A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Organização Pan-Americana da Saúde Organização Mundial da Saúde O AGENTE COMUNITARIO COMO PROMOTOR DE SAÚDE Dr. Fernando Rocabado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Organização Pan-Americana da Saúde Organização Mundial da Saúde O AGENTE COMUNITARIO COMO PROMOTOR DE SAÚDE Dr. Fernando Rocabado."— Transcrição da apresentação:

1

2 Organização Pan-Americana da Saúde Organização Mundial da Saúde O AGENTE COMUNITARIO COMO PROMOTOR DE SAÚDE Dr. Fernando Rocabado

3 IMPORTANCIA DE DEFINIR CORRETAMENTE A PROMOÇÃO DA SAÚDE EVITA CONFUSÃO E AUMENTA CREDIBILIDADE EVITA SUBVALORIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE. NECESIDADE DE ORÇAMENTO PRÓPRIO

4 SAÚDE É resultado de um processo de produção social, expressa qualidade de vida. Depende de: Bens Serviços (econômicos e sociais) Outras condições de vida

5 A SAÚDE A saúde não é simplesmente a ausência de enfermidade, é algo, positivo, uma atitude gozosa para a vida, é uma gostosa aceitação das responsabilidades que a vida lhe impôs (H. Sigerist, 1941). A SAÚDE É UM MEIO, NÃO UM FIM!

6 FATORES DETERMINANTES DA SAÚDE É o nome coletivo atribuído aos fatores e às condições que se acredita que influem na saúde. Um elemento crucial desta definição é a noção de que estes fatores determinantes não atuam isoladamente, mas sim as interações complexas entre estes fatores têm uma repercussão ainda mais profunda na saúde (1989) CIAR

7 DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE SÃO AS CONDIÇÕES QUE CONTRIBUEM À MANUTENÇÃO OU MELHORA DA SAÚDE DAS POPULAÇÕES E QUE NORMALMENTE O FAZEM ATRAVÉS DE INTERAÇÕES COMPLEXAS.

8 MODELO D0 CAMPO DA SAÚDE SISTEMAS INTERNOS COMPLEXOS BIOLOGIA HUMANA MATURIDADE E ENVELHECIMENTO HERANÇA GENÉTICA SAÚDE CURA-RESTAURA PREVENÇÃO PROMOÇÃO SISTEMA DE ORGANIZAÇÃO, DA ATENÇÃO DA SAÚDE MEIO AMBIENTE SOCIAL FÍSICO PSICOLÓGICO ESTILO DE VIDA (riscos auto criados) RISCOS OCUPACIONAIS E PARTICIPAÇÃO LABORAL PADRÕES DE CONSUMO RISCOS OCUPACIONAIS E PARTICIPAÇÃO LABORAL

9 PRÉ-REQUISITOS PARA A SAÚDE SEGUNDO A CARTA DE OTTAWA A PAZ A EDUCAÇÃO A MORADIA A ALIMENTAÇÃO A RENDA UM ECOSSISTEMA ESTÁVEL A JUSTIÇA SOCIAL A EQÜIDADE

10 DETERMINANTES COM MAIOR EVIDÊNCIA QUANTO A SUA INFLUENCIA NA SAÚDE INGRESSO E POSIÇÃO SOCIAL EMPREGO E CONDIÇÕES DE TRABALHO EDUCAÇÃO EQÜIDADE DE GENERO REDES DE APOIO SOCIAL ENTORNO AMBIENTAL E SOCIAL HABITOS PESSOAIS E APTIDÕES DO ADAPTAÇÃO ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA SÃO(A) SERVIÇOS DE SAÚDE EM QUANTIDADE E QUALIDADE CULTURA, ETNIA URBANIZAÇÃO

