A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ESTRESSE NO TRABALHO Prof. Dra. M. Elenice Quelho Areias.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ESTRESSE NO TRABALHO Prof. Dra. M. Elenice Quelho Areias."— Transcrição da apresentação:

1 ESTRESSE NO TRABALHO Prof. Dra. M. Elenice Quelho Areias

2 Trabalho e o mito de Sísifo Sísifo foi condenado a empurrar, por toda a eternidade, uma rocha até o cume da montanha. Sísifo foi condenado a empurrar, por toda a eternidade, uma rocha até o cume da montanha. A descida da rocha é o momento da parada que ele pode refletir sobre seu destino, ter consciência da sua condição de executar um trabalho inútil, sem sentido e da falta de esperança de poder intervir nesta realidade. A descida da rocha é o momento da parada que ele pode refletir sobre seu destino, ter consciência da sua condição de executar um trabalho inútil, sem sentido e da falta de esperança de poder intervir nesta realidade. CAMUS (2004) o operário moderno trabalha todos os dias de sua vida com a mesma empreitada e o mesmo destino trágico de Sísifo.

3 Trabalho - Conferência de WHO (2005) Importância do trabalho e do local de trabalho na saúde. Importância do trabalho e do local de trabalho na saúde. Efeito + fonte de satisfação pessoal, de segurança financeira, desenvolvimento de relacionamentos interpessoais pré-requisitos de uma boa saúde mental Efeito + fonte de satisfação pessoal, de segurança financeira, desenvolvimento de relacionamentos interpessoais pré-requisitos de uma boa saúde mental Efeito - fonte de sofrimento, Efeito - fonte de sofrimento, exploração, estresse, desgaste físico e emocional, doença e até mesmo morte. A falta de trabalho pode causar efeitos negativos na saúde os desempregados têm 2 X mais sintomas depressivos e 2 X mais diagnósticos clínicos de depressão. O trabalho se constitui em uma condição sine qua non para a saúde mental e é objeto de estudo devido a sua rápida e complexa evolução (CAETANO, 2004).

4 Diferentes tipos de trabalho

5 Estresse no Trabalho (Forum da California, 2004) A maneira como se trabalha ou como o ambiente de trabalho está organizado pode contribuir para o aparecimento de Estresse no Trabalho. A maneira como se trabalha ou como o ambiente de trabalho está organizado pode contribuir para o aparecimento de Estresse no Trabalho. Trabalho em ambiente com altas demandas pode acarretar sérios impactos negativos em curto e em longo prazo na saúde do trabalhador, sem levar em consideração a: Personalidade do Indivíduo, Características Genéticas ou Circunstâncias de Vida.

6 Carência de mão-de-obra; Carga de trabalho; Insegurança no trabalho; Alternância de turnos; Ausência de apoio dos superiores; Altas demandas psicológicas Número excessivo de horas trabalhadas. O ET aparece quando as exigências do ambiente laboral ultrapassam a capacidade do trabalhador de ter controle.

7 Estresse no Trabalho Pessoas que trabalham por um prazo prolongado em condições adversas tendem apresentar maior ansiedade, depressão, burnout, DORT/LER, hipertensão e ataques cardíacos. Pessoas que trabalham por um prazo prolongado em condições adversas tendem apresentar maior ansiedade, depressão, burnout, DORT/LER, hipertensão e ataques cardíacos. Pode levar a incapacitação, absenteísmo e processos trabalhistas Pode levar a incapacitação, absenteísmo e processos trabalhistas Acarreta perda de produtividade e aumento dos custos relacionados aos cuidados à saúde. Acarreta perda de produtividade e aumento dos custos relacionados aos cuidados à saúde.

8 (WHO, 2005). Estresse no Trabalho (WHO, 2005). ET causa o mais amplo efeito negativo na saúde mental do trabalhador ET causa o mais amplo efeito negativo na saúde mental do trabalhador A situação do trabalho não provoca o mesmo risco para todas as pessoas. Ela afeta os trabalhadores diferentemente e de diversas formas. A situação do trabalho não provoca o mesmo risco para todas as pessoas. Ela afeta os trabalhadores diferentemente e de diversas formas. Algumas profissões e algumas situações laborais são consideradas com maior risco para o adoecimento físico e/ou mental dos trabalhadores Algumas profissões e algumas situações laborais são consideradas com maior risco para o adoecimento físico e/ou mental dos trabalhadores

