A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AVALIAÇÃO DA DEMANDA DO GÁS NA REGIÃO DE ARAÇATUBA TESORO ELENA DEL CARPIO HUAYLLAS Agosto 2006 PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS PIR (PEA-5730)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AVALIAÇÃO DA DEMANDA DO GÁS NA REGIÃO DE ARAÇATUBA TESORO ELENA DEL CARPIO HUAYLLAS Agosto 2006 PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS PIR (PEA-5730)"— Transcrição da apresentação:

1 AVALIAÇÃO DA DEMANDA DO GÁS NA REGIÃO DE ARAÇATUBA TESORO ELENA DEL CARPIO HUAYLLAS Agosto 2006 PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS PIR (PEA-5730)

2 OBJETIVOS Caracterizar e Avaliar o atual cenário de abastecimento de gás na Região de Araçatuba. Avaliar o nível de crescimento da expansão do sistema. Levantar os custos de Vendas nos Municípios, custo médio, incluindo setores das atividades: econômica, industrial, comercio, agricultura, residências. Elaborar um mapa do sistema de distribuição do gás na Região.

3 METODOLOGIA Foram considerados aspectos: técnico-econômico, social, político e ambiental do gás natural como determina a filosofia do PIR na sua avaliação. Foram pesquisadas fontes como: - teses, artigos, licitações das concessionárias. - noticias do sector de gás natural (jornais regionais). - internet.

4 Densidade Relativa ao Ar Atmosférico Inferior à 1. Isto significa que o gás natural é mais leve que o ar. Economicamente competitivo. É mais econômico do que outros combustíveis Tecnologicamente avançado. Estimula o desenvolvimento, a produtividade e a modernização dos setores industrial, comercial, automotivo e residencial. O ano 2003 foi iniciada a atividade no ramal de Araçatuba do Gasbol trazendo gás natural do City-Gate de Bilac. O limite técnico do City-Gate é estimado em 4 milhões de m 3 /mês. Dimensão Técnico-Econômica INTRODUÇÃO: O GÁS NATURAL

5 O GN (com o seu principal componente, Metano) está entre os energéticos que tem menor potencial para poluir o meio ambiente quando comparado com os outros combustíveis fósseis. Não há necessidade de construção de gasodutos de distribuição, pois é possível distribuir através dos chamados gasodutos virtuais reduzindo a escala dos impactos causados pelos gasodutos convencionais. A população apóia o uso desse combustível devido à comodidade do gás encanado. Gera fontes de trabalho diretos e indiretos para a região. Estabelece-se um vínculo político-energético, neste caso entre o Brasil e a Bolívia. Dimensão Ambiental Dimensão Social Dimensão Política O GÁS NATURAL CH 4

6 RESERVAS PROVADAS Trilhões de m 3 Am. Sul e Central Am. NorteÁfrica Europa e Ásia Oriente Médio Ásia Pacifico 7,02 14,39 7,46 14,84 64,01 72,13 RESERVAS MUNDIAIS DE GÁS NATURAL Fonte: BP Statistical Review of World Energy. British Petroleum, 2005.

7 México Gás Natural Middle East USA Canadá Europa & Eurásia S. & Cnt. América África Ásia Pacifico. LNG Fonte: BP Statistical Review of World Energy. British Petroleum, FLUXOS DE GÁS NATURAL E GNL (BILHÕES DE m 3 ) Produção Mundial – bilhões m 3 Exportação via gasoduto – 512 bilhões m 3 Exportação de GNL – 178 bilhões m 3

8 RESERVAS DE GÁS NATURAL EM AMÉRICA DO SUL Fonte: BP Statistical Review of World Energy. British Petroleum, A maior reserva de gás natural na América do Sul está na Venezuela. Brasil, atualmente, importa o combustível somente da Bolívia.

