A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PARTE 2 AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO ANTONIO ENEDI BOARETTO CENA/USP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PARTE 2 AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO ANTONIO ENEDI BOARETTO CENA/USP."— Transcrição da apresentação:

1 PARTE 2 AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO ANTONIO ENEDI BOARETTO CENA/USP

2 SOLO capacidade PROCESSOS METABÓLICOS NA PLANTA LUZ energia TEMPERATURA cinética CHUVA transporte CULTIVAR potencial PRÁTICAS DE MANEJO incontrolável parcial. controlável controlável PRODUTIVIDADE QUALIDADE ALIMENTO FIBRA ENERGIA OBJETIVO CAUSAS PRIMÁRIAS EFEITOS RESULTANTES, CAUSAS SECUNDARIAS

3 SOLO capacidade PRODUTIVIDADE QUALIDADE ALIMENTO FIBRA ENERGIA ANÁLISE DO SOLO ANÁLISE DA PLANTA

4 24 DE JULHO DIA INTERNACIONAL DA ANÁLISE DO SOLO E DE PLANTA

5 GOIABEIRA NATALE, 1993

6 GOIABEIRA NATALE, 1993

7

8 HISTÓRICO Justus von Liebig (1840) POUCO PROGRESSO Bray(1929), Truog (1930) Morgan (1932), Helter (1934) Análise química do solo >>>>>>> calagem e adubação Brasil-SP: Bol Levantamento da FS ROLAS, CELA, IAC ( Mil análises em 114 lab.), PROFERT, EMBRAPA-CNPS

9 AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE AMOSTRAGEM ANÁLISE QUÍMICA INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS RECOMENDAÇÃO FERTILIZANTES CORRETIVOS VALIDAÇÃO DA RECOMENDAÇÃO

10 OBJETIVOS DA ANÁLISE QUÍMICA DO SOLO NÃO Representa solução única Garante lucro exorbitante Pode ser argumento de venda RS: É o instrumento básico para o levantamento das necessidade e corretivos e fertilizantes SP: …… para a transferência de informações sobre a calagem e a adubação da pesquisa para o campo. SIM -conhecer o nível de fertilidade do solo - recomendar corretivos e fertilizantes

11 AMOSTRAGEM DE SOLO + importante

12 AMOSTRAGEM A gleba pode ser amostrada de tal forma que o resultado da análise química da amostra de solo reflita o nível de suficiência do nutriente do solo. ?

13 Variabilidade vertical Citros, 4 anos de idade

14 Variabilidade horizontal

15

16

17

18

19

20 AMOSTRAGEM A gleba pode ser amostrada de tal forma que o resultado da análise química da amostra de solo reflita o nível de suficiência do nutriente do solo. !

21 A amostragem do solo é a fase mais crítica do programa A amostra de solo inadequadamente obtida, pode constituir a maior fonte de erro quanto a representatividade da gleba Por + bem feita a análise, ela não corrige falhas na retirada da amostra Cada amostra de solo deve ser cuidadosamente retirada para poder representar a área amostrada

22 AMOSTRA SIMPLES AMOSTRA COMPOSTA 500 cm 3 ( ) AMOSTRA DE TRABALHO 10 cm 3 ( ) 5 ha (0-20 cm) cm 3

23 Instrumentos para a tomada da amostra simples Tomar pequenos, suficientes e iguais volumes em cada local de amostragem; ser fácil de limpar; ser adaptado a diferentes tipos de solo; ser resistente e durável; ser de fácil uso e possibilite coleta rápida das amostras.

24 INSTRUMENTOS PARA COLETA DE TERRA

25

26 solo COR, TEXTURA, TOPOGRAFIA, DRENAGEM, COBERTURA VEGETAL, USO DO SOLO, ……. BOM SENSO ÁREAS HOMEGÊNEAS

27 No Brasil: 3 trabalhos Catani et al. (1954): 4 a 6 ha, área homogênea, 3 am. composta de 20 simples. Bol. 69 (1955) 5 a 7 ha, 1 am. composta de 25 a 30 simples; 3 a 5 ha, 1 am. composta de 20 simples; < 3 ha, 1 am. Composta de 15 simples. ÁREA HOMOGÊNEA, N O DE AMOSTRAS

28 ÁREA HOMOGÊNEA E N O DE AMOSTRAS SP: área homogênea de 10 a 20 ha, 1 am. composta: am. simples: >12 e <20 MG RS 10 m ha 1 am. comp. 10 a 20 a s PR: área de 10 a 20 ha, 1 am. comp. de 20 am. simples

29 2 - Chitolina (1982) TR, Lea (10 há)

30 MILHO – P 2 O 5, kg/ha

31 Dose de P 2 O 5, laranja (plantio)

32 Local da retirada da amostra 3 - Prezotto (1982) Cana-de-açúcar, talhões de 9 ha

33 Semeadura direta

34 Latossolo Vermelho não férrico (Cerrado), 9 anos sob semeadura direta com milho (Lange, 2002). –Média de 75 amostras em cada profundidade; –70% a 90 % do P disponível - 0–0,1 m

35 15-20 pontos Diversos autores: coletar a amostra no sentido perpendicular a última linha de semeadura, utilizando a pá de corte. Amostragem depois de iniciar o SSD consolidado (6º cultivo) PROBLEMA?? ?

36 Quaggio (1994) CULTURAS PERENES

37 Quaggio (1994)

38 SP - Culturas anuais e perenes (plantio): 0-20 cm de profundidade PR - Pastagens: 0-10 cm Culturas perenes: 0-20 e cm RECOMENDAÇÕES OFICIAIS

39 EMBALAGEM DA AMOSTRA DE SOLO

40 ARMAZENAMENTO DAS AMOSTRAS

41

42 CONCLUSÃO ?


Carregar ppt "PARTE 2 AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO ANTONIO ENEDI BOARETTO CENA/USP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google