A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO REMEC/SP PDE – ESCOLA São Paulo (SP),23 de setembro de 2010 Prof. Esp. Daiane Cristina Cavalcante.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO REMEC/SP PDE – ESCOLA São Paulo (SP),23 de setembro de 2010 Prof. Esp. Daiane Cristina Cavalcante."— Transcrição da apresentação:

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO REMEC/SP PDE – ESCOLA São Paulo (SP),23 de setembro de 2010 Prof. Esp. Daiane Cristina Cavalcante

2 Quadro 8. Dependências escolares e condições de uso. a) Na coluna Condições de Utilização indicar a quantidade de dependências adequadas e inadequadas. Adequada é a dependência cuja estrutura e organização permite sua plena utilização. Inadequada é a dependência cuja estrutura e organização não permite sua plena utilização

3 DependênciasQuantidade Condições de utilização O que está inadequado? AdequadaInadequada Diretoria Secretaria01 Muito pequena. Sala de professores01 Não comporta todos professores. O espaço é pequeno. Sala de coordenação pedagógica01 Pequena, escura, sem ventilação. Sala de orientação educacional Sala de leitura ou biblioteca Sala de TV e vídeo Funciona junto com a biblioteca, atrapalhando as atividades desta. Sala de informática01 Uso só para funcionários, por causa do nº insuficiente de micros. Não está preparada para PROINFO Sala de multimeios Sala de ciências / laboratório Auditório----- Sala de aula Almoxarifado01 Adaptado no corredor da secretaria. Depósito material limpeza01 Pequeno, sem ventilação. Despensa01 Pequena com umidade e sem ventilação. Refeitório01 Muito quente, sem mesas. Serve o lanche, onde ele é feito. Recreio coberto01 O espaço coberto é pequeno. Quadra de esportes descoberta----- Quadra de esportes coberta Circulações internas060501Muitas goteiras. Cozinha01 Junto com refeitório. Área de serviço01 Área descoberta. Sanitário dos funcionários Sanitário dos alunos06 Vasos inadequados ao tamanho dos alunos da educação infantil e inadequados aos alunos portadores necessidades especiais Vestiário dos alunos

4 ASPECTOS IMPORTANTES OFICINA 1 Sempre colocar a fonte; Ex: INEP O Censo Escolar é com base no último censo; Matrícula Inicial = matrícula final + transferência – admitidos após março; taxa de aprovação = nº de aprovados mi +admitidos após março- transferidos após março

5 Ficha Resumo 1 Colocar problemas (no máximo 3) considerados prioritários para combater em: * Desempenho; * Gestão e * Qualificação Técnico – Gerencial da Equipe Escolar. Utilizar como base os dados e informações do instrumento 1.

6 Com base nos problemas considerados prioritários (no máximo 9) em: desempenho, gestão e qualificação técnico – gerencial da equipe escolar escolher cinco que devem ser atacados prioritariamente e que sejam da governabilidade da escola.

7 Cinco problemas prioritários e dentro da governabilidade da escola Desempenho 3 Gestão 3 Qualificação Técnico – Gerencial da Equipe Escolar 3

8 Instrumento 2 Análise dos Critérios de Eficácia Escolar Não ficar no achismo; Não usar critério da média, escolher a evidência que representa melhor a escola;

9 Se a evidência INCONTESTÁVEL, vale mais do que falado; Ficha 1 – Funil da Criticidade – pontuação mais baixo e sendo trabalhado vai trazer um impacto maior.

10 CRITÉRIOS DE EFICÁCIA ESCOLAR 1 - ENSINO - APRENDIZAGEM Principal processo da escola, diz respeito à aquisição de conhecimento e habilidades por parte dos alunos, à proposta pedagógica, ao planejamento pedagógico, método pedagógico, às estratégias de ensino, práticas educacionais e avaliação da aprendizagem, ao material didático e pedagógico em quantidade e qualidade suficientes.

11 CRITÉRIOS DE EFICÁCIA ESCOLAR 2 - CLIMA ESCOLAR Atmosfera geral da escola, liderança, ordem, disciplina, segurança, confiança, companheirismo, cooperação, ambiente propício à aprendizagem.