11 CARACTERISTICAS DOS DETERMINANTES A MAIOR PARTE ESTÃO FORA DO SETOR SAÚDE OPÇÃO DA AÇÃO FORA DE SERVIÇOS! CONSTRUÇÃO DE ALIANÇAS! NECESSIDADE DE PRIORIZAR DETERMINANTES CHAVE

12 As crianças com educação se casam mais tarde Efeitos nos lares Tem menos filhos a intervalos mais regulares Solicitam atenção médica antes, tanto para elas como para seus filhos Proporcionam melhor atenção e alimentação, tanto a seus filhos como a elas mesmas Aumenta as possibilidades de super vivencia infantil; transição sanitária Efeitos na sociedade Reduzem a fecundidade total; transição demográfica Melhoram a educação e a aprendizagem das crianças A vida das crianças com educação é diferente Fuente: Mehrotra y Jolly 2000

13 AFETANDO OS DETERMINANTES OBTÉM-SE MAIOR PROSPERIDADE E BEM- ESTAR PARA A POPULAÇÃO MENORES GASTOS EM SAÚDE CLIMA GERAL DE ESTABILIDADE PESSOAS MAIS SAUDÁVEIS

14 CONCLUSÕES INICIAIS SOBRE O TRABALHO COM DETERMINANTES Necessidade de clarificar o conceito Dificuldade de entender sua relação com a saúde: ganhos, pobreza, educação, alimentação, etc. Passar do enunciado teórico a ação Aplicação do enfoque de determinantes na Saúde Pública e a política Problema da operacionalização do enfoque Soluções sociais para problemas sociais Mais Investigação….

15 FORMAS DE AÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Promoção Prevenção Reabilitação

16 FORMAS DE AÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Promoção = determinantes Prevenção = fatores de risco Reabilitação = dano

17 PROMOÇÃO DA SAÚDE CONSISTE EM PROPORCIONAR ÀS PESSOAS OS MEIOS NECESSÁRIOS PARA MELHORAR SUA SAÚDE E EXERCER UM MAIOR CONTROLE SOBRE A MESMA. Carta de Ottawa (1986).

18 PROMOÇÃO DA SAÚDE SEGUNDO A CARTA DE BANGKOK SOBRE É O PROCESSO QUE PERMITE ÁS PESSOAS AUMENTAR O CONTROLE SOBRE SUA SAÚDE E SEUS DETERMINANTES, E DESSE MODO MELHORAR SUA SAÚDE….

19 QUE É A PROMOÇÃO DA SAÚDE? Estratégia populacional destinada a manter ou preservar a saúde (impede incidência) Enfoque positivo, ofensivo, proativo Atua sobre os determinantes da saúde. Não é específica. É integral (físico, social, biológico) Relação com desenvolvimento e bem estar

20 PROMOÇÃO DA SAÚDE: ÁREAS DE AÇÃO FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS E LEGISLAÇOES SAUDÁVEIS. CRIAÇÃO DE AMBIENTES FAVORÁVEIS. ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO COMUNITÁRIA. DESENVOLVIMENTO DE ESTILOS DE VIDA SAUDÁVEIS. REORIENTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE.

21 POLÍTICAS PÚBLICAS SAUDÁVEIS Políticas explícitas orientadas a melhorar ou manter a saúde da população.

22 O CONTEÚDO DA PROMOÇÃO DA SAUDE A PROMOÇÃO DA SAÚDE SE REFERE PRINCIPALMENTE AO DESENVOLVIMENTO DE PATRÕES DE VIDA SÃS. A SAÚDE SE PROMOVE DANDO UM NÍVEL DE VIDA DECENTE, BOAS CONDIÇÕES DE TRABALHO, EDUCACION, ATIVIDADE FISICA E MECANISMOS PARA O DESCANSO E A RECREACION. A ADQUISICION DO BEM-ESTAR FISICO, MENTAL E SOCIAL E A CAPACIDADE PARA FUNCIONAR, QUER DIZER, A SAÚDE POSITIVA, EXIGE AOS TRABALHADORES DA SAÚDE PUBLICA IR MAS ALLA DE SEU ATENÇAO DOS SERVIÇOS PREVENTIVOS E CURATIVOS.