9 1 Importação de GNL. 2 GASENE. 3 Escoamento da produção domestica para SE-S. 4 Importação de gás a partir da Argentina. 5 Exportação de gás Argentino para o Uruguai. 6 Produção de campos ao Sul da Argentina. 7 Exportação da Argentina para o Chile. 8 Expansão da produção do Noroeste da Argentina. 9 Exportação de gás da Bolívia para o Chile. 10 Exportação de gás da Bolívia para Argentina. 11 Ampliação GASBOL. 12 Exportação de GNL do Peru. 13 Exportação de gás Venezuelano para Colômbia. 14 GASVEN. 15 Exportação de GNL via Trinidad & Tobago e/ou Venezuela. 16 Aproveitamento das usinas de gás na Amazônia. FLUXO DE GÁS NATURAL NA AMÉRICA DO SUL Perspectivas Atual Fonte: EPE, 2006

10 PREÇOS DE GÁS NATURAL Evolução dos preços do gás natural nos diferentes mercados no mundo Fonte: BP Statistical Review of World Energy. British Petroleum, 2005.

11 Segundo o Instituto Francês de Petróleo (IFP) os cenários prospectivos mostram um aumento na participação do gás natural para a geração elétrica no mundo. Fonte: IFP, 2006 USO DO GÁS NATURAL NO MUNDO PARTICIPAÇÃO POR SEGMENTO

12 Onshore Offshore RESERVAS TOTAIS bilhões m 3 ) RESERVAS DE GÁS NATURAL NO BRASIL Fonte: ANP, 2006

13 VENDAS DE GÁS POR SEGMENTO DE MERCADO Atualmente, o principal uso do gás natural no Brasil setor industrial. Com a entrada em operação das usinas termelétricas previstas no Plano Decenal este perfil poderá sofrer alterações. Fonte: CTGAS

14 UFdez/05jan/06 CE RN PB PE AL SE BA MG MS ES RJ SP PR SC RS PI MT 827,7 341,1 300, ,3 445,7 234, , , ,8 995, , ,3 734, , ,0 2,2 535,2 638,6 362,0 294, ,1 450,7 239, , , ,9 972, , ,3 675, , ,7 2,1 299,3 Total , ,3 VENDAS DE GÁS EM 2006 POR REGIÕES BRASILEIRAS Vendas de GN por estado brasileiro (em mil m 3 /dia) Vendas de GN por Regiões Brasileiras Fonte: CTGAS

15 MAPA DE GASODUTOS NO BRASIL Fonte: PETROBRAS São Paulo recebe GN a partir de três fontes distintas: Gás procedente da Bolívia (que cruza o Mato Grosso do Sul, o Estado de São Paulo, chegando até Rio Grande do Sul). Da rede que provem de Rio de Janeiro (Bacia de Campos) indo pelo Vale do Paraíba e chegando também a Guararema. Ainda tem-se uma pequena contribuição da Bacia de Santos (Poço de Merluza) aprox. 1 milhão de m 3 /dia chegando até Cubatão.

16 GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL SÃO PAULO Fonte: TBG

17 ÁREAS DE CONCESSÃO EM SÃO PAULO Área Sul: 93 Municípios Área Leste:177 Municípios Área Noroeste: 375 Municípios Fonte: CSPE

18 CONCESSIONÁRIA GÁS BRASILIANO Gás Brasiliano controlada (Grupo ENI). Contrato firmada 12/12/1999. Oferta de R$ 274,9 milhões 149% sobre o preço mínimo = 110 R$ milhões estabelecidos pela CSPE. CIDADES ATENDIDAS: Bilac Araçatuba: SDGN Araçatuba, entrada em operação : Janeiro de São Carlos-Descalvado-Porto Ferreira: SDGN São Carlo, entrada em operação: Janeiro de Boa Esperança do Sul-Araraquara:SDGN Araraquara, entrada em operação: Agosto de 2004 Fonte: Concessionária GBD

19 DEMANDA DE GÁS PELA CONCESSIONÁRIA GBD Volumes entregues em 2005 pela TBG (%) Volumes entregues em 2005 pela TBG EstadoCDLs % MSMS GÁS1,301.61, SP GÁS BRASILIANO COMGAS4,428.83, GÁS NATURAL REPLAN1, TRANSPETRO10,744.09, PRCOMPAGAS SCSCGAS1,294.51, RSSULGAS1,845.01, Total22, , Fonte: TBG