12 CRITÉRIOS DE EFICÁCIA ESCOLAR 3 – PAIS E COMUNIDADES Participação e cooperação institucional dos pais e da comunidade na escola, contribuição dos pais e de outros parceiros para o sucesso acadêmico dos alunos e para o melhor desempenho da escola.

13 CRITÉRIOS DE EFICÁCIA ESCOLAR 4 – GESTÃO DE PESSOAS Existência de definição de funções e atribuições, formação continuada, aperfeiçoamento dos profissionais, experiência apropriada, compromisso e motivação da equipe escolar, métodos de avaliação de desempenho.

14 CRITÉRIOS DE EFICÁCIA ESCOLAR 5 – GESTÃO DE PROCESSOS Clara compreensão da missão da escola, objetivos claros e amplamente difundidos, planejamento estratégico, método gerencial definido, gerenciamento da rotina, trabalho em equipe, informações gerenciais, existência de indicadores e de avaliações de gestão.

15 CRITÉRIOS DE EFICÁCIA ESCOLAR 6 – INFRA - ESTRUTURA Condições materiais de funcionamento (instalações, equipamentos) para que o ensino e a aprendizagem aconteçam de forma adequada.

16 CRITÉRIOS DE EFICÁCIA ESCOLAR 7 – RESULTADOS Desempenho geral da escola: taxas de aprovação, reprovação, abandono, distorção idade-série, índice de satisfação dos alunos, pais, colaboradores e sociedade, indicadores de melhoria das práticas de gestão, cumprimento das metas estabelecidas.

17 CRITÉRIOS DE EFICÁCIA ESCOLAR Se esses critérios forem bem trabalhados teremos a ESCOLA IDEAL.

18 Ficha Resumo 2 Ficha A – é possível visualizar os critérios mais críticos; Ficha B – Funil da criticidade – identificar três requisitos e três características mais críticas. Ficha C – dois critérios de eficácia são compulsórios (Ensino – Aprendizagem e Resultados)e escolhe um terceiro (crítico).

19 OBSERVAÇÃO: Os critérios de eficácia se transformam em objetivos estratégicos. Os requisitos vão sinalizar as Estratégias (caminhos que vão ajudar a trabalhar). As características darão as metas e futuras ações.

20 INSTRUMENTO 3 SÍNTESE DE AUTO - AVALIAÇÃO QUADRO 1 – Identificar os problemas que a escola pretende atacar relacionando com os Critérios de Eficácia.

21 INSTRUMENTO 3 SÍNTESE DE AUTO - AVALIAÇÃO QUADRO 2 – Dos sete problemas identificados, listar as causas prováveis e as principais ações.

22 Atacando um causa Posso resolver vários problemas

23 INSTRUMENTO 4 PLANO DE SUPORTE ESTRATÉGICO ( Critérios de Eficácia Escolar) Objetivos Estratégicos Ex: 1- Elevar o desempenho acadêmico dos alunos; Estratégias (requisitos) Ex: 1.1 – Aprimorar uma sistemática de formação de professores na fase introdutória;(práticas efetivas dentro da sala de aula) 1.2 – Envolver os pais na aprendizagem de seus filhos; (Envolvimento dos pais na aprendizagem)

24 Metas (características) Ex: – Oferecer cursos de capacitação/formação aos professores da fase introdutória; (As disciplinas críticas raramente recebem atenção por parte da escola e dos professores); Observação: As metas precisam ser quantificadas Ex:1.1.2 – Promover reuniões para troca de experiências entre professores;

25 Ação 2 – Realizar reunião na DRE para apresentação da proposta de capacitação, bem como os temas sugeridos pela equipe da UE. Início/Término Responsável Resultado Esperado: Aprovação da DRE e previsão de datas Indicador: Ofício deliberando os cursos Custo: R$7.000,00 Quem financia: SEE/SP

26 Ação 1 – Realizar reunião com coordenação e professores para definir os temas a serem trabalhados na capacitação. Início/Término Responsável Resultado Esperado: Lista de Temas Indicador: Ata de Reunião Custo Quem financia?