23 A SAÚDE É CRIADA E VIVIDA POR AS PESSOAS NOS LUGARES ONDE DESENVOLVEM SUA VIDA DIÁRIA; ONDE APRENDEM, TRABALHAM, JOGAM E AMAM.

24 CRIAÇÃO DE ENTORNOS SAUDÁVEIS Fazendo participar aos responsáveis políticos, os governos locais e os agentes comunitários nos setores de saúde e o meio ambiente com o fim de que todo o entorno - físico, social, econômico, político e trabalhista - seja favorável e não prejudicial para a saúde, assim para assegurar um aproveitamento sustentável dos recursos naturais. CONFERENCIA DE SUNDSVALL, 1991

25 ENTORNOS SAUDÁVEIS MUNICÍPIOS SAUDÁVEIS ESCOLAS SAUDÁVEIS LUGARES DE TRABALHO SAUDÁVEIS HOSPITAIS SAUDÁVEIS NEGOCIADOS SAUDÁVEIS PARQUES SAUDÁVEIS

26 DEFINIÇÃO MUNICÍPIO SAUDÁVEL É UM MUNICÍPIO QUE CONTINUAMENTE ESTA CRIANDO E MELHORANDO O MEIO AMBIENTE FÍSICO E SOCIAL E EXPANDINDO OS RECURSOS DA COMUNIDADE QUE A CAPACITAM PARA O APOIO MÚTUO NA REALIZAÇÃO DE TODAS AS FUNÇÕES DA VIDA E NO DESENVOLVIMENTO DE SEUS POTENCIAIS MÁXIMOS.

27 MUNICÍPIOS SAUDÁVEAIS: OBJETIVOS FAZ PENSAR EM QUALIDADE DE VIDA RELACIONA AMBIENTE E SAÚDE ESTIMULA POLÍTICAS PÚBLICA SAUDÁVEIS LOCAIS PROJETOS QUE NASCEM NA COMUNIDADE PROJETOS MOBILIZADORES

28 MUNICÍPIOS SAUDÁVEIS: CARACTERÍSTICAS CONSTRUÇÃO DA VISÃO DE SAUDÁVEL. ATRATIVO DO TEMA SAÚDE. LIDERANÇA COMPARTILHADA EM SAÚDE. PARTE-SE DE NECESSIDADES SENTIDAS. REFLEXÃO SOBRE OPÇÕES MAS SAUDÁVEIS. PERMITE ACIONAR FORA DOS SERVIÇOS. PROJETOS QUE EMPODERAN.

29 ENFOQUES DE POLÍTICAS Enfoque de direitos Enfoque de equidade Enfoque de gênero Enfoque de ciclo de vida Decisões baseadas em evidências científicas Adequação as políticas do pais

30 Mortes atribuídas a diversos fatores de risco no mundo (2000) Agua, saneamiento e higiene insalubre Alcohol Inactividad f í sica Sobrepeso Baja ingesta de frutas y verduras Sexo no seguro Bajo peso Colesterol alto Tabaco Hipertensi ó n Países en desarrollo de alta mortalidad Países en desarrollo de mortalidad baja Países desarrollados Nmer odemuertes(000s)

31 HÁBITOS OU ESTILOS PESSOAIS DE VIDA Comportamentos que melhoram ou criam riscos para a saúde.

32 ESTILOS DE VIDA INDIVIDUAIS DE DIMENSÃO COLETIVA

33 ESTILOS DE VIDA INTERAÇÃO SOCIAL COMPORTAMENTO VIAL CONSUMO DE ÁLCOOL CONSUMO DE TABACO DIETA ATIVIDADE FISICA CULTURA DE PAZ VALORES VÍCIOS HIGIENE COMPORTAMENTO SEXUAL

