizados e a percepção do MS; Congresso Internacional promovido pela RBCE. É criado no MS um espaço para área das urgências Congresso Internacional promovido pela RBCE. É criado no MS um espaço para área das urgências – Portaria 814 – Sobre o Atendimento pré-hospitalar. Revogou portaria 824/ – Portaria Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência – Portaria Institui a Política Nacional de Atenção às Urgências – Portaria Institui o componente pré-hospitalar móvel SAMU 192.

3 Uma das áreas mais problemáticas do SUS, onde as diretrizes de descentralização, regionalização e hierarquização estão pouco implementadas. URGÊNCIA / EMERGÊNCIA

4 UM GRANDE DESAFIO A SUPLANTAR

5 PORTARIA GM n° 1863/03 Regulação Médica de Urgências Organização de Redes Assistenciais Qualificação e Educação Permanente Humanização Estratégias Promocionais POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS

6 AS URGÊNCIAS NO PAÍS Referências e contra-referências; Distribuição inadequada da oferta de serviços de urgência; Concentração de recursos especializados Leitos de terapia intensiva insuficientes: PS dos grandes hospitais, improvisam os leitos de UTI necessários ao atendimento das urgências, nas áreas de observação;

7 Na Atenção Básica à Saúde : Atendimento só com consulta marcada. Falta de acolhimento dos quadros agudos de baixa complexidade; Desqualificação estrutural; Falta de qualificação em Urgência; Falta de insumos e equipamentos para urgências.

8 Na Atenção da Média Complexidade Insuficiência da rede assistencial constituída pelos PS dos pequenos hospitais e por Unidades de Pronto Atendimento.

9 Nas Unidades de Pronto Atendimento Desqualificação estrutural.

10 No Atendimento Pré-Hospitalar Móvel Serviços de Resgate... Prestados por Bombeiros, que funcionam dentro de uma lógica de despacho, sem regulação médica. Sua intervenção não é medicalizada, prestando somente 1.º atendimento e suporte básico de vida. Proliferaram pela insuficiência histórica da área da saúde neste tipo de atuação.

11 Nos Hospitais Gerais e de Urgência: Longas filas; Portas de urgência desestruturadas: Falta de planejamento estratégico; Pacientes internados em macas; Falta de humanização;

12 Nos Hospitais Gerais e de Urgência: –Múltiplos adiamentos de cirurgias agendadas/cancelamento de procedimentos –Disputa por leitos hospitalares e de terapia intensiva entre os pacientes acometidos por quadros agudos e crônicos, independentemente da gravidade.

13

14 Um importante observatório do sistema e da saúde da população.Um importante observatório do sistema e da saúde da população. Induz a organização da rede de atenção e estruturação dos serviços.Induz a organização da rede de atenção e estruturação dos serviços. Induz ao processo de pactuação regional.Induz ao processo de pactuação regional. Permite o enlace com outros atores não oriundos da saúde.Permite o enlace com outros atores não oriundos da saúde. Um importante observatório do sistema e da saúde da população.Um importante observatório do sistema e da saúde da população. Induz a organização da rede de atenção e estruturação dos serviços.Induz a organização da rede de atenção e estruturação dos serviços. Induz ao processo de pactuação regional.Induz ao processo de pactuação regional. Permite o enlace com outros atores não oriundos da saúde.Permite o enlace com outros atores não oriundos da saúde.

15 NOS PAUTAMOS No imperativo da necessidade humana Na garantia de acesso Na defesa dos direitos dos pacientes Na otimização da utilização dos recursos existentes Na busca de eqüidade na atenção Na projeção das correções.

16 192 Número Nacional de Urgência Médica 192 Número Nacional de Urgência Médica VAGA ZERO O atendimento deve ser prestado independentemente da existência ou não de leitos vagos. VAGA ZERO O atendimento deve ser prestado independentemente da existência ou não de leitos vagos. Atribuição da área da saúde

17 COMPLEXO REGULADOR CENTRAL DE REGULAÇÃO MÉDICA DE URGÊNCIAS SERVIÇO SOCIAL CENTRAL DE LEITOS CENTRAL DE EXAMES ESPECIALIZADOS CENTRAL CONSULTAS ESPECIALIZADAS OUTRAS CENTRAIS REGULADORAS REDE ASSISTENCIAL