9 Forum da Agência Européia de Saúde e Segurança no Trabalho, 2002 Forum da Agência Européia de Saúde e Segurança no Trabalho, 2002 O Estresse no Trabalho afeta 28% dos trabalhadores – mais do que 40 milhões de pessoas da União Européia. O Estresse no Trabalho afeta 28% dos trabalhadores – mais do que 40 milhões de pessoas da União Européia. O nº de pessoas sofrendo de estresse no trabalho mais do que dobrou desde O nº de pessoas sofrendo de estresse no trabalho mais do que dobrou desde Nos 15 países membros da União Européia estima-se que o custo do estresse e de problemas de saúde mental relacionados ao trabalho esteja na média de 3% a 4% do PIB, o que representa cerca de 265 bilhões de euros anualmente (LEVI, 2002). Nos 15 países membros da União Européia estima-se que o custo do estresse e de problemas de saúde mental relacionados ao trabalho esteja na média de 3% a 4% do PIB, o que representa cerca de 265 bilhões de euros anualmente (LEVI, 2002).

10 Trabalho saudável ( European Foundation for the Improvement of Living and Working Conditions, 2002) A União Européia adotou uma lista de critérios essenciais: 1- assegurar carreira e segurança do emprego ; 1- assegurar carreira e segurança do emprego ; 2- promover a saúde e o bem-estar dos trabalhadores; 2- promover a saúde e o bem-estar dos trabalhadores; 3- desenvolver habilidades e competências; 3- desenvolver habilidades e competências; 4- conciliar trabalho com o não trabalho 4- conciliar trabalho com o não trabalho

11 Pesquisas desenvolvidas (AREIAS et al) 1. Riscos de Adoecimento - Escala de Reajustamento Social 2. Eficácia da Intervenção Grupal 3. Saúde Mental, estresse e trabalho - tese de doutorado 4. Renda do trabalhador: fator de estresse ou fator de apoio? 5. Gênero e estresse em trabalhadores 6. Dor Lombar e indicadores de SM e Fatores Psicossociais 7. Hipertensão Arterial e Fatores Psicossociais 8. Estresse Ocupacional dos servidores de um Centro de Saúde 9. Burnout e QVT dos professores da rede de ensino público

12 Escala de Reajustamento Social – Objetivo: verificar o risco de adoecimento físico e/ou mental de 718 trabalhadores de 4 áreas da universidade: HC (n=209), CAISM (n=286), Reitoria (n=182) e FEAGRI (n=41) Estatística Geral PontuaçãoFreqüência% Até % % ,4% Acima de ,6%

13 Pesquisa internacional (OMS 1988) Concluiu que: Aspectos psicossociais do estresse e os fatores de apoio (que podem anular os efeitos) não eram estudados Faltava um instrumento para monitorar o estresse do trabalhador FMSM patrocina uma pesquisa transcultural coordenada por Ostermann & Gutièrrez

14

15 SM, estresse e trabalho Objetivo: Verificar a relação existente entre estresse e apoio nas dimensões: pessoal, trabalho e social. Verificar a relação existente entre estresse e apoio nas dimensões: pessoal, trabalho e social. MÉTODO: MÉTODO: Estudo de corte transversal. Amostra: 400 trabalhadores (253 mulheres e 147 homens; 5% dos homens e 5% das mulheres Estudo de corte transversal. Amostra: 400 trabalhadores (253 mulheres e 147 homens; 5% dos homens e 5% das mulheres INTRUMENTO: INTRUMENTO: 1. Questionário SWS - SURVEY de Estresse e Saúde Mental 1. Questionário SWS - SURVEY de Estresse e Saúde Mental

16 Coeficiente de Correlação de Pearson Coeficiente de Correlação de Pearson O Apoio Social é o fator que apresentou maior impacto na Saúde Mental dos trabalhadores pesquisados. O Apoio Social é o fator que apresentou maior impacto na Saúde Mental dos trabalhadores pesquisados. Estresse Social As categorias de trabalho A, B e C tiveram como um dos maiores estressores. Estresse Social As categorias de trabalho A, B e C tiveram como um dos maiores estressores. Para a categoria D é o fator Apoio Pessoal que mais tem influência positiva na Saúde Mental dos gerentes Para a categoria D é o fator Apoio Pessoal que mais tem influência positiva na Saúde Mental dos gerentes

17 Mulher e Trabalho - DEDECCA (2004) Dupla jornada A brasileira realiza, em média, 62 horas de trabalho semanais – de 36 a 40 delas no seu ramo de atividade e outras mais de duas dezenas no domicílio. Realizam grande quantidade de trabalho não pago, que se distribui entre o trabalho doméstico e o cuidado de parentes.