34 OBESIDADE: INTERVENÇÕES DIAGNÓSTICO ANTROPOMÉTRICO TAMIZAJE - VIGILÂNCIA GRUPO DE RISCO NORMAS - PROCEDIMENTOS TRATAMENTO CLINICO COMPLICAÇÕES CONSELHOS EDUCAÇÃO (INTERPESSOAL) GRUPOS DE APOIO

35 INTERVENÇÕES DE P.S. PARA UMA DIETA ADEQUADA EDUCAÇÃO COMUNICAÇÃO SOCIAL LEGISLAÇÃO REGULAÇÃO ETIQUETADO POLÍTICAS ECONÔMICAS (PREÇOS) GUIA ALIMENTARES ENTORNO - ATIVIDADE FÍSICA

36 GUIAS DE ALIMENTAÇÃO INDICAÇÕES DE FORMAS PRÁTICAS DE ALCANÇAR AS METAS NUTRICIONAIS DE UMA POPULAÇÃO DETERMINADA. APOIAM-SE NA DIETA HABITUAL DA POPULAÇÃO, SUGIRINDO AS MODIFICAÇÕES NECESSÁRIAS.

37 DEZ ESTRATÉGIAS PARA UMA INICIATIVA ANTITABAQUICA DIREITOS PARA UMA VIDA LIVRE DE FUMAÇA LEIS PARA AMBIENTES LIVRES DE FUMAÇA PROIBIÇÃO À PUBLICIDADE DO TABACO INFORMAÇÃO SOBRE TABACO E SAÚDE AJUDA AOS FUMANTES PARA A CESSAÇÃO IMPOSTOS ÀS VENDAS PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE IMPOSTOS A FABRICAÇÃO E COMÉRCIO MPEDIMENTO A NOVOS PRODUTOS DO TABACO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO ALIANÇAS PARA A SAÚDE

38 ESTRATÉGIAS NA PRÁTICA Para reduzir a demanda as seguintes estratégias demonstraram ser custo-efetivas e de base populacional: Incremento nos impostos e preços Proibição à propaganda Ambientes 100% livres de fumaça de tabaco

39 VIGILÂNCIA CIDADÃ A vigilância cidadã é a capacidade e o direito das cidadãos, organizados ou não, para participar dos assuntos públicos que afetam a vida da comunidade, através da prestação de contas dos serviços que brinda o Estado: como o faz, quando e com quanto dinheiro.

40 OBJETIVOS ALCANÇADOS COMPREENSÃO DO CONCEITO DE SAÚDE. RELAÇÃO DA SAÚDE COM O DESENVOLVIMENTO. REPENSAR O MUNICÍPIO COMO INSTÂNCIA DE GOVERNO LOCAL. PERCEBER O PESO DO MEIO AMBIENTE NA CONSTRUÇÃO DA SAÚDE. IMPORTÂNCIA POLÍTICA DA SAÚDE FUNCIONAMENTO DE REDES COMO METODOLOGIA DE INTERCÂMBIO E EDUCAÇÃO PRIORIZAÇÃO DE PROBLEMAS LOCAIS POSSIBILIDADE DE CONTROL DAS ECNT RELEVÂNCIA DE ADOLESCENTES E ADULTO MAJOR

41 AGENTE COMUNITARIO DE SAUDE (ACS) O ACS mora na comunidade e é um personagem-chave do Programa dos Agentes Comunitarios de Saúde da Familia (PACS), vinculado à Unidade de Saúde da Familia (USF). Ele funciona como elo entre a equipe e a comunidade, devendo ser alguém que se destaca pela capacidade de se comunicar com as pessoas e pela liderança natural que excerce….. (O SUS de A a Z, 2005)