18 COMPROMISSOS DO GESTOR ESTADUAL/MUNICIPAL Elaboração e formalização dos planos municipais ou regionais de atenção as urgências, articulados ao plano estadual de atenção as urgências aprovados pelos respectivos conselhos de saúde e BipartiteElaboração e formalização dos planos municipais ou regionais de atenção as urgências, articulados ao plano estadual de atenção as urgências aprovados pelos respectivos conselhos de saúde e Bipartite

19 COMPROMISSOS DO GESTOR ESTADUAL/MUNICIPAL Implantar as Coordenações Estaduais de Urgência; Implantar as Coordenações Municipais de Urgência; Implantar as Coordenações Regionais de Urgência, quando necessário; Constituir os Comitês Gestores de Urgência nos âmbitos Estadual, Regional e Municipal; Implantar as Coordenações Estaduais de Urgência; Implantar as Coordenações Municipais de Urgência; Implantar as Coordenações Regionais de Urgência, quando necessário; Constituir os Comitês Gestores de Urgência nos âmbitos Estadual, Regional e Municipal;

20 COMPROMISSOS DO GESTOR ESTADUAL/MUNICIPAL Apresentar trimestralmente os indicadores de desempenho do serviço, baseados no tempo resposta, casuística de atendimento e taxas de mortalidade no local do atendimento, durante o transporte e quarenta e oito horas após o atendimento hospitalar. Inexistência de vínculos trabalhistas precários na contratação de pessoal para compor as equipes de saúde dos SAMU. Apresentar trimestralmente os indicadores de desempenho do serviço, baseados no tempo resposta, casuística de atendimento e taxas de mortalidade no local do atendimento, durante o transporte e quarenta e oito horas após o atendimento hospitalar. Inexistência de vínculos trabalhistas precários na contratação de pessoal para compor as equipes de saúde dos SAMU.

21 Apresentar plano para ampliar a captação de órgãos destinados aos transplantes; Disponibilizar o banco de dados dos SAMU para implementar os registros de acidentes e violências em geral, acidentes de trabalho e o controle sobre doenças de notificação compulsória ou de interesse para o enfrentamento das urgências de qualquer natureza. Apresentar plano para ampliar a captação de órgãos destinados aos transplantes; Disponibilizar o banco de dados dos SAMU para implementar os registros de acidentes e violências em geral, acidentes de trabalho e o controle sobre doenças de notificação compulsória ou de interesse para o enfrentamento das urgências de qualquer natureza. COMPROMISSOS DO GESTOR ESTADUAL/MUNICIPAL

22 Estabelecer parceria com o Conselho Tutelar da Infância e Juventude, notificando suspeitas de violência como prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente. Implantar ações que busquem a humanização do atendimento em urgências, com objetivo definido de fortalecer as relações entre os trabalhadores de saúde e destes com o doente e acompanhantes. Estabelecer parceria com o Conselho Tutelar da Infância e Juventude, notificando suspeitas de violência como prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente. Implantar ações que busquem a humanização do atendimento em urgências, com objetivo definido de fortalecer as relações entre os trabalhadores de saúde e destes com o doente e acompanhantes. COMPROMISSOS DO GESTOR ESTADUAL/MUNICIPAL

23 Elaborar Planos estratégicos Estaduais, Regionais e Municipais de atendimento às necessidades coletivas, urgentes e transitórias, decorrentes de situações de perigo iminente, de calamidades públicas e de acidentes com múltiplas vítimas a partir da construção de mapas de risco, revistos anualmente. COMPROMISSOS DO GESTOR ESTADUAL/MUNICIPAL

24 –Promover a interlocução inter e intra-regional –Monitorar, em tempo real, o sistema de atenção integral às urgências quanto a sua acessibilidade e resolubilidade –Avaliar sistematicamente os fluxos pactuados, propondo correções quando necessário, com base no PDR, PPI e necessidades não atendidas.

25 Regionalização dos SAMU Regionalização dos SAMU Responsabilidade Tripartite Ministério da Saúde Secretaria Estadual da Saúde Secretaria Municipal da Saúde

26 Sociedade Organizada Reconstruir Políticas Governo Negociação Compromisso com Resultados


Carregar ppt "Marco Teórico Década de 50 – SAMDU Serviço de Assistência Médica Domiciliar; 1982 – Primeiro serviço de RESGATE / DF com as UTEs Unidades Táticas de Emergência."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google