27 Plano de Suporte Estrat é gico Desdobramento das Metas em Plano de A ç ão Nome da Escola: Escola Municipal D. Pedro II Objetivo Estrat é gico: 1. Melhorar o desempenho dos alunos L í der do Objetivo: Coord. Pedag ó gica Maria Paula Estrat é gia: 1.1. Implementar a proposta pedag ó gica da escola Meta: Revisar a proposta pedag ó gica da escola Indicador da Meta: Documento contendo a proposta pedag ó gica revisada. Gerente do Plano de A ç ão: Prof. º Paulo In í cio: Jan/10Revisão: mensal T é rmino: Mai/10 Nº.Ação Período Responsável Resultado Esperado Indicador Custo Quem Financia InícioTérminoCapitalCusteio 01 Constituir grupo de trabalho para coordenar a revisão da proposta pedagógica. Jan/10 Geraldo Grupo de trabalho constituído Documento contendo a constituição do grupo de trabalho Realizar uma reunião com a equipe escolar para definir os procedimentos e cronograma para revisar a proposta pedagógica da escola. Fev/10 Mª Paula Reunião realizada Documento contendo os procedimentos e cronograma definidos Contratar um consultor para capacitar 30 funcionários do corpo técnico da escola - professores, coordenadores pedagógicos e direção em metodologia de ensino – 20 horas. Fev/10Mar/10Geraldo Consultor contratado Contrato assinado ,00PAF 04 Adquirir 10 livros técnicos diversificados sobre currículo para encontro de trabalho com os professores, coordenadores pedagógicos e direção para revisar os referenciais curriculares da escola. Fev/10Mar/10izabel 10 livros adquiridos Nota fiscal.500,00-PAF

28 ATENÇÃO: * Ter uma sequência lógica de ações; * Evitar colocar ações rotineiras, mas impactantes. Ex: Verificar se o professor está executando o plano de aula.

29 A EXECUÇÃO, o MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO ocorrem concomitantemente. Reuniões setorizadas e não longas e Sinalizar a situação atual.

30 Acompanhamento do Plano de Ação Nome da Escola: Objetivo Estratégico: Líder do Objetivo: Estratégia: Meta: Indicador da Meta: Gerente do Plano de Ação: Início: Revisão: Término: Relatório nº: Data: Responsável pelo preenchimento: Item 01 CusteioCapitalTérminoInício Custo Realizado Resultado Alcançado Resultado Esperado Responsável Período de Realização AçõesNº

31 Item 02 Problemas / Solu ç ões propostas Item 03 Observa ç ões e/ou recomenda ç ões

32 DESPESAS DE CAPITAL As despesas de capital, ou custos de inversão, referem-se aos itens de grande durabilidade que se caracterizam como material permanente, passíveis de serem tombados para o patrimônio do município ou do estado, conforme a vinculação administrativa da escola.

33 DESPESAS DE CUSTEIO As despesas de custeio, ou custos de manutenção,referem-se à aquisição de bens de consumo ou à contratação de serviços necessários à melhoria do desempenho da escola

34 DESPESAS DE CUSTEIO As despesas de custeio, ou custos de manutenção,referem-se à aquisição de bens de consumo ou à contratação de serviços necessários à melhoria do desempenho da escola

35 EXEMPLOS DE DESPESAS DE CUSTEIO/CAPITAL E PARCELA COMPLEMENTAR

36 PARCELA COMPLEMENTAR O preenchimento da Autoavaliação é pré- condição para acessar a Parcela Complementar. Pressupõe-se o máximo de franqueza e honestidade nas respostas, visando contribuir com o desenho do programa. Conteúdo oferece a possibilidade de conhecer procedimentos essenciais da execução financeira, avaliar as formações, o atendimento do MEC, os resultados parciais etc.

37 EXEMPLOS DE DESPESAS DE CUSTEIO/CAPITAL E PARCELA COMPLEMENTAR

38 ALTERAÇÕES NO PLANO Se forem feitas alterações, É IMPRESCINDÍVEL que a escola: Reúna o Grupo de Sistematização e elabore a proposta de alteração; Submeta a proposta ao Conselho Escolar e ao Comitê Estratégico, devidamente justificada; Se aprovadas as mudanças, a(s) ata(s) de aprovação deve(m) ser anexada(s) ao dossiê do programa (prestação de contas) e no próprio SIMEC (demonstrar). Em todos os casos, só poderão ser adquiridos itens financiáveis, previstos no Manual do PAF e Resolução do PDDE.


Carregar ppt "MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO REMEC/SP PDE – ESCOLA São Paulo (SP),23 de setembro de 2010 Prof. Esp. Daiane Cristina Cavalcante."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google