42 AGENTE COMUNITARIO DE SAUDE (ACS) Caracteriza-se tambén, por ser um elo cultural do SUS com a população, fortalecendo o trabalho educativo e seu contato permanente com as familias, facilitando o trabalho de vigilância e promoção da saúde. Sua insercão na comunidade permite que traduza para as USFs a dinâmica social da população assistida, suas necessidades, potencialidades e limites, bien como identifique parceiros e recursos existentes que possam se potencializados pelas equipes….. (O SUS de A a Z, 2005)

43 Pra gente falar em saúde, tem que pensar: Na moradia; Na moradia; Nas condiçoes de trabalho; Nas condiçoes de trabalho; Na educaçao; Na educaçao; No modo a gente se diverte; No modo a gente se diverte; Na alimentaçao; Na alimentaçao; Na organizaçao dos serviços de saúde; Na organizaçao dos serviços de saúde; Na preservaçao dos recursos naturais, do medio ambiente (mares, rios, lagos, matas, florestas….); Na preservaçao dos recursos naturais, do medio ambiente (mares, rios, lagos, matas, florestas….); Na participaçao popular; Na participaçao popular; No jeito que a gente trata as pessoas e é tratado po elas; No jeito que a gente trata as pessoas e é tratado po elas; Na valoricaçao das culturas locais; Na valoricaçao das culturas locais; No dever do governo em melhorar as condiçoes de vida do povo. No dever do governo em melhorar as condiçoes de vida do povo. (Fuente: O trabalho do Agente Comunitario de Saúde)

44 ATENÇAO PRIMARIA DE SAÚDE Atençao primaria significa cuidados essenciais de saúde, baseados em técnicas apropriadas, cientificamente comprovadas e socialmente aceitas. Deve fazer parte do sistema de saúde. Debe estar ao alcance de todas as pessoas da comunidades e deve contar com a participação da população. Precisa ter um custo que a comunidade e o país possam suportar (Fuente: O trabalho do Agente Comunitario de Saúde)

45 COMPROMISSOS DA CARTA DE OTTAWA COM A PROMOÇAO DA SAÚDE Lutar contra as desigualdades em saúde, produzidas pelas regras e práticas das sociedades; Lutar contra as desigualdades em saúde, produzidas pelas regras e práticas das sociedades; Agir contra a produção de produtos prejudiciais à saúde, contra a depredação dos recursos naturais, contra as condições ambientais e de vida não saudáveis e a má nutricão. Agir contra a produção de produtos prejudiciais à saúde, contra a depredação dos recursos naturais, contra as condições ambientais e de vida não saudáveis e a má nutricão. Ficar atento aos novos temas de saúde pública: poluicão, trabalho perigoso, questões de habitação e dos assentamentos rurais. Ficar atento aos novos temas de saúde pública: poluicão, trabalho perigoso, questões de habitação e dos assentamentos rurais. Reconhecer as pessoas como o principal recurso para a saúde, apoiá-las e capacitá-las. Reconhecer as pessoas como o principal recurso para a saúde, apoiá-las e capacitá-las. Aceitar a comunidade como porta-voz essencial na saúde, condições de vida e bem-estar. Aceitar a comunidade como porta-voz essencial na saúde, condições de vida e bem-estar. (Fuente: O trabalho do Agente Comunitario de Saúde)

46 ACS: ATRIBUIÇÕES Relacionados aos programas desenvolvidos pelas Unidades de Saúde. Têm caráter biomédico e individual São menciodas ações coletivas e educativas A ênfase do Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB) ´´e sobre produtividade baseada em ações individuais e avaliação de indicadores de saúde.

47 ACS: ROL MEDIDOR Entre o serviço e a comunidade Entre diferentes saberes Facilitação do acesso aos direitos da cidadania Pode ser facilitado por um maior compartilhamento de conhecimento e maior permeabilidade dos serviços com relação às necessidades e demandas da população.