18 As atividades monótonas e repetitivas são majoritariamente desempenhadas por mulheres.

19 Resultado da pesquisa sobre Gênero – AREIAS & GUIMARÃES, 2004 Todas as médias para Fatores Psicossociais de Risco e para os Fatores de Estresse (Estresse no Trabalho, Estresse Social e Estresse Pessoal) são maiores para o Gênero Feminino Todas as médias para Fatores Psicossociais de Risco e para os Fatores de Estresse (Estresse no Trabalho, Estresse Social e Estresse Pessoal) são maiores para o Gênero Feminino As médias dos resultados para Saúde Mental e para os Fatores de Apoio (Apoio no Trabalho, Apoio Social e Apoio Pessoal) são maiores para o Gênero Masculino As médias dos resultados para Saúde Mental e para os Fatores de Apoio (Apoio no Trabalho, Apoio Social e Apoio Pessoal) são maiores para o Gênero Masculino

20 Resultado da pesquisa sobre Gênero – AREIAS & GUIMARÃES, 2004 As com maiores renda familiar apresentam melhor Saúde Mental do que as de renda familiar mais baixa As com maiores renda familiar apresentam melhor Saúde Mental do que as de renda familiar mais baixa As mulheres em atividades mais complexas apresentam melhor Saúde Mental As mulheres em atividades mais complexas apresentam melhor Saúde Mental

21 Hipertensão arterial, Saúde Mental e Fatores Psicossociais AREIAS, FERREIRA, HENGLER e RON Objetivos: verificar associação existente entre 1. pressão arterial e os Fatores Psicossociais de Risco e, 2. pressão arterial e Saúde Mental em trabalhadores de uma universidade Os resultados indicam que os hipertensos tem maiores Fatores Psicossociais de Risco e menor Saúde Mental do que os normotensos.

22 Psicologia da Saúde e Dor Lombar – Objetivos 1.caracterizar os trabalhadores de uma universidade, com dor lombar crônica, atendidos em um Centro de Saúde, segundo os indicadores de Saúde Mental e Fatores Psicossociais de Risco e, 2. comparar os resultados com os dados da população geral desta mesma instituição. Os resultados indicam que a saúde mental dos pacientes com dor lombar é significativamente menor do que a população geral e portanto, apresentam menor sentimento de bem estar, menor capacidade de enfrentar a realidade de forma construtiva e estão mais sujeitos ao risco de adoecimento físico e/ou emocional.

23 QVP de professores do EM e EF Amostra de 380 professores é predominantemente: Feminina - (69,5% de mulheres e 30,5% de homens) Faixa etária entre 26 a 45 anos que corresponde a 76% (prioritariamente entre 35 – 45 anos para 40%) Casada ou amasiada 61% (os solteiros são 31%) Trabalham de 31 a 40 horas semanais que corresponde a 45% da amostra pesquisada **25% trabalham mais de 40 horas semanais: 14,5 entre 41 e 50 horas e 10% trabalham mais de 50 horas por semana. Lecionam no Ensino Médio e Fundamental (54%). Tem formação na área de Exatas (92%). Ensinam apenas matemática ( 73%). Não fazem tratamento psicológico (97%) e psiquiátrico (96%)

24 Questionário de Qualidade de Vida Profissional (QVP-35) Apoio Organizacional (AO): 64% (240 professores) Pouco AO 30% Moderado 6% Não recebem Apoio Organizacional Motivação Intrínsica (MI) 74% Moderada 18% Alta Motivação 8% Pouca Motivação

25 (QVP-35) Carga de Trabalho é sentida: 58% Pouca 40% Moderada 1,6% Nenhuma carga de trabalho. Qualidade de Vida no Trabalho 45% Moderada 31% Pouca 13% Alta 10% Nenhuma

26 Casos

27 Casos As conseqüências do social na saúde mental dos professores. As conseqüências do social na saúde mental dos professores. A sociedade de consumo com o afrouxamento do senso moral e da ética adoeceu. A sociedade de consumo com o afrouxamento do senso moral e da ética adoeceu.FIM

28 Caso 4- Professor, o senhor trabalha ou só dá aulas? Sinto arrasado quando saio das aulas da 7ª e 8ª séries. Ao sair da escola me sinto menor do que uma lagartixa. O dia a dia é estafante, pois a indisciplina dos alunos e a falta de perspectiva que a situação melhore tem me deixado doente. Entrei num processo de deteriorização da auto-estima e me questiono se vale a pena ser tratado desta maneira. Questão: Não é mais sensato fazer um trabalho de prevenção ao esgotamento profissional do professor antes dele ser afastado por burnout ou depressão?