20 Vendas de Gas natural por distribuidoras - Marco de 2006 São Paulo Venda de Gás por Segmentos Março 2006 em miles de m 3 /dia DEMANDA DE GÁS PELA CONCESSIONÁRIA GBD Fonte: TBG

21 PLANO DE NEGOCIOS Sistema de Distribuicao City GateMunicipios Atendidos SDGN Aracatuba (*)BilacAracatuba SDGN ValparaisoValparaiso SDGN LinsLinsLins e Marilia SDGNIbitingaIbitingaIbitinga, Itápolis, Catanduva, São José do Rio Preto, Bebedouro e Colina. SDGN IacangaIacangaIacanga, Bauru, Agudos, Lençóis Paulista e Barra Bonita. SDGN Araraquara (**)Boa Esperanca do SulAraraquara, Matão, Luiz Antonio, Ribeirão Preto e Sertãozinho. SDGN São CarlosSão CarlosSão Carlos, Descalvado e Porto Ferreira. Sistemas de Distribuição (Previsão até 2014) (*) Sistemas em operação deste janeiro/2003 (**) Sistema com início de operação em agosto/2004 Fonte: Concessionária GBD

22 Volumes Distribuídos/ projetados ( ) Número de Consumidores projetados por Segmento PLANO DE NEGOCIOS Fonte: Concessionária GBD

23 Segmento Residencial-Individual Segmento Residencial-Medição Coletiva TARIFAS Fonte: Concessionária GBD Portaria CSPE Nº 401, de 31/01/2006 TARIFAS DE GÁS NATURAL CANALIZADO Área de Concessão - Gás Brasiliano Distribuidora S.A. Usuários dos segmentos Residencial - Medição Coletiva e Comercial : as tarifas terão desconto no período de 01/02/2006 com duração máxima até a publicação de nova Portaria.

24 Segmento Industrial - Pequeno Porte Consumo até ,00 m³/mês Segmento Industrial - Grande Porte Consumo superior a ,00 m³/mês TARIFAS Fonte: Concessionária GBD

25 Gás Natural para Uso Veicular Segmento Comercial TARIFAS Fonte: Concessionária GBD

26 LEGENDA Rede de Aço ETC Estação de Trans.f.de Custodia ECPxx/y Estação de Controle de pressão Mancha Urbana ETC-03 ECP-01/3 DN m. BILAC ARAÇATUBA RAMAL CITY GATE (BILAC) ARAÇATUBA SISTEMA DE DISTRIBUICAO: ARAÇATUBA REDE PRIMARIA Fonte: Concessionária GBD GÁS NA REGIÃO DE ARAÇATUBA

27 Pressões de Fornecimento Alta Pressão: > 7 bar Média Pressão: de 0,04 bar até 7 bar Baixa Pressão: abaixo de 0,04 bar 63 mm 90 mm 125 mm 180 mm 225 mm ECP Consumidor m Extensão (metros ) Legend a Polietileno Realizado A Realizar ETC SISTEMA DE DISTRIBUICAO: CIDADE ARAÇATUBA REDE PRIMÁRIA / SECUNDARIA GÁS NA REGIÃO DE ARAÇATUBA A rede de ramais já soma 35 quilômetros. Os dutos passam pelas avenidas Brasília, Pompeu de Toledo, Waldir Felizola de Morais e Praça Rui Barbosa, ruas Mem de Sá, Cândido Portinari, Paul Harris, Sumaré, Pará, São Marcos e Luiz Pereira Barreto. Fonte: Concessionária GBD

28 Número de Consumidores (jan03 a Jul04) Número de Consumidores (Jul04) CONSUMIDORES Fonte: Concessionária GBD

29 NÚMERO DE USUÁRIOS PROJETADOS (2009) CONSUMIDORES Fonte: Concessionária GBD

30 OBRIGADA...!


Carregar ppt "AVALIAÇÃO DA DEMANDA DO GÁS NA REGIÃO DE ARAÇATUBA TESORO ELENA DEL CARPIO HUAYLLAS Agosto 2006 PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS PIR (PEA-5730)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google