48 OUTROS PROMOTORES COMUNITARIOS? Líderes Professores Polícias Padres de família Aposentados Jovens Etc...

49 INTERSETORIALIDADE relaçao propositiva entre os setores responsáveis pelas ações que se referem à qualidade de vida do homen, como saúde, educação, habitação, trabalho, cultura, entre outras. A intersetorialidade acontece, quando esses setores trabalham en conjunto, construindo parcerias, unindo esforços e somando recursos financeiros e humanos para alcançar um objetivo comum. (Fuente: O trabalho do Agente Comunitario de Saúde)

50 INTERSETORIALIDADE: exemplos Toda criança na escola, parcería em 1998 entre o Ministerios de Saúde e Educaçao. Identificação de crianças entre 7 a 14 anos que se encontravam fora da escola e encaminhá- las oara a matrícula. Toda criança na escola, parcería em 1998 entre o Ministerios de Saúde e Educaçao. Identificação de crianças entre 7 a 14 anos que se encontravam fora da escola e encaminhá- las oara a matrícula. Natal com Paz – sem morte, sem fome, parcería entre o MS e a Secretaria de Direitos Humanos do Ministerio da Justiça e Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde Natal com Paz – sem morte, sem fome, parcería entre o MS e a Secretaria de Direitos Humanos do Ministerio da Justiça e Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde

51 INTERSETORIALIDADE E INTEGRALIDADE QUEM LA FAZ? O gobierno local, principalmente o Municipio, tem la capacidade e posibilidade de integrar todos estos esforços e atores sob un só objetivo e um só plan

52 OBRIGADO!!!

53 INGRESSOS E POSIÇÃO SOCIAL A situação da saúde melhora a medida que os ingressos a a hierarquia são mais altos Ingressos altos permitem melhores condições de vida: moradia, alimentos suficientes As populações mais sãs encontram nas sociedades mais prósperas e com distribuição eqüitativa da riqueza

54 EMPREGO E CONDIÇÕES DE TRABAJO O desemprego, o sub-desemprego e o trabalho estressante associam-se com um estado de saúde deficiente As pessoas que tem mais controle de seus circunstancias laborais e menos exigências (stress) são mais sãs e vivem mais tempo

55 EDUCAÇÃO A situação da saúde melhora com a educação A educação aumenta as oportunidades de ingressos e segurança no trabalho Proporciona um sentido de controle com respeito as circunstâncias da vida

56 EQUIDADE DE GÊNERO Diferenças de gênero influem na saúde Normas ou valores relacionados com o gênero tendem a subordinar as mulheres e influem nas práticas do sistema da saúde As mulheres são mais vulneráveis a violência sexual ou física, a ingressos mais baixos, ou a ser mães solteiras

57 ENTORNO FÍSICO A saúde depende do entorno físico: lugar de trabalho, moradia, água, ar A segurança no desenho dos lares, escolas, trabalhos, estradas De sistemas eficazes de eliminação de desechos

58 ENTORNOS SOCIAS As normas E valores de uma sociedade influem na saúde de indivíduos e populações A estabilidade social, as boas relações no trabalho, a coesão da comunidade, diminuem riscos potenciais O baixo suporte emocional e a baixa participação social tem um impacto negativo sobre a saúde

59 ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO A integridade do corpo humano está determinada em alto grau pela quantidade e qualidade dos alimentos consumidos, que continuamente o nutrem e reconstroem Persiste a pobreza alimentara produzindo carências nutricionais nas populações e os indivíduos O incremento de enfermidades crônicas em parte é atribuível à alimentação Uma boa nutrição é pré-requisito para uma boa saúde

60 DESENVOLVIMENTO SÃ DA CRIANÇA As experiências da etapa pré-natal e da infância têm influência na saúde, as habilidades de adaptação e as competências do indivíduo Os meninos nascidos de famílias de baixos ganhos tem maiores possibilidades de sob peso que os de altos ganhos Sua alimentação é menos nutritiva e têm mais dificuldades na escola

