A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Perspectivas Interdisciplinares sobre a Cidade João Lima SantAnna Neto Universidade Estadual Paulista Depto de Geografia Laboratório de Climatologia Cidades.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Perspectivas Interdisciplinares sobre a Cidade João Lima SantAnna Neto Universidade Estadual Paulista Depto de Geografia Laboratório de Climatologia Cidades."— Transcrição da apresentação:

1 Perspectivas Interdisciplinares sobre a Cidade João Lima SantAnna Neto Universidade Estadual Paulista Depto de Geografia Laboratório de Climatologia Cidades Enfermas: encontros e desencontros do homem com seu ambiente. (diálogos possíveis entre a Climatologia, a Geografia Humana e a Arquitetura)

2 What is the city but the people ! (O que é a cidade senão a sua gente !) David Harvey

3 A cidade é o habitat da sociedade contemporânea A cidade representa o mais elevado grau de transformação da paisagem No Brasil mais de 80% da população vive em áreas urbanas Grande parte da população urbana habita ambientes inadequados e segregados Extensas áreas urbanas são afetadas por desastres naturais e antropogênicos, agravando o nível de vulnerabilidade social.

4 O clima como um indicador de qualidade de vida O clima se manifesta como processo de interferência no ambiente urbano: Como recurso natural (luz, calor, água, ventilação) Como indicador de sustentabilidade (conforto térmico, qualidade do ar, impactos meteóricos)

5 O processo de produção do espaço na configuração do clima urbano Lógica da expansão territorial urbana Estrutura e forma urbana Densidade de construção Verticalização Arborização e áreas verdes

6 Décadas População Urbana Rural Crescimento Demográfico de Presidente Prudente – 1920/2007

7 Densidade de Construção

8 Densidade Alta Densidade Baixa Densidade Média

9

10 Arborização

11 Qualidade Ambiental

12 ADEQUAÇÃO DA ARQUITETURA AOS CLIMAS

13 ARQUITETURA CLIMA QUENTE E SECO ALTA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA POSSIBILITAR DURANTE O DIA TEMPERATURAS INTERNAS ABAIXO DAS EXTERNAS E A NOITE ACIMA VENTILAÇÃO NÃO SERIA ÚTIL ADOTAR PARTIDOS ARQUITETÔNICOS QUE TENHAM INÉRCIA ELEVADA PEQUENAS ABERTURAS CONSTRUÇÕES COMPACTAS PARA POSSIBILITAR QUE MENORES SUPERFÍCIES FIQUEM EXPOSTAS TANTO A RADIAÇÃO QUANTO AO VENTO

14 CLIMA QUENTE E SECO CONJUNTO URBANO EDIFICAÇÕES AGLUTINADAS PARA FAZER SOMBRA UMAS AS OUTRAS CIRCULAÇÃO URBANA RUAS LARGAS COM DIREÇÃO ESTE-OESTE RUAS ESTREITAS COM DIREÇÃO NORTE-SUL PREVER PRAÇAS E DESVIOS PARA NÃO CANALIZAR VENTOS VEGETAÇÃO DEVE FUNCIONAR COMO BARREIRA AOS VENTOS – RETER POEIRA ESPAÇOS ABERTOS – ESPELHOS DE ÁGUA

15 CLIMA QUENTE E ÚMIDO POUCA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA PROTEGER DA RADIAÇÃO SOLAR DIRETA MAS NÃO FAZER DESTAS PROTEÇÕES OBSTÁCULOS AOS VENTO ARQUITETURA ADOTAR MATERIAIS ARQUITETÔNICOS QUE TENHAM INÉRCIA MÉDIA E LEVE (VEDOS PARA IMPEDIR A PARTE DO CALOR DA RADIAÇÃO SOLAR)

16 CLIMA QUENTE E ÚMIDO CONJUNTO URBANO A VEGETAÇÃO NÃO DEVE IMPEDIR A PASSAGEM DOS VENTOS AS EDIFICAÇÕES NOS LOTES DEVE PERMITIR QUE A VENTILAÇÃO ATINJA TODOS OS EDIFÍCIOS E POSSIBILITE A VENTILAÇÃO CRUZADA NOS SEUS INTERIORES CONSTRUÇÕES ALONGADAS NO SENTIDO PERPENDICULAR AO VENTO DOMINANTE RUAS LARGAS PERPENDICULARES A DIREÇÃO PREDOMINANTE DO VENTO QUADRAS DEVEM PERMITIR DISTÂNCIAS ENTRE AS EDIFICAÇÕES

17 CLIMAS QUENTES E CIRCULAÇÃO DE PEDESTRES PROTEGER DA RADIAÇÃO SOLAR DIRETA CAMINHOS SOMBREADOS COM VEGETAÇÃO, MARQUISES, TOLDOS REVESTIMENTO DO SOLO EVITAR MATERIAIS QUE REFLITAM A RADIAÇÃO SOLAR OU QUE TENHAM GRANDE PODER DE ARMAZENAR CALOR PINTURAS EXTERNAS DEVEM SER CLARAS – PARA QUE MENOS CALOR ATRAVESSE OS VEDOS

18

19 Conclusões O clima é um fenômeno físico (para a Climatologia e Meteorologia); um recurso natural (para a Arquitetura); e, uma construção social (para a Geografia) Deve ser tratado não apenas em suas manifestações dinâmicas, mas, também, na essência de seu caráter, como produtor de padrões e situações especiais que interagem no tempo social e no cotidiano dos indivíduos. O efeito dos tipos de tempo sobre um espaço urbano produzido de forma desigual gera problemas, de origem climática, também desiguais Assim, numa perspectiva interdisciplinar, o clima também pode se transformar em indicador de qualidade ambiental, de qualidade de vida e de exclusão social


Carregar ppt "Perspectivas Interdisciplinares sobre a Cidade João Lima SantAnna Neto Universidade Estadual Paulista Depto de Geografia Laboratório de Climatologia Cidades."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google