29 Caso 9 Uma aluna de dez anos vinha com dez reais todos os dias, o que é uma situação incomum nesta escola de bairro afastado da cidade. Tivemos reclamação dos pais de alguns alunos que essa menina rica cobrava pedágio: um real ou o lanche dos seus colegas de classe. Caso não pagassem o exigido voltavam para casa agredidos fisicamente. Os pais dessa garota foram chamados, mas não puderam comparecer porque ambos tinham sido condenados por trafico de drogas e estavam detidos em penitenciária.

30 O responsável que veio no lugar dos pais era um padrinho que ao saber da conduta da afiliada responde que os pais ficariam orgulhos do comportamento da filha e que era exatamente isso que eles esperavam dela. Então, quando novamente questionado se ele achava que era esse um caminho correto, a forma certa de educar a sobrinha. Ele responde: isto é errado para você, para mim é o jeito certo e se eu souber que ela foi prejudicada na escola vão acordar com formiga na boca. Questão: Se não houver um trabalho junto a famílias de alunos nós não correremos o risco de estar criando cada vez mais uma sociedade sem escrúpulos?

31 Caso 14 Alguns professores têm ficado preocupados com as expectativas dos seus alunos quanto a entrar no mundo do crime. Esta história a seguir é relato comum de alguns professores: Tem aluno que me pergunta quanto eu ganho e eu digo. Acha pouco meu salário. Fala que vai entrar no crime porque o dinheiro vem fácil. Eu pergunto se ele sabe dos riscos de morrer pela polícia ou por outro bandido. Ele responde que conhece vários que morreram jovens, mas para ele é preferível viver pouco e viver bem, com dinheiro. Questão: O que fazer numa sociedade em que as pessoas são valorizadas mais pelo que aparentam do que pelos valores que norteiam seu comportamento? Como resgatar que a ética é mais importante do que a estética ou consumo?

32 Estratégias de prevenção e controle do estresse Toda organização deve dispor de políticas e procedimentos de saúde e segurança visando o bem estar físico, mental e social dos trabalhadores. Toda organização deve dispor de políticas e procedimentos de saúde e segurança visando o bem estar físico, mental e social dos trabalhadores. Deve-se dispor de uma política de saúde mental com procedimentos para a administração do estresse. Deve-se dispor de uma política de saúde mental com procedimentos para a administração do estresse. A prevenção do estresse pode basear-se em distintas alternativas (primária, secundária e terciária) e estar centrada em distintas fases do processo de estresse (COOPER & CARTWRIGHT, 1998) A prevenção do estresse pode basear-se em distintas alternativas (primária, secundária e terciária) e estar centrada em distintas fases do processo de estresse (COOPER & CARTWRIGHT, 1998)

33 Prevenção Primária São ações dirigidas para reduzir ou eliminar os estressores e promover um ambiente de trabalho saudável e cooperativo. São ações dirigidas para reduzir ou eliminar os estressores e promover um ambiente de trabalho saudável e cooperativo. A forma mais efetiva de combater o estresse é eliminando a sua causa. Para tanto pode ser necessário mudar a política de pessoal, melhorar o sistema de comunicação, redesenhar postos de trabalho, permitir maior participação nas tomadas de decisão ou conceder maior autonomia nos níveis mais baixos A forma mais efetiva de combater o estresse é eliminando a sua causa. Para tanto pode ser necessário mudar a política de pessoal, melhorar o sistema de comunicação, redesenhar postos de trabalho, permitir maior participação nas tomadas de decisão ou conceder maior autonomia nos níveis mais baixos

34 As medidas para administrar o estresse variam em cada organização... Todas as intervenções devem basear-se em um diagnóstico prévio de estresse através de questionários, objetivando levantar: fontes de estresse no trabalho fontes de estresse no trabalho as pessoas mais vulneráveis as pessoas mais vulneráveis a satisfação com o trabalho a satisfação com o trabalho a capacidade de enfrentamento a capacidade de enfrentamento a saúde física e mental a saúde física e mental e comparar com outros grupos dentro ou fora da organização e comparar com outros grupos dentro ou fora da organização

35 Questionários de estresse podem identificar as fontes de estresse no trabalho as fontes de estresse no trabalho as pessoas mais vulneráveis as pessoas mais vulneráveis a satisfação com o trabalho a satisfação com o trabalho a capacidade de enfrentamento a capacidade de enfrentamento a saúde física e mental a saúde física e mental comparar com outros grupos dentro ou fora da organização comparar com outros grupos dentro ou fora da organização

36 .FIM


Carregar ppt "ESTRESSE NO TRABALHO Prof. Dra. M. Elenice Quelho Areias."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google