61 SERVIÇOS DE SAÚDE Os serviços de saúde contribuem para melhorar a saúde da população Tem importância crucial os serviços de promoção, os preventivos e os de atenção primaria

62 HÁBITOS PESSOAIS E APTIDÕES DE ADAPTAÇÃO Hábitos que influem na saúde: tabaco, álcool, outras drogas, alimentação sã, atividade física Produzem morte prematura Álcool e tabaco na gravidez produzem baixo peso ao nascer As aptidões de adaptação permitem às pessoas ser auto-suficientes, tomar decisões e resolver seus problemas de maneira positiva Influência do condicionamento social, os valores e os comportamentos normativos da coletividade

63 REDES DE APOIO SOCIAL O apoio das famílias, os amigos e a comunidade se associa com melhor saúde Melhores respostas ao stress e melhor adaptação Confiança e proteção ante a adversidade

64 CULTURA A persistência de entornos socioeconômicos desfavoráveis por razões culturais repercutem na saúde Valores culturais dominantes permitem a perpetuação das diferenças, a exclusão, a estigmatizarão, a perda do idioma e a cultura originárias Existe falta de acesso a serviços e à atenção culturalmente apropriada

65 O QUE ESTAMOS FAZENDO NA OPAS BRASIL? Brasil é um dos primeiros países a ter uma influência direita de Comissão Mundial Conforma uma Comissão Nacional que recebi nosso apoio Terminologia nova que se começa a usar Mas existe tradição em trabalho com determinantes principais. Alma Ata foi a sinal e ponto de partida para o trabalho intersetorial. A historia de OPAS é longa em esforços de este tipo.

66 LINHAS DE AÇÃO NAS POLÍTICAS Políticas de eqüidade apoiadas em maior conhecimento da realidade nacional e regional Produção, análises e difusão de dados nacionais desagregados (unidades geográficas e populacionais) Políticas publicas intersetoriais Participação das sociedade em assuntos de saúde e desenvolvimento Inclusão de grupos adiados Políticas descentralizadas do RRHH Apoio a processos de integração regional Apoio ao trabalho interagencial

67 CULTURA, ETNIA E VALORES Saúde da população negra Saúde da população indígena

68 AMBIENTE E SAÚDE: Avaliação e gerenciamento de risco –Avaliação de impacto –Desastres naturais –Desastres tecnológicos –Gerenciamento de riscos –Qualidade do Ar –Qualidade do Solo –Recursos Hídricos/Qualidade da Água –Saúde do Trabalhador –Segurança Química –Vigilância em Saúde Ambiental –Avaliação de impacto –Desastres naturais –Desastres tecnológicos –Gerenciamento de riscos –Qualidade do Ar –Qualidade do Solo –Recursos Hídricos/Qualidade da Água –Saúde do Trabalhador –Segurança Química –Vigilância em Saúde Ambiental

69 Saneamento Ambiental –Abastecimento de água –Esgotamento Sanitário –Manejo de águas pluviais –Manejo de resíduos sólidos –Controle de vetores Desenvolvimento sustentável –APA –Epidemiologia Ambiental –Espaços saudáveis – habitação, empresa, municípios –Abastecimento de água –Esgotamento Sanitário –Manejo de águas pluviais –Manejo de resíduos sólidos –Controle de vetores Desenvolvimento sustentável –APA –Epidemiologia Ambiental –Espaços saudáveis – habitação, empresa, municípios

70 PROMOÇÃO DA SAÚDE SEGUNDO A CARTA DE BANGKOK SOBRE É O PROCESSO QUE PERMITE ÁS PESSOAS AUMENTAR O CONTROLE SOBRE SUA SAÚDE E SEUS DETERMINANTES, E DESSE MODO MELHORAR SUA SAÚDE….


Carregar ppt "Organização Pan-Americana da Saúde Organização Mundial da Saúde O AGENTE COMUNITARIO COMO PROMOTOR DE SAÚDE Dr. Fernando Rocabado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google